Almeida e o Governo

0

O senador Almeida Lima (ainda PDT) retornou a Brasília na segunda-feira pela manhã. Praticamente está voltando agora, definitivamente, ao seu trabalho parlamentar, depois do período morto das eleições municipais. Permaneceu em Aracaju por muito tempo e chegou até a tirar alguns dias de licença do Senado, para tratar de assuntos particulares e vinculados à política. Conversou muito! Reuniu-se com aliados e está procurando expandir o seu bloco dentro do estado, sem mexer com o pessoal que sempre esteve ao seu lado. A decisão de deixar o PDT não foi de agora. Ela vem maturando desde quando sentiu que o partido não estava tomando o rumo que ele considerava adequado para a legenda, principalmente depois da morte de Leonel Brizola.

 

Quanto à sua filiação ao PSDB há muitas conversas. Almeida Lima jura de pés juntos que não conversa com a cúpula do partido desde quando retornou a Aracaju, nas eleições municipais. O deputado federal João Fontes garante que o senador Tasso Jereissati, um dos caciques do tucanato, lhe falou que Almeida Lima estaria ingressando no PSDB ainda esta semana, ao lado de mais dois outros senadores. O presidente regional do PSDB, deputado federal Bosco Costa, já está tratando de filiação em outra legenda, provavelmente o Partido Liberal, e o deputado estadual Ulices Andrade, secretário geral do PSDB em Sergipe, disse que não faz restrições a Almeida Lima, apenas não aceita o seu comando dentro do estado. Um deputado federal, que pediu para não revelar o nome, acha que a Executiva Nacional não desprestigiará o ex-governador Albano Franco, tirando-lhe o partido para passá-lo ao senador.

 

Essa é uma questão que apenas se comenta, mas que o próprio Almeida Lima demonstra que a situação ainda é de conversa e que não há nada certo para seu pouso no ninho tucano.

 

Quanto a uma hipótese de candidatura ao Governo do Estado, como integrante de um grupo político em formação em Sergipe, o senador Almeida Lima garante que isso não será construído por ele. O projeto para chegar a governador não pode ser uma coisa isolada, ou individual, ou que não passe de vislumbramento de quem está na vida pública e deseja chegar ao comando do seu estado. Uma candidatura desse tipo só pode sair por uma vontade coletiva, por quem tenha condição de bancar, eleitoralmente, essa busca importante para a vida do cidadão. Além disso, precisa também ter um cheiro popular, um jeito de povo, para poder chegar lá.

 

Almeida Lima reconhece que não pode se transformar numa opção eleitoral para o governo de forma rápida e diz que não vai alimentar ilusões: “ninguém ganha eleição em Sergipe – ou em qualquer outro lugar – mesmo que seja para vereador, sem que tenha uma composição política sólida. Imagina para governador do Estado?” Ele mostrou que o PDT, nas eleições municipais, fez uma péssima composição política partidária e chegou ao fracasso, elegendo apenas um parlamentar. Acha que qualquer candidatura necessita trabalhar um bem estruturado bloco. Se não o fizer, será um verdadeiro fracasso. Almeida Lima não fala na formação de um outro grupo, mas tem consciência de que uma nova força política está se armando, com a participação de segmentos do comércio e das pequenas indústrias existentes em alguns municípios do interior.

 

A parte principal, entretanto, que precisa ser trabalhada, é a vontade do povo: “se você não tiver seu nome lembrado nas discussões políticas da sociedade. Nos bares, restaurantes, repartições públicas e escolas, esqueça!” Disse ele. Almeida acha que qualquer candidato a governador tem que representar um segmento forte da população. E acha claro que não adianta jogar uma candidatura se não tiver um respaldo popular. De qualquer forma o seu nome está nas discussões para a sucessão estadual e pode-se perceber que há um movimento de um novo grupo que se forma na política, para tê-lo como uma das opções para superar a polarização que se constrói entre o governador João Alves Filho e o prefeito de Aracaju, Marcelo Déda.

 

BOIADA

O governador João Alves Filho determinou ao secretário de Comunicação, Carlos Batalha, que tentasse levantar qual o secretário que comprou uma boiada com dinheiro da Pasta.

O autor da nota, no Cinform, alegou o direito de preservar a fonte e o nome do auxiliar do Governo que teria praticado essa grave irregularidade.

 

DENÚNCIA

O governador João Alves Filho ficou preocupado em adotar uma medida séria para punir rigorosamente o autor da compra de uma boiada e gostaria que fosse dado “nome aos bois”.

Com a atitude do semanário em recusar a informação sobre o autor do assalto ao dinheiro público, fica difícil uma punição para o culpado.

 

IMPRENSA

O artigo 7 da Lei de Imprensa faculta aos jornalistas a preservação da fonte que lhe concedeu a informação.

Entretanto, se o jornalista disse o nome do secretário e ocultar a fonte, responderá processo caso não comprove o que tenha publicado.

 

DECISÃO

O senador Almeida Lima já decidiu: não ficará no PDT. Vai esperar uma reunião da Direção Nacional do partido, para anunciar o seu desligamento oficial da legenda.

Quanto a ingressar no PSDB, Almeida diz que ainda não sabe e que só esta semana terá contatos em Brasília.

 

ACOMPANHA

A princípio, mesmo o senador Almeida Lima deixado o PDT, o pessoal permanece filiado, em razão do projeto político que se identifica com todos os aliados de agora.

Entretanto, se a sua saída do partido coincidir com a filiação em outra legenda, Almeida acha que o pessoal vai seguí-lo.

 

MOVIMENTO

O deputado federal João Fontes garante que esta semana será movimentada em Brasília, com o fortalecimento do PSDB, que vai filiar três novos senadores.

Entre eles o sergipano José Almeida Lima (PDT), que já está deixando o partido. Fontes diz que foi informado da filiação pelo senador tucano Tasso Jereissati (CE).

 

EQUÍVOCO

O deputado federal João Fontes considera que o seu colega Ivan Paixão está equivocado com a posição do PDT, ao dizer que o partido vai apoiar o Governo Lula.

“A posição da cúpula do PDT é preservar o pensamento do ex-governador Leonel Brizola e com certeza manterá oposição ao presidente Lula da Silva”, explicou Fontes.

 

MARCELO

O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), viajou ontem a Brasília para participar de encontro da Frente Nacional dos Prefeitos, que fará uma mobilização na capital federal.

Déda adiou sua viagem à Holanda em razão desse compromisso, que considera muito importantes para os municípios brasileiros.

 

COLABORA

Na opinião de um cidadão que teve as jóias guardadas em sua casa roubadas, o empenho de jóias pela Caixa Econômica Federal – CEF – é a maior fonte de lavagem do produto roubado.

Na hora do empenho para empréstimo, a Caixa não pede nenhum documento que comprove a propriedade das peças empenhadas.

 

GASTOS

Um chefe de gabinete de uma Secretaria teria gastado R$ 2 mil em uma farra com amigos e mulheres, em uma casa noturna da orla. Assinou para ser pago pelo Estado.

O nome do chefe de gabinete está sendo preservado, para que ele não corra ao local e pague a nota, antes de sua identificação.

 

COMPLICADO

A grande maioria dos prefeitos está complicada para sanar suas dívidas no final do ano, principalmente quem não conseguiu reeleger-se ou eleger um aliado.

Quem se reelegeu troca a duplicata para o próximo ano. Quem elegeu o aliado, terá as dívidas pagas pelo sucessor. Mas quem perdeu, terá a ação do adversário contra ele.

 

POSSE

O governador João Alves Filho viajou, ontem, a Brasília para participar da solenidade de posse do vice-presidente José Alencar (PL), no Ministério da Defesa.

O deputado federal Heleno Silva (PL) não compareceu à posse porque não teve vôo. O prefeito Marcelo Déda estava lá.

 

ALBANO

O ex-governador Albano Franco (PSDB), apesar de convidado por José Alencar, via telefonema, sexta-feira, não foi à sua posse.

Ontem o ex-governador conversou com Alencar e hoje viaja a Brasília. Aproveita e fará uma visita ao novo ministro da Defesa.

 

ENCONTRO

O encontro entre os secretários de estado e os deputados estaduais, que foi cancelado pelo governador João Alves Filho, deve acontecer esta semana.

Um deputado aliado do Governo disse que não foi informado da pauta do encontro: “mas deve ser para ajustar alguma coisa entre os secretários e os parlamentares”.

 

 

Notas

 

BOIADA

Através de e-mail o leitor Ismael envia informação dando o nome do secretário que comprou a boiada, adiantando que ele não chegou a efetivar o pagamento e todo o processo está sendo desfeito. Segundo o leito, somente depois de tudo desfeito é que o Governo vai iniciar a investigação da denúncia.

É inseguro publicar o que diz o e-mail pela possibilidade de ser fictício e, mais uma vez, o jornalista ter que responder judicialmente por isso. Essa questão da boiada realmente chamou a atenção da sociedade.

 

BOIADA-II

De qualquer forma é muito importante que a sociedade esteja cobrando dos jornalistas divulgação de nomes daqueles que usam o dinheiro público. Como, também, é reconhecida a preocupação do governo em tentar descobrir o autor desse assalto aos cofres públicos, porque demonstra que está atenta a ações do tipo.

Quanto a transação ser desfeita também é muito estranho, porque a compra de uma boiada em lugar de peças de veículos seria muito complicada. O que pode existir, por trás disso, é a tentativa de criar fatos e escândalos.

 

VIOLÊNCIA

Quem mora em apartamento que trate de se manter vigilante em relação ao que vem da portaria. Um entregador de flores pode ser um assaltante. A entrega de alguma encomenda pode ser um assalto. Pelo menos quatro edifícios já foram assaltados em Aracaju, com constrangimento para seus moradores.

Os seqüestros relâmpagos também estão se tornando comum em Aracaju. É recomendável que ninguém fique dentro do carro à noite, principalmente namorando. A Polícia tem recebido muitas queixas desse tipo de ação marginal.

 

 

É fogo

 

O governador João Alves Filho passou a manhã de sábado em um restaurante na orla da praia dos Navegantes, ao lado do presidente do STJ, ministro José Arnaldo de Laves.

 

João Alves, José Arnaldo e familiares estavam em uma mesa farta de mariscos, caranguejos e outras delícias da culinária sergipana.

 

O deputado federal João Fontes viajou ontem a Salvador, onde proferiu conferência para um grupo de membros da igreja católica.

 

O prefeito de Socorro, José Franco (PPS) já não sabe mais o que fazer para conter a violência em seu município.

 

A Delegacia de Polícia de Nossa Senhora do Socorro não tem estrutura para combater os marginais. Com os conjuntos residenciais, a cidade ficou imensa.

 

O radialista Gilmar Carvalho começa, terça-feira, o seu programa na FM Sergipe, dentro do mesmo estilo da rádio Jornal.

 

A direção da radio Jornal não revela quem assume o lugar de Gilmar Carvalho, mas revela que terá um programa jornalístico diferente.

 

O X Congresso Estadual dos Trabalhadores na Educação avermelhou. Parecia um congresso petista.

 

O deputado estadual Walker Carvalho (PFL) tentou e conseguiu estabelecer uma base eleitoral em Barra dos Coqueiros.

 

A Receita Federal já recebeu 32,2% milhões de declarações de isentos do Imposto de Renda, referentes às pessoas físicas que, no ano passado, tiveram rendimentos até R$ 12.696 mil.

 

A produção de veículos no país interrompeu a seqüência de cinco meses de alta e voltou a cair em outubro, segundo dados divulgados pela Anfavea.

 

A Petrobrás que aumentar a sua presença no México, onde está desde 2003, após vencer licitação para explorar um bloco de gás no Norte do país.

 

As primeiras unidades do Clio Hi-Flex chegaram à rede de concessionária Renault de todo o Brasil.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários