Banese nosso de cada dia

0

  A oposição ao Governo do Estado estava eufórica ontem, 17, na Assembléia Legislativa. Tudo por conta de uma matéria publicada na Folha de São Paulo no final de semana, onde o nome do Banese constava entre os possíveis bancos que serão colocados à venda. A matéria cita a briga no mercado financeiros entre os bancos Real, Itaú e Bradesco e a entrada no mercado brasileiro do banco Santander, que poderá se unir ao Real.

 Na matéria é citado que “a compra do Real pelo Santander e a supremacia no mercado, fez com que o Bradesco e Itaú pensem agora em se lançar a uma caça sem precedentes por novas aquisições, sob o risco de ficarem para trás na liderança do setor de crédito brasileiro –que trabalha com grandes diferenças entre taxas captadas e repassadas ao consumidor. De acordo com o BC, essa diferença em julho era de 36,3 pontos percentuais. Não menos lucrativos, os bancos pequenos que atuam em nichos especializados do varejo também serão alvo de compra. Na semana passada, surgiram rumores de que o Itaú oferecera R$ 2 bilhões pelo BMG, um dos líderes no crédito consignado, que planeja abrir o capital na Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo). Ambos negaram o negócio. O Bradesco e Itaú continuarão ainda disputando os bancos estaduais, que devem ser privatizados, como o Banese (Sergipe). o Banestes (Espírito Santo) e o BEP (Piauí). Procurado para dar informações sobre a privatização do Banese, o seu presidente, João Andrade, mandou informar que estava em reunião com diretores”.

 Só para acender a lembrança dos sergipanos. Esta coluna, no ano passado, foi um dos pilares em defesa do Banese, denunciando diversas irregularidades e defendendo os baneseanos. Por conta disso a diretoria anterior entrou na Justiça contra este jornalista. Naquele momento quase toda a imprensa estava encantada com as verbas publicitárias que jorravam do banco em uma cachoeira sem fim, que quase afundou a instituição financeira. Este jornalista repete: no ritmo que estava o Banese não agüentaria uma nova administração João Alves. Estaria hoje, seguramente, sob o domínio do Bradesco, instituição muito ligada ao governo anterior.

  Hoje o banco é um paciente que já saiu da UTI, mas precisa de sérios cuidados. A atual diretoria acabou com as farras publicitárias, contratados milionários e diversos patrocínios imorais. O banco patrocinava de tudo, até mesmo festa de boneca. É certo que o Banese precisa de algumas medidas como cortar mais ainda a taxa de juros, sobretudo para os servidores públicos e adotar uma política mais compensatória para os baneseanos, que sentiram na própria pele o corte necessário neste início de governo. A diretoria deve ter a consciência que a grande maioria dos baneseanos vem fazendo a sua parte e por isso o banco registrou no primeiro semestre um lucro de R$ 28, 4 milhões, não fictício como ocorria na gestão anterior, onde eram colocados dividendos não contabilizados, mas com números reais.

  O Banese passou por momentos difíceis deste o segundo governo João Alves (90 a 94), pelos dois governos Albano Franco ( 95 a 2002), e no último governo alvista (2002 a 2006). Sobreviveu a diretorias gananciosas que queriam privatizar o banco. O governador Marcelo Déda não passará para a história como o governante que vendeu o Banese, pelo contrário, a intenção dele é transformar o banco em uma instituição de fomento para os sergipanos, principalmente como instrumento para fortalecer a economia sergipana. O Banese não está á venda, e o pão nosso de cada dia.

 

 

17 candidatos na disputa da OAB

Encerrou-se ontem as inscrições para quem deseja concorrer ao cargo de desembargador na vaga do quinto constitucional destinada a Ordem dos Advogados. Ao todo foram 17 candidatos. A coluna a partir de amanhã, 19, disponibiliza este espaço para todos os candidatos inscritos. Suas assessorias podem enviar matérias através de e-mail. O espaço será aberto para todos. Assim como a OAB, a coluna fará campanha após a disputa, para que o mais votado seja escolhido tanto pelo pleno do TJ, como pelo governador do Estado.

 

TCU condena ex-prefeito de Cristinápolis  

O Tribunal de Contas da União (TCU) condenou ontem, 17, Sebastião Vítor dos Santos, ex-prefeito de Cristinápolis (SE), ao pagamento de R$ 19.116,97, valor atualizado, por omissão no dever de prestar contas dos recursos repassados por meio de convênio firmado com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O objetivo era garantir a manutenção de escolas públicas do município como parte do Programa de Manutenção do Desenvolvimento do Ensino Fundamental .O ex-prefeito terá de pagar, ainda, multa de R$ 2 mil, e terá 15 dias para recolher os valores aos cofres do Tesouro Nacional e do FNDE. A cobrança judicial foi autorizada. Cabe recurso da decisão. O relator do processo foi o ministro Ubiratan Aguiar.

 

 

Contratos com rádios

O interventor de Pirambu, Moacir Santana, deve a imprensa o nome das duas emissoras de rádio, uma no interior e outra na capital, que tinham contratos bastantes generosos com a Prefeitura de Pirambu.  Segundo as informações cada uma delas recebeu R$ 40 mil em contratos relativos há seis meses. É bom que a sociedade tenha conhecimento, inclusive para comparar a posição dos comunidadores das duas rádios neste momento.

 

 

 

Sergipe adere ao Plano de Combate à Tortura

O governador de Sergipe, Marcelo Déda, vai assinar nesta terça-feira, 18, o termo de adesão do Estado de Sergipe ao Plano de Ações Integradas para a Prevenção e o Combate à Tortura no Brasil. O ato solene de adesão vai contar com a presença do ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, Paulo Vannuchi. O plano objetiva a maximização do respeito à dignidade da pessoa humana, a prevenção, o combate à tortura no Brasil e a promoção da integridade do sistema de justiça criminal. O evento será realizado no auditório do Palácio dos Despachos, às 10h.

 

Darcy Ribeiro, exemplo de pensador e…Senador I

  Darcy Ribeiro, brasileiro ilustre que prestigiou a vida pública nacional, que como educador (foi o fundador da Universidade Brasília), pensador, antropólogo, estudioso da formação do povo brasileiro, conhecedor

profundo dos índios, formulador das políticas de reformas do governo João Goulart,deposto pelo golpe de 64. Pois bem, Darcy Ribeiro também foi Senador da República. Nesses tempos de tantas baixarias no Senado, onde promove-se a impunidade e os interesses particulares de cada um, Darcy é um dos exemplos  que deve ser lembrado pela chamada Câmara Alta, que hoje anda tão em baixa.Basta lembrar que Darcy passou mais de dois anos, durante o seu mandato, estudando e redigindo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para organizar essa área e dar-lhe um sentido. Lei que foi aprovada.O Brasil teve

vários senadores assim, de alto gabarito e respeitado por todo o país.

 

Darcy Ribeiro, exemplo de pensador e…Senador II

Leiam e pensem numa frase de Darcy, do seu livro “Confissões”: “Fui feito para pensar, tanto esvoaçando sobre  diferentes temas, como tanta gente faz, como pensando de verruma sobre o mesmo tema, incansavelmente, furando a pele da realidade para alcançá-lo e  compreendê-lo.” Eis um Senador, homem público com todas as excelências verdadeiras e pujantes e não apenas com as “excelências” protocolares e falsas, como a de tantos que hoje envergonham o Senado brasileiro, com as exceções conhecidas”.

 

BB mira bancos públicos para manter a liderança I

Matéria da FSP de hoje, 18:A movimentação do banco Santander para comprar o ABN agitou a área financeira e acendeu a luz amarela no Banco do Brasil. Controlado pela União, o BB, agora, tenta acelerar as negociações para adquirir bancos estaduais e não ficar para trás na onda de fusões e aquisições do mercado que, além de concentrá-lo, pode alterar posições no ranking do setor. Segundo a Folha apurou, apesar de serem instituições pequenas ante as que estão sendo negociadas na esfera privada, os bancos estaduais são estratégicos para o BB conquistar uma clientela fiel e com renda mais elevada: os servidores públicos. Com isso, quer avançar num segmento em que a concorrência é muito acirrada, e a possibilidade de ganhar novos clientes, mais escassa. De olho na administração da folha de pagamento de Distrito Federal, Santa Catarina e Piauí, o BB quer driblar questões jurídicas e comprar BRB, Besc e BEP. Além disso, a cúpula do BB considera que essas operações quebrarão um tabu de que, por ser um banco público, o Banco do Brasil não pode adquirir outros bancos, como fazem seus concorrentes.Mas gera controvérsia no governo a possibilidade de o BB comprar o Besc e o BEP, bancos estaduais que foram incluídos no PND (Programa Nacional de Desestatização). A avaliação é que isso não seria uma “desestatização”. Fala-se em fazer uma incorporação por parte do BB, mas também há um problema porque a legislação do Proes (o programa de socorro aos bancos estaduais) diz que a União poderia “adquirir o controle da instituição financeira exclusivamente para privatizá-la ou extingui-la”.

 

BB mira bancos públicos para manter a liderança II

Por isso, executivos do BB acreditam que a negociação com o BRB possa avançar mais rapidamente. Depois de denúncias de corrupção envolvendo o banco, o governador José Roberto Arruda (DEM-DF) já fala em vendê-la. Em jogo está a liderança do mercado bancário. Nos últimos anos, o BB manteve uma posição confortável no topo do ranking, mas os seus concorrentes vêm se aproximando rapidamente. A guerra por posições faz com que os bancos contestem até mesmo as estatísticas do Banco Central. Isso porque, dependendo de como são contabilizados os ativos, um banco pode perder posição para a concorrência. É o que acontece com o Bradesco, por exemplo. Há anos ostentando o título de maior banco privado do país, a instituição está em segundo lugar entre os bancos privados e em quarto no geral, segundo o ranking das 50 maiores instituições elaborado pelo BC, atrás de BB, Itaú e Caixa Econômica Federal. Essa classificação, porém, é questionada por executivos da área financeira porque não inclui todas as operações dos bancos como previdência, capitalização e seguros. Quando consideradas, o Bradesco volta para a liderança do setor privado e para o segundo lugar na classificação geral do BC. Além do Besc e do BEP, que esperam para serem privatizados, e do BRB, outras seis instituições públicas se tornam alvo da disputa por posições no ranking do sistema financeiro: Banrisul (RS), Nossa Caixa (SP), Banpará (PA), Banestes (ES), Bandes (ES) e Banese (SE).

 

 

Rio Grande do Sul e Espirito do Santo negam privatizações

Finaliza a matéria de hoje, 18 da FSP: O Banrisul se tornou uma fonte de financiamento do governo do Rio Grande do Sul nos últimos quatro anos, garantindo o pagamento do 13º salário aos servidores. Com as finanças estaduais em crise -a projeção é um déficit orçamentário de R$ 1,3 bilhão em 2007 -, o governo abriu o capital do Banrisul, em julho, mas o secretário estadual da Fazenda, Aod Cunha de Moraes Júnior, disse que não está nos planos do governo privatizá-lo. O governo do Espírito Santo diz que não planeja se desfazer do Banestes. Segundo afirmou o secretário da Fazenda, José Teófilo, “o governo do Espírito Santo pretende abrir o capital [do Banestes], mas sem direito a voto e mantendo o banco como propriedade do governo”, disse a instituição, por meio de sua assessoria.

 

Governo demora em divulgar nota pública

O governo do Estado está demorando em divulgar nota pública sobre o Banese, inclusive a imprensa nacional, mas precisamente ao jornal Folha de São Paulo. Que leu a matéria acima percebeu que os governos do Rio Grande do Sul e do Espírito Santo já avisaram que não privatizarão seus bancos estatais.Apenas na AL, desfazendo o alarde produzido por deputados da oposição, de que o Banese estaria prestes a ser comprado pelo Banco Itaú ou Bradesco, o deputado estadual Gualberto, líder do Governo na Assembléia Legislativa, se encarregou de transmitir que essa notícia era falsa e que o banco estadual não estava á venda. Para tranqüilidade dois baneseanos e dos sergipanos, que, como  se sabe, na sua maioria esmagadora, é contrária a essa privatização.  

 

 

Juventude do PT realiza reunião I

No último sábado, dia 15, a Juventude do PT/Articulação Unidade na Luta, realizou no SINDIPREV uma ampla reunião, que contou com a participação de representantes de 15 Diretórios Municipais, lideranças do movimento social, vereadores e cerca de 70 jovens de todo o estado. O encontro visou a discutir uma ampla proposta que contempla a efetivação de uma política de formação dos quadros do PT, sejam eles jovens ou não. Abrindo o encontro, Sílvio Santos, membro histórico do PT em Sergipe (atualmente Presidente da EMSURB), fez uma retrospectiva do surgimento do PT, seu papel na construção e consolidação da democracia brasileira, e afirmou ser o PT, seguramente, “a maior instituição política-partidária da, ainda recente, democracia brasileira”. O Dep. Estadual licenciado e Secretário Estadual de Saúde Rogério Carvalho, fez uma fala emocionada, e ressaltou que o PT deve discutir “novos eixos”, tendo em vista a mudança dos paradigmas econômico-político-socias existentes quando da fundação do PT.

 

Juventude do PT realiza reunião II

O Secretário Estadual de Juventude do PT, Lucas Rios, dirigiu os trabalhos, que terminaram com a aprovação da proposta de divisão do estado em regionais, com vistas a facilitar a implementação da política de formação. Ainda, foram aprovadas 02 moções: a primeira manifestou sua solidariedade ao Secretário Rogério carvalho, reafirmando a confiança da Juventude do PT na política estadual de saúde planejada pela atual gestão e que já está sendo implementada em todo o estado; e a segunda aprovou o apoio ao Plebiscito da Vale, que visa a reestatizar a empresa, imoralmente usurpada do patrimônio público nacional na gestão do ex-Presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

 

Entrevista coletiva sobre medicamentos e contratos

A Secretaria de Estado da Saúde realizará às 7h desta terça-feira, 18, uma entrevista coletiva sobre os medicamentos vencidos encontrados pela atual administração e os processos de licitação adotados pelo Governo do Estado. Participam da entrevista o secretário de Saúde, Rogério Carvalho, a secretária-adjunta, Mônica Sampaio, e o coordenador de Logística, Fernando Monteiro. A entrevista coletiva será realizada no auditório da Secretaria.

 

Lojas do shopping exibem filmes piratas

De um leitor:Gostaria de comentar uma situação curiosa que pude observar esta final de semana, tenho por costume ao passar pela lojas de eletro doméstico e observar as televisões expostas, no Shopping Jardins, por exemplo, as do tipo LCD ou Plasma estão exposta de forma agressiva onde praticamente não se vê o interior da loja, pois bem, foi ai que tomei um susto, ao passar pela frente da Ricardo Eletro parei para observar os aparelhos e quando notei estava tendo a oportunidade de assistir o filme “Duro de Matar 4.1” que para minha surpresa ainda se encontra em exibição nos cinemas!! Lembro-me de ter visto semana passada donos de locadoras reivindicando junto às autoridades públicas uma medida enérgica no combate a pirataria, que tanto prejudica o faturamento dos mesmos. Será quem ninguém vê que as próprias lojas de televisores e dvd´s são incentivadoras da pirataria!!!!”

 

 

“Vou prestar vestibular… e agora?”, dia 22

No próximo dia 22, das 19h às 21h, acontece no auditório Atalaia do Centro de Convenções a palestra “Vou prestar vestibular… e agora?”. Direcionado para os estudantes que querem disputar uma vaga nas universidades de todo o país, o evento contará com a presença do psicólogo Léo Fraimam, da Universidade de São Paulo (USP). “O objetivo do evento é orientar os jovens sobre a escolha profissional e abordar o papel da família diante dessa decisão”, afirma Lúcio Costa, organizador do evento. Segundo ele, os pais representam um fator decisivo na escolha do curso pelos filhos, já que muitos querem impor projetos pessoais não conquistados ou mal sucedidos. Durante a palestra, técnicas de relaxamento e memorização serão ensinadas para que a tensão pré-vestibular não prejudique os candidatos, dando mais confiança na hora da prova.As inscrições estão sendo realizadas ao preço de R$ 50 (até o dia 21 e não haverá meia-entrada) na Coordenação Pedagógica das escolas ou na Livraria Dom Bosco, situada à Rua Riachuelo. “Pode parecer caro para os estudantes, mas se relacionarmos a alguns shows, que nada têm a acrescentar em termos informativos, está num preço ótimo”, diz Lúcio. No dia do evento, o valor será de R$ 60. Mais informações ligar para (0xx79) 3243-4559 ou 8134-1654.

 

Frase do Dia

“Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca”. Darcy Ribeiro.

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários