Morretes (PR): trem pela estrada da Serra do Mar

0

 

O trem serpenteia entre Mata Atlântica, Araucária, lagos e vales

“De casa também se Viaja” vai até o Sul do Brasil para relembrar um passeio 5 estrelas do Paraná: a rota ferroviária Curitiba- Morretes. História, sensações, encontro com paisagens fascinantes da Serra do Mar, além de informações que vão até os tempos dos primeiros desbravadores das estradas de ferro no Brasil, compõem o cenário desse passeio, imperdível, quando tudo voltar a ser um novo normal no turismo.

Com a autorização do Governo Federal para que os passeios de trem retornem ainda no primeiro semestre de 2020, a previsão é que em julho os trens retomem as atividades. Tudo indica que diariamente o trem Serra Verde Express partirá da rodoferroviária de Curitiba por volta das 8h 15, e, como antes, vai lentamente passando pela zona urbana até entrecortar às matas de Araucária, árvore símbolo do Paraná.  Curitiba fica para traz e um Paraná rural dará as boas-vindas aos passageiros da linha turística.

A área urbana de Curitiba fica para trás e uma paisagem  rural toma conta

Pinheiros, araucária, fazendas de criação de gado, vastos campos e pequenos povoamentos da região metropolitana, como Pinhais e Piraquara, além pequenos sítios e nascentes de rio como a do rio Iguaçu, d o tom inicial da viagem.

O chá mate é uma boa pedida no serviço de bordo para entrar no clima, até porque a estrada de ferro inaugurada em 1885, conta com três trechos: o primeiro trecho Paranaguá-Morretes, o segundo trecho Morretes- Túnel 13, e o último, do Túnel 13 a Curitiba, perfazendo um total de 108km. O trem turístico faz Curitiba – Morretes.

Penhascos de mais de 50m acima do nível do mar

A vegetação campestre fica no início da viagem, quando a locomotiva inicia entradas e saídas de túneis, em meio a uma das principais florestas de Mata Atlântica do país. Corredeiras, cachoeiras, montanhas à beira de pontes metálicas e penhascos a um nível de mais de 50m do nível do mar pela Serra do Mar podem ser fotografados no trajeto.

Vales e penhascos fazem do passeio uma agradável viagem turística

A Represa Caiguava é a primeira atração, seguida mais adiante da Represa do Rio Ipiranga, da cachoeira Véu de Noiva, do Santuário do Cadeado e da ponte São João, com 55m de altura, de onde se têm uma vista da região de Paranaguá e Morretes, além do Viaduto do Carvalho, onde a passagem por esse trecho provoca a sensação de estar suspenso tamanho o abismo.

Estações e ruínas conotam a grande obra de engenharia

No percurso é interessante observar as ruínas de estações, as casas dos operários, até mesmo um complexo de casas, clube e infraestrutrura de mais do século XIX tomada pelo mato e por pichações. Diante dos olhos resta curtir a história do Brasil e apreciar também belas paisagens.

Vale lembrar que durante a semana o trem para em diversas bifurcações por conta da prioridade de passagem dos trens de carga. O trajeto que era para ser feito em 3h30 chega a ganha mais 1h, porém o período a mais é compensado com a vista de encher os olhos do Parque Estadual do Marumbi.

Por mais 40 minutos a partir dali, o trem desce a Serra do Mar até chegar à cidade de Morretes. Na estação, o visitante é recebido por locais que vendem os famosos chips de banana com canela e açúcar ou salgada, além de biscoitos, mel e diversas guloseimas.

Os restaurantes da cidade esperam com um bom e tradicional barreado, prato típico da região. Após o almoço, a dica é flanar entre casarios colônias e lojinhas de artesanato, até chegar à igreja Matriz de Nossa Senhora do Porto.

Morretes é uma agradável surpresa

Curta a paisagem à beira do rio Nhundiaquara, da rua das Flores até chegar ao Marco Zero da cidade onde se tem uma bela vista dos principais restaurantes e pousadas à beira rio da cidade. Não deixe de clicar a famosa Ponte Velha, com mais de 100 anos e cenário para a novela da Rede Globo, o Astro. O momento é de tranquilidade e relaxamento. Caso queira estender um pouco mais na região, siga com destino a Antonina, cidade a poucos 35km de Morretes, fundada em 1714, e que preserva um centrinho histórico bem interessante, além de região portuária. Veja o talho da carne, a farmácia museu, o teatro municipal, além do conjunto arquitetônico e mirante da igreja.

Casarios colonias e  históricos

O passeio é uma agradável surpresa, quando o retorno a Curitiba é feito pela estrada turística da Graciosa. Caso seja em dia de forte neblina, a vista é prejudicada. Em dia de sol a estrada proporciona vista de penhascos, de montanhas e montes, com uma boa infraestrutura de mirantes e lojinhas.  Morretes e Antonina agradam os visitantes mais exigentes.

Dicas de viagem

Ponte metálica
Véu de Noiva

A empresa Serra Verde Express ainda não tem previsão de retorno das atividades, porém, realiza um trajeto extra aos sábados desde o dia 12 de junho. No site oficial da empresa há disponibilidade de pacotes contendo um passeio mais completo e cômodo com trem + almoço + city tour Morretes e Antonina + volta de Van pela estrada da Graciosa + transfer hotel. Nos finais de semana parte de Curitiba um trem de luxo, estilo Litorina. Há também disponibilidade de pacotes.

Procure fazer o passeio de trem Curitiba- Morretes em dias de sol e sentar do lado esquerdo do vagão, onde se concentram as principais atrações da estrada de ferro.

É possível descer na estação do Parque Estadual do Marumbi, onde o visitante poderá percorrer trilhas, corredeiras, escalada de paredões, ou seja, ecoturismo e de aventura. Consulte uma agência de viagem para incluir no roteiro a descida do trem e como poderá ser acompanhado por guias.

O trem parte da rodoferroviária de Curitiba às 8h15, impreterivelmente, e possui os vagões executivo, turístico e econômico. A diferença entre os três é o investimento, o serviço de bordo e a presença do guia. No econômico não possui nenhum serviço. O retorno de trem acontece às 15h da estação de Morretes.

Quem não o quiser voltar de trem tem a opção do retorno de ônibus, que é mais rápido (1h20min- Morretes x Curitiba) pela Autoestrada. Há também disponibilidade de retorno pela Estrada da Graciosa, mais interessante e bonito (1h40min – Morretes x Curitiba).

Consulte o restaurante antes de fechar o pacote contendo almoço. Em alguns deles servem de entrada bolinhos de siri e um tipo de peixe com camarão empanado. Logo após é servido o Barreado. Bebidas e sobremesas não entram no pacote.

Gastroterapia

Preparando o Barreado
Preparando o Barreado

Barreado, de origem açoriana com rituais de preparo de mais de 300 anos, é atribuído aos portugueses que vieram para o litoral do Paraná no século XVIII. O prato consiste em um ou mais tipos de carne bovina de segunda e magra, como a paleta, a maminha e o patinho, temperados com cebola, alho, toucinho de porco, pimenta-do-reino, muito louro e cominho, cozida por mais de 15h até quase que desmanchar. A carne é servida em panelinhas com o caldo e o próprio consumidor prepara a mistura acrescentando a farinha de mandioca. A mistura de consistência de um pirão é servida com arroz branco e banana da terra fatiada.

Siga nossas redes sociais: Insta      Facebook Silvio Oliveira       Tô no Mundo
Comentários