A omissão e distorção na mídia

0

  “O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Texto de Celso Vicenzi  jornalista, Florianópolis, SC, publicado no Observatório da Imprensa.

Quem acompanha diariamente as notícias na mídia sobre atos de violência cometidos por adolescentes tem a sensação de que os jovens brasileiros são os autores da maioria dos crimes graves no país. A mídia tem sido muito eficiente em provocar uma quase-histeria na opinião pública, para tentar legitimar mudanças nas leis do país. A principal delas seria a redução da maioridade penal para 16 anos. Comentaristas de TV e de emissoras de rádio – principalmente – têm sido pródigos em vociferar argumentos equivocados, de forte apelo emocional, na tentativa de imputar aos adolescentes infratores uma violência muito maior do que de fato ocorre. Jornalistas e radialistas mal informados (na melhor das hipóteses) ou irresponsáveis e inconsequentes, e, neste caso, pouco éticos – com a conivência dos proprietários – usam os meios de comunicação para difundir preconceito e discriminação.

Argumentos falsos não resistem à informação correta. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), os adolescentes brasileiros são responsáveis por 3,8% dos homicídios. Ou seja, uma quantidade muito pequena diante da gritaria geral para sustentar a redução da maioridade como a grande solução para a diminuição da criminalidade no país. A quem se quer enganar com tão tosca solução, que se provará tão inútil quanto tantas outras que não combatem a raiz do problema? A maioria dos crimes cometidos por menores de idade que cumprem medida socioeducativa são crimes de roubo e furto (43,7%) e de tráfico de drogas (26,6%), conforme dados de 2011 do Ministério da Justiça.

Nos Estados Unidos, onde existe pena de morte para adolescentes, eles são responsáveis por 11% dos homicídios cometidos, informa a Unicef. Aumentar a punição, não resolve o problema da violência. O que contribui para a solução é mais educação, distribuição de renda e políticas públicas de inclusão social. E isso já foi demonstrado em vários estudos.

Por que se tortura?

A pesquisa Tendências do Crime, da ONU, revela que são minoria os países que definem o adulto como pessoa menor de 18 anos. Em 53 países estudados, 42 deles (79%) adotam a maioridade penal aos 18 anos ou mais. A Alemanha restabeleceu a maioridade para 18 anos e o Japão aumentou para 20 anos. A tendência é pelo uso de medidas socioeducativas.

Para uma outra tragédia, porém, não se vê praticamente nenhuma mobilização da sociedade, dos meios de comunicação, dos legisladores, das autoridades do país: nos últimos dez anos, 80 mil adolescentes foram assassinados no país. Uma verdadeira carnificina. Na maior parte dos casos, são jovens negros ou pardos, de baixa renda. Para conter essa violência, não há nenhum projeto em tramitação no Congresso Nacional. No entanto, segundo entidades que atuam em defesa da criança e do adolescente, existem 1.566 projetos em tramitação que se referem a direitos das crianças e adolescentes, mas apenas 376 são considerados positivos. Os demais apontam para retrocessos.

Há outro falso argumento. O de que direitos humanos protegem criminosos. Direitos humanos protegem a sociedade da barbárie porque, num mundo sem leis e sem a proteção da dignidade humana, todos estão muito mais vulneráveis. Sociedades brutais degradam o ser humano e geram mais violência. E há uma pergunta que precisa de resposta urgente: por que o Brasil ainda tolera a tortura em muitas delegacias e presídios? Talvez pelo mesmo motivo pelo qual nunca foram punidos os torturadores que atuaram durante os anos de ditadura no país.

Sem omissão ou subterfúgios

Não é fácil evitar sentimentos de vingança quando a violência explode de forma contundente, não raro vil e covarde. Sim, há casos graves, cruéis, que envolvem a participação de crianças e adolescentes. Mas o legislador não pode escrever as leis babando de ódio. Tampouco o aparato policial deve fazer justiça por conta própria. Nem a sociedade urrar de prazer diante da eliminação física ou da tortura daqueles que trilharam o caminho do crime. Porque esta mesma sociedade, que escolhe seus governantes, é corresponsável pela omissão do Estado. Somos um país violento, corrupto e desigual. E há muita impunidade, sobretudo nas camadas mais ricas da sociedade. Temos que lutar contra isso.

Sem investir em educação, formação profissional e distribuição de renda, não avançaremos na luta contra o crime. O Brasil é um dos países que mais prende, e a violência não para de crescer. São mais de 500 mil presos. E mais de 200 mil mandados de prisão para cumprir. O número de detentos por 100 mil habitantes, em 2007, era de 229 no Brasil, 154 na Argentina, 117 em Portugal, 99 na Grécia, 92 na Alemanha, 83 na Itália e 66 na Dinamarca. De cada cinco presos brasileiros, apenas um trabalha. E de cada dez presos ou processados no Brasil, um é vítima de erro da Justiça. Há muito por fazer antes de achar que a solução é construir mais prisões – boa parte delas piores que os calabouços medievais.

O drama daqueles que são vítimas de violência, seja por ação de adolescentes ou adultos, deve ser acolhido e amparado. E, para que não volte a ocorrer, é preciso que a sociedade não se omita e não busque subterfúgios em falsas soluções. Se hoje há criminosos que desafiam a autoridade policial e o Estado de Direito, é porque falta, sobretudo, autoridade moral ao Estado para exigir o cumprimento da lei. A corrupção e a conivência com o crime em altos escalões alimentam continuamente as forças que agem contra a democratização da sociedade.

Outro modelo de sociedade

Quando o Estado não proporciona educação de qualidade; quando não garante saúde, lazer e proteção à infância; quando o braço forte da lei só atinge os mais pobres; quando não há políticas públicas para desconcentrar a renda e permitir que famílias possam sair da miséria e viver com dignidade; quando não se oferecem oportunidades a crianças e adolescentes, sobretudo aqueles que estão em situação mais vulnerável, como acreditar que é possível conter a violência? Quando a mídia contribui para a construção de um modelo de sociedade injusto, excludente, que humilha os mais pobres, como pensar em uma convivência pacífica?

Caberia à mídia, pelo seu alcance, fazer um debate honesto, sem casuísmos, sem a falsificação de dados, sem a omissão de informações, sem incitar o preconceito, a discriminação e o ódio de classe. Em outras palavras, que a mídia simplesmente faça o que seria sua obrigação: jornalismo! O debate sobre soluções para a violência tem que discutir o modelo de sociedade. Tem que ir à raiz, fugir da superficialidade, da ignorância e da demagogia, para responder, afinal, que país é este, onde se mata e se morre, às vezes com tanta crueldade. Não somos obra do acaso. Nós construímos esse modelo de sociedade. Temos que inventar outro, tendo a educação e a solidariedade como grandes alicerces.

Texto publicado em : http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed750_a_omissao_e_distorcao_na_midia

Melhores do ano
O blog foi informado que está entre os profissionais de imprensa que serão agraciados na solenidade dos melhores do ano na próxima terça-feira, 17, no auditório do Sindicato dos Bancários, pela FSF. O blog antecipadamente agradece.

Licitação para locar veículos até 15 anos de uso
E o Ministério Público Estadual investiga uma denúncia grave e que pode envolver muita gente. Quando tem processo licitatório para locar veículos com até 15 anos de uso foi descoberto um processo interessante: uma empresa ganha e coloca ônibus terceirizados do município a pedido do prefeito.Por exemplo: ganha com R$ 8 mil mensais, paga 3, e o lucro é… deixa prá lá. Ou seja, a empresa que ganhou só dá a nota fiscal.

Filme gravado em Aracaju será lançado na Bélgica
O filme “A Pelada” produzido internacionalmente entre  produtores sergipanos e europeus, e gravado em Aracaju, contando com o apoio do governo do Estado no ano passado, será lançado na Bélgica na próxima semana. A convite do consulado do Brasil em Bruxelas, o secretário de Estado da Comunicação, Carlos Cauê e o presidente da Fundação Aperipê, Luciano Correia estarão representando  o governo do Estado.

Tobias Barreto
Neste domingo, 16, o governador do Estado em exercício, Jackson Barreto, vai até Tobias Barreto, município sergipano localizado na região Sul e distante 127 quilômetros da capital, entregar à população, através da Empresa de Desenvolvimento Sustentável do Estado de Sergipe (Pronese), três pontes de madeira, com bases da cabeceira em concreto nos povoados Cancelão, Poço da Clara e Macacos.

Mais obras
Solenidade inicia a partir das 10h no povoado Cancelão, com a entrega de uma ponte tipo madeira, medindo 18.40 metros por 3,20 de largura, e investimentos de R$ 86 mil.Às 11h30, Jackson inaugura a ponte do povoado Poço da Clara, também em Madeira, medindo 11,20 metros por 3,20 de largura. Para construção da ponte foram investidos mais de R$ 76 mil.Finalizando a série de inaugurações, às 12h30, no povoado Macacos, o governador do Estado em exercício entrega à população mais uma ponte de madeira, medindo 11.20 metros por 3,20 de largura. Governo investiu R$ 73 mil.

Obras saúde
O deputado federal Fábio Reis (PMDB) destacou o esforço que o governo do estado tem feito para melhorar o atendimento da saúde pública em Sergipe. Durante a última sexta-feira, Fábio acompanhou o governador em exercício Jackson Barreto (PMDB) em várias inaugurações no interior do estado, e ficou satisfeito com a entrega de três novas clínicas de Saúde nos municípios de Nossa Senhora das Dores, Gracho Cardoso e Itabi.

Preocupação
"Tenho acompanhado a inauguração de uma série de clínicas em vários municípios. Todas elas estão muito bonitas e bem equipadas, mostrando a preocupação do governador Marcelo Déda (PT) e do vice-governador Jackson Barreto (PMDB) em atender às preocupações do povo, promovendo melhorias efetivas para a Saúde", disse o parlamentar.

Rodovia
Além da inauguração das clínicas, Fábio Reis acompanhou o governador em exercício Jackson Barreto (PMDB) entregar a rodovia SE 160 – Ulisses Gomes de Andrade e a quadra de esportes no povoado Mata, em Itabi. Em Dores Jackson também visitou as obras da quadra de esportes do Colégio Estadual General Calazans, e ressaltou que a iniciativa de construir um ginásio coberto para a escola foi fruto de uma reivindicação de estudantes ao governador Marcelo Déda.

TRE/SE divulga seleção de estágio para cursos de Nível Superior
A Presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE), Desembargadora Aparecida Gama, divulga a abertura de inscrições para realização do processo seletivo para o preenchimento de vagas de estagiário. Estas são destinadas para estudantes de nível superior nas seguintes áreas: Administração, Comunicação Social (Jornalismo), Contabilidade, Direito, Engenharia Civil, História e Pedagogia.

Inscrições
As inscrições serão realizadas no período compreendido entre os dias 12/06 e 08/07, pessoalmente, somente no Centro de Integração Empresa Escola (CIEE). Sendo que as provas serão realizadas no dia 21/7/2013, com início às 9h, no Colégio Estadual Presidente Costa e Silva.

Informações
A inscrição será gratuita e o valor mensal da bolsa de estágio será de R$ 750,00 (setecentos e cinquenta reais) acrescidos de R$ 110,00 (cento e dez reais), referente ao auxílio-transporte. A jornada de atividades no estágio será de 20 (vinte) horas semanais, compreendidas no horário de expediente da Seção na qual o estagiário desempenhará suas atividades.O CIEE está localizado na Rua Sílvio César Leite, 116 ? Bairro Salgado Filho ? Aracaju/SE. Já o Colégio Estadual Presidente Costa e Silva fica na Avenida Augusto Franco, s/n, Bairro Getúlio Vargas.

Critério para inscrição
Serão aceitas as inscrições de candidatos que tiverem concluído pelo menos 50% (cinquenta por cento) dos créditos do curso superior relativo ao estágio para o qual estiver se habilitando e tiverem média-geral igual ou superior a 7,00 (sete). O candidato deve apresentar os documentos (seu histórico escolar, por exemplo) que comprovem tais critérios no momento da inscrição. Demais detalhes do concurso, bem como o conteúdo programático das provas de cada curso, estão contidos no Edital 1/2013 “Processo Seletivo para Estágio de Nível Superior”, no site do TRE de SE.

Jogos Intercampi do IFS acontecem de 19 a 21 de junho
Com o objetivo de promover a integração entre alunos e servidores dos seus diversos campi por meio de competições esportivas coletivas e individuais, o Instituto Federal de Sergipe (IFS), através da Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão (Propex), promove os Jogos Intercampi. O evento acontece de 19 a 21 de junho, no Ginásio de Esportes do Campus Aracaju.

Apresentação
A cerimônia de abertura, que acontece às 9h do dia 19, contará com uma apresentação artística da Seleção Brasileira de Ginástica Ritmica. Haverá também a entrega de certificados de honra ao mérito a pessoas que contribuíram para o desenvolvimento dos esportes nas instituições federais no estado de Sergipe, como Roberto Negrão (IFS), Manuel Oliveira, presidente da Confederação Brasileira de Handebol, e Luciene Resende, presidente da Confederação Brasileira de Ginástica.

ESPORTE  – O  ESPAÇO DO ALCEU –  por Alceu Monteiro

Copa das Confederações
Não poderia ser outro o nosso comentário de abertura de hoje. Finalmente chegou o dia da abertura dessa importante competição internacional, promovida pela FIFA nos anos que antecedem a COPA DO MUNDO. A seleção brasileira, comandada pelo experiente mas um tanto superado treinador Luiz Felipe Scolári, fará o jogo inaugural da competição diante do selecionado japonês, o primeiro a conquistar classificação para a Copa 2014. É verdade que o time canarinho ainda não conseguiu conquistar a confiança do torcedor. Mas é forçoso reconhecer que nos dois últimos amistosos, contra a Inglaterra e a França, embora com algumas falhas, o rendimento da equipe melhorou, de forma considerável. Também é bom lembrar que o Brasil sempre surpreendeu quando foi alvo da desconfiança do torcedor. Em 1958, vínhamos de dois fracassos, nas copas de 50 e 54, e acabamos campeões mundiais pela primeira vez. Bisamos o feito em 62. Mas voltamos a ter uma grande decepção em 1966, na Inglaterra, quando fomos eliminados logo cedo do torneio mundial. A campanha vergonhosa daquele ano abalou os alicerces da seleção nacional, que, entretanto, ressurgiu vitoriosa em 70, no México, ao conquistar o sonhado tricampeonato mundial. De 1970, no México, até 1990, na Itália, acumulamos uma sequência negativa. Somente em 1994, com uma das mais fracas formações, o Brasil voltaria a conquistar uma Copa do Mundo, nos Estados Unidos. Em 1998, trágica derrota para a França. A ciclotimia continuava. Em 2002, novo fracasso. Em 2006, sucesso. Era a conquista do pentacampeonato. 2010 – novo fiasco. Essa alternância pode sugerir que em 2014, jogando dentro de casa, o Brasil possa sagrar-se hexacampeão mundial. Para que isso vire realidade, nossa seleção tem que mostrar um bom futebol na Copa das Confederações que hoje começa, às 16 horas, em Brasília, com a partida Brasil X Japão, no Estádio Mané Garrincha, no Distrito Federal. Se não vencer a competição, que pelo menos apresente um futebol à altura de seu nível tradicional, a fim de reconquistar a confiança dos torcedores brasileiros.

Informações gerais
A Copa das Confederações foi disputada, em 1992 e 1995, na Arábia Saudita. De 1997 a 2003, a FIFA realizou o torneio de dois em dois anos. A competição foi disputada no formato atual pela primeira vez na Alemanha, em 2005, nos anos que precedem a Copa do Mundo. A designação Copa das Confederações deve-se ao fato de reunir os campeões de todos os continentes do planeta Terra. Neste ano, temos: América do Sul – URUGUAI. América do Norte – MÉXICO. Ásia – JAPÃO. África – NIGÉRIA. Oceania – Taiti. Europa – ESPANHA, atual campeã mundial e ITÁLIA. E mais o Brasil, país sede. O Brasil já foi campeão 3 vezes: 1997, na Arábia Saudita, 2005, na Alemanha e 2009 – Na África do Sul. Os maiores artilheiros do certame, em todos os tempos, são Cuauhtemoc Blanco, do México e Ronaldinho, do Brasil, com 9 gols marcados. Romário e Adriano, do Brasil, com 7 gols. Em 1997, o Brasil derrotou a Austrália, na final, por 6 a zero. Em 2005, a seleção brasileira venceu a Argentina, na final, por 4 a 1. E em 2009, a final foi Brasil 3 X 2 Estados Unidos.

Copa das Confederações 2013
Grupo A – Brasil – Itália – Japão – México.  Grupo B  – Espanha, Nigéria, Taiti e Uruguai.

Os jogos do Brasil
Hoje (15.06) – 16 horas – Estádio Mané Garrincha (DF) – Brasil X Japão. 19 de junho, em Fortaleza – Brasil X México. 22 de junho, Itália X Brasil, em Salvador.

Semifinais
26 de junho, em Belo Horizonte – Primeiro do grupo A X Segundo do grupo B. 27 de junho, em Fortaleza – Primeiro do grupo B X Segundo do grupo A.

Disputa do terceiro lugar
30 de junho, em Salvador – 13 horas – Perdedor da Semifinal 1  X  Perdedor da Semifinal 2.

Partida final
30 de junho, no Rio de Janeiro, às 19 horas  – Vencedor da Semifinal 1 X Vencedor da Semifinal 2. A esperança da torcida brasileira é que o Brasil esteja lá…

PELO TWITTER

www.twitter.com/rosangeladoria  A vigilância sanitária bem que poderia fazer uma fiscalização pra acabar com tanto rato de rádio.

www.twitter.com/sargentoedgard  Se pichar prédios públicos e tocar fogo em ônibus for manifestação pacífica, então os vândalos são os policiais.

www.twitter.com/PauloDaltro  Odeio gente que posta foto da doença dos outros só para ganhar curtidas!

www.twitter.com/Revinhogama Pessoas que bebem cerveja sem álcool não gostam verdadeiramente de cerveja, gostam apenas de urinar…

www.twitter.com/lukinhasdj  Um dia você será reconhecido, nem que seja no IML.

NOTA UEES – União Estadual dos Estudantes de Sergipe

Conquista dos estudantes de Laranjeiras! Meia Passagem restabelecida!

Em reunião ocorrida na ultima sexta-feira na secretaria do SETRANSP (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Município de Aracaju), com a UEES, Comissão de Estudantes de Laranjeiras (representada por Francis Oliveira, estudante de Teatro e Artêmis Rodrigues, estudante de Museologia) e José Carlos Amâncio (Superintendente do SETRANSP), foi conquistada a garantia do restabelecimento do direito à Meia Passagem aos estudantes de Laranjeiras.

A Meia Passagem estava suspensa, com o argumento de que Laranjeiras são pertence à Região Metropolitana de Aracaju, portanto, os estudantes residentes em Aracaju, mas estudantes da UFS Laranjeiras, não teriam direito ao benefício. A luta é antiga, em 2010 o benefício também havia sido cortado, mas após reivindicação estudantil, o Direito foi restabelecido.

O argumento usado na reunião foi de que a Lei garante o Direito aos estudantes da Grande Aracaju, portanto, esses estudantes prejudicados são moradores da Grande Aracaju, ainda assim, eles têm atividades acadêmicas na região metropolitana à medida em que se deslocam (obrigatoriamente) aos trabalhos de campo e pesquisa, Museus, Teatros, Biblioteca e tantas outras. Não é justo que o Campi de Laranjeiras (um dos mais prejudicados pela evasão acadêmica, justamente pela questão do transporte), seja onerado ainda mais pelas grandes dificuldades do transporte. O estudante de Laranjeiras hoje paga 4 passagens pra estudar, 2 pra ir e 2 pra voltar. Além das demais variáveis que tornam o Campi mais distante de resolver à curto prazo a questão da evasão, como a falta de segurança, falta de um restaurante universitário e etc.

A luta não acabou, permanece agora pela aprovação do Projeto de Meia Passagem Intermunicipal, apresentado pela UEES, e que tramita neste momento na Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe, e por Projetos de Auxílio Transporte da Pró Reitoria de Assuntos Estudantis da UFS.

Some-se à luta estudantada! Avante!

UEES

Blog no twitter: www.twitter.com/BlogClaudioNun

   
Frases  do Dia
"Em crianças somos alegres, a partir de uma certa idade entramos num uniforme e acabou."

“Sabemos que vamos morrer, mas não acreditamos. A Europa é a mesma coisa”

José Gil, nasceu em 15 de Junho de 1939. É um filósofo, ensaísta e professor universitário português, considerado por muitos um dos 25 grandes pensadores do mundo atualmente.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários