Oficina de escrita acontece dia 9 de fevereiro em Aracaju

0
A oficina acontece dia 09 de fevereiro, das 9h às 17h, na Casa 10, sede do Grupo, que fica na Rua Ângela Maria Santana Ribeiro, 10, Inácio Barbosa (Foto: Divulgação)

Que tal acessar suas memórias imersas em águas profundas? Em parceria com o Grupo Caixa Cênica, a Oficina de escrita: memorialismo, baús e lampiões irá trabalhar o gênero que tem como característica a narrativa de histórias verídicas ou baseadas em fatos reais. A oficina acontece dia 09 de fevereiro, das 9h às 17h, na Casa 10, sede do Grupo, que fica na Rua Ângela Maria Santana Ribeiro, 10, Inácio Barbosa. As inscrições podem ser feitas através do e-mail: stefanni.marion@gmail.com. O vlor do investimento é de R$ 100,00 (cem reais).

Proposta

A oficina pretende trabalhar o memorialismo, que se distingue da biografia por ser uma escrita onde o autor não se atém a contar a vida de alguém em particular, mas sim narrar sua própria história de acordo com alguma lembrança pontual. O memorialismo é calcado na importante e longa tradição acadêmica. Este é, aliás, um gênero literário cuja influência Stefanni Marion julga central em sua obra e estudos, valendo-se da aproximação sempre pertinente de nomes do quilate de Bartolomeu Campos de Queirós, Carolina Maria de Jesus, Conceição Evaristo, Graciliano Ramos, Karl Ove Knausgård, Milton Hatoum, Sylvia Plath e Pedro Nava. Nesse sentido, o intuito desta narrativa é sedimentar esteticamente a vivência de eventos marcantes na vida dos escritores, resgatados pelo procedimento da rememoração, buscando a capacidade criativa de construção de novas experiências literárias. A oficina não tem intenção de formar memorialistas. O diferencial e desafio do projeto é que os alunos, após transcreverem uma memória emotiva, transformem esses textos em ficção. O intuito se valida, pelo viés da memória, em provocar/despertar nos participantes a prática da escrita.

 Sobre o ministrante

Stefanni Marion nasceu no vilarejo de pescadores Barra do Una (SP) em 1981. Autor dos livros Inventário (Patuá, 2014) e Temporário (Patuá, 2012). Antologista, idealizador e organizador de projetos literários, dentre eles destacam-se GOLPE: antologia-manifesto (Nosotros, 2017) e A TORRE: antologia de poesia confessional, cartas e diários íntimos (Castanha Mecânica, 2017). Atualmente vivencia imersão pelo Nordeste brasileiro para explorar barragens, colher histórias e realizar seu novo projeto literário.

Fonte: assessoria do evento 

Comentários