Mulheres sergipanas são protagonistas de exposição fotográfica

0
Pritty Reis lança exposição sobre os aspectos do corpo feminino na semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher (Foto: Pritty Reis)

Corpositivo. Esse é o tema da exposição gratuita da fotógrafa sergipana Pritty Reis, com abertura no dia 03 de março, às 10h, na Galeria J. Inácio, da Biblioteca Pública Epifânio Dória. A exposição faz parte da Mostra coletiva Mulher Infinito, realizada também com as artistas Mônica Flávia e Judie Canez, expondo a beleza do natural, de mulheres reais, que representam seus diversos segmentos sociais, e que rompem com as estruturas e padrões impostos por um ideal de beleza inexistente. O trabalho das 3 artistas foi selecionado pelo Edital de Premiação de Artes Visuais e Literatura, promovido pela Fundação de Cultura e Arte Aperipê – Funcap, através da Lei Aldir Blanc. Na ocasião, a cantora Verlayne Calieri irá fazer participação musical, e a exposição segue aberta à visitação agendada e gratuita até o dia 17 de março.

De acordo com Pritty Reis, a ideia surgiu a partir do termo Body positive (corpo positivo), utilizado com o intuito de ser positivo em relação ao seu corpo, e trazer a diversidade dos corpos como forma de desconstruir o padrão socialmente imposto aos corpos femininos ao longo dos séculos. “Eu tive uma ideia inicial de trabalhos que eu já faço com o feminino, e sobre o meu autoconhecimento, mas não sabia como focar, até o processo criativo fluir. E esse processo se deu através das mulheres que me inspiram, que me fortalecem de alguma maneira, que me ajudam a compreender o nosso corpo, são mulheres que estão passando ou passaram por uma experiência muito forte em relação ao corpo, tanto com relação a autoestima, ou processos como a gestação, por exemplo, processos naturais do corpo que a gente carrega”, pontuou a artista.

Na semana do dia internacional da mulher — 8 de março —, as obras das artistas visam destacar a produção não somente das artistas mulheres, mas chamar a atenção também para a discussão sobre os impactos que o corpo feminino sofre quando há a busca incessante pelo ideal de corpo desejado. A característica marcante da mostra é apresentar as diversas formas dos corpos e sua movimentação. “Eu quero muito que essa exposição ative o sensorial de cada pessoa, que o público se observe, se reconheça através do corpo em movimento, dos processos de cada uma através dessa representatividade, quero mostrar essas diferenças, essa aceitação. Essas mulheres que foram escolhidas são mulheres que já conhecem seus corpos e sabem lidar com eles, que passaram por esse processo de aceitação, e ainda estão em movimento”, concluiu.

A fotógrafa

Pritty Reis é fotógrafa e atuante na cena Audiovisual, com formação na Universidade Federal de Sergipe, tem como marca em seus trabalhos a cultura sergipana e ensaios no recorte social e femininos, sempre enaltecendo o estado de Sergipe e a diversidade. Entre seus trabalhos, expôs no Festival Sercine 2014 e na exposição coletiva ‘Experimente’, em 2016. Participou como assistente de fotografia do documentário ‘O corpo é meu’ (2014), e Fashion Film Preta Boho (2020), ambos dirigidos por Luciana Oliveira, e do curta infantil Clandestino (2017), dirigido por Baruch Blumberg. Em 2019, fez direção de fotografia no clipe da cantora sergipana Jaque Barroso feat. Radiola Jamaicana (PB), além de apresentar seu trabalho na Exposição Coletiva do Shopping Riomar- Viva Sergipe.

Fonte: Assessoria de Imprensa 

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais