A JORNADA DO HEROI COTIDIANO (*)

0

“A maioria das jornadas do herói sempre implica em passar por lugares tenebrosos, adentrar no mundo subterrâneo ou labirintos para, finalmente, emergir na luz”.

Jean Bolen

 

A jornada do herói tem sido o tem principal alvo dos mitos, dos contos de fadas e de muitas histórias, através do tempo. Todavia, o herói não aparece sempre como herói no início, na maioria das vezes ele parte do confronto com um desafio que rompe o seu estado inicial de inocência e, a partir daí, entra em um mundo de perigos, caminhos tortuosos, feiticeiras, dragões, pântanos e surpresas. Nessa jornada pitoresca sempre sai ileso e regressa à sua casa com um “tesouro” para compartilhar com a família e os amigos.


Esse contexto se repete em todas as culturas do universo, como se fosse uma cartilha traduzida para os mais diferentes idiomas, culturas e crenças do planeta. Apenas variações regionais são introduzidas e, a maioria das histórias, consegue ser mantida viva passando de pai para filho durante milhares de anos.


Por esse motivo, quando adultos trazemos dezenas de histórias na nossa mente, histórias essas que vêm perdurando em nossa cultura há séculos, porque encerram mais verdades do que as suas palavras revelam. Ou seja, elas nos emocionam e encontram eco nos pontos mais profundos da nossa mente, porque trazem embutidas verdades profundas e inquestionáveis.

 

Assim sendo, os mitos e as histórias atuam como se fossem uns espelhos da alma humanos porque servem para recordar o nosso potencial, e as divinas possibilidades da nossa existência.


Se analisarmos a fundo uma história ela contém sempre uma grande transformação, uma pessoa que fez uma jornada passou por muito sofrimento, encontrou aliados, inimigos, andou em pântanos, subterrâneos, caminhos de fogo, labirintos e no fim atravessou um portal mitológico, a partir do qual, recebeu um tesouro, um conhecimento, quando acontece a apoteose, a celebração. Dessa maneira, a nossa história pessoal pode se assemelhar muito a uma jornada pessoal de transformação, uma jornada de herói.

Basta apenas que analisemos a nossa jornada de vida, as nossas dificuldades, os obstáculos (dragões) que encontramos, os aliados que conquistamos, as pessoas (feiticeiras) que dificultam nossa caminhada, os medos que sentimos e por esse motivo, muitas vezes nos prendemos nesse emaranhado de problemas da nossa história pessoal, que mais parecem ser os dragões mitológicos que não nos permitem dar continuidade à nossa jornada de vida e ficamos paralisados pelos nossos medos, mitos e crenças.

 

Muitas vezes, quando acordamos, infelizmente, todo o nosso tempo de vida praticamente já passou e há muito pouco o que fazer, e por esse motivo, caímos no desânimo e na tristeza por sentir que a nossa vida foi vivida em vão.

 

Por esse motivo, a jornada de herói cotidiano poderá nos mostrar o caminho da transformação e das possibilidades que poderemos ter como seres humanos. Na verdade, a jornada do herói é uma grande metáfora de uma jornada de transformação espiritual, que poderá ser a chave, a porta, para nos abrir passagem para um caminho que nos permitirá descobrir e ver o que há de belo e grandioso da nossa vida e que, muitas vezes, aparecia como medíocre e sem graça.

 

Quando olhamos para a nossa vida e lhe damos o caráter de uma jornada de herói, na maioria das vezes poderemos identificar e encontrar desafios, problemas ou situações que aparentemente pareciam estar “fechadas” e sem saída, mas que ao serem encarados como uma perspectiva a ser ultrapassada, um dragão a ser vencido, um umbral a ser ultrapassado, muitas vezes, poderá permitir que enxerguemos as dificuldades com outros olhos e, dessa forma, possamos encontrar soluções para velhos problemas e, assim sendo, conseguirmos chegar ao nosso almejado tesouro.

 

Muitas vezes, nos encontramos na nossa jornada de vida, em situações que queremos deixar para trás, velhos conceitos, velhos ideais e, até mesmo, velhos padrões emocionais que já não nos satisfazem e sentimos que precisamos transpor um umbral. Por esse motivo, a jornada do herói cotidiano implica em deixar de lado as armas e as lutas e de nos tornarmos receptivos às novas revelações e perspectivas, as quais quase sempre não foram anteriormente percebidas por nós e parecem ser inesperadas e não oportunas.

 

Quando percebemos que essa história está dentro da nossa vida, ou seja, que faz parte da nossa história pessoal, e que quase sempre é muito similar às antigas lendas, poderemos, finalmente, perceber que, como ser humano também pode ultrapassar portais “mágicos” e voltarmos totalmente renovados como outras pessoas, quase sempre melhores e mais felizes.

 

Todavia, para isso poder acontecer, verdadeiramente, é necessário que entendamos que a nossa vida precisa ser encarada como se fosse um processo contínuo de transformação, o qual, por sua vez, nos permite que possamos ia passando para patamares muito mais evoluídos à medida que vamos vencendo os dragões (obstáculos) que encontramos à frente da nossa jornada, os quais muitas vezes são os responsáveis pelas nossas dificuldades.

(*) Fernando Viana – diretor presidente da Fundação Brasil Criativo
presidente@fbcriativo.org.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários