Albano não venceu

0

“Ganhou, mas não levou”. Essa frase que é usada popularmente em vários casos aplica-se bem para o ex-governador Albano Franco (PSDB), que venceu a eleição para deputado federal, mas não levou. Um amigo bem próximo do ex-governador disse que Albano Franco esperava não apenas ultrapassar a barreira dos 100 mil votos, como também ser o mais votado.


Como se explica que um ex-governador que passou oito anos no Governo do Estado, ter menos votos do que Jackson Barreto  (que aliás derrota Albano pela segunda vez. Lembra do 1º turno em 1994?) e, do neófito na política o médico Eduardo Amorim. Este, que foi o mais votado é um fenômeno, porque andou bem menos do que os outros candidatos. Não andou um quarto do que o ex-governador Albano Franco andou ao lado do atual governador João Alves Filho.


Albano Franco não chegou aos pés do pai dele, o saudoso Augusto Franco que há 24 anos, saiu do governo estadual para ser o deputado federal mais votado de todos os tempos. A votação dele na época, mais de 100 mil votos, só foi superada agora por Jackson Barreto. Com um detalhe: se comparado o eleitorado atual e o de 1982, Augusto Franco teria cerca de 300 mil votos. Albano também não superou o primeiro lugar do irmão dele, Antônio Carlos Franco que foi eleito em 1986 o deputado federal constituinte mais votado.


Além de amargar o terceiro lugar com gosto de derrota, Albano Franco viu que a aliança com João Alves afastou dele vários correligionários políticos que eram também amigos do dia-a-dia. Pessoas fieis como os deputados Jorge Araújo, Ulices Andrade e Bosco Costa. Ao lado dele ficou apenas o deputado Fabiano Oliveira que foi derrotado como candidato a vice-governador. Como experiente político o percentual apertado na eleição de Maria do Carmo para o Senado Federal deve ter pesado na consciência dele. Certamente se tivesse saído sozinho seria hoje um senador da República.


João Alves deixa o governo, mas tem fieis companheiros com mandatos que sempre estiveram ao lado dele independente do poder. Já Albano Franco, por conta da aliança deste ano está isolado politicamente no Estado e tem apenas uma chance para retornar a ter fôlego político: a eleição de Geraldo Alckmin para presidente da República. O tucano ganhando ele vota a ter poder ganhando Lula, Albano Franco continuará com a sensação que ganhou um mandato, mas não levou.


Querem colocar João Alves no TC
Dois auxiliares importantes do governador João Alves Filho (PFL) que ainda não assimilaram a derrota para o governo estadual, tentam colocar na cabeça do pefelista que ele deveria renunciar o mandato para assumir uma vaga no Tribunal de Contas. Pelo que se sabe João Alves não tem o menor interesse. Outro amigo do governador disse que esta idéia está descartada porque, pode ser até legal, mas do ponto de vista moral e ético seria péssimo para um político que teve uma carreira brilhante como o pefelista.


Trade não aceitará tentativa de intervenção
Um segmento que está organizado em Sergipe é o turismo. O Trade turistico, formado por vários representantes de entidades conquistou um espaço há muito tempo. Um de seus membros está tentando passar toda interlocução da organização para o candidato derrotado a vice-governador Fabiano Oliveira. Os outros membros ainda não se manifestaram, mas não aceitarão, já que entendem que independente da posição político-partidária o  Trade precisa de um relacionamento salutar com o Governo do Estado. Qualquer tentativa de mudança do rumo do Trade cheira a articulação política-partidária.


Parlamentar reclama de calote de federal
Ontem na sessão da Assembléia Legislativa, um deputado (a) reclamava sem pedir segredo que um candidato a deputado federal eleito, poderoso e famoso deu um calote na última semana. Pelo jeito a chiadeira do deputado (a) vai acabar na tribuna da Assembléia. Olha o barraco ai gente…


Gesto louvável de João Alves
É muito louvável a atitude do governador João Alves Filho (PFL) em possibilitar a atuação de uma equipe de transição escolhida pelo futuro governador Marcelo Deda (PT). A decisão do governador atual mostra o grau de maturidade política e o entendimento de que os dias atuais não comportam mais atitudes mesquinhas por parte de quem compõe a classe política, seja onde for. A decisão de João Alves  mostra o teor democrático do seu comportamento em aceitar o resultado das urnas, mas mostra também o compromisso pertinente a quem não deseja ver o setor administrativo do Estado emperrado na solução de continuidade em função do boicote de informações. Aliás, o funcionamento de uma equipe de transição deveria ser algo estabelecido pela  legislação eleitoral. Uma atitude que merece os aplausos de todos os eleitores de Sergipe.


Ivan desabafa em entrevista na FM Sergipe
Ontem pela manhã, o ex-deputado Ivan Paixão não mediu palavras sobre a eleição deste ano. Jogou farinha para todos os lados. Uma delas chamou a atenção dos ouvintes: “Perdemos os dedos, ficaram os anéis, foi essa a opção da família Alves na eleição deste ano”. O apresentador do programa, Jailton Santana não deixou por menos questionou mais ainda Paixão que voltou a lembrar que o povo não aceita tantos familiares juntos candidatos. Lembrou que João em 1998 foi candidato ao lado de Maria e perdeu. Agora repetiu a dose.


Monitoramento no Banese
Esta coluna não pode ser acessada no Banese, mas os banesianos continuam lendo e passando informações importantes. Os heróis melancias detectaram ontem a presença de alguns advogados da coligação liderada pelo governador João Alves Filho na direção do banco, no Distrito Industrial. Ninguém entendeu nada até porque os problemas jurídicos do banco são tratados pela assessoria jurídica que é competente. Será que foi cometido algum crime eleitoral? A coluna não acredita. Por falar em melancia, os servidores públicos que estão em alerta nos órgãos públicos e tiverem suspeita de alguma irregularidade pode denunciar para esta coluna.


Fontes mostra porque era chamado de laranja
De um leitor sobre o anúncio de João Fontes em defender o apoio a candidatura de Alckmin: “ele mostra a quem estava prestando serviço na eleição deste ano. Agora o povo deu a resposta e ele não conseguiu obter nem mesmo os votos que teve para deputado federal em 2002. Agora vai apoiar Alckmin com a promessa de que se o tucano for eleito ganhará um cargo federal em Sergipe”.


Lagrimas de um vencedor
Márcio Dantas, um dos melhores repórteres fotográficos deste Estado captou todo sentimento do governador eleito Marcelo Deda (PT), quando na entrevista coletiva ficou emocionado ao lembrar da trajetória política, das dificuldades e a recepção popular a candidatura dele.  “A vida vale muito a pena”, disse emocionado Deda.


Quando janeiro chegar…
A Internet é tratada mundialmente como um ambiente livre de comunicação. A única exceção é dentro do Banco do Estado de Sergipe onde os servidores são proibidos de acessarem  alguns endereços eletrônicos. É possível a partir de primeiro de janeiro, com Sergipe governado por um jovem, a mentalidade seja alterada e os servidores tenham acesso livre a toda informação que circula na rede mundial de computadores.


Mais uma vergonha para Sergipe
Sergipe pode se tornar manchete nacional com o episódio da não aplicação da pena para juiz aposentado Francisco de Melo Novais. É inadmissível que um julgamento seja anulado por um erro de digitação quando todos que participaram do julgamento possuem plena consciência da decisão adotada pelo júri. O caso está sendo analisado por um renomado advogado criminalista que pretende remeter a análise do caso para o programa “Linha Direta” da rede Globo de televisão. A versão que o advogado pretende conceber é a de corporativismo no seio do judiciário sergipano.


Repúdio ao esquema de algumas emissoras
É impressionante a quantidade de eleitores que votaram no candidato João Alves Filho (PFL) e estão repudiando veementemente a atitude de emissoras de rádio ligadas ao esquema de apoio governamental que durante a divulgação da apuração colocava o candidato do PFL, como sendo o vencedor quando os petistas já comemoravam nas ruas a vitória de Marcelo Deda (PT). O comportamento dessas emissoras criou constrangimento para muitos eleitores do PFL que ao perceber que haviam perdido a eleição procurariam se recolher para evitar as provocações e os achincalhes, no entanto permaneceram nas ruas comemorando porque estavam sendo ludibriados na sua confiança em ouvir as tais emissoras. É deveras lamentável essa situação para os que defendem um jornalismo com seriedade e profissionalismo.


Em Carmópolis, consenso na Câmara
A eleição para presidente da Câmara de Carmópolis pode ser consenso no final deste ano. Tudo porque o vereador José Carlos, conhecido como Carlinhos da loja, tem a simpatia dos colegas da oposição e da situação. Até prefeito Wolney Leite vê com bons olhos a eleição de Carlinhos.


Inutilidade das pesquisas eleitorais
Muitos eleitores foram surpreendidos com os números da eleição para o Senado Federal. Alguns não acreditaram que a diferença que separou Dutra de Maria foi de apenas 3%, visto que durante toda a campanha a pefelista era colocada como sendo a candidata imbatível e vencedora disparada do pleito. O resultado final serve para mostrar quanta inutilidade existe na divulgação de pesquisas eleitorais que são utilizadas para anestesiar a vontade do eleitor e conduzi-los para um caminho não desejado.


Dúvida sobre votos de Augusto e André
Uma dúvida começa a ganhar corpo nas rodas políticas, com a possibilidade dos deputados eleitos Augusto Bezerra e  André Moura não assumirem os mandatos conquistados nas urnas em função de duas representações propostas pelos  procuradores da República Paulo Fontes e Eunice Dantas. Alguns advogados eleitorais admitem que se houver a cassação do registro, os votos dados a Augusto e André poderão ser anulados já que o fato denunciado pelos procuradores ocorreu antes do resultado do pleito. Dessa forma pode haver redução no número de votos da coligação podendo beneficiar um suplente de outra coligação. Os dois  tiveram juntos quase 70 mil votos.


Investimentos para novo campus da UFS
A Agência Financiadora de Estudos e Pesquisas (Finep)do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), com base nas avaliações do Comitê de Consultores, no montante de recursos disponível e nas condições estabelecidas na chamada pública, está recomendando investimentos da ordem de R$ 989,351,00 para a Universidade Federal de Sergipe. O comunicado da aprovação foi feito pela Finep ao reitor da UFS, professor Josué Modesto dos Passos Subrinho.Os recursos serão aplicados na implantação de infra-estrutura de pesquisa do Campus Avançado da UFS em Itabaiana, viabilizado este ano e que já se encontra em funcionamento.


Tremendo cara de pau
Um pequeno empresário que mora no Mosqueiro saiu domingo pela manhã com o carro com adesivos de João Alves. O pequeno empresário tem transito livre na Secretaria de Indústria e Comércio. Ao retornar a noite, o carro estava com adesivos, mas não de João, do governador eleito Marcelo Deda. Será que o empresário pensa em continuar com o lobby? É um tremendo cara de pau.


Nilson Socorro pede direito de resposta
Em nome da ética profissional e do respeito ao cidadão, exerço o democrático direito de manifestar plena e total indignação à nota veiculada em sua coluna, na edição do dia 02.10.06, segundo a qual, teria eu participado da “subida ao morro para impedir que a TV Sergipe divulgasse pesquisa do Ibope”. Muito mais por convicção do que até mesmo por formação (minha escola de jornalismo foi a da Gazeta, de Seu Orlando), sou intransigente defensor da liberdade de expressão. Com o saudoso jornalista aprendi, pratiquei e não esqueci, que não se deve censurar os fatos. Eles não têm lado, as opiniões sim. Por pensar e sempre agir assim, é que protesto publicamente contra sua afirmação. É verdade que na noite do último sábado, estive na TV Sergipe, após participar de ato de campanha, na companhia do ex-governador Albano Franco, ao qual, como profissional, amigo e ex-auxiliar, presto assessoria. Quanto ao objetivo da visita do mesmo a emissora do qual é sócio proprietário, recomendam os manuais de jornalismo que a ele deve ser perguntado antes de ser informado. Quanto a mim, acrescento, que apesar da indignação, tenho certeza que meu nome não ficará na história de Sergipe pelo registro por você pretendido, mas, sim, pelo que, com dignidade tenho construído como cidadão, profissional e servidor público. Por fim, lamento que como colega e amigo de sua família, tenha que a esta subscrever, mas o faço respaldado no exercício democrático do direito de resposta e fundamentado também na inalienável convicção de que a verdade deve sempre prevalecer sobre a inverdade. Um abraço e recomendações a Dona Silvania. Nilson Socorro.


Testemunhas são os profissionais que estavam na TV Sergipe
Este colunista não tira uma virgula da nota publicada na segunda-feira. Aliás, como bom profissional da imprensa Nilson Socorro sabe o que Albano e cia estavam fazendo na TV Sergipe naquela noite. Se ele presta assessoria ao ex-governador; nada demais. Porém Albano não estava lá para assistir a novela das oito, foi tentar fazer com que a pesquisa não fosse liberada. É um fato comprovado. E a verdade é testemunhada pelos profissionais que estavam na redação naquela noite. Se ele defende tanto a liberdade de imprensa porque como assessor não demoveu Albano da idéia? O problema de Sergipe é que alguns pensam que são donos de todos, neste caso o ex-governador. De parabéns a diretora, Ligia Tricot. Aliás, se ela fosse indicada por Albano e cia, como já foram alguns jornalistas da terra, a pesquisa seria abortada. Liberdade é uma palavra bonita que muitos apenas exercem na teoria e não com atitudes no dia-a-dia. Este colunista não vai polemizar com um colega pelo qual tem consideração e estima.


Frase do Dia
“Essa concepção de que se botar o dinheiro na mão do governador João Alves ele se torna imbatível não existe. Até porque, para mim, ele é imbatível com dinheiro ou sem dinheiro”. Gilmar Mendes, secretário de Estado da Fazenda ao conceder uma entrevista a um jornal local antes da eleição.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários