A afronta do recesso

0

Entre as regalias da classe política a mais exagerada é o recesso parlamentar. Diferente do trabalhador, que labuta de sol a sol e o ano inteiro, os parlamentares registram presenças quatro dias por semana e tiram férias a cada seis meses. Pior é que muitos desses ‘come e dorme’ ainda dizem trabalhar demais. Coitados! É por absurdos como este que o povo decidiu ocupar as ruas do Brasil e execrar a classe política, exigindo mais respeito aos impostos pagos pelos cidadãos.

Quer maioria

O governador Jackson Barreto (PMDB) não descansa enquanto não reconquistar a maioria na Assembléia. Entrevistado ontem pelos jornalistas Jason Neto e Magna Santana, o peemedebista confirmou que está tentando atrair deputados para a base governista. Ele garante que exercendo a plenitude do governo será possível dividir espaços com deputados da oposição e, consequentemente, garantir a desejada maioria.

Luto

Morreu na madrugada de hoje a ex-delegada do Ministério da Educação em Sergipe, Maria Luíza Araújo Cardoso, 70 anos. Esposa de Francisco Batista Cardoso, ela deixa sete filhos, entre os quais o jornalista Marcos Cardoso, netos e bisnetos. O corpo está sendo velado no Osaf e o sepultamento acontecerá às 16h desta quinta-feira, no cemitério Santa Izabel, em Aracaju.

Labuta

Pesquisa do Instituto Avante Brasil mostra que 31% dos presos de Sergipe trabalham. Este percentual é o maior do Nordeste e o terceiro do país. Dos 3.756 reclusos em penitenciárias sergipanas, 1.164 têm alguma atividade.

Gordura

O governo do estado insiste em alegar não ter recursos para reajustar os salários dos servidores. Isso é uma meia verdade, pois enquanto alega falta de dinheiro o executivo mantém um grande número de cargos comissionados. Levantamento feito pelo IBGE no ano passado mostra que o governo sergipano possui 2.852 cargos em comissão, número superior a Alagoas, Piauí, Ceará, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Nas ruas

Jornalistas e radialistas sergipanos vão às ruas na próxima quarta-feira. Para protestar contra os baixos salários e exigir melhores condições de trabalho, os comunicadores realizarão um ato na rua João Pessoa, centro de Aracaju. Será a partir das 8h, em frente ao prédio da Caixa Econômica Federal.

Mãos à obra

O prefeito João Alves Filho (DEM) anuncia daqui a pouco uma série de obras em Aracaju. A solenidade vai acontecer no auditório do Centro Administrativo Prefeito Aloísio Campos. O demista também assinará um termo de cooperação técnica com o Sebrae visando beneficiar mil feirantes da capital.

Quer coversar

E por falar em João Alves, ele disse ontem que está disposto a conversar com os integrantes do ‘Movimento Não Pago’. Segundo o presidente da Câmara de Vereadores, Vinícius Porto (DEM), o prefeito afirmou que se o grupo tiver interesse em sentar com ele para discutir o preço da tarifa dos ônibus é só agendar a audiência. Então, tá!

Manifestação

O 5º Grito da Terra será lembrado hoje em Sergipe com uma grande manifestação de trabalhadores rurais. A expectativa dos organizadores é que mais de três mil camponeses participem em Aracaju da caminhada e do ato público em defesa de melhorias para o homem do campo.

Quebrado

O deputado federal Almeida Lima, que assumiu o comando do PTB de Sergipe, disse saber da existência de problemas no partido, que estaria quebrado financeiramente. Segundo Almeidinha, o PTB sergipano seguirá a orientação nacional e estará na base governista no plano nacional e estadual. Como o mundo dá voltas, né?

Do baú político

O blog volta a se socorrer com o jornalista Luiz Eduardo Costa. Ele conta que “quando o ex-governador de Sergipe Seixas Dória era transportado preso para Salvador, por volta das cinco da manhã, o jeep que o conduzia chega ao posto fiscal na divisa, em Cristinápolis. Naquele tempo, havia nos postos uma corrente que era baixada por um funcionário do Fisco todas as vezes que passavam os raros veículos. Dos caminhões, ele cobrava os impostos. Ao aproximar-se, o servidor público sonolento avistou Seixas, que estava no banco traseiro entre dois soldados. Começou a fazer um relatório do seu trabalho e aproveitou a oportunidade para lembrar ao governador de um pedido de remoção que lhe fizera anteriormente. Seixas ouviu e respondeu: ‘Como você está vendo, agora vai ser difícil atender ao seu pedido’. O funcionário não entendeu nada”.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários