A coragem sob ataque

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Leia abaixo o poema "If" (Se), de Rudyard Kipling, em tradução de Guilherme de Almeida (FSP).          

Se

Se és capaz de manter a tua calma quando
Todo o mundo ao teu redor já a perdeu e te culpa;
De crer em ti quando estão todos duvidando,
E para esses no entanto achar uma desculpa;
Se és capaz de esperar sem te desesperares,
Ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
E não parecer bom demais, nem pretensioso;

Se és capaz de pensar –sem que a isso só te atires,
De sonhar –sem fazer dos sonhos teus senhores.
Se encontrando a desgraça e o triunfo conseguires
Tratar da mesma forma a esses dois impostores;
Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas
Em armadilhas as verdades que disseste,
E as coisas, por que deste a vida, estraçalhadas,
E refazê-las com o bem pouco que te reste;

Se és capaz de arriscar numa única parada
Tudo quanto ganhaste em toda a tua vida,
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
Resignado, tornar ao ponto de partida;
De forçar coração, nervos, músculos, tudo
A dar seja o que for que neles ainda existe,
E a persistir assim quando, exaustos, contudo
Resta a vontade em ti que ainda ordena: "Persiste!";
Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes
E, entre reis, não perder a naturalidade,
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,
Se a todos podes ser de alguma utilidade,
E se és capaz de dar, segundo por segundo,
Ao minuto fatal todo o valor e brilho,
Tua é a terra com tudo o que existe no mundo
E o que mais –tu serás um homem, ó meu filho!

Esclarecimentos aos leitores
Na primeira pessoa: Quem conhece a minha história profissional sabe que fui galgando o espaço conquistado com muito trabalho e determinação. Aliás, do compromisso profissional não é preciso escrever para quem acompanha este espaço há dez anos que é atualizado ainda na madrugada.

Não comprei emissora de TV fechada e não paguei
Na última sexta-feira fui atacado numa emissora por alguém que passa por problemas e deseja jogar a culpa nos outros. Não comprei emissora de TV fechada e hoje, não sou eu que não cumpriu um contrato há vários meses e está sendo cobrado na Justiça por uma divida de cerca de meio milhão. Sem falar nas dividas com outros profissionais de uma emissora de rádio.

Escândalos e justiça
Como Albano bem diz “em Sergipe todo mundo se conhece”. É  a pura verdade e o próprio Albano sabe como teve que intervir para que um “amigo” não fosse preso com a prisão já decretada. Aliás, nunca tive meu nome envolvido em escândalos de caju, laranja ou outros. Por fim digo aos leitores e amigos que farei como sempre: agressões e acusações verbais são tratadas pela via dos homens de bem: a Justiça.

Solidariedade
Minha solidariedade a classe empresarial atacada sem o menor respeito. Aliás, o empresário Luciano Barreto, através da ASEOPP, sabe do relacionamento profissional respeitoso que temos e a amizade de alguns anos. Aliás, um homem que nunca pediu-me algo espúrio. Pelo contrário, tive (e tenho) posição política divergente da dele em vários momentos.

Herança e orgulho do sobrenome
Ao contrário de alguns, minha declaração de imposto de renda tem  tudo que adquiri num casamento de 28 anos e dois filhos que me orgulham muito. Um já independente financeiramente morando fora. Aliás, meus dois filhos têm orgulho do sobrenome Nunes e nunca pensaram em retirá-lo, ao contrário de outros. A herança que deixarei é essa, pautada na herança que recebi do velho Célio Nunes e dos meus avós, Júlia Canna Brasil e José Nunes da Silva. Por fim, assunto encerrado, vamos a Justiça, ela tarda, mas não falha.

Kakay em Aracaju
O mais requisitado advogado do país, Antônio Carlos de Almeida Castro, o KAKAY fará uma palestra em Sergipe na próxima sexta: 10/06. As 17h na sede da Caase-SE Caixa de Assistência dos Advogados de Sergipe. Sobre a AMPLA DEFESA. Em tempos de lava jato o auditório ficará pequeno para ouvir o advogado que defende as figuras mais importantes da república.

Em sigilo, “doutor” está sendo investigado na Emsurb. Conchavo com donos de feiras clandestinas
E o blog foi informado que o TCE e o MPE estão investigando uma denúncia grave: que na Emsurb tem um tal de “doutor..” que está deitando e rolando através de conchavo com os donos de feiras clandestinas. Indo de encontro a determinação do prefeito João Alves de padronizar todas as feiras.  Fala-se em fiscalização frouxa em troca de bancas gratuitas para explorar algumas feiras como a do peixe, na Semana Santa e eventos isolados em alguns bairros.  Até o prefeito já está sabendo da relação promiscua.

Vaga desembargador TJSE: 13 juízes aptos para vaga pelo critério de merecimento
O Tribunal de Justiça divulgou na última sexta-feira, a relação dos treze juízes candidatos inscritos no concurso de acesso ao cargo de Desembargador, pelo critério de merecimento, para preenchimento da vaga decorrente da aposentadoria do Desembargador Cláudio Dinart Deda Chagas.

Edital
O edital foi publicado no Diário Oficial da Justiça, para exame e eventual impugnação no prazo de 05 (cinco) dias, a contar da publicação deste no Diário da Justiça, os processos administrativos correspondentes aos requerimentos de inscrição, incluindo-se os relatórios individuais estatísticos de cada um dos magistrados requerentes, fornecidos pela Corregedoria-Geral de Justiça, tudo em cumprimento à Emenda Regimental nº 006/2008 e Resolução nº 106 do Conselho Nacional de Justiça.

Os nomes
Os treze magistrados que estão na disputa são: Maria Angélica França e Souza, João Hora Neto, José Pereira Neto, José Anselmo de Oliveira, Ana Lúcia Freire de Almeida dos Anjos, Maria da Conceição da Silva Santos, Bethzamara Rocha Macedo, Marcel de Castro Britto, Ana Bernadete Leite de Carvalho Andrade, Manoel Costa Neto, Áurea Corumba de Santana, Gardênia Carmelo Prado e Sérgio Menezes Lucas.

Forró Caju: MPE fez bem em apurar contrato. Foi um vereador de apoio ao prefeito que denunciou
O MPE está apurando o contrato da PMA com uma empresa que vai explorar o Forró Caju deste ano. Essa denúncia de Agamenon Sobral (vereador aliado do prefeito) sobre o pagamento de R$ 1 milhão feito por uma empresa à Prefeitura de Aracaju para organizar o Forró Caju precisa ser melhor explicada. Espera-se que em tempo de quadrilhas juninas não se tenha outros tipos de quadrilhas.

Juiz é acusado de agredir garçom em uma pizzaria
Infonet: O juiz de direito Cláudio Bahia Felicíssimo está sendo acusado de agredir um garçom de uma pizzaria, no bairro Suissa em Aracaju. A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) registrou a confusão em dois boletins de ocorrência, formalizados na madrugada deste domingo, 5. Conforme a assessoria da SSP, tanto o juiz quanto o garçom se declararam vítimas de agressões físicas. Veja matéria completa: https://.infonet.com.br/cidade/ler.asp?id=187231&pagina=1     Veja nesta edição também a Nota de Esclarecimento da Amase.

DER/SE: 67 anos contribuindo para o desenvolvimento de Sergipe
E hoje o Departamento Estadual de InfraEstrutura Rodoviária de Sergipe (DER/SE), completa 67 anos de existência. Um órgão

 que pouco aparece, mas é de fundamental importância para o desenvolvimento de Sergipe e tem um corpo técnico de alta qualidade. Nos últimos anos, no governo Déda teve papel importante na recuperação de rodovias, como a rota do Sertão. Vinculado a Secretaria de Infraestrutura, do secretário Valmor Barbosa o DER/SE é comandado há alguns anos pelo engenheiro Antônio Vasconcelos. Valmor e Vasconcelos fazem uma parceria salutar e fundamental para o bom andamento das obras do governo estadual.

Ricardo Amorim fará palestra em Aracaju amanhã,7
Quem estará em Aracaju amanha, 7, é o economista e apresentador do Programa Manhattan Connection, da Globo News, Ricardo Amorim. Ele irá proferir uma palestra no Teatro Tobias Barreto, a partir das 20h, sobre o tema ‘Prosperar na crise’. Os ingressos podem ser adquiridos no site do Sebrae (https://.se.sebrae.com.br) ou no ponto de venda instalado no primeiro piso do Shopping Riomar. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones 2106-7721/7766.

VII Circuito BNDES Musica Brasilis faz homenagem a Carlos Gomes
Série de espetáculos cênico-musicais em que a música clássica é contextualizada por roteiros teatrais, o VII Circuito BNDES Musica Brasilis – Viagens entre mundos, idealizado e dirigido pela cravista e pesquisadora Rosana Lanzelotte, fará em Aracaju, no dia 9 de junho, uma grande homenagem a Carlos Gomes. A apresentação acontecerá no Teatro Tobias Barreto, às 20h30. No palco, os músicos da Orquestra Sinfônica de Sergipe e Coro, o regente Guilherme Mannis, e as sopranos Rosana Lamosa e Nalini Menezes interpretarão obras do compositor, que ganhou o mundo com o sucesso de sua ópera “O Guarany”, baseada no romance de José de Alencar. Em paralelo, o ator Celso Jr. narrará trechos extraídos de cartas de Carlos Gomes e do livro “O Selvagem da Ópera”, de Rubem Fonseca.

Guilherme Mannis será homenageado pela Câmara Municipal de Aracaju
Neste mesmo dia e local, às 19h30, em cerimônia proposta pela Câmara de Vereadores de Aracaju através do vereador Bertulino Menezes, o diretor artístico da Orsse, Guilherme Mannis, receberá o título de cidadão aracajuano. Segundo o maestro, “Não há dia mais apropriado do que receber tal honraria no âmbito de uma homenagem a um de nossos ícones da música brasileira, Carlos Gomes. Antes de uma ação isolada, as vitórias de uma orquestra são coletivas, frutos do trabalho de muitos, inclusive de nossos compositores. Poder celebrá-las com o exitoso Música Brasilis é motivo de muito orgulho para nós”, frisou.

XXX Forró do Bota Estaca. É sábado, 11 de junho
E o tradicional Forró do Bota Estaca, do Clube de Engenharia de Sergipe será realizado no dia 11 de junho, a partir das 22h, com

 três atrações musicais. A festa terá bebidas e comidas inclusas. A festa promete! Ingressos pelo telefone: (79) 3021 – 07-37.

PELO TWITTER

www.twitter.com/ThalesBrandao  Quando entra um advogado na história – toda versão do crime é alterada. O diálogo da vítima é outro e a mentira reina no espaço jurídico.

www.twitter.com/JoseRaimundos  A picaretagem é muito grande, tem ladrão pra dar e vender!!!!!

www.twitter.com/revinhogama   O humor é uma forma de lembrar a todos os que sentam em tronos que, eles, na verdade, estão apenas sentados em cima da bunda…

www.twitter.com/malvados  Lição para o povo brasileiro, que segue perdendo direitos e conquistas históricas: o governo é provisório, mas o dano é permanente.

DO LEITOR

Será que a sociedade pagará essa conta?
E-mail do leitor Messias Gonçalves: “Parecer da PGE em 2014 – "veja que o querer do legislador está adstrita à ideia de manutenção dos vencimentos dos servidores, evitando a irredutibilidade dos mesmos, razão pela qual criou uma nova rubrica, a VPI, a ser pago nos casos em que haja necessidade de assegurar a irredutibilidade de vencimentos em virtude do enquadramento de que trata esta lei. Desconsiderar as vantagens pecuniárias destacadas na presente consulta é permitir que o servidor público tenha perda vencimental. ' – parecer de 2014. Dois anos depois, derrubam três pareceres e agora dizem expressamente :"Deste modo, de acordo com o atual posicionamento da Procuradoria, as vantagens pecuniárias de empresas públicas percebidas pelo servidor estatutário cedido a estas empresas, NÃO DEVERIAM TER SIDO INCORPORADAS na VPI, a não ser que tivessem a possibilidade legal de incorporação, pelo regramento anterior ".  Aonde fica a responsabilidade pelos atos, principalmente quando vem de encontro a uma questão de suma responsabilidade nas vidas das pessoas?  Porque então, ao invés de mudar a regra simplesmente, não mostrou ao governador a saída jurídica, que é acrescentar a gratificação em questão numa emenda a lei do PCCV? Qual juiz ou justiça, dará ganho a uma mudança desta?  O problema da administração pública é que quem provoca prejuízo não é o responsabilizado quando das decisões finais e sim os cofres públicos. Governador Jackson Barreto, se a medida é acrescentar a lei, apostamos na sua biografia política.”

NOTA ESCLARECIMENTO – AMASE

       A Associação dos Magistrados de Sergipe – AMASE – apresenta esta NOTA DE ESCLARECIMENTO acerca do episódio relativo à ocorrência policial envolvendo determinado Magistrado Sergipano.

        Antes de tudo, a AMASE reafirma sua confiança na idoneidade das instituições Sergipanas, em especial do Tribunal de Justiça de Sergipe e das Polícias Civil e Militar, de modo que tem a firme convicção de que a apuração dos fatos se dará com a mais absoluta correção e observância aos preceitos da ordem jurídica.

        Quanto às providências adotadas até o presente momento, a AMASE esclarece que as medidas cabíveis para o caso seriam a tomada dos depoimentos dos envolvidos, dos policiais condutores, bem como a emissão de guias para exames periciais, sendo todas elas efetivamente implementadas pela Autoridade Policial, que, após, submeteu a questão à Presidência do Egrégio Tribunal, em razão do que dispõe o art. 33, II, da Lei Complementar n.º 35/1979.

         No que concerne à suposta omissão de lavratura de auto de prisão em flagrante, conforme notícias dolosa e equivocadamente divulgadas em redes sociais, a AMASE esclarece que, ainda que não se tratasse de ocorrência envolvendo um Magistrado, não caberia no caso a lavratura do referido auto, uma vez que, pelo fato de as infrações penais noticiadas à Autoridade Policial serem consideradas pela lei como de menor potencial ofensivo, e em razão do disposto no art. 69, da Lei n.º 9.099/1995, nenhum cidadão brasileiro, nas mesmas circunstâncias, pode ser submetido à prisão em flagrante.

          Desse modo, é imperioso registrar que não houve omissão por parte do Delegado de Policial responsável pelo registro da ocorrência, que não dispensou ao Magistrado tratamento diverso do que é previsto em lei, o que revela a impropriedade de informações que divulgadas em redes sociais, de forma equivocada, por determinado servidor vinculado à Polícia Civil.

          A AMASE, como instituição que tem por escopo zelar pela defesa das garantias e prerrogativas da Magistratura e de seus Membros, e cumprindo suas obrigações estatutárias, prestará todo o auxílio ao Magistrado, o qual, nas declarações prestadas à Autoridade Policial, apresentou narrativa que difere da versão que vem sendo divulgada em sites de notícias e redes sociais. Desse modo, a AMASE continuará a disponibilizar a devida assistência pessoal e jurídica para acompanhamento do caso do seu Associado, bem como para que o direito constitucional de ampla defesa seja plenamente exercido por este.

         Outrossim, considerando a divulgação de fatos manifestamente inverídicos, inclusive atribuindo a conduta criminosa de prevaricação (art. 319, do Código Penal: “deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício” – suposta ausência de emissão de guias para exame, lavratura de auto de prisão em flagrante, etc) à Autoridade Policial que conduziu a ocorrência, a AMASE informa que provocará a Secretaria de Segurança Pública para que instaure procedimento destinado à apuração da eventual responsabilidade penal de determinado servidor vinculado à Policial Civil.

         Finalmente, a AMASE afirma que seu compromisso primeiro é com a preservação da Magistratura Sergipana, instituição reconhecidamente idônea e séria. Por essa razão, à Associação dos Magistrados de Sergipe, mais que a qualquer outra instituição, interessa a correta e completa apuração de todos os fatos, sem quaisquer distorções ou outras condutas impróprias que, adotadas sob o pretexto de infirmar, prestem desserviço à sociedade e às instituições Sergipanas.

          Aracaju, 5 de junho de 2016.

ANTÔNIO HENRIQUE DE ALMEIDA SANTOS
Presidente da AMASE

FERNANDO LUÍS LOPES DANTAS
Vice-Presidente da AMASE

ROBERTO ALCÂNTARA DE OLIVEIRA ARAÚJO
Vice-Presidente Secretário Geral

SÉRGIO MENEZES LUCAS
Vice-Presidente de Relações Institucionais

ROSA GEANE NASCIMENTO SANTOS
Vice-Presidente de Patrimônio e Finanças

ARTIGO

Aracaju, que saudade…   por Anderson Defon*

Os mais antigos, ao se depararem com as diferenças naturais entre as gerações, costumam fazer uso do bordão “No meu tempo…”. Desde que o prefeito João Alves assumiu a gestão municipal de Aracaju em janeiro de 2013, esse bordão foi democratizado. Do “alto” dos meus 28 anos, acompanho a minha geração não reconhecer mais a própria cidade, acompanho a minha geração se tornando saudosista.

Para além das transições tecnológicas, que remetem saudosismo ao MSN, Orkut, internet discada, entre outros, o jovem aracajuano sente saudade de enxergar sua cidade em processo de evolução. Sentimos saudades de transitar por Aracaju e constatar a frequente manutenção das vias, sentimos saudades das implantações de novas ciclovias, de uma programação cultural plural e democrática como o Projeto Verão, de ter Aracaju conhecida Brasil a fora como uma cidade limpa e organizada, de estarmos entre os melhores índices de qualidade de vida do país. A Aracaju da constante evolução, que criamos identidade em nossa adolescência, se acabou.

De 2013 até hoje, conseguimos piorar em tudo que podia ser piorado.

Nas escolas públicas municipais, se acabou o modelo da gestão democrática. Se retirou da comunidade a prerrogativa da escolha dos diretores das Escolas onde matriculam seus filhos. Ainda na educação, tivemos que lidar com um escândalo no começo da gestão onde estudantes estavam sendo barrados numa Escola Municipal por não estarem trajando o novo uniforme, que carregava o novo símbolo e as cores partidárias da nova gestão. Os dois hospitais municipais construídos nas gestões Déda/Edvaldo (Fernando Franco na Zona Sul e Nestor Piva na Zona Norte) revezam o seu mau funcionamento com as greves, sejam elas de médicos, enfermeiros ou demais categorias ligadas à saúde.

Enfrentamos nos últimos meses uma inédita série de paralisações do serviço de coleta de lixo, e passamos de cidade com fama de limpa e ordeira para um depósito de lixo que acumulava criadouros de ratos e baratas em cada esquina. Esquinas essas, por sua vez, esburacadas. As vias de Aracaju se dividem entre esburacadas e desniveladas, ou anda-se desviando dos buracos ou quicando sobre os “remendos”. Como democratizar problemas parece ser um traço característico dessa gestão, isso não se aplica apenas as vias de veículos. As calçadas e os calçadões do centro da cidade acumulam buracos e desníveis que deixam clara a falta de zelo com a via pública.

E quando o motorista achava que se aborreceria apenas com os buracos, percebemos que tudo pode piorar. Numa tentativa desesperada e quase infantil de se cumprir ao menos uma das promessas de campanha, subestimou-se a inteligência do povo quando se gastou R$ 7 milhões para se pintar uma faixa azul dividindo as vias. Subestima-se ainda mais a inteligência do povo quando uma gestão que não construiu um metro de ciclovia, não propôs nenhuma alternativa de transporte que tire a população dos seus carros para aderir a um modelo mais sustentável de transporte, quer vender a essa mesma população que diminuir o espaço por onde circularão o mesmo número de automóveis é uma solução de trânsito. O resultado não poderia ser outro: Aracaju não tem mais horário de pico, temos congestionamento durante todo o dia, para qualquer lado que se vá.

Das promessas de campanha, talvez o aparelhamento da Guarda Municipal de Aracaju seja o que mais se aproxima de algum traço de concretude. A GMA hoje cumpre o papel de braço repressor de uma gestão ineficiente e antipopular, vide que funcionou muito bem para reprimir truculentamente os trabalhadores da limpeza urbana e os manifestantes sem teto na sede da prefeitura, mas mostrou-se ineficaz para diminuir o número de arrombamentos às escolas públicas na capital. De janeiro a abril deste ano mais de 20 escolas foram arrombadas em Aracaju.

Não surpreende que alguém que ascendeu ao posto de prefeito pela primeira vez através do braço armado da ditadura queira ter sua própria força de repressão.

Mas nem por tudo pode se responsabilizar o prefeito João Alves. Por muitas vezes, o mesmo parece carregar um ar cansado de muitos anos de vida pública, e se vê impedido de largar um osso já muito ruído por aqueles que o cercam e se beneficiam do seu exercício de poder. O que não podemos permitir é que isso aconteça com a chancela do voto popular. O ano de 2016, com todas suas conturbações políticas, traz ao povo de Aracaju a dura tarefa da autocrítica.

Somos vítimas, hoje, dos engodos eleitorais vendidos em 2012. João não foi a solução. E a renovação da Câmara de vereadores, que deixou alguns otimistas, reforçou a ideia que renovação e evolução têm conceitos diferentes.

Que Aracaju reaja e demonstre maturidade política em 2016. Que minha geração que, apesar de jovem, já carrega nas costas a experiência de quem viu postos na prática dois modelos antagônicos de gestão, saiba deixar de lado o clubismo “Petralhas vs. Coxinhas” difundido nacionalmente e opte pelo que deu certo, pelo melhor projeto para Aracaju. Até porque, não há recado melhor para golpistas que reagir através do voto.

*militante do PT de Aracaju.

Blog no twitter: https://.twitter.com/BlogClaudioNun

Frase do Dia
"Todo ser arrogante é digno de dó, pois vive na hipocrisia de se sentir o máximo."
Moreira da Silva, compositor e cantor brasileiro, morreu em 06 de Junhode 2000. (n. 1902)

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários