Abril Vermelho

0

As invasões que vêm sendo praticadas pelo Movimento dos Sem Terras (MST), dentro da operação Abril Vermelho, precisam ser revistas pelo Governo. É necessária uma posição decisiva, uma solução definitiva, para que não se leve este país a uma situação de confronto. Há informações concretas de que os proprietários de terras estão se armando para defender suas propriedades e evitar a invasão. Até o momento a operação está sendo pacífica, mas o pessoal não está analisando as áreas para baixam acampamento e se apossa E o faz independente de que sejam produtivas ou não. É um problema preocupante, que começa a criar um clima de tensão no campo e nos centros urbanos. Ninguém deseja isso, mas se não houver providências imediatas, o confronto será inevitável, porque haverão mandados de reintegração de posse e, certamente, uma reação natural de quem está nesta luta. Será o pior, porque a Polícia terá que cumprir. O problema é que, aproveitando a onda do Abril Vermelho, todos os que estão sem alguma coisa, se aproveitam para também ir às ruas e praticar invasões. Foi o que aconteceu em São Paulo, esta semana, quando os Sem-Tetos invadiram prédios e tiveram que enfrentar a força da Polícia, que cumpriu mandados judiciais e retiraram, a porradas, famílias que não têm moradia. É um outro problema que surge incentivado pelo Abril Vermelho e que está colocando todo o Brasil em clima de medo. Voltando aos Sem Terras é bom lembrar que eles invadem, inclusive, fazendas produtivas e agem com violência quando estão de posse do terreno. O deputado federal João Fontes (sem partido), por exemplo, é um parlamentar que defende um projeto de reforma agrária imediato, mas denunciou que em Boquim uma pequena propriedade produtiva teria sido invadida por membros do MST. Tratava-se de uma fazenda bem estruturada, com laranjais e algumas cabeças de gado. Pois bem, os invasores sequer permitiram a entrada dos proprietários. Utilizaram os bens, praticamente saquearam tudo o que tinha na propriedade e estavam armados. João Fontes lamentou esta atitude, porque o objetivo dos Sem-terra é invadir terras improdutivas, provocar a sua desapropriação e dividir os lotes com as famílias, para que se trabalhe a terra e tenha pelo menos a agricultura de sobrevivência. Essa prática é condenável e é em razão dela que muitos proprietários estão se armando para evitar invasões de suas terras, que produzem e lhe dão sustentação. O Governo precisa agir de alguma forma, para evitar um confronto de proporção lamentável. Ou agilizando o projeto de Reforma Agrária, como prometeu aos agricultores do MST, o que seria o mais correto, ou então criando condições de acabar com essa operação Abril Vermelho, que está espalhando tensão no campo. O melhor será que o faça através do diálogo, com intermediação de setores neutros, como a Igreja, por exemplo. O que não pode é cruzar os braços diante do problema e entregar a solução aos donos de terras, que devem repelir com violência as próximas invasões. Que isso não ocorra, porque há necessidade de se manter a tranqüilidade no país e não provocar uma instabilidade que possa levar a uma gravidade que ameace a segurança e tranqüilidade. Reforma Agrária já, com urgência urgentíssima, mas sem ferir o direito à propriedade, defendido pela constituição. Além do MST vai se iniciar, em todo o Brasil, inclusive em Sergipe, uma explosão de movimentos reivindicatórios, que pode parar toda a estrutura de funcionamento do Estado. Os policiais federais estão em greve, a Polícia Civil já começou a exigir melhores salários, os professores suspenderam as aulas e estão de braços cruzados, os médicos também querem aumento e o funcionalismo público pode paralisar, porque reivindicam as perdas com a inflação, além da longa espera por um reajuste. Há 10 anos que o pessoal não tem aumento nas áreas estadual e federal. É um momento difícil que necessita de muito controle para sustentar essa situação, que tende a um clima de paralisações e tensão. GILMAR O deputado Gilmar Carvalho (PV) vai anunciar, segunda-feira, se será candidato ou não a prefeito. Plenário antecipa que ele está completamente fora do processo. Segundo uma fonte vinculada ao parlamentar, ele deve apoiar um candidato, dependendo do andamento da Comissão de Ética. RELAÇÃO O governador João Alves Filho (PFL) tem em mãos uma lista tríplice para escolher o secretário de Turismo, em lugar de Pedrinho Valadares. O mais cotado, quase certo, é o empresário Gilson Figueiredo, que é presidente da CDL e ocupa o cargo de secretário adjunto da Indústria e Comércio. VIAGEM O governador viajou ontem a Brasília para contatos ministeriais e retornou à noite. Aproveitará o feriado para alguns despachos. É possível que o nome de Gilson Figueiredo seja confirmado até o final da semana. O governador ainda não conversou com ele. GARIBALDE O deputado Luiz Garibalde (PDT), que não fez qualquer declaração de que é candidato a prefeito de Aracaju, apareceu com 7 pontos em uma pesquisa. O secretário de Turismo Pedrinho Valadares (PFL) melhorou nesta pesquisa e também aparece com 7 pontos percentuais. ALMEIDA O senador José Almeida Lima (PDT) disse, ontem, que até agora ninguém, dentro do partido, se apresentou para encarar uma candidatura à Prefeitura de Aracaju. Sobretudo o deputado estadual Luiz Garibalde, que reunia melhores condições para a disputa, se propôs a candidatar. APOIO Almeida Lima disse, também, que até o momento não anuncia apoio, porque ainda pode surgir alguém, dentro do PDT, que se apresente como candidato. Acrescentou que a decisão do partido para apoiar alguma candidatura só vai acontecer em junho, quando tiver próximo das convenções. SAMARONE O vereador Antônio Samarone (PDT) se filiou ao partido como uma alternativa para se candidatar à Prefeitura de Aracaju. Até o momento, entretanto, Samarone não se manifestou para ser candidato à Prefeitura de Aracaju e deve disputar a reeleição. LAGARTO O deputado Walmir Monteiro e o ex-prefeito José Raimundo Ribeiro (Cabo Zé) ainda não chegaram a um entendimento sobre candidatura à Prefeitura de Lagarto. Os dois pretensos candidatos estão fazendo proposta para ser cabeça de chapa e o outro indique ou dispute a vice. COM JOÃO Os dois devem voltar ao governador João Alves Filho com alguma definição, mas até o momento está na estaca zero. Os aliados dos dois aconselham que não abram mão de ser o candidato a prefeito. Cada vez está mais difícil. ENTREVISTA O presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra (PT), será o entrevistado da Rede Ilha, na próxima sexta-feira, às 7 horas. Participará da radio conferência. Vai falar sobre a campanha para derruba-lo, sucessão municipal e os primeiros trabalhos para instalação da refinaria de petróleo. DOENTE O advogado José Cláudio, defensor do ex-deputado Antônio Francisco, está esperado o deferimento de um requerimento que pede assistência ambulatorial para seu cliente. Segundo José Cláudio, o ex-deputado está sem se levantar e com pedido de internamento feito por médico. MORTE José Cláudio revela que os resultados médicos dão pressão alta constante e que os exames não podem ser feito apenas por um hospital do Estado. Na petição que fez à Justiça, o advogado José Cláudio diz que a prisão de Antônio Francisco é uma “pena de morte lenta”. POSSE O prefeito Marcelo Déda (PT) dará posse aos novos auxiliares na próxima terça-feira. Está faltando discutir algumas sugestões e remanejamentos. A posse não será na segunda em razão da possível vinda do ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto, para liberação de recursos destinados a assentamentos. Notas SUCESSÃO O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda, pré-candidato à reeleição, está evoluindo no processo sucessório e, na próxima semana, terá um encontro com o presidente regional do PT, Severino. Na outra semana terá a plenária com as bases, quando Déda vai participar com a tranqüilidade do apoio dos aliados. No decorrer da semana, os secretários do Município vão relatar para toda militância o que foi realizado nestes quase quatro anos de Administração. Será uma prestação de contas a todos os membros do partido. ALIADAS O prefeito Marcelo Déda vai dizer aos membros do PT que os partidos aliados liberaram para que ele fizesse a escolha do vice-prefeito, com apenas uma única recomendação: que o nome fosse um integrante das legendas que o apóiam. Em outras palavras, sugerem que a chapa não seja puro sangue. Na realidade, todas as lideranças que integram o bloco que apóia Marcelo Déda, na Prefeitura e para a sucessão, o liberaram para a escolha do vice. Não será o PT que vai por dificuldade para que isso não aconteça. EVOLUÇÃO O primeiro capítulo do processo sucessório no PT evoluiu bem. O prefeito Marcelo Déda conversou com todas as lideranças dos partidos que o apóiam e só depois de fechar as exposições para prestação de contas da sua administração, é que ele vai colocar o seu nome como candidato à reeleição. Acrescenta que as pesquisam dão uma certa tranqüilidade em torno da candidatura, porque todas elas batem com as que foram feitas internamente: “Mas não vamos colocar sapatos altos porque precisamos ir à luta”, disse. É fogo O deputado Mendonça Prado (PFL) mesmo adoentado foi a Brasília para trabalhar na Comissão Especial da quantidade de vereadores por município. Por ter sido vereador de Aracaju durante dois mandatos, Mendonça Prado foi titular da Comissão e colaborou com o projeto. O vereador Fabrício Cardoso, de Estância, esteve constantemente em Brasília para que o PEC andasse com maior rapidez. O nome do candidato a vice-prefeito na chapa de Marcelo Déda, só será anunciado em meados de maio. O complexo administrativo da Prefeitura de Aracaju, próximo à sede da Petrobrás, terá o nome do ex-prefeito Aloísio Campos. O deputado Gilmar Carvalho (PV) vai conversar com os seus aliados e anunciar as razões de sua decisão em não disputar a Prefeitura de Aracaju. Por equívoco, a coluna publicou ontem que o deputado Valmir Monteiro queria apoio de Cabo Zé para disputar a “Prefeitura de Aracaju”. O certo é “Prefeitura de Lagarto”. A deputada Maria Mendonça fez um apelo para que o Governo abra os canais de negociação com os professores que estão em greve. O presidente da Assembléia Legislativa, Antônio Passos (PL) já iniciou os trabalhos para adaptação de parte do prédio, para funcionar a TV Assembléia. O deputado Valmir Monteiro está preocupado com a redução de licenciamento de veículos, por causa das pesadas multas aplicadas pela SMTT. O deputado Garibalde Mendonça (PDT) entrou na luta para que o povoado Lagoa da Volta, de Porto da Folha, seja emancipado. O mercado financeiro prevê que a taxa básica de juros da economia brasileira sofra uma redução de 0,25 a 0,5 ponto percentual no próximo mês. Por Diógenes Brayner brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários