ASSUNTO DO MOMENTO

0

 

O Brasil vive um momento muito importante, com a campanha para eleição de presidente da República. Hoje começa o programa na televisão para que um dos dois vá mostrando o seu projeto para administrar o país. Evidente que mudar o continuar o rumo do barco que conduz os destinos do Brasil está no dedo indicativo de cada cidadão. Teclar, apenas isso, teclar para manter ou solucionar problemas. O presidente que tenta reeleição todo mundo já conhece e, apesar de tudo que se viu, da corrupção explícita e do descrédito que abalou as instituições, o eleitorado demonstra desejá-lo dando as ordens. O outro, ex-governador de São Paulo, político há muitos anos, promete uma reforma no destino de cada um cidadão que vai escolher o seu presidente. No fundo, há pouco o que distinguir e nada a acreditar, porque este é um Brasil que mantém uma cultura de levar vantagem e proteger amigos.

Um bom número de brasileiros assistiu, domingo passado, os dois candidatos ao Planalto em debate na TV-Bandeirantes. Não foi um confronto de idéias e projetos, mas uma “luta verbal”, que valia atingir até abaixo da cintura. A princípio, o candidato que quer ficar mais oito anos no Planalto esmoreceu. Cambaleou, foi às cordas e tremeu diante de um concorrente que atacava como um lutador em busca do nocaute. No terceiro round, houve uma reabilitação, mas não o suficiente para colocar em risco o seu adversários, que surpreendeu com um estilo agressivo, contundente e ferino. Não houve nocaute, mas quem atacou mais ganhou por pontos. O que valeu? Nenhuma medalha ou qualquer cinturão de campeão, mas alguns pontos mais abaixo na primeira pesquisa realizada depois do embate.

E agora?

O segundo turno não era esperado. Tinha-se como certa a vitória de quem já está no Planalto e queria continuar lá logo no primeiro turno. Mas houve um dossiê. Mais um escândalo entre os tantos que a sociedade assistiu. Aparentemente houve uma reação do eleitorado e quem está se preparando para subir a rampa do Palácio pela primeira vez, aproveitou a onda e embarcou nela, fazendo um programa de televisão mais agressivo, em que cobrava ética e seriedade. Deu ou não resultados positivos? A primeira impressão é que sim. Afinal, o primeiro turno falhou feio e a disputa foi levada para um segundo turno definitivo. Ganha até quem tiver um único voto à frente. É possível que no debate de domingo passado, o concorrente que conseguiu levar a decisão para 29 de outubro, tenha recebido orientação para bater impiedosamente nas partes baixas, e o fez com a gana de quem buscava uma castração.

Saiu aplaudido pelos correligionários e muito mais otimista do que antes…

Até segunda-feira o otimismo era de vitória (ainda o é), mas a tal pesquisa mostrou uma fotografia diferente da que fora revelada no domingo. Doze pontos à frente para o “pugilista” que quase fora nocauteado no debate. E isso, lógico, enlouquece os marqueteiros. Se é aguado, como um chuchu, estaciona nos percentuais. Se agride como um pit-bull perde pontos nas pesquisas. O que está acontecendo? Pode-se apenas especular: ou está valendo a pesquisa feita por um diretor de novela em que a sociedade aplaude quem faz qualquer maldade, pratica corrupção, mata e estupra para se dá bem, ou tem pena de quem está levando a pior em público, com a agressividade animal. Talvez a primeira hipótese tenha mais lógica, porque o resultado das eleições proporcionais mostraram que a sociedade reelege sanguessugas, mensaleiros e outros marginais, assim como escolhe o grotesco e o ridículo para representá-los. Por incrível que pareça, a previsão para os resultados da próxima safra de parlamentares não é animadora.

É possível que o leitor tenha percebido que em nenhum momento foi citado o nome de ninguém, mas todos entendem perfeitamente das pessoas que são personagens do comentário. Se conhecem devem tomar uma atitude e procurar escolher quem apanha ou quem bate. Isso não interessa, faz parte do jogo.O importante é ter um Brasil limpo, honesto e digno de uma sociedade que defende um país com melhor perfil de dignidade e caráter.       

 

 

ADESIVO

O site da campanha de Geraldo Alckmin colocou segunda-feira no ar o adesivo: “Sou Heloísa (AL), voto em Geraldo. Presidente. 45”.

Trata-se do adesivo que tem no carro do deputado João Fontes (PDT), que anunciou apoio à candidatura de Geraldo Alckmin.

 

CHATEADA

A senadora Heloísa Helena (PSOL) vai entrar com representação no TSE solicitando que nem Alckmin e nem Lula usem o seu nome na campanha.

“Vou pedir ao TSE as diligências necessárias para impedir o uso indevido do meu nome”, afirmou ontem Heloísa Helena.

 

JOÃO ALVES

O governador de Minas, Aécio Neves (PSDB) agradeceu a presença de João Alves Filho (PFL) na festa que fez para receber o candidato a presidente tucano Geraldo Alckmin.

“Obrigado, governador João Alves, pela sua presença ao nosso lado”, disse Aécio para depois se referir a problemas em regiões do seu estado, idênticos aos do Nordeste.

 

REUNIÃO

O governador João Alves Filho (PFL) esteve reunido em São Paulo com a coordenação de campanha do candidato a presidente Geraldo Alckmin.

João discutiu a campanha no Nordeste e depois viajou a Belo Horizonte para uma manifestação com a presença de Alckmin.

 

MUDANÇAS

O prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) fará mudanças no secretariado, para colocar a sua equipe e iniciar um trabalho mais amplo.

Edvaldo praticamente manteve o pessoal do governador eleito Marcelo Déda, em razão da campanha eleitoral. Agora haverá alterações.

 

NORMAL

As mudanças já eram previstas desde quando Edvaldo Nogueira assumiu a Prefeitura, em abril deste ano. Agora alguns novos nomes podem auxiliar a administração municipal.

Há perspectiva de que alguns dos secretários da Prefeitura sejam convocados pelo governador eleito Marcelo Déda, para formar sua equipe no estado.

 

ALBANO

O deputado federal eleito Albano Franco (PSDB) viajou de Recife para a São Paulo, atendendo a chamado do partido, para tratar sobre a campanha do segundo turno.

Albano desembarca hoje em Aracaju e na sexta-feira estará no aeroporto para receber Geraldo Alckmin, que vem para contatos em Sergipe.

 

ENCONTRO

No Instituto Tancredo Neves, em São Paulo, Albano Franco teve um encontro com Geraldo Alckmin, que agradeceu o desempenho eleitoral que teve em Sergipe.

Alckmin conversou com Fabiano Oliveira por telefone e agradeceu a vitória em Aracaju. Antes Albano almoçou com João Meireles, coordenador da campanha, e com o deputado federal eleito pelo Rio de Janeiro, o sergipano Otávio Leite.

 

IMPRENSA
O e-mail é de Anselmo Bittencourt: “c
omo a imprensa Sergipana se alinha aos governantes. Déda ainda não tomou posse e já está sendo elogiado por muita gente. Estranho, não”!!!!
Expõe uma frase do comentário de Plenário: “A vitória não mudou o comportamento de um cidadão que sempre se comportou com civilidade e solicitude”.

 

AMASE

A juíza Maria das Graças, através da Associação dos Magistrados (Amase), diz que são inverídicas as informações de que teria decretado a prisão do promotor Rogério Ferreira.

Ainda através da Amase, a juíza diz que agiu no estrito cumprimento do encargo de diretora do fórum da comarca de Aquidabã.

 

OUTRA VERSÃO

O presidente da Associação Sergipana do Ministério Público (ASMP), promotor Rony Almeida, tomou conhecimento da publicação da Amase.

Disse que “a versão apresentada pelo seu colega Rogério Ferreira difere frontalmente do que diz a juíza Maria das Graças, através da Amase”.

 

PROGRAMA

Tirem as crianças da sala. Hoje estará no ar o programa político para candidatos a presidente da República, no segundo turno.

Quem imagina que Geraldo Alckmin virá para nocautear o presidente Lula está muito enganado. O resultado dos ataques do debate não foi aceito, segundo pesquisas.

 

PROVAS

O promotor Rony Almeida disse, ainda, que a versão do promotor Rogério Ferreira tem provas testemunhais, já de conhecimento de vária autoridades.

Acrescentou que, enquanto presidente da Associação Sergipana do Ministério Público vai aguardar as apurações que estão sendo realizadas em diversas esferas judiciais.

 

 

Notas

 

PESQUISA-1

O senador Almeida Lima (PMDB) classificou como uma impostura a divulgação de números das campanhas eleitorais por institutos de pesquisas e considerou tais institutos instrumentos de distorção da opinião pública. Disse que vários institutos “deixaram a máscara cair” com o resultado do primeiro turno.

Almeida Lima diz que os institutos “não tiveram sequer o trabalho de pedir desculpas ao povo brasileiro pelo erro cometido. Agora, continua a mesma coisa no segundo turno. Lá vêm novamente as pesquisas”.

 

PESQUISA-2

Para Almeida Lima, os erros cometidos sinalizam que “as pesquisas não estão a serviço da democracia”. No seu entendimento, elas podem ser usadas, por exemplo, para disseminar um certo medo nos eleitores de que o candidato de oposição vá cortar benefícios concedidos pelo governo à população.

Almeida Lima disse ainda que tem notado um certo constrangimento entre jornalistas e âncoras de televisão nos noticiários dos últimos dias, quando estes têm que se referir a resultados de pesquisas eleitorais.

 

IMPOSTO

Projeto de Lei oriundo do Senado Federal cria novas regras de tributação para os rendimentos recebidos de forma acumulada e em atraso pelo contribuinte. O projeto estabelece que, nesses casos, o imposto de renda será calculado de acordo com o mês a que se refere cada rendimento.

Atualmente, a alíquota é calculada a partir do montante total recebido. Segundo o projeto, não será cobrado o imposto em relação aos meses cujo rendimento, isoladamente considerado, for inferior ao limite de isenção.

 

É fogo

 

O deputado federal eleito Albano Franco (PSDB) viajou a Recife onde passa o final de semana prolongado.

 

Desde que terminou as eleições que Albano Franco se manteve em Sergipe, agradecendo os votos recebidos.

 

O governador eleito Marcelo Déda ainda não descansou e continua fazendo carreatas para melhorar a votação do presidente Lula em Sergipe no segundo turno.

 

O assunto entre os deputados estaduais eleitos e reeleitos continua sendo a nova mesa da Assembléia Legislativa.

 

Todos os parlamentares que se encontravam em Brasília retornaram ontem a Sergipe. Tiveram mais uma semana morta no Congresso.

 

Desde ontem à tarde que se registra maior movimentação sobre a ponte Aracaju/ Barra dos Coqueiros, em razão do feriado prolongado.

 

O grupo do PSDB que não acompanhou a decisão do partido vai fazer um bloco e ficará unido em uma outra legenda, desde que apóie o governador eleito Marcelo Déda.

 

Começa hoje os programas dos candidatos a presidente e governadores que ficaram para o segundo turno.

 

Sergipe assistirá apenas ao programa para presidente. É possível que Lula e Alckmin mantenha discursos acalorados.

 

A pesquisa Datafolha mostrou que, depois do debate, o presidente Lula da Silva teve um aumento percentual sobre Alckmin.

 

brayner@infonet.com.br

Comentários