Banco dos réus

0

Vinte policiais militares vão sentar no banco dos réus daqui a um mês. Eles são acusados de promover motim por terem se recusado a dirigir as viaturas durante a operação padrão realizada ano passado pelos PMS que reivindicavam melhores salários. O julgamento acontecerá no Conselho Permanente da Justiça Militar, presidido pelo juiz de direito Diógenes Barreto. A punição para que faz motim é pesada, prevendo pena inicial de quatro anos de reclusão.

Engoliu corda

O deputado estadual Augusto Bezerra (DEM) engoliu mais corda do que cacimba furada só porque o blog insinuou que ele perde tempo e saliva ao tentar levar para depor na Assembléia a delegada Danielle Garcia. Bezerra disse que “quem tem que julgar o trabalho dos deputados é o povo e não um jornalista”. Tá com raiva, Augusto? Então vá se queixar ao galo da torre da igreja. Em Laranjeiras tem um.

Chamuscados

De um gaiato ontem em frente do prédio da Assembléia: “Não convide nossos deputados para forró que tem fogueira acesa. Depois que os professores queimaram bonecos com os nomes dos parlamentares, eles se assustam até quando alguém acende um fósforo. Portanto, chamá-los para festa que tem fogueira é mais grave do que falar em corda na casa de enforcado”. Quanta maldade!

Último dia

E por falar em forró, hoje é o último dia do concorrido Forró Caju, promovido pela Prefeitura da capital nos mercados centrais. A principal atração da noite será o forrozeiro Adelmário Coelho. O Forró Siri, organizado pela Prefeitura de Socorro, também acaba nesta quarta-feira, com os shows de Reginaldo Rossi e das bandas Cintura Fina, Saia Rodada  e Mastruz com Leite. Vai perder?

Energia nuclear

Amanhã à noite tem debate sobre Energia Nuclear. Será no Sindicato dos Engenheiros de Sergipe, ali na rua Siriri, em frente ao colégio Amadeus. Os debatedores serão Gilson Neri e Gustavo Braz, que é coordenador do Projeto Pensar o Brasil – Construir o Futuro da Nação em Sergipe. Taí um assunto que deve ser muito debatido pelos brasileiros, principalmente depois da tragédia ocorrida no Japão.

Ô, vidão!

Os 24 deputados estaduais estão de férias. Diferente dos operários, que trabalham de segunda a sábado para ganhar um mísero salário mínimo, nossos bem pagos parlamentares vão descansar por quase um mês. Devem retornar ao ‘batente’ com as energias renovadas para defender os interesses do povo. Ah, os vereadores também vão ficar um mês de pernas pro ar. Quem pode, pode.

Fim dos tempos

Com o título acima, a coluna Periscópio do Jornal da Cidade publica hoje a seguinte nota: “O DEM na oposição é muito generoso com os servidores. O ex-governador João Alves Filho aparece agora como defensor do ensino de qualidade e dos professores. O deputado federal Mendonça Prado é o defensor dos soldados do Corpo de Bombeiros, e os deputados estaduais Venâncio Fonseca e Augusto Bezerra defendem as Polícias Militar e Civil e os servidores da Saúde. Já o governador Marcelo Déda não defende mais ninguém e só se defende das críticas. Chegamos ao final dos tempos”. É, pode ser.

Sangue novo

Deverá ser empossado nos próximos dias o novo superintendente do Incra em Sergipe, engenheiro Manoel Messias Menezes. Ele vai substituir Jorge Tadeu, funcionário de carreira do órgão. Ao comunicar a nomeação de Manoel Messias, o deputado estadual João Daniel (PT) disse acreditar que ele fará um grande trabalho à frente do Incra. O parlamentar também elogiou a atuação de Jorge Tadeu e do seu antecessor Antônio Carlos Fontenele.

Invocado

E o deputado estadual Venâncio Fonseca (PP) está invocado com a possível reeleição do presidente da Federação Sergipana de Futebol, Carivaldo Souza. Segundo o parlamentar, se o mandato do cartola for renovado, será o fim do futebol sergipano. “Hoje, a média de renda nos estádios é de R$ 500 por partida, enquanto só as despesas com os árbitros chegam a R$ 3 mil por jogo. Se Carivaldo permanecer à frente da FSF, vai afundar de vez o nosso pobre futebol”. Homem, vôte!

E o povo, ó!

O prefeito de São Cristóvão, Alex Rocha (PDT), adora a família. Para comprovar isso, ele acaba de nomear o próprio pai, o ex-prefeito Lauro Rocha, para a Secretaria de Finanças. Antes, Alex já tinha arranjado duas boquinhas para a esposa Carol Rocha (Secretaria de Ação Social) e o irmão Lindemberg (secretário da Grande Rosa Elze). Só falta nomear o cachorro e o papagaio. Enquanto a família do prefeito se diverte, o povo de São Cristóvão sofre com a péssima administração do pedetista.

Do baú político

O blog recorre hoje ao jornalista Sebastião Nery, que em seu livro “Folclore Político” escreveu essa pérola: “Monsenhor Olímpio Campos, líder político de Sergipe na República Velha, foi assassinado no Rio. O país ficou traumatizado. Um sergipano amigo dele e do governador passou telegrama para Aracaju: ‘Senhor doutor governador, mataram monsenhor. Que horror! Assinado Claudionor’”.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários