A INDÚSTRIA DO VOTO

0

A sociedade acompanha estarrecida o que vem acontecendo nos porões dos podres poderes. As denuncias de corrupção se sucedem e chegam de tal forma que jogam todos na vala comum, sem oferecer exceção. Embora se tenha absoluta certeza que a política também se faz com homens sérios, depois dos escândalos expostos fica muito difícil fazer distinções do que é bom ou mal. Analisando friamente, todos os membros do Congresso Nacional, mesmo que uma boa parte não pratique o que está sendo exibido a público, sabem que o deputado federal Roberto Jefferson disse grandes e boas verdades. O que realmente provocou toda essa indignação é que fora praticada no governo do presidente Lula, que sempre levantou a bandeira da austeridade, honestidade e zelo com a coisa pública, através do Partido dos Trabalhadores. Todos esses escândalos são um tiro na esperança do povo brasileiro, porque parte de um cidadão que sofreu todas as conseqüências da estiagem, do êxodo rural, da fome e frio, para chegar à Presidência da República, sempre ocupada por uma elite dominante, que pouco fez para reduzir as desigualdades sociais.

 

Diz-se que o poder corrompe. No caso de Lula, ele embeveceu. Maravilhado com a força que detém, limitado nas condições de conduzir os rumos de um país, o ex-militante metalúrgico preferiu a representatividade do poder, que administrar o que pregava em todos os momentos que falou para a gente humilde do Brasil. Lula é a figura viajante da presidência, porque as políticas administrativa, financeira e de coalizão partidária parecem ter ficado em mãos espertas. Seria grosseria dizer que o PT prostituiu-se, porque atingiria muita gente que está incomodada com esse clima de abertura do favorecimento que avacalhou os projetos de uma reforma séria. Mas não se pode negar que parte da cúpula petista que assumiu o poder desfez a imagem de luta contra a corrupção, a bandalheira, o abuso do uso do dinheiro público e o avacalhamento dos compromissos políticos assumidos com a sociedade. Isso é absolutamente inegável e, logicamente, lamentável, porque a partir de agora é difícil acreditar em novos salvadores da pátria.

 

O que o ex-presidente nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), deputado federal Roberto Jefferson, denunciou amplamente, não é nenhuma novidade para quem vive nos meios políticos. O suborno é uma prática tão comum na vida brasileira, que nem se imaginava que fosse provocar tanta inquietação. A comissão se generalizou e não está apenas nos políticos, mas em qualquer segmento da sociedade que esteja a serviço da população. A corrupção também não é uma prática que se desconheça em áreas publicas e privadas. É um cancro que corrói as entranhas de todos os poderes, as vezes sem conhecimento ou participação de quem está no comando deles. Mas, presenciar um cidadão de vida pública boquiaberto com esse tipo de depravação financeira causa asco. Sinceramente, não existe santo nesse meio espúrio e ninguém faz nada pelo bem da pátria ou dos eleitores que o levaram ao poder. Até porque a maioria não vota com a intenção de melhorar o país. O faz por amizade, simpatia, parentesco, pelo modismo ou, o que está mais presente, pelo dinheiro que “destrói coisas belas”, como já disse Caetano.

 

Em toda essa podridão, não é só o político que tem culpa. O eleitor vota mal e uma grande parte dele o faz em troca de alimentos, pagamento de consumo de energia e água, por óculos, prótese dentária e dinheiro vivo, o tutu miserável que manda qualquer prurido ideológico às favas. Essa gente que negocia consciência é excluída da sociedade, mora nas vilas, favelas ou nas zonas rurais. Estes últimos são o retrato do que resta da seca inclemente que massacra o sertão. Essa gente é dominada pelos chamados cabos eleitorais que, através da miséria, conseguem faturar alto na venda de consciências. E isso leva uma representação a Brasília, também financiada por grandes empresas, que lucram alto com essa sucessão perniciosa de negócios escusos.

 

É por isso que não se faz nenhum projeto definitivo para reduzir a miséria e conscientizar essa gente humilde que vive de favores, porque é essa necessidade que elege os políticos, que não se sentem responsáveis por essa gente, porque comprou o mandato e pagou por ele. E é daí que se chega a esse lamaçal que envergonha a quem tem o mínimo de consciência política e amor ao seu país.

 

 

DÉDA

O prefeito Marcelo Déda (PT) vai permanecer mesmo em Aracaju. Quer concretizar o projeto político de disputar o governo do estado no próximo ano.

Com a saída de José Dirceu da Casa Civil, o nome de Marcelo Déda foi insistentemente citado como o seu substituto.

 

INFLUÊNCIA

Apesar de estar à frente de uma capital pequena do Nordeste, Marcelo Déda tem influência nas decisões do Governo Federal.

Nesses dias de crise ele está ligado em Brasília e esteve presente em todo o processo de afastamento de José Dirceu da Casa Civil.

 

FONTES

Entrevistado pela Folha, ontem, o deputado federal João Fontes (PDT) disse que vai continua com o seu mesmo estilo de críticas ao governo Lula.

Quer mostrar que “a quadrilha que me expulsou do PT é a mesma montada para deputados e sangrar os cofres públicos”

 

CABEÇA

Segundo João Fontes, o Governo tirou o cabeça do processo de negociação, mas não vai alterar muita coisa.

Acha que o deputado federal José Dirceu, que retorna quarta-feira à Câmara, terá muita dificuldade em se explicar.

 

ENTREVISTA

O deputado João Fontes, inclusive, foi entrevistado pelo personagem Dr. Krécio, do “Casseta e Planeta”, em frente ao Congresso Nacional.

João vai aparecer segurando uma grande ratoeira para pegar gabirus. Dirá que “o maior negócio do país é comprar deputados”. O programa vai ao ar nesta terça –feira.

 

ALMOÇO

O governador João Alves Filho (PFL) almoçou ontem com prefeitos da região Centro Sul, no parque Zezé Rocha, em Lagarto.

A informação é que ele não tratou de política. Apenas anotou uma reivindicação do ex-prefeito Jerônimo Reis e deve atende-la.

 

BOSCO

O deputado federal Bosco Costa (PSDB) revela que já foi insistente convidado para ingressar no PL, mas nunca lhe falaram em luvas e mensalão.

O que eles disseram, segundo Bosco Costa, foi que “se somavam conosco para viabilizar projetos para Sergipe”.

 

ENVERGONHADO

Bosco Costa confessou que está preocupado e “principalmente envergonhado”. Diz que o povo brasileiro tinha uma esperança muito grande no PT e em Lula.

Para o parlamentar tucano, hoje o sentimento das pessoas é de total arrependimento pelo voto que deu para eleger Lula presidente.

 

VERDADE

Bosco Costa também acha que o deputado federal Roberto Jefferson (PTB) falou a verdade quando depois na Comissão de Ética da Câmara.

E admite que a culpa dele foi não ter denunciado antes o recebimento dos 4 milhões de reais para distribuir com o partido no período eleitoral.

 

TUCANO

O pessoal ligado ao senador José Almeida Lima (PSDB) acha que ele não vai aceitar entendimentos com o grupo do ex-governador Albano Franco (PSDB).

Hoje reconhecem que Albano Franco desfez o discurso de que apoiaria o PT em Sergipe, ao declarar que topava formar chapa majoritária no PSDB.

 

PRESSÃO

As lideranças do Partido Liberal estão sendo pressionadas pelos deputados, em Brasília, porque estão levando a fama de que receberam o mensalão.

Os parlamentares da bancada liberal querem que os líderes sejam mais convincentes nessa discussão, para que não deixem dúvidas sobre o recebimento do mensalão.

 

CABEÇA

O deputado federal Heleno Silva (PL) reconhece que a única legenda que botou a cabeça para discutir com Roberto Jefferson foi o Partido Liberal.

Lembra que líderes do Partido Progressista e do Partido dos Trabalhadores não estavam presentes e deixaram de defender seus deputados.

 

SURPRESA

A informação chega de Brasília: o nome de um parlamentar sergipano vai aparecer, em pouco tempo, como um dos que recebem mensalão.

A fonte, inclusive, revelou o nome, mas pediu reservas por um tempo.Garantiu que a divulgação do nome vai causar uma grande surpresa. E decepção…

 

Notas

 

MENDONÇA

Não houve novidade na escolha do procurador Luiz Mendonça para assumir a vaga de desembargador, vaga com a morte de Fernando Franco. O seu nome constava na lista tríplice com o maior número de votos, o que praticamente definia a escolha, feita pelo governador João Alves Filho (PFL).

A Posse de Luiz Mendonça acontecera no dia primeiro de julho, no Palácio da Justiça. Mendonça diz que chega ao judiciário com disposição para trabalhar e pede que Deus o ilumine para que isso aconteça.

 

CRÍTICAS

A indicação de Luiz Mendonça provocou algumas críticas entre membros do Ministério Público, principalmente porque a lista sêxtupla e tríplice contavam o seu nome e de sua mulher, procuradora Cristina Mendonça. Quando Luiz deixou a Segurança é porque via chances reais de ser desembargador.

Na Secretaria de Segurança Pública, entretanto, ficou a expectativa a partir de agora, porque a cúpula que integra a pasta não acredita que Teonice continuará comandando o sistema de segurança do estado.

 

DUTRA

O presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra (PT) pode ser convocado para prestar informação sobre prejuízos causados à estatal, na Comissão de Serviços de Infra-Estrutura (CI), conforme requerimento do senador Heráclito Fortes (PFL-PI), que também quer ouvir o diretor de Gás e Energia, Ildo Sauer.

O convite tem a finalidade de esclarecer as informações prestadas por Ildo Sauer, que foram negadas pelo líder do PT e presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPI) dos Correios, senador Delcídio Amaral.

 

É fogo

 

A população está assistindo atenta à gravidade da crise que abala o país, com as denuncias de mensalão para alguns deputados.

 

Um deputado da bancada federal em Sergipe disse que, com certeza, pelo menos um dos parlamentares de Sergipe está na relação do mensalão.

 

Os aliados do senador José Almeida Lima (PDT) estão querendo que ele tome uma posição logo após se recuperar da crise hipertensiva.

 

A saída de José Dirceu da Casa Civil não reduz a desconfiança de que foi por iniciativa d presidente Lula da Silva.

 

Desde ontem que Aracaju vive em clima de festejos juninos, com a abertura do Forrocaju, que apresentações boas atrações.

 

O deputado federal Ivan Paixão (PPS) saiu em defesa do ministro da Integração, Ciro Góes, na denuncias sobre a escolha de empreiteiras para a obra de transposição.

 

O governador João Alves Filho (PFL) saiu satisfeito do encontro que teve em Belo Horizonte com governadores da Bacia do São Francisco.

 

O pessoal acredita que, com a presença de nomes que tenham peso político, haja um recuo n projeto do governo federal.

 

O governador João Alves Filho deu continuidade à maratona de inaugurações. Ontem foi a vez de municípios da região centro-sul.

 

A compra de roupas, tênis, brinquedos e óculos pirateados desviam 9 bilhões de reais por ano dos cofres públicos.

 

Os funcionários da Schincariol de Itu estão preocupados com o futuro da fábrica da cidade, que abriga a sede do grupo cervejeiros, com a prisão dos seus proprietários.

 

O mercado brasileiro de trabalho formal criou 212,450 mil vagas profissionais em maio, incrementando em 0,84% se contingente total de mão-de-obra.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários