21 DE MARÇO. DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

0

A síndrome de Down foi descrita em 1866 por John Langdon Down. Este médico inglês descreveu as características da síndrome, que acabou sendo batizada com o seu nome. A Síndrome de Down é uma alteração genética, que ocorre durante a divisão celular do embrião. O indivíduo com Síndrome de Down possui 47 cromossomos (e não 46), sendo o cromossomo extra ligado ao par 21. Intimamente ligada a um excesso de material cromossômico, tem nítida relação com a idade dos pais. Quanto mais idosos eles forem maior a probabilidade de gerarem um filho com essa Síndrome, que vem necessariamente associada a um comprometimento intelectual e a uma hipotonia, a redução do tônus muscular. Não está vinculada a consanguinidade, isto é, laços de parentesco entre os pais.

O diagnóstico, em geral, é feito pelo pediatra ou médico que recebe a criança logo após o parto. Destacamos alguns aspectos clínicos mais frequentes em percentual de ocorrência: Comprometimento Intelectual (100%); Hipotonia muscular generalizada (99%); Fenda palpebral oblíqua (90%); Microcefalia (85%); Occipital achatado (80%); Hiperextensão articular (80%); Mãos largas, dedos curtos (70%); Baixa Estatura (60%); Cardiopatias congênitas (50%); Orelhas de implantação baixa (50%); Prega palmar transversa única (40%) e outras alterações. A criança com síndrome de Down é mais susceptível às infecções respiratórias. A hipotonia ligamentar pode propiciar uma condição de instabilidade entre as duas primeiras vértebras, não sendo indicados nestes casos atividades bruscas com o pescoço. São comuns problemas visuais e da glândula tireoide. A confirmação da síndrome é dada pelo exame do cariótipo (análise citogenética).

A criança que nasce com a Síndrome de Down deve ser vista sem preconceitos e sem comparações indevidas. Será importante o apoio da família quanto ao afeto, aceitação das diferenças e disposição para investir no melhor para que a potencialidade da criança apareça e cresça.

As crianças necessitam ser estimuladas precocemente com a ajuda de diversos profissionais especializados, tais como o fonoaudiólogo, o fisioterapeuta, o terapeuta ocupacional, que estimulam melhor desempenho e favorecem maiores oportunidades para o desenvolvimento dessas crianças. É importante salientar que não bastam as terapias em clínicas especializadas, é indispensável que os pais participem desse processo, seguindo as orientações dos profissionais, brincando em casa com seus filhos, permitindo-lhes que tenham estímulos visuais, táteis e auditivos, utilizando brinquedos de materiais concretos, sons, texturas, temperaturas e cores diferentes.

A criança com Síndrome de Down também deve começar a frequentar a escola de ensino regular na mesma idade que as demais crianças. Porém, normalmente, apresenta aprendizagem lenta, com déficit cognitivo leve, moderado ou severo (quando associado à outra patologia ou quando não recebeu estímulos adequados nos primeiros anos de vida). Antes de tudo, é necessário “encontrar” uma escola que tenha compromisso com o sistema inclusivo de ensino.  A escola que investe na busca de caminhos que propiciem a inclusão de “todos” os alunos no processo de aprendizagem. É uma escola que considera as características individuais do aluno tendo em vista a sua história de vida, suas dificuldades e, antes de tudo, suas potencialidades.

Para desenvolver todo seu potencial, a pessoa com síndrome de Down necessita de um trabalho de estimulação desde seu nascimento. Ela faz parte do universo da diversidade humana e tem muito a contribuir com sua forma de ser e sentir para o desenvolvimento de uma sociedade inclusiva.

CAMINHADA
No dia 21/03 próximo, uma QUARTA FEIRA, será realizada a  CAMINHADA no centro de Aracaju, partindo às 16 horas da Praça Olímpio Campos, em frente à Catedral Metropolitana, seguindo pela Rua Itabaianinha até a Rua São Cristóvão, dobrando no Calçadão da João Pessoa até a Praça Fausto Cardoso, na frente do Palácio Olímpio Campos.
O objetivo do dia é disseminar informações sobre a síndrome de Down e conscientizar a população sobre a importância da promoção do direito inerente às pessoas com síndrome de Down de desfrutar uma vida plena e digna, como membros ativos e valorizados em suas comunidades e na sociedade.

Na oportunidade serão vendidas camisetas com a marca da campanha ao preço de R$15,00. Sintam-se a vontade para adquiri-las!

Texto adaptado do site www.cidown.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários