Bom sinal

0

O presidente Lula (PT) ainda não definiu a linha do seu Governo. Em seis meses, provocou tumultos políticos que abalaram seu partido e se fez desacreditar por não cumprir, integralmente, os projetos e programas de campanha. A sociedade, de um modo em geral, não fala bem do seu estilo. Não acredita no rumo traçado pela sua Administração. Quem esperava um Lula consciente, está assistindo um presidente que ainda não encontrou o projeto que um dia sonhou para o país. O programa Fome Zero, que, ao lado do salário mínimo de R$ 250,00, foi o carro chefe de sua campanha política, se perdeu nas promessas que se desintegram aos ventos. Evidente que ninguém vai perder a esperança, mas há um desânimo no jovem, no adulto e no velho que acreditaram em mudanças imediatas que eram expostas em seus programas políticos. O Governo tem uma característica um tanto quanto estrambelhada. Assim, como bêbado, cuja cabeça não tem dono… Depois de expor uma certa arrogância e exibir um lado autoritário e provocador que a sociedade desconhecia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva resolveu dividir problemas e administrar ouvindo governadores, deputados, senadores e outras personalidades que influenciam na vida nacional. Segunda-feira passada Lula reuniu-se com todos os governadores para discutir as reformas da Previdência e Tributária e, enfim, abriu-se um diálogo mais próximo da objetividade. O Planalto cedeu em algumas exigências e contemplou Estados que seriam prejudicados com a aprovação dos projetos originais. Já não há o bater do martelo, como deixou passar o Governo, e se deu margem a uma abertura para negociações, em que todos seriam envolvidos. Os governadores do Nordeste ainda insistem na questão do ICMS – motivo único da reforma – para que ele seja todo pago na origem ou no destino, sem exclusões de produtos, como energia e petróleo. Ontem, o presidente passou boa parte do dia reunido com a bancada do Nordeste. Discutiu as questões prioritárias da região e recebeu uma pauta de prioridades que, se for atendida em pelo menos 50%, será uma grande vitória dos políticos nordestinos. O pessoal pediu a implantação de refinarias no Nordeste, aperfeiçoamento dos programas sociais e superação da pobreza e da exclusão social. Quer também a revitalização dos instrumentos estratégicos e modernização administrativa da Sudene, Codevasf, Dnocs e BNB, a implantação do Instituto do Semi-Árido (ISA), a transferência para a Sudene da gestão da parcela dos recursos (30%) dos fundos setoriais do C&T, que devem ser compulsoriamente aplicados no Nordeste. Os deputados pediram também a revitalização do rio São Francisco e a integração das bacias dos rios Tocantins, Parnaíba, Jaguaribe, Apodi, Piranhas/Açu e Paraíba. Não esqueceram o aproveitamento dos recursos hídricos do Semi-Árido, além do fortalecimento da economia e combate à desertificação e degradação dos recursos naturais, também no Semi-Árido. O almoço foi animado por uma banda de forro de pé de serra. Quando Lula chegou, foi recebido ao som da Canção do Retirante (Minha vida é andar por este país/pra ver se um dia me sinto feliz…) e ouviu todas as reivindicações com muita atenção. Disse que ia fazer transposição de águas para outros Estados do Nordeste, mas não falou que utilizaria o Rio São Francisco. Quanto à instalação da refinaria, o presidente Lula tem em mãos estudos do setor técnico da Petrobrás, de que poderia não ser necessária mais uma refinaria no Brasil. As existentes são suficientes. E foi baseado neste parecer, que Lula teve uma crise de nordestinidade: “se for importante para o desenvolvimento social de uma região a implantação da refinaria, ela será instalada no Nordeste”. Os deputados vibraram e mostraram que a Petrobrás não pode ser apenas uma empresa multinacional que dá lucros excessivos. Ela também tem compromissos com o social. O presidente Lula está inaugurando um novo estilo de governar o país, abrindo o diálogo com os segmentos representativos da sociedade, para encontrar o melhor caminho do desenvolvimento e reduzir as desigualdades regionais e sociais que exibem um Brasil rico e forte, e outro Brasil pobre e fraco. FRANCISCO A polícia não tem nenhuma pista concreta do ex-deputado Antônio Francisco, indiciado como mandante da morte do deputado Joaldo Barbosa. Um dos delegados não esconde: “levamos um drible”. A partir de hoje o ex-deputado entra na pauta de prioridade da polícia para ser encontrado. FUGA A última vez que a polícia viu Antônio Francisco foi entrando no Tribunal de Justiça, na manhã do dia da cassação. Os policiais que o seguiam não o viram sair. “Talvez tenha saído pela garagem, em um carro com vidro fume”, disse o delegado. Do Tribunal de Justiça o ex-deputado Antônio Francisco foi para um apartamento na avenida Beira Mar. Fugiu de lá, agachado no banco traseiro. SEGURANÇA O promotor Luiz Mendonça deve se afastar da Secretaria da Segurança, entre os dias 26 e 27 próximos, para concorrer à vaga de procurador de Justiça. Ele se afastará no momento que o procurador Darcilo Melo Costa se aposentar, o que acontece na última semana deste mês. RETORNO Caso integre a lista tríplice e seja nomeado pelo procurador geral de Justiça, Luis Walter, o novo procurador Luis Mendonça volta à Segurança. Se não for indicado, também volta. Quatorze promotores concorrem à vaga de procurador de Justiça, cuja lista tríplice é escolhida pelo Conselho Superior. ALBANO O ex-governador Albano Franco (PSDB) está viajando, na próxima semana, para contatos políticos em Brasília. Passa alguns dias por lá. Os aliados e amigos do ex-governador acham que ele deve começar a ter contatos e se preparar para as eleições municipais do próximo ano. AFLIÇÃO Alguns deputados estão meio aflitos, na esperança de que o governador João Alves Filho faça uma convocação extraordinária da Assembléia. É praxe uma convocação extraordinária para agradar aos parlamentares, mas até o momento não está pintando nada. FEDERAIS Os deputados federais não gostaram da reunião que o presidente Lula da Silva teve com os governadores, para negociar as reformas da Previdência e Tributária. Os parlamentares acham que governador não vota na Câmara e nem sempre os chefes dos Executivos têm influência total sobre a bancada dos seus Estados. JUSTIÇA A lista tríplice para escolha do desembargador que ocupará a vaga de Antônio Góes, deve sair dia 6 de agosto, na primeira reunião do Pleno. Os membros do Tribunal evitam falar sobre nomes, mas afirmam que não haverá influência política para a escolha, embora haja tentativas. CONVERSA O deputado federal Jackson Barreto (PTB) teve uma conversa reservada, ontem, com o presidente Lula, logo após o almoço dele com os deputados do Nordeste. Jackson falou sobre a questão da política do transporte coletivo do País, que considerou fator de exclusão social, pelo alto valor dos preços das passagens. GOSTOU O presidente Lula concordou e pediu que o deputado Jackson Barreto elaborasse um projeto sobre o assunto e o entregasse. Jackson vai iniciar este projeto, tendo como base estudos feitos em outros paises, onde o transporte coletivo não promove a exclusão social. BOSCO O deputado federal Bosco Costa (PSDB) disse, ontem, que o seu partido perdeu parlamentares e poderá perder mais, porque não definiu uma posição. Segundo Bosco, os dois governadores mais fortes – São Paulo e Minas – estão querendo as reformas da Previdência e Tributária. Ambos influem na votação. RUMO Bosco Costa acha que, até o final de setembro, o PSDB tem que tomar um rumo em Sergipe e saber com quem vai ficar. Acha que o governador Albano Franco precisa definir os aliados: “isso é necessário a qualquer legenda quando se tem um pleito pela frente” SUCESSÃO O vice-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) acha que é muito cedo para discutir sucessão: “o melhor é tratar de fazer mais coisas por Aracaju”. Segundo Edvaldo, discutir eleições municipais, nesse momento, corre o risco de prejudicar os trabalhos: “cada dia com a sua agonia”, filosofou. DISPUTA Edvaldo Nogueira não se referiu ao assunto, mas sabe que o seu lugar de vice-prefeito é o mais cobiçado pelos partidos que integram o bloco do PT. Em encontro ocorrido com membros do PTB, PSB e PL ficou claro que as três siglas estão querendo indicar o companheiro de chapa de Marcelo Deda, que disputa a reeleição. Notas BANCO A superintendente de Crédito do Banese, Avilete Ramalho, explicou, ontem, que o Banco do Povo é um programa de micro crédito da Secretaria de Combate à Pobreza em parceria com o Banese. Estão sendo treinadas agentes de crédito para visitar famílias que sejam empreendedoras que não tenham acesso a financiamentos. Segundo Avilete, os agentes também vão visitar pessoas que estejam na linha de pobreza, mas que tenham idéias para executar alguma coisa ou já tenha um profissão e possa executa-la para sustentar a família. PILOTO Avilete Ramalho explicou que só terá acesso ao Banco do Povo os maiores de 18 anos e que residam nos bairros que estão servindo de piloto, como o Terra Dura, Santa Gleide, Mangueira, Japãozinho e conjunto João Alves, em Socorro. Além dos municípios de Própria, Monte Alegre e Poço Redondo. O Banco do Povo empresta de R$ 200 a R$ 5.000, com juros de 2% ao mês e os recursos são do BNDES. Em janeiro do próximo ano os demais bairros da Capital e alguns municípios do interior entram no programa. VALADARES A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) apresentada pelo senador Antônio Carlos Valadares (PSB) está entre as 103 matérias que constam da pauta de convocação do Senado pelo presidente Lula. A PEC, aprovada por unanimidade, inclui a alimentação entre os direitos sociais. Em sua justificativa, Valadares diz que não seremos um país digno, enquanto assistirmos esse quadro dantesco, onde a fome persiste não apenas nos bolsões de pobreza do Nordeste, mas em todo o Brasil. É fogo O governador João Alves Filho lança, hoje, o seu livro Matriz Energética Brasileira – Da Crise à Grande Esperança, no Iate Clube de Aracaju. A Renault está convocando os proprietários dos modelos Clio, fabricados em 2002 e 2003, para checagem e eventual troca da balança de suspensão dianteira. Luiz Mittidieri assumiu a Assembléia Legislativa depois que começou a conversar com segmentos da oposição. O deputado estado Fabiano Oliveira (PTB) garante que não há forma do Pré-Caju não acontecer no início do próximo ano. Será exatamente depois do Pré-Caju, e durante sua realização, que se decide candidaturas majoritárias. Dessa vez é a prefeito dos municípios. Em Aracaju, para a oposição, a disputa mesmo é para ser o candidato a vice do prefeito Marcelo Deda, que vai para a reeleição. O êxito dos festejos juninos em Aracaju também deve muito à ex-deputada federal Tânia Soares, que está à frente da Funcaju. O deputado Walmir da Madeireira (PFL), de licença para tratamento de saúde, vai se submeter a uma série de exames. Até o momento não está pintando nenhum motivo para que o governador convoque a Assembléia extraordinariamente. O governador João Alves Filho tentou uma audiência, anteontem, com o chefe da Casa Civil José Dirceu. Quando retornar em agosto, a bancada federal sergipana vai começar a discussão para escolha do coordenador junto a Comissão de Orçamento. O senador Valadares já coordenou a bancada por algumas vezes, mas este ano ele está pretendendo ficar de fora. A construção dos viadutos da BR-101, na entrada de Aracaju e Itabaiana, vai continuar paralisada por mais alguns anos. brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários