A pia batismal dos presídios

0

A maioria dos detentos do Sistema Penitenciário de Sergipe nasceu em Aracaju. Até aí não há qualquer novidade, pois trata-se da maior comuna do Estado. O fato relevante é um município como Própria, com apenas 28.437 habitantes, ter 65 filhos entre os 2.284 detentos sergipanos. Isso equivale a 0,23% do total de propriaenses. Percentualmente, a cidade ribeirinha ganha de Aracaju. Com 536.785 moradores, a capital está representada nos presídios por 878 filhos, ou 0,16% dos aracajuanos. Itabaiana, que tem 85.725 almas, aparece na terceira colocação com 84 condenados, ou 0,13% dos moradores. Também chama a atenção o pequeno Richuelo. Com 9.369 habitantes, aquele município tem 12 presos no Sistema ou 0,13% de sua população, percentualmente bem superior a Carira. Embora possua 19.543 moradores, o município sertanejo conta com 12 sentenciados nascidos lá, ou 0,06% do total de carirenses. Segunda maior comuna do Estado com 153.253 moradores, Socorro chama a atenção pelo baixo número de condenados: apenas 15, ou 0,009% dos socorrenses. A coluna não pretende avaliar os números acima, exceto no caso de Socorro. O seu baixo percentual de presos deve estar ligado ao fato de muitos dos que praticaram crimes naquele município terem nascido em outras localidades, principalmente em Aracaju.

 

Dia D

O governador Marcelo Déda (PT) anuncia nesta segunda-feira a mudança de seu secretariado. Há quem garanta que depois de tantas informações desencontradas sobre quem fica e quem sai, vai permanecer quase todo mundo. Como escreveu o experiente colega Ivan Valença, no final, a montanha vai parir um rato. Pelo que se sabe, o governador mudará dois ou três secretários e alguns outros auxiliares do segundo escalão. Ele teria optado por uma minúscula reforma para não contrariar os aliados políticos. Tomara que a sua decisão não termine contrariando os sergipanos.

 

Temendo o pior

 

Os empresários sergipanos estão temerosos com as conseqüências da crise financeira a partir de janeiro. A informação é do presidente da Federação do Comércio do Estado de Sergipe, Hugo França. Segundo ele, 2008 foi um ano excelente para todos os setores da economia, mas a chegada da crise causou apreensão em todo mundo. O representante classista diz que a maior preocupação é com os micros e pequenos comerciantes, que não têm capital de giro e, portanto, são os primeiros afetados quando ocorre turbulência na economia.

 

Hora de promoção

De olho no consumidor que poupou durante as compras de Natal, o comércio varejista aposta nas promoções para manter as vendas aquecidas. A prática, comum ao varejo nesse período do ano, é responsável por inflar os ganhos dos lojistas, que em 2008 enfrentaram um Natal de vendas consideradas apenas razoáveis, com um crescimento de 2,8%, em grande parte influenciadas pela crise financeira. Além disso, o clima de incerteza levou às compras um consumidor mais cauteloso, que gastou menos com os presentes.

Aumento aguardado

As empresas de ônibus de Aracaju esperam que o prefeito Edvaldo Nogueirda (PC do B) anuncie esta semana o percentual de reajuste das passagens. O Setransp propôs que a tarifa passe dos atuais R$ 1,75 para R$ 2,10, mas a palavra final será da Prefeitura. Sem querer antecipar de quanto será a majoração, Nogueira disse que antes de chegar ao percentual é preciso “ver tudo, principalmente as condições em que as pessoas estão
andando nesses ônibus”.

Empresas exploram

O presidente do Sindicato dos Rodoviário de Aracaju, João Batista, garante que as empresas de ônibus da capital insistem em não pagar horas extra aos motoristas e cobradores. “Os companheiros são obrigados a trabalhar até 12 horas por dia sem direito a reclamar, pois se o fizerem não recebem as horas extras e ainda são demitidos”, denuncia Batista. Segundo ele, o Sindicato cansou de denunciar as concessionárias à DRT, que prontamente aplica pesadas multas, “mas as empresas recorrem, recorrem e não pagam”. Um horror!

Trago amargo

É bom se apressar nestes últimos dias do ano para aproveitar os preços da cerveja e dos refrigerantes. É que no início de janeiro eles devem subir em até 15% por conta do aumento das alíquotas  do IPI, PIS e Cofins do setor de bebidas frias. Os produtos mais caros pagarão mais tributos, pois quanto mais alto for o preço, maior será a tributação. O único consolo é que o IPI das bebidas frias não subia desde 2002. O PIS e a Cofins não eram elevadas desde 2004.

Contra o turismo


As empresas aéreas são o maior empecilho para o nosso turismo. Sob o argumento que Aracaju é uma praça fora da rota, elas cobram preços exorbitantes a quem pretende viajar para a capital sergipana. Uma passagem da Gol de São Paulo para Salvador custa R$ 499, preço que sobe para R$ 1.150 se o turista quiser sair de Guarulhos (SP) para Aracaju. A tarifa aérea da mesma Gol do Rio de Janeiro para Salvador custa R$ 339, valor que salta para exagerados R$ 990 quando a rota é do Galeão (RJ) para o nosso aeroporto. É claro que na hora de decidir, o turista geralmente desiste de Aracaju. Lamentável!

 

Sorte grande

 

Quem jogar na Mega-Sena corre o risco de ganhar a bagatela de R$ 35 milhões. Este é o prêmio previsto para o próximo sorteio, que acontecerá quarta-feira que vem. Embora alguns pessimistas afirmem que a chance de ganhar na Mega-Sena é a mesma se você jogar ou não, a coluna o aconselha a fazer uma fezinha. Vai que dá um azar para a Caixa Econômica Federal e o seu cartão é premiado. Ô vidão!

 

Vírus feroz


Veja o que está rolando na internet: Foi descoberto um vírus ameaçador chamado “trabalho”. Se você receber “trabalho” dos seus colegas ou do seu chefe, não tenha contato com ele, em nenhuma circunstância!!! Este vírus deleta completamente sua vida pessoal. Caso tenha contato com este vírus, pegue imediatamente dois amigos e vá diretamente para o bar. Peça três cervejas. Repita o processo 14 vezes, fique tranqüilo, o desgraçado  terá sido completamente removido da sua cabeça. Se você perceber que não tem dois amigos, cuidado!!! … Atenção!!! …O “trabalho” pode estar controlando sua vida… Reaja!!!

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários