Ainda o Pré-Caju

0

Sem querer colocar qualquer gosto ruim na realização de uma das maiores festas do Nordeste, não é possível evitar certas críticas que, de alguma forma, podem servir para ajudar na prévia de 2006. Decididamente o local não é adequado, porque é repetitivo e termina enfadando quem está nos camarotes. Ver o mesmo bloco passar três vezes, sempre com o mesmo repertório, não é muito atraente para quem não está dentro das cordas, dançando, pulando, beijando e bebendo. O deputado Fabiano Oliveira, que promove a festa com muito esforço e trabalho, ainda não deve ter ouvido, uma única vez, que o espaço do mercado central é adequado para essa ciranda que fazem os blocos em torno de camarotes armados. A opinião é unânime em favor dessa mudança, que pode ser para a orla (parte que fica na passarela dos Caranguejos até a Aruana, com o corredor ficando por trás do Parque dos Coqueiros), ou para a avenida Pedro Valadares.  

Não se pode negar que o Pré-Caju no mercado democratizou a festa, porque praticamente há uma mistura da “pipoca” com os integrantes do bloco, o que elimina o distanciamento social. Mas é preciso saber se as pessoas que pagam para sair com maior espaço e segurança, estão satisfeitas com isso. Na avenida Beira Mar, a “pipoca” acompanhava os blocos praticamente da mesma forma e só se isolava no corredor da folia, que dava um certo charme às prévias de antigamente. Evidente que o corredor é elitista, porque reserva à classe média alta o direito de ver os blocos mais próximos e com exclusividade, mas é assim em Salvador e no Rio de Janeiro, onde as escolas desfilam para um seleto grupo que adquire amplos camarotes, mas também para o povão que superlota uma ampla arquibancada. Tudo isso precisa se analisar, porque a festa no mercado não está agradando, embora ninguém deixe de freqüenta-la por isso. Mas é apertado, se torna repetitivos pelo número de voltas dos blocos e perigoso pelo grande número de pessoas que está no mesmo espaço ao mesmo tempo. Como a lei da física não permite isso, resolve-se na porrada.

De qualquer forma a festa é imensa, bem organizada e tem que continuar…

Nesse Pré-Caju uma coisa ficou absolutamente patente: a incompetência lastimável da Polícia Militar para trabalhar com a massa. Um pelotão de seis soldados, por exemplo, ficava postado como uma parede, para receber uma multidão de aproximadamente 20 mil pessoas, que descia atrás de Timbalada ou Chicletes com Banana. Se alguém desse mar de gente tocasse de leve na manga da camisa de um dos soldados, havia um espetáculo de distribuição de cacetadas, numa violência que não tem palavras para qualifica-la. Sem contar com as brigas constantes, em busca de espaço físico, que eram resolvidas à base da “fanta”. Nunca uma Polícia distribuiu tanta “fantada” quanto se viu neste Pré-Caju. Evidente que não poderia tratar pessoas que iam para o evento pré-disposto à briga, com luvas de pelicas, mas a forma como a Polícia acabava esses desentendimentos agrediu até a pessoas inocentes, como um soldado que atingiu a perna de uma jovem, que caiu e teve de ser socorrida.

A “fanta” é um pedaço de madeira que derruba boi e mata. Os soldados não têm consciência dessa força dessa arma e bate em qualquer parte do corpo de um ser humano. Colocam a “fanta” para trás e bate no sujeito com a força de 90 graus. Se atingir o crânio é morte certa. Braço ou perna, não há jeito, quebra. Além disso são covardes. Quando Algum elemento é preso e está com as mãos para trás, eles batem violentamente nos rins, o que pode ser fatal para leva-lo à hemodiálise. E toda essa cena é assistida de camarote por senhoras, crianças e quem estiver na festa, da mesma forma que se vê Ivete Sangalo jogar sua simpatia e alegria para o público. O comando da Polícia precisa enviar oficiais a Salvador, para assistir como os policiais se comportam. Lá eles fazem o percurso em fila indiana, marchando fortemente, e a população vai abrindo espaço para que eles passem. São vários pelotões fazendo isso, numa multidão infinitamente maior à que se vê em Aracaju. Aqui não, os soldados querem servir de parede para a multidão que desce cheia de gás, sem querer ser tocados nem por uma flor.

É preciso rever tudo isso e manter essa festa maravilhosa que é um marco do turismo sergipano…

EXONERADO
O comandante da Polícia Militar, coronel Claudemir Mendonça, será exonerado do cargo, assim que retornar da viagem de descanso dos festejos do Pré-Caju. O secretário Luiz Mendonça já havia comunicado ao governador João Alves Filho o desejo de afasta-lo. O Pré-Caju foi a gota d’água.

PALESTRA
A senadora Maria do Carmo Alves (PFL) faz palestra amanhã, em Paris, sobre o programa de inclusão social desenvolvido em Sergipe, pela Secretaria de Combate à Pobreza. Maria do Carmo Alves atende a convite do embaixador da Unesco no Brasil, que ficou impressionado com o projeto.

RETORNO
O governador João Alves Filho (PFL) retorna da viagem que faz ao exterior no dia 25 e já vem com o objetivo de iniciar as atividades políticas visando à reeleição de 2006. João Alves Filho já tem uma nova equipe de marketing trabalhando, para dar uma mudança na forma que o governador vem fazendo política.

MOVIMENTO
Há um movimento entre os parlamentares das oposições de se unir com um nome da situação para disputar a Mesa Diretora da Assembléia. O pessoal encontra algum apoio, mas tem resistência de dois parlamentares, que temem ser prejudicados em 2006.

CAMAROTE
Um dos mais importantes secretários de Estado fez um verdadeiro discurso, esculachando um dos colegas de equipe. O fez publicamente, em voz alta e sem pedir reservas. Demonstrou uma forte rixa com o outro auxiliar de primeiro escalão. “Desonesto” foi considerado um elogio diante do amontoado de desqualificação que ele fez.

DESABAFO
O desabafo do secretário, feito em um camarote do Pré-Caju, expõe um velho desentendimento e demonstra que dentro da equipe existem inimigos inconciliáveis. Uma equipe de Governo tem como item primário a unidade, porque se houver uma distorção no grupo, um torce para que o outro erre. E quem perde é o governador.

ALBANO
O ex-governador Albano Franco (PSDB) esteve uma única vez no Pré-Caju, acompanhado de amigos do Rio de Janeiro e foi para o camarote da ASBT. Nas entrevistas, Albano evitou conversar sobre política, assunto perguntado por todos os repórteres. Albano é um dos nomes mais procurados para falar sobre política mo momento.

OPOSIÇÃO
A cúpula da oposição, Marcelo Déda, Antônio Carlos Valadares, Jackson Barreto e Edvaldo Nogueira, participaram do bloco Chiclete com Banana. Faltou apenas o deputado Heleno Silva (PL), que é pastor. Marcelo Déda agüentou o pique e também deu uma volta no bloco Cerveja e Cia, com Ivete Sangalo.

SUCESSÃO
No camarote de um prefeito do interior, na presença de outras lideranças, o nome do senador Antônio Carlos Valadares (PSB) era o nome mais citado para ser candidato ao Governo do Estado. A opinião geral é que Valadares soma mais e tem melhor acesso às lideranças do interior. A maioria acha que chegar a Déda é muito difícil.

APELO
Noventa por cento dos entrevistados por rádios e emissoras de televisão consideraram enfadonho, pequeno e propício à violência o atual local onde se realiza o Pré-Caju. A quase unanimidade prefere que retorne à Beira Mar ou se encontre outra área mais ampla para a realização do evento, que continua sendo referência para o turismo sergipano.

PROMOTORES
Henrique Margil envia e-mail e relata: aconteceu domingo, às 15h15mim, praia de Aruana, rodovia José Sarney uma batida de carros: um Corola e um fusquinha. Motorista do Corola, o promotor de Justiça, Rogério, só não se chegou as vias de fato, porque populares evitaram. O outro motorista também era promotor. Só que de vendas.

NEPOTISMO
Luiz Carlos de Oliveira (PT) diz que o prefeito de Campo do Brito, Manoel de Souza (Maim) pratica o nepotismo em sua administração. Todas as Secretarias, segundo ele, é formada por parente próximo do prefeito, inclusive Finanças, Saúde, Educação e Obras.

REUNIÃO
A Executiva Regional do PMDB fará uma reunião antes do início do período legislativo, para discutir posições partidárias na Câmara e Assembléia. O objetivo é oferecer um novo padrão de atividade política, para que o PMDB avance na Câmara e Assembléia.

CONVITE
Um deputado federal do PL telefonou para Heleno Silva (PL), convidando-o a participar de almoço em solidariedade à candidatura de Virgílio Guimarães (PT) a presidente da Câmara. Heleno respondeu que primeiro precisava conversa com o comando do partido. O deputado já resolveu que não participa do almoço.

Notas

TUCANOS
A partir de fevereiro, os novos tucanos vão promover um ato com dirigentes e lideranças nacionais para marcar a filiação e buscar mis aliados. O projeto é de um dos novos tucanos, o deputado estadual Luiz Garibalde, lembrando que no PDT existiam 9 mil filiados, mas quer dobrar este número no ninho tucano. Garibalde diz que depois do ano, muitos políticos se interessarão pelo PSDB por causa de suas propostas: “vamos atuar na oposição ao Governo Federal e estamos apostando que tem muita gente insatisfeita com o presidente”.

CHUVAS
O diretor geral da Defesa Civil, Adalberto Figueiredo, disse ontem que as chuvas não resolveram o problema da seca em Sergipe, mas amenizaram muito a situação. Há reservas de águas e a possibilidade de redução do uso do caminhão pipa em municípios como Nossa Senhora da Glória e Porto da Folha. Adalberto Figueiredo acrescentou que já há um maior ânimo dos agricultores e, segundo informações recebidas por ele, há perspectiva para novas chuvas neste próximos dias, inclusive durante os dias de carnaval.

LEGISTAS
Os médicos legistas estão querendo equiparação salarial com os delegados – que ganham hoje cerca de R$ 5 mil – enquanto eles têm salário de R$ 500. A categoria é importante no trabalho de elucidação de crimes. Os médicos legistas não tratam apenas de fornecer um simples laudo para liberação de corpo. O pessoal também oferece à Polícia elementos científicos importantes na investigação de crimes e na identificação de cadáveres. Os médicos reclamam que as autoridades da segurança não dão importância ao trabalho.

É fogo
O ex-governador Albano Franco (PSB) visitou vários camarotes de políticos no sábado passado, quando foi ao Pré-Caju.

O prefeito Marcelo Déda, à vontade na avenida, dançou o reggae dentro de um ritmo que fez inveja a muita gente.

Há uma grande expectativa de mudança do local do Pré-Caju para outro mais amplo e que suporte o grande número de foliões.

A maioria dos secretários de Estado tinha o seu camarote pessoal para os familiares e receber os amigos.

O secretário de Turismo, Pedrinho Valadares, está na Europa e não pode participar do Pré-Caju. Ele acompanha o governador João Alves Filho.

O deputado federal José Carlos Machado (PFL) não compareceu uma única vez ao Pré-Caju, estava se recuperando de um tratamento na coluna.

O próximo ano será de maior movimentação nos bastidores dos camarotes. Trata-se de um n político, onde os candidatos querem aparecer.

Está previsto para o período de 26 a 28 o I Encontro Brasileiro de Prefeitos e Vereadores, no auditório de um hotel da orla.

A Associação de Procuradores do Estado de Sergipe (Apese) promove um curso preparatório para o concurso de procurador do Estado de Sergipe.

Em dezembro, o índice de cheques devolvidos no Brasil foi de 1,68%, número 28,8% inferior ao do ano anterior.

O reaquecimento da atividade econômica fez com que 2004 terminasse com o saldo recorde de 1,523 milhão de novos empregos formais.

Atualmente quatro milhões de pessoas fazem suas comprar na Internet. A elite da elite, dizem os lojistas.

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários