A bola e o “bolo”

0

Domingo passado, enquanto a bola saltava rapidamente, de um lado para outro, obedecendo às jogadas vislumbrantes dos dois tenistas que disputavam a finalíssima da Copa Petrobras de Tênis, série latino-americana do Torneio Chellenger, nos bastidores acontecia uma disputa, pouco esportiva, de autoritarismo, ressentimentos e politicagem desregrada, que não interessava a um público que vibrava com as sacadas potentes e arremates emocionantes dos dois atletas. Na quadra uma disputa limpa, suada, ética e competitiva. Nos bastidores, algumas jogadas desleais, desrespeitosas e provocativas. Quem estava na quadra não sabia o que ocorria ao lado, o que foi bom, porque evitou chegar ao publico saques de estupidez, desequilíbrio e falta de esportividade política. Foi uma loucura que, no final, realmente passou despercebido por uma multidão que assistiu o equatoriano Nicolas Lapentti ser o campeão do torneio e receber o troféu das mãos do governador João Alves Filho (PFL), sob aplausos efusivos.

 

No acerto com o pessoal da Federação de Tênis ficou estabelecido, através de entendimento com o secretário de Comunicação, Carlos Batalha, que a marca do Governo de Sergipe seria colocada em todas as quadras que acontecessem a Copa Petrobras de Tênis, porque o Estado, além de sediar o evento, gastou o equivalente a 150 mil reais para iluminação e adaptação a um torneio de nível internacional. Só depois de iniciado os jogos é que se percebeu que não havia a presença de qualquer participação do Estado na Copa, como fora combinado antes, o que provocou uma reação da Comunicação, que exigiu a colocação da marca do governo, como um dos organizadores do torneio internacional de tênis. Na televisão, as chamadas publicitárias para a Copa diziam que ela estava acontecendo na avenida Santos Dumont e isso provocou uma presença tímida de pessoas nas arquibancadas, porque pouca gente sabe onde fica a tal avenida. Só depois que o Governo fez a publicidade de que o torneio era na orla de Atalaia, foi que o público compareceu em massa.

 

Quando se colocou avenida Santos Dumont o objetivo era evitar o nome “orla”, o que poderia vincular o evento ao governador João Alves Filho. 

 

Na sexta-feira, João Alves Filho foi convidado pelo presidente da Federação Sergipana de Tênis e pela empresa organizadora do evento, para entregar o troféu ao vencedor da Copa Petrobras de Tênis. No domingo pela manhã estava lá. O presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, ao saber da participação do governador, comunicou à empresa organizadora, que não permitia que João Alves fizesse a entrega do troféu e discursasse. Sem jeito, o cidadão procurou informar a proibição imposta pelo presidente da Petrobras. A reação foi imediata: “sou o governador do Estado e vou entregar o troféu, além de anunciar a edificação de uma estrutura permanente de esporte na terceira etapa da orla”, rebateu João Alves Filho. Levaram isso a José Eduardo e ele ameaçou não pagar o patrocínio. Houve xingamentos, reações, um pequeno tumulto e no final uma assessora da Petrobras sugeriu que o governador entregasse a medalha ao vencedor, enquanto o sistema de som anunciava o projeto esportivo do Governo.

 

Quando o governador desceu houve um início de vaias, sufocado por um grupo que estava nas arquibancadas. Quando foi anunciada a construção de quadras para competições de modalidades, em especial circuito de tênis internacional, aconteceram os aplausos. José Eduardo Dutra também foi vaiado ao entregar o troféu ao segundo colocado.      

 

Na realidade tudo isso é um despreparo. Não se está em campanha eleitoral e nem se pode fazer política com ódio e ressentimentos. O governador João Alves Filho e o prefeito Marcelo Déda (PT), por exemplo, conversam naturalmente quando se encontram e até brinca, embora sejam adversários duros nas disputas eleitorais. Isso é civilidade, onde o relacionamento pessoal supera as divergências políticas naturais. Sergipe é um bom produtor de petróleo a Petrobras paga os royalties e os dois cumprem o seu papel para com o Estado e a sociedade. Transformar tendências políticas em ranços pessoais é característica de mau político. Afinal de contas, as eleições de 2002 já foram superadas e é tempo de José Eduardo Dutra assimilar o resultado das urnas.

 

É assim que se faz democracia…

 

INFLAÇÃO

O governador João Alves Filho (PFL) disse, no jantar com secretários de Comunicação, que o Governo Federal sofre de “crescimetrofobia”.

Segundo João, “venderam essa idéia de que crescer dá inflação”. E continuou: “isso é balela que o Governo Federal empurrou goela adentro da população”.

 

IDÊNTICO

João Alves Filho espanta-se porque o Governo, cujos membros lutaram tanto no combate ao Governo anterior, está praticando a mesma coisa.

Disse que ficou estarrecido com a frase do ministro do Desenvolvimento Industrial e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan: “O Brasil se transformou no aluno mais aplicado do FMI”.

 

IMAGEM

João Alves Filho reconhece que o PFL tem que vender, a partir de agora, uma imagem nova para o Brasil.

“Nós temos que mostrar os altos juros que a sociedade está pagando, enquanto os banqueiros são intocáveis”, disse ele.

 

REASSUME

A senadora Maria do Carmo Alves (PFL) retorna ao Senado Federal dia 22 próximo e permanece por um período mais longo.

Maria do Carmo volta à Secretaria do Combate à Pobreza no próximo ano. Em seu lugar assume o suplente Carlos Alberto Oliveira.

 

RETORNO

O refeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), retorna amanhã da Holanda, onde se encontra desde a semana passada. Foi verificar o processo de reciclagem do lixo naquele país.

A partir do dia 15, Marcelo Déda inicia os contatos para formação da equipe que vai administrar com ele no segundo mandato.

 

REELEIÇÃO

O prefeito Marcelo Déda integra o grupo da cúpula do PT que ainda acha muito cedo falar em reeleição presidencial. Faz coro com o presidente do partido, José Genoino.

“O momento agora é, sobretudo, para refletir e avaliar o fenômeno que foi a nacionalização do PT”, diz o prefeito sergipano.

 

PROIBIÇÃO

O juiz federal Edmilson Pimenta, da 3ª Vara de Sergipe, proibiu, ontem, a realização das audiências para transposição das águas do rio São Francisco em todo o Brasil.

Proibiu também que a Agência Nacional de Águas (ANA) conceda outorga ao Governo Federal e que o Ministério da Integração nacional realize licitação.

 

IBAMA

Por ordem judicial, foi suspensa a audiência pública que o Ibama realizaria ontem em Salvador, para licenciamento da obra de transposição do rio São Francisco.

Os deputados Augusto Bezerra e Arnaldo Bispo, que estavam em Salvador para protestar contra a transposição, retornaram ontem mesmo a Sergipe.

 

ENCONTRO

Os 19 vereadores eleitos e reeleitos almoçaram ontem, em um restaurante da Coroa do Meio, a convite do presidente Sérgio Góes (PL)

Foi distribuído o regimento interno a lei organiza e três deputados fizeram discursos. A conta foi paga por todos eles.

 

FÁBIO

O radialista Fábio Henrique, vereador eleito, avisou aos colegas que não usaria o programa para policiar o voto de ninguém.

Em tom de brincadeira, o vereador Daniel Fortes foi o único que anunciou sua candidatura a presidente da Câmara. Mais ninguém se manifestou.

 

CONVERSA

O deputado federal Heleno Silva (PL) vai se reunir com o ex-governador Albano Franco (PSDB), sexta-feira, para tratar de um futuro ingresso dele no Partido Liberal.

Heleno Silva vê possibilidade de Albano Franco e seu grupo filiar-se ao partido liberal, que continuará sob o comando do deputado em Sergipe.

 

RODOVIA

Heleno Silva esteve ontem com o presidente do TCU, Guilherme Palmeira, para tratar da recuperação do trecho da BR-101, que vai do acesso a Aracaju à entrada de Itabaiana.

Guilherme Palmeira disse que iria priorizar a recuperação, mas os advogados pediram vistas do processo. Se devolverem até sexta-feira, pode ir à votação ainda este ano.

 

GUIMARÃES

O superintendente do Sebrae, José Guimarães (PSDB), defendeu ontem que o grupo de Albano Franco e o de Almeida Lima se unissem no ninho tucano.

Guimarães, que pretende disputar uma vaga na Câmara Federal, diz que não vê razão para essas lideranças não se entenderem.

 

DEFESA

Lideranças que integram a aliança de apoio ao prefeito Marcelo Déda (PT) já defendem o nome de Jerônimo Reis como candidato a vice-governador em 2006.

O objetivo é eleitoral: querem evitar que Jerônimo ou o filho, Sérgio Reis, saia candidato a uma vaga na Câmara Federal, porque atrapalharia o projeto de dois deles.

 

 

Notas

 

MORADIA

O deputado Mardoqueu Bodano (PL) preocupa-se com os déficits habitacionais, que vêm crescendo não só nas regiões Sudeste e Sul, mas especialmente no Nordeste. Segundo o parlamentar, em Sergipe os números são preocupantes, uma vez que quase 87 mil famílias ainda não possuem moradia e vive o drama do aluguel.

O déficit de moradias, igual a 6,6 milhões em 2003, se aproxima dos 7,2 milhões este ano. A situação é piora no Norte e Nordeste, onde o déficit é maior e o acesso ao crédito é menor, o que limita mudanças em curto prazo.

 

TIRADENTES

O reitor da Universidade Tiradentes (Unit), Jouberto Uchoa, não vai ceder o auditório da Unit para realização da audiência pública para aprovação da transposição do São Francisco, marcada para dia 12 em Aracaju. Uchoa disse que recebeu solicitação de uma multinacional, que não revelou o objetivo da reunião.

Assim que tomou conhecimento de que a reunião era para aprovar a transposição, Uchoa devolveu o dinheiro da locação do auditório. Ele que a revitalização: “Nós não podemos transpor a miséria para o resto do Nordeste”.


LIBERAIS.

O deputado Heleno Silva (PL) revelou que convidou o seu colega Bosco Costa (PSDB) para ingressa em seu partido. Acrescentou que não faz qualquer objeção à vinda de Albano Franco, “só não vou aceitar que os entendimentos sejam feitos por cima, sem que eu tome sequer conhecimento do que está acontecendo”.

Heleno disse que organizou o PL, “que era um nada em Sergipe”, e hoje tem prefeitos, vereadores, deputados estadual e federal. Diz que não vai entregar tudo isso a ninguém e, “se vier por cima, atropelando, eu deixarei o PL”.

 

 

É fogo

 

Alguns secretários de Comunicação que vieram para o encontro em Aracaju só retornaram ontem às suas cidades.

 

O jornalista Milton Alves será o patrono da turma de Comunicação Social da UFS. A colação de grau será sábado no Emes.

 

O ex-prefeito de Lagarto, Jerônimo Reis, esteve em Recife e João Pessoa, tentando contratar jogadores para o Lagartense.

 

Jerônimo Reis agora é o presidente do Lagartense e pretende torná-lo competitivo na disputa pelo campeonato do próximo ano.

 

As conversações se intensificam para formação da mesa diretora da Câmara Municipal de Aracaju.

 

Segundo um dos vereadores eleito, o prefeito Marcelo Déda (PT) vai trabalhar para fazer a vereadora Conceição Vieira.

 

O radialista Fábio Henrique (PDT) avisa que pretende confundir a profissão com o mandato de vereador que passará a exercer a partir de fevereiro.

 

O vereador eleito Fábio Henrique tem visitado a periferia de Aracaju e alguns municípios. Praticamente mantém a campanha.

 

O secretário da Saúde, Eduardo Amorim, alicerça sua campanha à Câmara Federal. A expectativa é que o PFL eleja três parlamentares federais.

 

O prefeito eleito de Estância, Ivan Leite (PSDB) vai começar o mês de janeiro com muitos pepinos deixados pelo atual prefeito Jovani Bento.

 

Outro fornecedor entrou com pedido de falência contra a Vasp: a indústria gráfica Policromo, que diz ter uma dívida a receber no valor de R$ 41,5 mil.

 

O BNDES aprovou, depois da primeira reunião com a nova diretoria, uma linha de crédito para a produção do biodíesel.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários