“A CASA DE GARCIA”

0

Capa do livro de Henrique Batista
O médico Henrique Batista, membro da Academia Sergipana de Medicina, lançou no último dia 14 de maio, o livro  “História da Medicina em Sergipe”. Trata-se de uma obra singular, que situa a medicina de Sergipe num período efervescente, segundo ele iniciado com a inauguração do Hospital de Cirurgia em 1926 e  concluído com a fundação da Faculdade de Medicina de Sergipe em 1961. Sem dúvida, dois momentos mágicos. O primeiro, implanta no estado uma medicina  científica, cuidadosa, técnica, amparada nos conceitos mais modernos da prática hipocrática, trazida a Sergipe pelas mãos do cirurgião Augusto Leite, após concluir sua formação em Paris. O outro é a realização de um sonho do próprio Augusto e de outros esculápios, como Garcia Moreno e Juliano Simões, com a fundação da primeira e única, até então, Faculdade de Medicina, isso graças ao estoicismo,  determinação e inteligência do médico  Antonio Garcia Filho, maior responsável pela existencia de uma escola médica em Sergipe.

Se o Hospital de Cirurgia é a “Casa de Augusto”, a Faculdade de Medicina é a “Casa de Garcia”. Os paulistas agiram muito bem ao reconhecer o mérito do médico e professor Arnaldo Vieira de Carvalho. Cirurgião dos mais renomados de sua época, ele foi incumbido pelo então presidente do Estado, Rodrigues Alves, de implantar o ensino médico no Estado de São Paulo. Criada pela Lei 1.357, em dezembro de 1912, a Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo (atual Faculdade de Medicina da USP) começou suas atividades após sua regulamentação em janeiro de 1913. Por isso, a Faculdade de Medicina da USP é conhecida carinhosamente por todos como a “Casa de Arnaldo”.

Curiosamente, foi Antonio Garcia quem propôs à Mesa Diretora do Hospital de Cirurgia a denominação de “Hospital de Clínicas Dr.Augusto Leite” para o nosocômio,  como forma de apaziguar os ânimos de grupos que resistiam à incorporação da unidade à Fundação do Ensino Médico de Sergipe. Criada pela Decreto 681, de 19 de junho de 1962, assinado pelo governador Luiz Garcia, a entidade era fruto da fusão do Hospital de Cirurgia com a Sociedade Civil Faculdade de Medicina de Sergipe e que além das duas instituições já citadas, contava ainda com a Casa Maternal “Amélia Leite”, a Escola de Auxiliares de Enfermagem, o Centro de Estudos, o Centro de Puericultura e o Instituto de Pesquisa e Medicina Experimental. A proposta dele foi aceita, a fundação porém teve vida efêmera, mas mesmo assim o Hospital foi peça fundamental para o desenvolvimento do ensino médico em Sergipe durante anos, até a instalação do Hospital Universitário no Campus da Saúde com a incorporação do Hospital Sanatório à UFS. Se as vaidades fossem menores, os espíritos mais desarmados e o reconhecimento prevalecesse, a Faculdade de Medicina de Sergipe seria inegavelmente a “Casa de Garcia”.

Quem lê o livro de Henrique, como Samarone o fez, percebe claramente esta verdade, que alguns ainda ainda resistem em aceitar. Ao descrever esse período marcante da medicina sergipana, o autor traz uma enorme contribuição para o resgate da história, ao incluir nomes e instituições quem foram importantes para o desenvolvimento das ciências médicas em nosso Estado. Com ampla pesquisa de campo, o livro “História da Medicina em Sergipe” chega para se somar a outras obras de grande valor, como “As Febres do Aracaju: dos Miasmas aos Micróbios”, do professor e acadêmico Antonio Samarone. Nada mais oportuno este lançamento, quando a  Sociedade Médica de Sergipe comemora seu 70º aniversário, entidade fundada em 1937, portanto dentro do período de ouro da nossa Medicina.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais