A intervenção de Temer no Rio de Janeiro

0

Na sexta-feira passada, o povo brasileiro foi surpreendido com a noticia vinda de Brasília, segundo a qual o Presidente Michel Temer havia emitido um decreto, a ser publicado na tarde daquele mesmo dia no Diário Oficial da República, tratando da intervenção militar na Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, por conta do excesso de violência naquele rincão. Tão logo a noticia espalhou-se foi seguida de outra: por conta da intervenção estaria suspensa toda e qualquer votação no Congresso Nacional que significasse alteração na Constituição Federal. Em face disso, a Reforma da Previdência Social, cujo projeto estaria programado para começar a ser apreciado hoje, dia 19, a votação foi suspensa até uma próxima oportunidade. A intervenção de fato só começa prá valer a partir de hoje quando o decreto será apreciado pela Câmara e pelo Senado.  O interventor já está escolhido, é um militar, Braga Neto, Comandante Militar do Leste Brasileiro. Por que a intervenção militar no Rio de Janeiro? O governador Luiz Fernando Pezão teria perdido o controle das forças estaduais – polícia militar, polícia civil, etc. – para combater  as associações criminosas que já de algum tempo dominam o Estado do Rio de Janeiro. A criminalidade no Rio é tão intensa que virou um caso de segurança nacional e lembra os tempos em que os Estados Unidos enfrentaram o crime organizado nos anos 30. Essa intervenção caiu como uma luva nos interesses do Presidente Temer. Ao suspender a votação da Reforma da Previdência, foi ao encontro dos interesses do governo. Ora, Temer deveria estar sem dormir por conta desta votação. Ele entraria para a história não como um presidente reformista, como ele deseja, mas como o primeiro Presidente da República a perder de forma humilhante, uma votação na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, mesmo depois de esforços homéricos para lograr a aprovação. De fato, o governo já não sabe mesmo quanto gastou no pagamento de emendas parlamentares (só em emendas?) visando justamente a aprovação da Reforma. Ocorre que ele não conseguiu ainda os 308 votos necessários a sua aprovação, teria empacado em torno de 250 votos. Levar o projeto de Reforma à votação seria uma temeridade: perderia na certa. Os parlamentares que se recusam a votar o projeto de Reforma da Previdência não querem dar esse crédito de confiança a Temer porque ninguém sabe o que virá depois… Em suma, a Reforma da Previdência, como está no projeto ora em tramitação, não sai do lugar… Para Temer, a intervenção caiu como uma luva, embora o Palácio do Planalto garanta que vai suspender a intervenção, no dia em que ela for a votação… Como a intervenção militar acaba dia 21 de dezembro, pode ser que nos poucos dias antes do recesso do final de ano, a Reforma possa ir a votação…

Para “evitar um desastre maior”

Nas redes sociais, a maior propagadora de boatos neste País, fala-se que Temer cedeu a intervenção aos militares para evitar “um desastre maior”, ou seja, a sua própria queda. A ele teria sido dado um ultimatum: ou a intervenção ou a despedida do cargo. Coimo diria o meu velho e querido professor Francisco Portugal, “se non é vero…”

A quarta cesta básica mais barata do País

No acumulado dos últimos doze meses, nenhuma capital nordestina registrou incremento no preço da cesta básica. As maiores reduções foram verificadas em Salvador (-6,4%), São Luis (-4,2%) e  João Pessoa (-4,1). Seguiram Aracaju (-2,9%), Recife (-2,8%), Fortaleza (-1,8%) e Natal (-0,8%). A pesquisa não foi realizada em Maceió e Teresina, mas nas outras capitais houve expressivas elevações.  Além de registrar a quarta maior baixa acumulada do Nordeste, Aracaju tem a menor alta da região (+2,9%) em janeiro. No mês, os moradores da capital sergipana compraram os treze produtos da cesta básico ao preço médio de R$ 349,97. Segundo a pesquisa, o valor corresponde ao segundo menor preço da região Nordeste, atrás apenas do valor apurado em Salvador (R% 333,98). As variações mais expressivas em doze meses ocorreram no preço da banana (+12,1%) em Recife e tomate (+5,5%) e pão (+4,4%) em Salvador. As maiores retrações foram verificadas no preço do feijão (-43,8%) e da banana (-13,2%), ambos em Salvador e leite (+12,8%) em Recife.

Custo da Construção Civil

O custo da construção civil, medido por metro quadrado em Sergipe, no primeiro mês do ano, manteve-se estável em relação ao mês imediatamente anterior, dezembro último. Em termos absolutos, o valor do custo médio por metro quadrado no mês analisado ficou ekm R$ 934,41, sendo o menor custo registrado entre oso estados brasileiros. No comparativo com janeiro do ano passado, observou-se elevação de 3,2% no custo.  Analisando os custos da construção separadamente, verificou-se que, do valor total, a fatia de 54%, ou R$ 506,40, correspondeu ao custo com material  enquanto que os 46% restantes, ou R$ 428,01,  referiu-se ao valor da  mão de obra empregada. Em termos relativos, o custo com material registrou queda de 0,2%, na comparação com o m~es imediatamente anterior (dezembro 2017). Já em relação ao mês de janeiro de 2017, observou-se alta de 2,4%.

Feira de trocas de sementes

No dia 25, haverá Feira de Troca de Sementes crioulas, exóticas e nativas, além de uma prosa sobre agricultura sintrópica, biodinâmica e permacultral. O grupo musical Burundanga vai animar o evento que também acontece na Praia 13 de Julho, das 14h às 17h. Já no dia 26 e 27 acontece a Oficina de Reutilização de Pneus no Park Gastrô, localizado na rua Orlando Magalhães, no bairro Garcia. Entre as atividades, pintura de pneus e montagem de brinquedos sustentáveis. Para participar é necessário pagar $ 60,00. O curso terá apenas dez vagas.

As comemorações do Senhor dos Passos

A cidade de São Cristóvão estará em festa nos dias 23 a 25 do corrente, com as festividades alusivas ao Senhor dos Passos. A romaria ocorre há 200 anos, reúne fiéis de todas as idades que lotam a cidade para fazerem orações, pagarem promessas e renovarem os pedidos ao santo. A festa é uma das maiores expressões religiosas do Nordete.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários