Bons hábitos na rotina diária

0

Falar sobre a problemática ambiental é interessante, mas colocar em prática… Nem é tão difícil assim quando se quer! Ou seja, quando se tem compromisso. Compromisso enquanto cidadão, enquanto ser humano que se preocupa com o futuro da nossa casa maior, futuro que talvez eu não veja, mas quero que os bebês de hoje possam aproveitar. Então quero agora me valer desse espaço informal para compartilhar com você alguns bons hábitos que, você vai ver, são fáceis, fáceis de praticar.

Da última semana
Observando o que tenho feito pelo meu planeta fiquei até um pouco orgulhosa, porque pouco a pouco eu aumento a quantidade de boas práticas no meu dia a dia. Esta semana eu incorporei na minha rotinha a “lavagem ecológica” para o meu carro. Como ainda não cheguei ao nível de excelência de conseguir abrir mão do carro (porque o transporte coletivo é horrível, sei porque já usei muito), adotei esse tipo de lavagem que consome muito pouca água.

O serviço já está disponível em Aracaju e além de atender em domicílio, custa pouco, apenas R$ 12. Não vou dar o nome aqui porque meu objetivo não é fazer propaganda do serviço, mas da iniciativa. Mas eu recomendo e quem tiver interesse acha numa rápida pesquisa na internet. Eu gostei muito do resultado. Com pouquíssima água deixaram meu velho carrinho limpo e brilhando. Nada mais de baldes e baldes, ou jatos super potentes jorrando água ralo abaixo.

Dos últimos meses
Na ida ao supermercado estou sempre com minhas sacolas reutilizáveis. Tenho três, o que para mim é mais que suficiente. As famílias grandes também podem aproveitar as caixas de papelão que alguns supermercados oferecem na frente de loja. O benefício é duplo: não levar aquele monte de sacolas plásticas poluentes para casa e produzir menos lixo. Já utilizo minhas sacolas há quase dois anos, mas ainda fico impressionada como as pessoas me olham quando estou saindo com minhas compras. Deve ser porque sempre sou a única na fila com as sacolas ecológicas.

Sei que muitas pessoas já usam, mas nunca tive a sorte de esbarrar com elas. Muita gente não tem ou não lembra de levar na hora da compra. O que não é desculpa, porque sempre tem à venda no próprio caixa, custa pouco e você pode presentear alguém com uma dessas. Vai agradar e ainda dará um super exemplo e incentivo. Outra dica para quem tem sacolas sobrando é deixar ela no carro, ou anotar na lista de compras para não esquecer.

Dos últimos anos
Outro costume, que já virou hábito, pois nem lembro mais há quanto tempo faço, é não jogar óleo de cozinha no ralo da pia. Tenho sempre um pequeno vaso de água mineral onde recolho o óleo e depois de cheio descarto junto com o lixo da cozinha. Também separo papel e plástico do lixo orgânico (molhado). Apesar de no meu bairro não haver coleta seletiva, há os catadores de recicláveis que semanalmente selecionam esses materiais nos lixos de vários condomínios. Sei que os papeis que deixo limpos e separados ajudam nesse trabalho. Não é o ideal, mas pior é não fazer nada. Concorda?

Essas mínimas coisas que mencionei não são nenhum sacrifício ou algo que tenho que ficar me policiando para fazer. Ao contrário, já fazem parte da minha rotina. E a cada dia aprendo algo novo, porque quando se quer se faz.

O que mais dá para fazer
Não descartar pilhas, baterias e celulares sem uso no lixo comum. Vários lugares na cidade como bancos, supermercados recolhem esse tipo de material. Hoje em dia até frasco de perfume vazio são reaproveitados. Tem lugar que paga R$0,25 por aqueles fracos de 2 litros com alça, tipo amaciante de roupa. E não é pelos centavos, mas porque esses fracos serão reaproveitados e será menos lixo produzido nessa cidade. Também somos responsáveis sim por isso e tão sério quanto saber o que é importante para o meio ambiente, é fazer o que é necessário.

Reproduzindo os 5 Rs – porque a reciclagem não é suficiente para resolver o complexo problema do lixo. A redução do consumo e do desperdício é essencial! A diminuição do volume de lixo e a reversão de nosso modo de vida passam por:

  • uma profunda reflexão sobre o que é realmente necessário;
  • coragem de recusar o consumo dos produtos desnecessários ou supérfluos;
  • ponderação para reduzir o consumo dos produtos considerados necessários;
  • decisão de reutilizar embalagens e outros produtos, renovando seus usos tanto quanto possível, aumentando sua vida útil e retardando o descarte;
  • iniciativa de encaminhar todos os produtos utilizados e, quando possível reutilizados, para a reciclagem;
O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais