A ONG e a dúvida

0

O jornalista Diógenes Brayner volta a publicar sua coluna no Portal InfoNet na próxima semana

 

A Fundação Educacional de Goiás (FEG) não tentou entrar em Sergipe apenas através do presidente regional do PT, Severino Bispo. O fez também por setores do governo do estado, através de uma carta, em que mostrava interesse na aplicação de recursos em água e esgotos para 15 prefeituras, dentro das mesmas características apresentadas agora, quando se interessa pelo saneamento básico. A carta diz o seguinte: “A FEG – Fundação Educacional de Goiás – é uma fundação privada, com funcionamento há 36 anos em Goiânia, instituída pelo Lions Clube de Goiânia Sul, portadora do CNPJ 01.405.784/001-36 e sediada em Goiânia à rua 2, nº 230 – centro – Ed. Carlos Chagas, 5º andar – sls 501/502. mantenedora da Faculdade Lions – Fac Lions – e de Colégio Profissionalizante, Ensino Médio e de Ensino Continuado. Entre suas atividades encontra-se também o trabalho de coordenar, captar e receber recursos financeiros de fundos e organizações nacionais e internacionais para aplicação em cidades”.

 

No documento a FEG sugere possibilidade de participação conjunta com o estado, de um projeto para financiar a ampliação de serviços locais de água e esgoto em Sergipe, atendendo cerca de 15 municípios: “são recursos a Fundo Perdido, onde poderemos atender cidades sergipanas com renda per capita de até dois salários mínimos. Nesse projeto assinaremos um convênio com os prefeitos das cidades designadas pelo governo, tendo também a interveniência do DESO – Companhia de Saneamento de Sergipe”. E continua: “estas cidades escolhidas precisam ter seus projetos tanto de água, como de esgoto, já aprovados pela DESO e a Secretaria Estadual de Meio Ambiente, pois assim se ganha tempo para a assinatura dos contratos. Caso contrários seria necessário que se esperasse a elaboração dos mesmos”. Diz ainda que não pode firmar convênio com cidades que já possuam edital de concorrência em andamento ou contratos já assinados com empreiteiras, para execução destas obras.

 

A FEC estimou “existir recursos na ordem de R$ 30 milhões de reais para Sergipe”. No final se coloca à disposição “para conhecermos melhor os projetos das cidades escolhidas pelo governo de Sergipe”. Colocou telefones para contatos no horário comercial com Maria Helena ou Paulo Renato e advertiu: “precisamos trabalhar rapidamente para tentar viabilizar esta oportunidade para seu estado com a premência que o tempo requer”. A carta era assinada por Zander Campos da Silva, presidente da Fundação e foi enviada no dia 5 de junho. Zander é o mesmo que conseguiu seduzir o presidente do PT, Severino Bispo, 30 dias depois, para reunir 20 prefeitos e disponibilizar R$ 270 milhões para saneamento básico. Segundo um secretário que teve acesso ao ofício, o governo considerou a oferta boa demais para não ter problemas. Desacreditou e sequer respondeu. Uma curiosidade: Zander Campos da Silva é o diretor presidente da Cannes Publicidade, uma conhecida agência do setor, que já trabalhou em Sergipe e outros estados, com campanhas para melhorar a arrecadação de ICMS.

 

Esta carta também chegou às mãos do promotor Eduardo Seabra, que está cuidando do caso desde agosto e vai ouvir amanhã o secretário do Planejamento de Poço Verde, Weldmam Rocha Junior. Seabra considera o caso aparentemente grave e lembra que as prefeituras assinaram protocolo de intenção e não obtiveram nada e nem gastaram: “mas será que depois não vão ter que provar ou restituir alguma coisa?”. Alem disso, os valores aumentaram de 30 milhões para 270 milhões de reais, o que é astronômico. A verdade é que existe uma boa vontade excessiva, porém suspeita, dessa Fundação, que precisa ser esclarecida. Desconfia-se que as prefeituras que topariam a proposta e entregariam à FEC um projeto técnico de saneamento básico, seriam usadas para que a Fundação pegasse dinheiro do exterior, dizendo que as obras foram feitas, comprovando com os documentos assinados pelos prefeitos. A vantagem é muito grande e mal explica. Há necessidade de se investigar a fundo o que isso representa. Se não for golpe, certamente será uma obra de ficção. 

 

 

COBRANÇA

Existe uma expectativa em torno do que vai aparecer sobre o assassinato do agiota Motinha, ocorrido em um banheiro do bar Parati, na praia do Robalo.

A sociedade espera uma ação enérgica do judiciário e do ministério público, principalmente nos tempos de hoje, onde não se admite fazer silenciar sobre crimes.

 

RECUO

O senador Almeida Lima (PMDB) afirma que o prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT) não será mais candidato ao governo do estado.

A razão é o desgaste que o Partido dos Trabalhadores vem sofrendo em todo o país e agora em Sergipe, após as últimas denúncias.

 

REAFIRMA

A assessoria do prefeito Marcelo Déda diz que não há interesse em polemizar com o senador e reafirma que a candidatura de Déda ao governo do estado “cada dia se fortalece”.

O pessoal também desconhece desgastes em Sergipe e não se sente atingido com a ação do presidente regional, Severino Bispo, que declarou não ter feito nada em nome do PT.

 

VALADARES

O senador Valadares tem reafirmado que apoia o prefeito Marcelo Déda a governador. Isso todos já sabem e não levantam dúvidas.

Valadares sabe, entretanto, que dentro do PSB e muito próximo a ele, existe um grupo que desaconselha essa coligação e o quer na chapa majoritária.

 

FINGE

Admitir que desconhece esse movimento dentro do seu partido, principalmente no interior, é fingir que está fora da realidade de sua própria legenda.

Evidente que o senador não vai divulgar isso, mas ouviu e recusou muita opinião de aliado em favor de sua candidatura ao governo do estado.

 

NOMES

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) já escolheu o nome do deputado Belivaldo Chagas (PSB) para participar da chapa majoritária do PT como candidato a vice.

Na oposição também circula a informação de que o deputado federal Jackson Barreto (PTB) pode recuar da reeleição e ser o vice de Marcelo Déda.

 

ALBANO

Segundo fonte da oposição, Jackson Barreto sendo candidato a vice-governador abriria lugar para o ex-presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra.

O objetivo é deixar a chapa aberta para uma candidatura do ex-governador Albano Franco ao Senado Federal.

 

BOSCO

O presidente do PSDB em Sergipe, deputado Bosco Costa, considerou provável que o seu partido e o PFL se unam em Brasília.

“Mas em Sergipe é outra história”, constatou Bosco justificando que “no estado os dois partidos fazem oposição um ao outro”.

 

CACHO

O secretário da Justiça, Manoel Cacho (PFL), disse é candidatíssimo a deputado federal, mas também topa disputar o Senado.

Acrescenta que está pensando seriamente em antecipar sua desincompatibilização, para colocar sua campanha na rua.

 

FÁBIO

O vereador Fábio Henrique (PDT) é candidato a deputado estadual, mas já disse que não se recusará em disputar uma vaga na Câmara Federal.

Admite, entretanto, que a legenda não pode brincar de eleição e reconhece que João Fontes é um dos melhores parlamentares, “mas não se reelegerá sozinho”.

 

COLIGAÇÕES

Fábio Henrique sugere que o PDT procure fazer coligação com legendas pequenas como PV, PSL e PTN para conseguir uma boa posição eleitoral.

Diz que também não vê problema em se vincular com uma legenda ligada ao governo do estado ou mesmo com o prefeito Marcelo Déda (PT).

 

CHATEADO

O deputado estadual Adelson Barreto (PSB) diz que está chateado com as entrevistas que o deputado federal Jackson Barreto (PTB) tem dado contra ele.

Adelson revelou a colegas que esteve em casa de Jackson Barreto por duas vezes e lhe comunicou que iria buscar outra legenda.

 

OBSERVAÇÃO

O ex-deputado estadual Nelson Araújo faz uma observação em relação ao PSB, que é aliado de Marcelo Déda em Sergipe e integra o bloco de apoio a Lula, em Brasília.

É que as inserções da TV, de responsabilidade do PSB, as críticas e cobranças ao presidente Lula têm a contundência de partido de oposição.

 

 

Notas

 

PROGRAMA

O governador João Alves Filho (PFL) participou, ontem à noite, do Programa do Jô, na Rede Globo de Televisão. Foi entrevistado sobre o projeto de transposição das águas do rio São Francisco, que o governo está disposto a executar, o que provocou a greve de fome do bispo Luiz Cappio, em Cabrobó.

João Alves é um dos únicos governadores que continua na luta firme contra a transposição do São Francisco e mostrou que o rio está enfermo, precisa de revitalização e o projeto é um dos maiores crimes ambientais.

 

JULGAMENTO

Ficou para amanhã o julgamento da ação impetrada pelo prefeito Sukita, junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para sustar a cassação de seu mandato, decidida por liminar de um dos ministros. O advogado do prefeito, Jorge Rabelo, acha que não é fácil reverter a decisão, mas tem possibilidade jurídica.

Mantida a cassação do prefeito Sukita (PSB), ele se afastará do cargo, mas poderá concorrer ao mandato nas novas eleições municipais de Capela, possivelmente dentro de mais 30 dias. Sukita se mantém no cargo.

 

CORRUPÇÃO

A corrupção se estende em grande escala em 70 países e continua representando uma ameaça para o desenvolvimento, a afirmação foi feita, ontem, em Londres pela organização Transparência Internacional (TI), que divulgou seu relatório anual sobre o tema. Em termos de corrupção o Brasil vai bem.

No Índice de Percepção da Corrupção (IPC) de 2005, que engloba os três últimos anos, a avaliação do Brasil caiu de 3,9 para 3,7. Com isso, o país caiu 59ª para 62ª posição, mesmo assim está à frente da Argentina.

 

 

É fogo

 

O jornalista Luiz Eduardo Costa toma posse na Academia Sergipana de Letras no dia 24. Acontecerá no auditório do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe.

 

O presidente do PT, Severino Bispo, pode ser uma vítima dessa ONG que se reuniu com prefeitos de Sergipe.

 

Sente-se que tem muita gente voando em relação ao aparente golpe da ONG, que tentou fazer muitos prefeitos de “patos”.

 

O deputado federal Bosco Costa (PSDB) sempre defendeu candidatura própria do partido a governador do estado.

 

Bosco Costa também não esconde que o melhor nome é o do ex-governador Albano Franco, que ainda não definiu qual mandato deseja disputar.

 

Francisco França mais uma vez vai tentar uma vaga na Assembléia Legislativa. Será candidato nas próximas eleições.

 

Valmir Monteiro (PSC) diz que não fez qualquer acordo com os Reis, para ter apoio do grupo em Lagarto, para sua reeleição.

 

O ex-prefeito de Simão Dias, Luís Alberico (PFL), poderá disputar uma vaga à Assembléia Legislativa. Quer enfrentar o deputado Belivaldo Chagas.

 

O ex-senador José Almeida Lima (PMDB) está trabalhando sua candidatura ao governo do estado. Inclusive pretende editar um jornal semanal.

 

O secretário de Turismo, Pedrinho Valadares, está muito animado com o projeto da Cidade da Seresta, em São Cristóvão, e Cidade do Chorinho, em Laranjeiras.

 

A Petrobras não vai disputar os campos maduros ou de baixa produção de petróleo, que devolveu à Agência Nacional de Petróleo (ANP).

 

O número total de cheques devolvidos nos supermercados do país atingiu 3,11% em setembro, nível 0,98 ponto percentual superior a setembro do ano passado.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais