A ARTE E AS PECULIARIDADES DA OBRA HAMLET DE “WILLIAM SHAKESPEARE”

0

Edla Tuane Monteiro Andrade
Graduanda em História Licenciatura UFS. 
Bolsista do Programa de Educação Tutorial/PET. 
E-mail: edlatuanemonteiro@gmail.com.

Histórias como a de Hamlet são eternas até hoje. Vista à capacidade de se pensar a razão, a morte e a loucura, unidas estas a um desfecho surpreendente enredado pelo universo teatral e artístico de William Shakespeare. A arte e o rebuscamento na sua forma de pensar os personagens provocam a individualização e a eternidade destes. Mas, é no uso da arte do palco que cada palavra escrita torna-se viva. Na expressão peculiar, complexa e misteriosa de sua obra Hamlet (Universo dos Livros, 2007), o autor fundi-se a detalhes que requerem sensibilidade e erudição. Assim, como pensar uma obra escrita em 1599 e 1601 que ainda no século XXI produz tamanho questionamento e curiosidade? Ou ainda pensar como frases citadas em seu livro como “Ser ou não ser? Eis a questão?” (p.83) são conhecidas e faladas por pessoas que nunca leram a obra? Isto é Shakespeare.

William Shakespeare foi um dramaturgo inglês que nasceu em Straford-upon-Avon no ano de 1564.  Passam-se alguns anos até que William entre 1585 e 1592 comece sua carreira em Londres como ator, escritor, e principalmente como um dos proprietários da Companhia de teatro inglesa conhecida por Lord Chamberlain’s Men, entretanto depois passará a ser chamada de King’s Men. Com o progresso de sua carreira, Shakespeare produziu suas obras basicamente entre 1590 e 1613. Assim, com a sua grande riqueza de abordagens desde o sombrio ao divertido ou cômico, ele trabalha diferentes gêneros literários como a tragédia, drama, comédia, poesia e romance. Consagrado por obras de sucesso como o romance Romeu e Julieta e ainda também a tragédia Macbeth.

Entretanto o seu Magnum Opus, ou seja, sua grande obra é Hamlet. Esta obra firma e define Shakespeare, pois é neste período que sua carreira encontra-se no auge. O enredo da peça tingi-se de diferentes aspectos e temas que de certo modo são abordados de forma ousada e engenhosa pelo autor ao utilizar-se de um recurso em que coloca o “teatro dentro do teatro” como estratégia para entender a consciência humana. Sendo assim, obras que abordam temas reflexivos e contestatórios como no caso do livro Dom Casmurro de Machado de Assis, exige mais de uma leitura para se entender o subentendido, porque geralmente algumas minúcias são desapercebidas pelo leitor. Hamlet é um livro deste tipo, mesmo sendo curto e sem muita ação, trabalha com várias subtramas, isso é perceptível no personagem do príncipe Hamlet.

A obra divide-se em cinco atos entrelaçados por várias cenas e diferentes cenários. Na trama mais famosa de Shakespeare o enredo começa com a descoberta de quem foi o assassino e termina com a vingança de Hamlet. Shakespeare coloca-nos diante de diferentes reflexões do jovem príncipe Hamlet. Logo, a obra é considerada o drama da consciência. Eis a questão, vingar ou não o pai é o dilema do príncipe. No decorrer da peça em vários episódios Hamlet questionara a morte, a traição, a razão e o verdadeiro sentido da memória quando fala “enquanto a memória tiver lugar neste globo imprudente, lembrarei de ti. Que apenas teu mandamento viva no livro e no volume do meu cérebro” (p.43). Por isso, a dicotomia é um dos detalhes chaves para a leitura da peça: a construção da verdade para com a mentira, ação e palavra, a traição e fidelidade, pai e filho, a loucura simulada e a loucura verdadeira, o assassinato e sua encenação, a própria peça dentro da peça, ser cristã ou não ser. Dualidade está primordial para entender o universo shakespeariano.

O livro é um verdadeiro clássico como todo seu mistério e suspense tem um desfecho surpreendente com a morte de todos do reinado. A obra pode ser utilizada para professores, pesquisadores, graduandos de diferentes áreas devido à abrangência dada por Shakespeare ao trabalhar, religião, literatura, arte e até psicologia. Seu livro é usado como espelho para a construção de outras obras. Assim, como explicar a eternidade desde autor, que mesmo póstumo deixou uma grandiosidade de reflexões e questionamentos sobre a consciência humana?

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários