A Demissão de Sulamita

0

Lisboa, 8 de junho de 2008

 

Caros amigos de Sergipe:

 

Ao saber que estou de lesco lesco com Leide Lívia, a periodista; Sulamita minha secretária bilingue e boazuda resolveu pediu demissão. Essa gente hoje em dia inventa de tudo pra não trabalhar.

Como não podia alegar ciúmes, disse que eu estou de caso com uma…ovelha e que não trabalha na casa de gente pervertida, pasmem os senhores!

Logo a Sulamita, grande apreciadora de sexo com legumes e cujo fetiche principal são as saliências com anões besuntados que tenho que importar regularmente da pequena Itabaianinha, ora pois!

Realmente eu estou criando uma ovelha no quintal da nossa morada. Chama-se Epifânia e, aqui pra nós, é linda de morrer. Mas daí a dizer que eu estou de caso com o gracioso animalzinho, é uma leviandade. Se estivesse aí na terrinha, contrataria o Roberto Jefferson e lhe sapecaria um processo por calúnia e difamação.

Outro argumento usado pela doidivanas é que está cansada de limpar “fragmentos de sêmen na tela da tv” segundo ela. O que se passa, de fato, é o seguinte: em certas noitadas de solidão, vendo o canal Sex Hot e, questão de educação, gosto de sincronizar o meu clímax com o do ator do filme, para que me possa melhor interagir com as maravilhas da minha LCD digital e fazer a atriz sentir que a sua atuação está agradando o telespectador. 

No dia seguinte, ao pegar no frasco de limpa vidros, Sulamita fazia aquela cara de santa do pau oco, típica das quarentonas do Nelson Rodrigues. Ora, vá te catar!

A grande verdade é que Sulamita, esta sim, é que é uma libertina. Ninfomaníaca e hiperorgástica, a outrora secretária bilíngüe e boazuda embora não esteja nem aí para os ensinamentos da Santa Madre Igreja Católica é adepta da velha máxima de São Francisco de Assis, “é dando que se recebe”. Bergamotas, creio. 

Era por isso que eu não me furtava em aproveitar tanta boa vontade e, sempre que possível, exercitava algumas das posições mais engenhosas do Kama Sutra como a perigosa “Provocando o Dragão de Duas Cabeças” ou a exótica “Meditando com Cenouras’. A messalina ia à loucura! Mas agora com o rompimento da nossa relação trabalhista-falo-procto-vaginiana, tudo isso é passado. Vamos em frente que o São João já tá chegando!

Acho que sábado que vem estarei aí em Sergipe para prestigiar a Sãojoada do meu amigo Paulo Lobo. Só privar da sobriedade de um Jorge Farone já vale a viagem.

Já que irei com Zenóbia vou aproveitar pra dançar um bocado no Forrocaju. A última vez que estive aí com a minha patroa sexagenária, achei de dançar com Zenóbia no show de Elba Ramalho. Pra que, meus amigos? A mulher parecia que tinha tomado um chá do Santo Daime. Se tremia toda e rebolava, como uma verdadeira Mulher Melancia, uma Popozuda dos bailes funks do Rio. Fizemos o maior sucesso e Zenóbia deu até entrevista para o programa do Bareta. 

Dessa vez vou pedir a ela um pouco de moderação. Uma notinha no Estação Agrícola já vai estar de bom tamanho.

Até semana que vem.

Um abraço do

Apolônio Lisboa.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários