A QUESTÃO DA ORLA

0

Plenário recebeu razoável número de e-mails e telefonemas, falando sobre o comentário publicado ontem, em que se refere aos festejos do sesquicentenário de Aracaju, anunciando que a inauguração da orla de Atalaia abafou as solenidades realizadas pela Prefeitura e Aracaju. Os leitores se manifestaram a valer com críticas e elogios, discordâncias e concordâncias. Alguns apelaram para o lado político e fizeram ataques pessoais a autoridades do Estado, que não foi considerado importante para um tema que tinha um compromisso de levantar a questão sobre uma data tão importante quanto os 150 anos de Aracaju. Embora algumas pessoas tenham visto o dedo político na análise, a intenção não era essa, mas mostrar que alguma coisa de importante precisa ser feita para que se marque uma administração. De todas as correspondências uma delas foi acolhida, pelo equilíbrio do seu conteúdo, mesmo que oferecesse uma versão avessa ao que fora divulgado neste mesmo espaço. Foi a enviada pelo leitor Edson Júnior que iniciou demonstrando “um certo desapontamento com o que fora comentado” Edson diz o seguinte:

 

“Que, sem dúvida, a nova orla está bonita e se transforma em importante espaço para o cidadão aracajuano, sem contar no incremento turístico. Mas, como toda obra de cimento merece reparo ao longo do tempo e a nova orla é uma expressão do que digo, a nova de hoje será a velha daqui a 30 anos, concorda? Nesse ponto, gostaria de lembrar o belíssimo hino de nossa cidade, composto pelo músico José Gentil Filho, vencedor do concurso realizado pela Prefeitura do Município. “O hino simboliza o sentimento do cidadão em relação a sua cidade ou seu país. Daqui a 30 ou 300 anos, o hino será esse. Ou seja, já está eternizado. As homenagens prestadas a cidadãos das mais variadas áreas, expressões de nossa terra, como Ilma Fontes, Celso de Carvalho e tantos outros, não foram abafados pela nova orla. Portanto, cada instante do sesquicentenário teve sua importância e acredito, sem paixão, que os momentos foram se somando e não se destacando.

 

Dizer que o prefeito Marcelo Déda não fez uma obra que marcasse sua administração é muito subjetivo. Você mesmo citou a avenida São Paulo e a orlinha do Bairro Industrial, mas pode-se adicionar, também, a Reurbanização da Coroa do Meio, que devolveu a dignidade a centenas de pessoas que estavam depositadas em palafitas; a regularização fundiária que a Prefeitura vem desenvolvendo em bairros como o São Carlos e a própria Coroa do Meio, dando tranqüilidade a quem não tinha um instrumento legal de posse; o Samu que diariamente tem salvado vidas e mais vidas; o PAR que tem exercido importante papel não apenas na questão da moradia, mas também do emprego; a reforma e edificação de praças, dando destaque para o padrão de ambientação. Cito as praças do Santo Antônio e do 18 do Forte, como exemplos; a própria avenida São Paulo, obra reclamada há décadas pelos cidadãos e que sucessivas administrações ignoraram; a orlinha do Bairro Industrial, também ignorada por décadas; o Santa Maria em execução, também há décadas esquecido. Não foram iniciadas ainda, mas as obras de construção de dois hospitais municipais, um no Augusto Franco e outro na Av. Maranhão, terão importante significado para a população.

 

Um fator comum em todos os pontos que citamos é, sem dúvida, a preocupação com setores e áreas mais fragilizadas de nossa cidade, ou seja, a pirâmide de prioridades foi invertida e isso se reverte numa cidade mais humanizada e justa.

Por tudo isso e acreditando que o maior patrimônio de uma cidade é seu povo, os cidadãos aracajuanos, que foram alcançados pelas obras elencadas, têm opinião diferente do comentário escrito ontem, quanto ao que seja uma obra que marque uma administração. Que há muito que se fazer, ninguém discorda, mas tentar desfazer, ou ignorar o que já foi feito, não é correto”.

 

 

REUNIÃO

A reunião com representantes dos Estados que integram a bacia do São Francisco contou com a presença de políticos e técnicos convidados.

Os governadores mandaram representantes, membros da igreja participaram, além de deputados dos demais Estados que lutam contra a transposição.

 

DÉDA

O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), não compareceu à reunião contra a transposição e nem mandou representante.

Na hora de iniciar a sessão, Déda ligou para o deputado Antônio Passos (PFL), que presidia a sessão, justificando a ausência. Encontrava-se em Brasília.

 

PALESTRA

O governador João Alves Filho participou da reunião e alertou para a gravidade do projeto do Governo para a transposição ser executado da forma que está.

Segundo João Alves, “poderá levar ao maior desastre ecológico da história do Brasil”. Para ele o projeto é tecnicamente errado.

 

DOM LESSA

O arcebispo de Aracaju, dom José Palmeira Lessa, admitiu que João Alves Filho mostrou que a questão não é política partidária, “mas de vida e morte de um rio”.

O bispo de Propriá, dom Mário Sivieri concordou com a opinião do governador, de que o projeto é prejudicial ao Nordeste.

 

MÍDIA

Augusto Bezerra disse que o próximo passo será realizar um trabalho para enfrentar a mídia nacional sobre a transposição, eu vem sendo feita pelo PT.

Dia 29 de abril a reunião será em Pirapora (MG), com os governadores, dos senadores dos Estados. Os ministros Ciro Gomes e Marina Silva serão convidados para o encontro.

 

VOTAÇÃO

Os deputados federais João Fontes, Bosco Costa, José Carlos Machado e Ivan Paixão votaram ontem pela derrubada da MP-232 e pela correção do Imposto de Renda.

Os outros quatro parlamentares sergipanos optaram pela obstrução do processo de votação, ficando a favor do Governo Federal.

 

VÁLIDA

Com isso, a Medida Provisória 232 passa a valer a partir desta sexta-feira, o que trará uma série de dificuldades para a área prestação de serviços.

Segundo João Fontes, com a 232 o Governo pode aumentar a carga tributária para profissionais liberais, prestadores de serviços “e até caminhoneiros”.

 

JANTAR

Albano Franco, Marcelo Déda, senador Valadares e Jackson Barreto, que chegou um pouco atrasado, jantaram ontem no restaurante Piantella, em Brasília.

O assunto predominante foi único: a sucessão estadual em Sergipe. Albano manteve-se cauteloso e mostrou maior proximidade com o senador Valadares.

 

RENAN

Por alguns minutos, o presidente do Senado, Renan Calheiros sentou à mesa e insistiu para Albano se filiar no PMDB: “quero deixar claro aqui que sua vinda para o partido será fundamental para o Nordeste”, disse.

Renan pensou um pouco, sorriu e completou: “é claro que com o prefeito Marcelo Déda na cabeça”.

 

REAÇÃO

A questão do convite do senador Renan Calheiros pra que o ex-governador Albano Franco ingresse no partido, mexe com o Diretório Regional.

O deputado federal Jorge Alberto (PMDB) já se manifestou sobre o assunto e disse que ninguém vai aceitar uma filiação de cima para baixo.

 

CHAPÃO

Uma posição que os pretensos candidatos do Partido dos Trabalhadores vão tomar quando iniciar a discussão sobre coligações: ninguém aceita o chapão.

Os futuros candidatos querem que o partido faça coligação majoritária e deixe livre a proporcional. Acham que o PT terá mais chances de eleger maior número de deputados.

 

DENÚNCIA

O leitor José Israel faz duas denuncias graves via e-mail: “alguns inquéritos do crime organizado em Sergipe são engavetados e sofre retardamento nas conclusões”

Diz também que o engavetamento serve “para permitir que testemunhas importantes sejam assassinadas antes dos depoimentos”.

 

SURPRESA

José Ismael revela também que a Polícia Federal, numa investigação sobre sonegação de impostos, descobriu figuras destacadas da sociedade envolvida com roubo de carros, assaltos e tráfico de drogas.

Ismael acrescenta que a PF está checando informações para conseguir enquadra-los, “já que pelo modus-operandis utilizado, os figurões não aparecem, apenas comandam”.

 

 

NOTAS

 

EXPLICAÇÃO-1

O ex-deputado Pedro de Balbino enviou e-mail explicando nota publicada nesta coluna. Diz que ficou surpreso com as declarações que lhe foram atribuídas, sobre um possível descontentamento relacionado ao tratamento que é dispensado por auxiliares do atual governo ao pessoal do interior.

Acrescenta que “já fui administrador público e entendo que embora o desejo de acertar plenamente, é fato consumado que nenhum administrador público tem conseguido acertar em 100% na escolha dos auxiliares”.

 

EXPLICAÇÃO-2

Segundo Balbino, “mesmo diante deste entendimento, admito que a João Alves Filho tem sido feliz na escolha de muitos e infeliz na de alguns poucos. Entendo assim e tenho expressado isso governador, até como forma de contribuir oferecendo o nosso ponto de vista em relação ao comprometimento político”.

Pedro de Balbino ressaltou que alguns políticos podem se sentir prejudicados por ações desses auxiliares. Relatou, porém, que em momento algum avaliou questões de tal natureza fora do seu agrupamento político.

 

EXPLICAÇÃO-3

Pedro de Balbino esclareceu que “na última vez que dialoguei com o amigo e ex-prefeito Jerônimo Reis, o fiz na tentativa de confirmar se havia ou não veracidade nas informações de que ele estaria propenso a tornar-se aliado do nosso bloco político”. Deixando claro que foi uma conversa sem reclamações.

“Mesmo imaginando estar diante de um futuro aliado, fiz questão de ainda tratá-lo como adversário e nesta situação, não me permitiria discutir o assunto em questão” concluiu Pedro de Balbino e esclareceu o fato.

 

É fogo

 

Nos bastidores das legendas partidárias já se faz comentários sobre como serão formadas as composições no próximo ano.

 

Em setembro haverá uma grande movimentação política para filiações em novas siglas partidárias. Vão surgir muitas surpresas.

 

A Globo bateu recorde de audiência, terça-feira, com a escolha do vencedor do programa Big Brother.

 

O deputado federal João Fontes (PDT) já está cuidando do encontro que o seu partido realizará em Sergipe com a cúpula do PPS.

 

O vereador Daniel Fortes (PSC) não está satisfeito com o atendimento das agências bancárias em Aracaju.

 

O deputado Jorge Alberto (PMDB) defendeu no Congresso a recriação da Sudene. Acha que sua extinção promoveu o agravamento dos problemas regionais.

 

O deputado Francisco Gualberto ao ver o seu colega Venâncio Fonseca (PP) de gravata vermelha, disse que ele estava homenageando o PT.

 

O deputado estadual Jorge Araújo (PSDB) quer mais segurança policial ns balsas que fazem a travessia Caueira/Mosqueiro.

 

Segundo Jorge, no último final de semana quatro veículos esperavam a balsa, quando quatro bandidos roubaram tudo e desapareceram no manguezal.

 

Mesmo depois de intensas negociações, o governo decidiu rejeitar a Medida Provisória 232 que corrige em 10% a tabela de imposto de renda para pessoas físicas.

 

O número de passageiros de vôos internacionais, que desembarcou no Brasil, registrou média diária recorde em fevereiro.

 

A farinha de trigo será reajustada em 20% a partir do mês de abril e vai provocar aumentos diferenciados nos preços dos pães, massas e biscoitos em todo o país.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários