ALIANÇAS PROIBIDA

0

O presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati, não falou tão brando com os tucanos sergipanos que pousaram terça-feira na sala de reuniões do partido em Brasília. Foi duro quando avisou que o PSDB não admite qualquer tipo de vinculação com o Partido dos Trabalhadores: “não vamos permitir alianças com os nossos mais ferrenhos adversários”. A revelação foi feita ontem por uma fonte de Brasília, que circula com liberdade por todos os gabinetes e corredores do Congresso Nacional. É verdade que a direção nacional avisou que não faria qualquer intervenção no partido. Mas, segundo a fonte, “isso aconteceu pelo respeito e amizade que Tasso nutre pelo ex-governador Albano Franco”. Para demonstrar isso foi que o PSDB aceitou que o Diretório de Sergipe encontrasse qualquer alternativa para coligação, mas não admitia alianças brancas com partidos de oposição, principalmente o PT.

“Há tanta preocupação com o PSDB de Sergipe, que a direção nacional quer saber, com antecedência, qualquer outro entendimento que não seja com o PFL”, revelou a fonte.

Depois do encontro, quando o grupo foi para o Pianttela, onde jantou, a conversa não se aprofundou no que fora tratado na reunião. O ex-governador Albano Franco, por exemplo, encontrou-se com alguns amigos e passou quase todo o tempo trocando idéias com o senador Fernando Bezerra (PTB-RN). O pessoal saiu tarde e seguiu direto para o hotel. Mas os senadores Tasso Jereissati e Sérgio Guerra se comprometeram em conversar com a Direção Nacional do PFL, para tentar um mudança de comportamento em relação aos tucanos de Sergipe. O próprio Geraldo Alckmin terá um encontro com Jorge Bornhausen para tratar do problema de Sergipe, que, no entender do presidenciável, não está partindo do PSDB, como acontece no Maranhão e na Bahia.

Em Sergipe a questão começou a ser discutida, principalmente por candidatos proporcionais. Há uma fidelidade absoluta de todo ninho tucano ao ex-governador Albano Franco, principalmente na unanimidade por sua candidatura ao Senado Federal. Mas começa a minar a tendência por uma aliança branca com o Partido dos Trabalhadores, embora essa seja a preferência de uma ala forte do tucanato. O obstáculo está exatamente na composição proporcional. Pelos menos dois candidatos revelaram a Plenário que está na hora do ex-governador pensar em outro partido para composição, desde que todos sejam favorecidos com a decisão. Uma aliança informal pode resolver até a questão do candidato majoritário, mas o PSDB deixará de ter um deputado federal e reduzirá a bancada na Assembléia Legislativa, como previu o presidente regional dos tucanos em Sergipe, deputado Bosco Costa. Além de Bosco outros candidatos já estão conscientes que, sem um chapão bem montado, é melhor desistir e ficar em casa, porque as chances são remotas. A não ser, lógico, que o ex-prefeito Marcelo Déda (PT) consiga convencer as lideranças do PSB, PL e PTB a fazerem uma coligação proporcional ampla com o PSDB, nesse caso Albano teria que ser candidato a deputado federal. Jackson Barreto (PTB) já disse que toparia na hora.

Um ex-deputado, bom conhecedor da história política sergipana, acha que o ex-governador Albano Franco tem que andar com maior rapidez para decidir o que pretende fazer em relação a sua candidatura. Avalia que se ele optar pela Câmara Federal o fará um pouco tarde. As lideranças políticas do seu partido já estão fechando com outros nomes. Deu como exemplo a prefeita de Itabaiana, Maria Mendonça (PSDB), que tem compromissos com Eduardo Amorim (PSC), que já lançou sua candidatura a deputado federal. Maria só vota em Albano para o Senado e, para governador, em Marcelo Déda. Lá as divergências regionais falam muito alto. O PSDB, de qualquer forma, precisará de mais algum tempo para tratar da política de alianças. Tem que decidir o que será mais importante: uma bancada maior ou um senador.

 

 

JOÃO ALVES

O governador João Alves Filho (PFL) diz aos seus aliados que não tem pressa para fazer composições. Acha que há muito tempo para isso.

João Alves já manteve alguns encontros importantes para composições. Pela sua experiência, as coisas acontecem em junho, quando das composições.

 

ORÇAMENTO

O deputado Mendonça Prado (PFL) defendeu, ontem, o fim das emendas parlamentares e a instituição do Orçamento Impositivo.

Além de suscetível à manipulações, o modelo atual permite a cooptação de integrantes do Legislativo para a construção de maiorias fisiológicas dos sucessivos governos.

 

EXTORSÃO

Uma emissora de radio comunitária, que também tem programação evangélica, está tentando Prefeituras do interior através de um radialista que tenta fechar negócios.

Primeiro o cidadão passa uma semana elogiando o prefeito e depois leva à Prefeitura contratos de R$ 4 mil a R$ 6 mil por mês.

 

VÍTIMAS

Os prefeitos que não aceitam formalizar o contrato têm o seu nome e da Prefeitura enxovalhados. O mínimo que chama é de “ladrão”.

Estão na boca ferina do tal radialista as Prefeitura de Socorro, São Cristóvão, Barra dos Coqueiros e Itabaiana. Onde anda o sindicato?

 

PANFLETO

Guardas da Prefeitura estavam tomando e rasgando panfletos que eram distribuídos nos sinais nos últimos dois dias.

Os panfletos traziam a reportagem que fora publicada na revista “Veja” desta semana, sobre o pagamento de shows artísticos pagos pelo Município.

 

PROBLEMA

Um político experiente disse ontem que o ex-governador Albano Franco (PSDB) terá dificuldade, nesse momento, se resolver sair candidato a deputado federal.

Algumas lideranças que o apoiam já têm compromissos com outros candidatos, como é o caso da prefeita de Itabaiana, Maria Mendonça (PSDB), que vota em Eduardo Amorim.

 

DÉDA

O prefeito Marcelo Déda (PT) está marcando uma nova conversa com o pessoal do PSDB, para encontrar uma saída para a questão dos proporcionais.

Déda também está conversando com o ex-senador José Eduardo Dutra (PT), para que ele abra da candidatura que lançou ao Senado Federal.

 

UNIDADE

Para o prefeito Marcelo Déda, uma das coisas que mais segurou as oposições foi a unidade conquistada desde 2002.

“Antes as oposições eram momentâneas e mudavam em cada eleição: hoje não, todos entenderam que o bloco tinha que continuar”, disse o prefeito.

 

SUGESTÃO

O deputado estadual Jorge Araújo (PSDB) ouviu a sugestão de levar a proposta para que Albano Franco seja candidato ao Senado em uma aliança branca com o PT.

Mas pedir que o ex-prefeito Marcelo Déda convença o PSB, PTB e PL de formarem uma coligação proporcional com o PSDB.

 

PRECIPITAÇÃO

Um magistrado influente disse ontem que alguns dos seus colegas estão se precipitando em conceder liminar para que Prefeituras demitam parentes dos prefeitos.

Lembra que a decisão do Conselho Nacional de Justiça, por enquanto, foi apenas para dar o exemplo a partir de casa. Não cabem ações contra o nepotismo nas Prefeituras.

 

MACHADO

O deputado federal José Carlos Machado (PFL) acha que tem tudo para acontecer uma aliança entre seu partido e o PSDB: “não há outra saída”, disse.

Machado não vê nenhum problema em fechar um chapão com o PSDB no campo proporcional, para fazer o maior número de parlamentares.

 

VINCULAÇÃO

Pelo que ouviu de parlamentares em Brasília, o deputado José Carlos Machado disse que o PSDB não vai permitir uma aliança branca com o PT em Sergipe.

Acha que seria uma precedência para outros estados e isso vai prejudicar diretamente ao candidato a presidente, Geraldo Alckmin.

 

FONTES

O deputado federal João Fontes (PDT) pode levar o seu partido a se coligar com legendas que ofereçam condições de eleger correligionários.

Há uma avaliação de que João Fontes será bem votado no estado pelas suas posições em Brasília, mas sozinho poderá não se reeleger.

 

 

Notas

 

CONVENÇÃO

Os governistas do PMDB acham que possuem a maioria dos votos para derrubar a candidatura própria à sucessão de Lula na convenção do partido marcada para amanhã. Os peemedebistas governistas desistiram, por enquanto, de consultar a Justiça para saber quantos votos precisariam para isso.

É que recentemente STJ validou uma convenção feita em dezembro de 2004. Nela, ficou decidido que o partido teria candidato próprio. Mudança deveria ocorrer somente com dois terços dos votos dos convencionais.  

 

SEMINÁRIO

“Nas pegadas da cidadania”, é o tema do seminário que a presidente da Câmara de Frei Paulo, vereadora Ana Dantas (PFL), promove em parceira com a OAB. O evento foi iniciado ontem e continua hoje com a palestra “O Poder potestativo do Estado de punir e a ressocialização dos delinqüentes”.

Essa primeira palestra será proferida pelo advogado Olivier F. das Chagas e, logo depois, o juiz de direito Aldo Albuquerque de Melo falará sobre os “Crimes hediondos” O seminário acontece no salão paroquial.

 

AUMENTO

O STF garantiu ontem que quatro ministros aposentados da Corte continuem a receber uma gratificação de 20%, como benefício de aposentadoria. Com isso, o salário deles vai ultrapassar o teto do funcionalismo, que é de R$ 24,5 mil. O adicional vai valer até que seja absorvido por reajustes no teto.
Os ministros apresentaram mandado de segurança contra decisão da Corte, que em fevereiro de 2004 determinou o corte dos valores excedentes ao teto salarial. Quatro ministros votaram contra

 

É fogo

 

A deputada Susana Azevedo (PSC) diz que está trabalhando muito, com viagens constantes ao interior e visitas a amigos na capital.

 

Susana trabalha praticamente sozinha, com a ajuda dos assessores: “não tenho ninguém que faça minha campanha”, disse.

 

Quem também colocou o carro na estrada foi André Moura (PSC) que disputa uma vaga na Assembléia Legislativa.

 

O governador João Alves Filho pretende bater, este ano, o recorde na distribuição de sementes em Sergipe.

 

O deputado federal Bosco Costa sempre defendeu uma candidatura própria para o PSDB. Acha que tem condições de se aliar com outros partidos de médio porte.

 

José Teles de Mendonça (PSDB) não viajou para a reunião de Brasília porque teve uma forte gripe. Ficou de cama.

 

Caso não haja coligação com o PFL em Sergipe, o presidenciável tucano Geraldo Alckmin terá dois palanques no estado.

 

João de Zé de Dona (PSL) animado com a possibilidade de uma coligação com o PSDB. Ele é candidato a deputado federal.

 

A participação da Gol no mercado de aviação brasileiro ultrapassou a marca dos 30% em abril, patamar previsto pela empresa para ser atingido no final do ano.

 

O número de pedidos de falências caiu significativamente no mês de abril, segundo levantamento feito pelo Serasa.

 

Para os fabricantes de televisores, pelo menos, a Copa do Mundo já está no bolso. As vendas da Semp Toshiba cresceram 80% nos primeiros quatro meses do ano.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais