Bravatas de Augusto enfraquecem a AL

0

 

 

Pesquisando rapidamente a história do legislativo em Sergipe, nunca se viu um parlamentar com atitudes tão incoerentes como o deputado estadual Augusto Bezerra, do DEM. Nos últimos dois anos ele aparece na mídia defendendo tudo que foi contra nos mandatos anteriores, ou seja, nos governos João Alves Filho e Albano Franco.

 

Não se sabe se Augusto Bezerra está desesperado porque nunca foi oposição e sempre foi aliado do governador de plantão, e, discursar para conquistar votos de “onde vier”, ou se o parlamentar pensa que a maioria dos sergipanos tem amnésia eleitoral e, certamente, não lembram do que ele defendeu com “unhas e dentes”, anteriormente.

 

Não precisa ressaltar aqui as ações contraditórias dele nas áreas da educação e saúde, mas a última essa história de uma emenda constitucional pedindo um plebiscito sobre uma possível privatização do Banese. São dois pontos incoerentes: Primeiro que o deputado Gilmar Carvalho já demonstrou, com documentos, que uma proposta parecida apresentada por ele, teve o voto contra de Augusto Bezerra, durante o governo João Alves. O segundo ponto é o mais grave. Todo mundo sabe que qualquer venda de bens do Governo do Estado tem que passar pela Assembléia. Ao propor o plebiscito, Augusto Bezerra quer tirar as funções dos deputados, enfraquecendo a Assembléia. Afinal para que serve os gordos salários pagos aos deputados e o alto custo do legislativo? Não é para os deputados assumirem suas funções?

 

Augusto pensa que com a proposta de emenda constitucional vai conquistar os votos dos baneseanos. Esquece ele, que o partido dele, hoje DEM, antes PFL, foi o que quase “quebrou” o Banese. Se João Alves tivesse sido eleito em 2006 certamente o Banese já estaria privatizado há muito tempo.

 

As incoerências de Augusto Bezerra são muitas. Mostra que alguns parlamentares não sabem ser oposição e, preocupado com a eleição de 2010, é capaz de fazer tudo. Mas o povo é sábio e saberá mandar para casa quem usou um mandato parlamentar para enganar o povo através de uma formula química ultrapassada…

 

Obra no Banho Doce da Aruana

Da assessoria da Emurb: “A nota publicada na sua coluna de ontem, onde um leitor questiona a urbanização do banho doce, na praia de Aruana, merece uma explicação sobre a dúvida do internauta. A licitação para contratação da empresa que executaria a obra foi aberta no dia 03 de dezembro de 2008, mas foi deserta, ou seja, nenhuma empresa solicitou o edital para participar da concorrência. Atualmente o projeto continua em processo, para ser aberta uma nova  licitação, nos próximos dias.

 

Obra orçada em R$ 150 mil

A obra, orçada em mais de R$ 150 mil (valor da última licitação), vai contemplar a construção de uma passarela, de um deck (área de vivência feita em madeira rústica com dois quiosques) e a área de banho será revitalizada em piso de concreto para proporcionar maior vazão das águas e mais um ponto na bica. É importante ressaltar que essa obra tão importante para o turismo e para nós, aracajuanos, é mais um compromisso do prefeito Edvaldo Nogueira que está sendo cumprido. Tão logo a licitação seja concluída, o prefeito vai emitir a ordem de serviço para o início imediato das obras”.

 

Centro Integrado é avanço

O Centro Integrado de Operações de Segurança Pública – CIOSP, que será inaugurado hoje, 02, é um grande avanço para as políticas publicas do Estado. Uma importante ação do governador Marcelo Déda. Uma luta das instituições policiais e bombeiros, mas principalmente uma melhoria no serviço prestado a sociedade, publico alvo do citado Centro.

 

Reconhecimento público

Este espaço que cobra tanto da SSP e já fez várias denúncias contra ações erradas de policiais, faz um reconhecimento público: a tenente coronel PM Alessandra Dielle (analista de sistemas) Diretora de Tecnologia e Informação da SSP, pois a mesma dedicou-se de corpo e alma, desde a concepção da idéia até a reforma física das instalações. Profissionais como a Tenente Coronel Dielle merecem o reconhecimento da sociedade sergipana.

 

Uso de veículo: resposta da SEJUC

Em função de denúncia publicada no blog de Cláudio Nunes, na Infonet, no último dia 31/03/09, sob o título “Servidora da SEJUC vai para a faculdade com veículo público”, o secretário Benedito Figueiredo tomou conhecimento, via assessoria de imprensa, apurou se tratar da diretora do PREFEM, um cargo comissionado, a pessoa que conduzia o veículo de placa policial HZZ 0396, da própria secretaria, e exonerou a mesma em 01/04/09, mandando, inclusive, apurar responsabilidades.

 

Exemplo a ser seguido

Este espaço deixa claro que não tem o intuito de prejudicar nenhum servidor, mas não a sociedade sergipana não aceita vê diariamente veículos públicos sendo usados para atividades privadas. É preciso punir estes servidores, de uma forma ou de outra. A atitude de Benedito Figueiredo, punindo o uso irregular do veículo público, se fosse seguida pelos demais secretários certamente os abusos acabaria.

 

Luiz Alberto, fundador do PT, nem aí para uso irregular de veículos

Já o secretário da Cultura, Luiz Alberto, por ser fundador do PT e indicação direta do governador parece não se importar com o uso irregular de veículo na sua pasta. Deveria dar exemplo, mas este espaço continuará de olho, inclusive no próprio secretário. A nota de ontem: “Mais um veículo de sua responsabilidade sendo usado para fins particulares. Desta vez foi o veículo Santana prata (placa – HZU -5042), ontem, 30, às 12h30, no Jardim de Infância Augusto Maynard, na rua Dom José Thomaz. O motorista parou em frente a escola e uma mulher (baixa e magra) desceu do veiculo, entrou na instituição escolar e pegou uma criança. Tranquilamente colocou a criança dentro do veículo e seguiu viagem. Um passeio realmente cultural…”

 

Sobre Benedito Figueiredo

Como hoje, 02, será inaugurado mais um presídio em Sergipe, com a presença do ministro da Justiça, este espaço lembra que tem sérias restrições a algumas ações de Benedito Figueiredo à frente da Secretaria de Justiça e Cidadania. É preciso lembrar que Benedito é oriundo das lutas democráticas, chegando a ser preso  pelo regime militar no Congresso Estudantil de Ibiúna, nos idos dos anos 1960, quando, ao lado de outros bravos sergipanos, ele já dava a sua contribuição a democracia, passando pela fundação do então MDB (hoje PMDB) em Sergipe, chegando até a sua fase na política partidária, como vice-governador e deputado federal, além de secretário de Estado.

 

Administração na SEJUC

Todo mundo sabe que a pasta da Justiça é uma das mais problemáticas e que não dá frutos. Muita gente estranhou que Benedito neste período manteve uma postura discreta. Agora começa a colher os frutos de um sistema problemático. Talvez a experiência, aliada aos tempos de juventude aguerrida, tenha moldado a postura de Benedito. Um reconhecimento: a inauguração hoje, 2,  do Complexo Penitenciário Advogado Antônio Jacinto Filho. Serão 476 novas vagas em um sistema penitenciário que conta, ao total, com 1365 vagas. E esse presídio inaugurado hoje, com a presença do Ministro da Justiça, Tarso Genro, e do governador Marcelo Déda, justamente porque é uma parceria dos governos Federal e Estadual, só saiu do papel pelo empenho de “Bené”, já que o governo anterior, no afã de mostrar obras, fez uma de “faz de conta”, que não contava nem com guarita no seu projeto inicial.

 

Cadeião de Socorro

Mas tem outro trunfo do secretário. Nos próximos dias, com a inauguração do Cadeião de Socorro, mais 165 vagas serão criadas. Ou seja: em apenas dois anos, o governo consegue aumentar em 47% o total de vagas nos presídios do Estado. Espera-se que Benedito continue trabalhando mineiramente para que o sistema penitenciário sergipano, que hoje é o terceiro melhor do país, segundo levantamento do próprio Ministério da Justiça, chegará ao final deste governo disputando o primeiro lugar. Tomará que Benedito prove que não adianta espernear, tem é que trabalhar. E este espaço, que critica algumas ações dele, será o primeiro a reconhecer, como está fazendo neste momento.

 

Coletiva do presidente nacional do Ibama

Hoje, 02, às 8hs, na sede do Ibama em Sergipe (Avenida Coelho e Campos, 521), o presidente nacional do Ibama, Roberto Messias, concederá uma entrevista coletiva a imprensa. Ele vai  falar sobre a instalação em Sergipe da Coordenação de Licenciamento das Atividades de Petróleo e Gás para as regiões do Norte e Nordeste. Essa coordenação descentralizará as atividades de licenciamento promovidas pelo Ibama, já que atualmente esse trabalho vem sendo desenvolvido de forma centralizada no Rio de Janeiro.

 

Valadares cobra ação para municípios

 Mais uma vez o senador  Valadares, líder do PSB no Senado, foi à tribuna cobrar do governo uma ação rápida em favor dos municípios que estão sofrendo com a redução do repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), como conseqüência da redução do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI).   “Muitos, cerca de quatro mil municípios, estão praticamente fechando suas portas porque não conseguem recursos sequer para arcar com sua folha de pagamento, quanto mais para executar obras de infra-estrutura indispensáveis à população”, ressaltou o senador.

 

Tratamento igual para os municípios

Valadares enfatizou que o governo federal vem socorrendo a indústria automobilística, com a redução do IPI, mas que isto trouxe reflexos drásticos para as administrações municipais.  Ressalvou que o socorro às indústrias é louvável,  porque se destina a preservar milhares de empregos, mas que é necessário que se dê o mesmo tratamento à questão dos municípios. “Faz-se urgente que o governo federal venha com uma ação efetiva e concreta em relação aos municípios e, inclusive, já fiz uma sugestão para tal: o aumento de 1% do FPM, desde que estes recursos se destinem exclusivamente às obras de infra-estrutura, pois desta forma também estaríamos garantindo o emprego de milhares de pessoas”, acrescentou.

 

Itabaiana: redução de 8,36% nos repasses

A crise econômica mundial está refletindo fortemente na arrecadação financeira do município de Itabaiana. Levantamento realizado pela secretaria de comunicação aponta para uma redução de 8,36% nos repasses constitucionais oriundos da União e do Estado. A comparação foi feita tomando por base as receitas do primeiro trimestre dos anos de 2008 e 2009. Nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2008, a prefeitura de Itabaiana recebeu da União e do Estado, o total de R$ 9.800.287,62. Este valor, corrigido pelo  INPC, acumulado em 2008 (6,48%), chega ao valor de R$ 10.435.346,26. Já em 2009, nos primeiros três meses do ano, o total dos repasses somou apenas R$ 9.630.308,39, provocando uma redução de 8,36 pontos percentuais.

 

Ajuda do governo federal

“A nossa expectativa é que o governo federal adote medidas urgentes que venham minimizar os efeitos que essa redução da receita está provocando nos municípios brasileiros. A coisa está ficando cada vez mais séria. Se esse quadro não mudar daqui para o mês de maio, eu não sei o que nós prefeitos vamos fazer para manter as coisas em ordem”, alertou o prefeito Luciano Bispo. Sobre o pagamento dos servidores, Luciano já orientou ao secretário da fazenda de Itabaiana, Roberto Bispo, que a prioridade número um é a folha de salários. “A gente vai guardando o dinheiro que entra na prefeitura a cada dia, quando completa o total da folha é que passamos a resolver as outras coisas”, informou o prefeito.

 

Perturbação do sossego na Zona de Expansão

Moradores dos Povoados Robalo, São José, Gameleira, Areia Branca e Mosqueiro estão revoltados com a perturbação do sossego que vem ocorrendo com muita freqüência. Ocorre que uma grande quantidade de chácaras e sítios foram transformados em casas de eventos e vem praticando uma série de irregularidades, ilegalidades e agressões ao ambiente.      A ADCAR – Associação Desportiva, Cultural e Ambiental do Robalo protocolou na Promotoria do Meio Ambiente, do Ministério Público Estadual denúncia sobre tais abusos e solicitando a instauração de procedimento a fim de apurar as ilegalidades.     Segundo José Firmo, Presidente da ADCAR, a iniciativa de procurar o Ministério Público foi em função dos abusos cometidos e pela falta de estrutura do Pelotão Ambiental da Polícia Militar, que via de regra, não atende aos chamados para por fim aos crimes ambientais.

 

Atenção MP: exposição do denunciante

Outra alegação dos moradores é a de que mesmo quando atende, a Polícia exige a presença do reclamante no local e a ida até uma delegacia de polícia para o registro do Boletim de Ocorrência, o que expõe o denunciante. “As festas são realizadas ou freqüentadas por muitas pessoas violentas, às vezes sob os efeitos de álcool, e para nós que moramos nas proximidades é muito perigoso se identificar e se expor para fazer uma denúncia”, diz José Firmo. Os moradores se dizem dispostos a informar ao Ministério Público todas as chácaras que são alugadas irregularmente como casas de eventos e que estão infringindo o artigo 42 do Decreto-Lei 3.688, que trata das contravenções penais.

 

24 horas de barulho

Em épocas de feriados prolongados e de festas tradicionais, como Natal, Réveillon, Carnaval e São João os moradores são desrespeitados por vários dias seguidos, durante as vinte e quatro horas. “os moradores reclamam que não podem dormir, ouvir as músicas de suas preferências, assistir à TV, atender telefonemas. Nem crianças e doentes são respeitados e até os estudantes que queiram estudar para provas e concursos não conseguem se concentrar”, reclama Firmo. Das sextas-feiras até os domingos os eventos como casamentos, aniversários e outras comemorações, não dão sossego aos moradores que trabalham e estudam durante toda semana.

 

Promotoria do Meio Ambiente

A expectativa dos moradores é que a Promotoria do Meio Ambiente instaure logo o procedimento e convoque os proprietários das chácaras, a Prefeitura de Aracaju, através da EMSURB, o Pelotão Ambiental e outros entes públicos que o promotor entender necessários, a fim de que as farras irregulares sejam proibidas definitivamente na Zona de Expansão, afinal, segundo a ADCAR, nenhuma chácara, nenhum sítio e nenhum bar localizado na região tem sequer alvará de funcionamento, muito menos licença para executar som.        

 

Livro sobre Direito Constitucional do trabalho

O estudo do Direito Constitucional do Trabalho é tema atual, principalmente em tempos de crise econômica, uma vez que as normas de proteção ao trabalhador constantes da Constituição Federal podem formar os “direitos fundamentais do trabalhador”.  Com uma abordagem objetiva, este é o tema do livro “Curso de Direito Constitucional do Trabalho: Uma abordagem à luz dos direitos fundamentais”, da professora da Universidade Federal de Sergipe, Flávia Moreira Guimarães Pessoa, que será lançado no próximo dia 16 de abril, às 18h30, na Rua Celso Oliva, 484.  O livro é fruto da tese de doutorado da autora, que foi defendida junto à Universidade Federal da Bahia.

 

Pós-Graduação promovida pelo UnB volta a Aracaju

Próximo sábado, dia 4, assistentes sociais de Sergipe e Alagoas, sem precisar sair de seus Estados, participarão da aula inaugural do II Curso de Especialização “Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais”, promovido pela Universidade de Brasília (UnB), pelo Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) e pela Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS) e desenvolvido pelo Centro de Educação a Distância da UnB. Em Sergipe, com o apoio do Conselho Regional de Serviço Social 18ª Região (CRESS/SE), este primeiro encontro acontece das 9h às 12h no auditório do Bloco C do Campus Aracaju-Farolândia da Universidade Tiradentes. Realizado em 18 meses, o curso, ao seu término, tornará os participantes especialistas em Serviço Social.

 

Alunos do ILBJ conhecem Museu

Durante toda essa semana, o Instituto Luciano Barreto Júnior, ação de Responsabilidade Social da Construtora Celi, levou seus alunos a uma visita ao Museu do Homem Sergipano, da Universidade Federal de Sergipe. A atividade foi desenvolvida de forma conjunta pelas disciplinas Português e Cidadania e Trabalho, com o objetivo de levar os alunos a experimentar a observação da cultura sergipana, através do que está retratado e exposto em todo o museu. Segundo a Professora de Português Roberta Brito Lima, a história da língua portuguesa e a formação da sociedade foram bastante trabalhadas através de eixos temáticos interdisciplinares no Projeto Pedagógico “Quem sou eu?”.  “Quisemos utilizar a teoria na prática, fazendo uma releitura de todas as aulas que demos com essa temática. Trabalhamos discursividade, observação, finalizamos o tema “Cultura Sergipana” e mostramos a evolução do homem sergipano, desde a pré-história até a idade moderna”, explicou.

 

 

‘Resgatando Cidadania’ expõe produtos na 13 de Julho

Almofadas, bolsas, colchas, mantas, toalhas, necessaires, tapetes e outros produtos artesanais serão expostos pelas mães do projeto Resgatando Cidadania entre os dias 02 e 15 de abril no Mirante do Calçadão da 13 de Julho, de segunda a sexta-feira das 9h às 19h e aos sábados, domingos e feriados das 9h às 15h. Em mais uma exposição, as peças produzidas pelas artesãs ganham visibilidade e reconhecimento do público, que uma vez conhecendo os produtos se interessa pelo trabalho do Instituto Recriando e pelo patchwork (costura em retalhos), a técnica de maior destaque do Resgatando Cidadania.O projeto Resgatando Cidadania é realizado pela organização não-governamental na parceria do Fundo Viva o Amanhã, da Avon, do Instituto Lojas Renner, Sebrae, Viação Halley, Prefeitura Municipal de Aracaju, Norcon Construtora, Viação Progresso, UFS e Unitrabalho.

 

DO LEITOR

 

Gracinha de volta ao trabalho ou em busca de voto?

Do leitor Mário Oliveira: “A ex-prefeita de Itaporanga D`ajuda, “Gracinha mesmo sem ocupar cargo publico continua com seu trabalho social, diariamente a mesma  é vista fazendo esse trabalho de assistencialismo aquele mesmo trabalho que a elegeu prefeita daquele município. Enquanto seu sucessor a critica, ela incansavelmente trabalha em prol dos menos favorecidos, ação como essa não deixa de ser louvável é um exemplo que deve ser seguido por todos, resta agora saber se a mesma será candidata a uma vaga na assembléia legislativa com essas ações ou, mas uma vez ira apoiar a deputada Angélica Guimarães como fez em 2006 fazendo com que os votos dado a então deputada fosse pedra fundamental na sua vitoria como deputada. O povo quer saber senhora Gracinha”.

 

Problemas na saúde de Itaporanga

Do leitor Emanuel: “Ontem, uma mãe foi ao plantão 24 horas de Itaporanga D`Ajuda com seu filho pequeno que estava com sangramento no umbigo e ao chegar no plantão foi informada que não havia médico de plantão. Ela foi atendida por uma assistente social e levada ao hospital João Alves sem encaminhamento médico, assim como está acontecendo com outras pessoas da comunidade, porque a maioria dos plantões estão assim sem médico. Para aliviar a situação, a própria secretária de saúde está dando “apoio” aos plantões atendendo aqueles pacientes mais impacientes. Isso é falta de compromisso com a população do nosso município e é uma questão de irresponsabilidade! Sabe quando mudarão está situação? Quando acontecer uma tragédia e eles perceberem que devem parar de brincar que estão fazendo saúde, mas com saúde não se brinca!!!”

 

Novela mexicana

Do leitor Edilson: “A população sergipana parece assistir à uma novela mexicana em que os atores são, na maior parte do tempo,   servidores públicos estaduais, muito embora servidores municipais também façam parte de alguns capítulos. Num momento o drama envolveu policiais civis (delegados, escrivães, agentes, etc), noutro, os professores estaduais e médicos e professores da PMA. Mais adiante, os agentes penitenciários. Atualmente a cena é protagonizada pelos policiais militares, sendo que as “lideranças” destes, diariamente insinuam, por meio da imprensa, que “o caos na segurança pública”, continuará se suas reivindicações não forem atendidas, acenando inclusive com “aquartelamento”. Entendo que todos tem direito à lutar pelo que entendem ser seus direitos. Contudo, como cidadão, entendo que existem “direitos” que se sobrepõem à outros. Acho, só para exemplificar, que a proteção da população em face da marginalidade, não deve ser negligenciada apenas para mostrar que a polícia, qualquer polícia, desenvolve atividade primordial. Mesmo  assim os “recados” são dados diariamente, numa espécie de chantagem implícita, onde a sociedade civil, que todos dizem respeitar e defender, é usada como bucha de canhão. Espero ansioso pelo capítulo final”.

 

Em resposta a nota de esclarecimento da Adepol I

Do policial militar Railson Simões: “Ao ler a nota de esclarecimento da diretoria da Associação dos Delegados de Polícia publicado no dia 1º de abril (dia mais sugestivo não existiria) em seu blog, realizei posteriormente algumas reflexões sobre as ridículas declarações feitas por aqueles que se acham acima da hierarquia na SSP de Sergipe (se é que para eles existem) e assim executariam um serviço muito mais importante que qualquer outra classe, funcionário ou servidor público. Bem, primeiramente Sr. Claudio Nunes venho aqui gentilmente pedir este espaço para externar a minha indignação com as palavras redigidas por esta associação. Adianto aqui que sou militar, mas que não faço parte de nenhuma das associações, sendo assim não me enquadro como líder de nenhum movimento militar e nem pleiteio tão função. Acredito que alguns delegados (pois a toda regra deve haver exceção e bom senso) pensam que Segurança Pública se faz somente com bacharéis em Direito. Não senhores, Segurança Pública também se faz com bacharéis em Administração, Economia, Serviço Social, Medicina, Enfermagem, Odontologia, Psicologia, se faz também com licenciados em Pedagogia, História, Geografia, Educação Física etc. Nossos Oficias são conhecedores das disciplinas de direito sim e vão muito além disso que os senhores acham tão importante. São três anos de curso fora do Estado, pois Sergipe é um dos poucos que ainda não possui sua própria academia. E depois há o curso de aperfeiçoamento de oficiais (CAO), o curso superior de polícia (CSP) que são OBRIGATÓRIOS para que se possa almejar futuras promoções”.

 

Em resposta a nota de esclarecimento da Adepol II

Continua Railson Simões: “Realmente, é necessário harmonia entre as policias civil e militar, mas não podemos nos esquecer que para isso é preciso aparar as arestas, dar o mesmo tratamento e principalmente “CADA UM NO SEU QUADRADO”, ou seja, a função prevista pela Constituição Federal para a Polícia Militar refere-se ao POLICIAMENTO OSTENSIVO E PREVENTIVO, À MANUTENÇÃO DA ORDEM PÚBLICA e não trata em momento algum no que diz respeito a tomar conta de delegacia, entregar ofício de justiça e realizar o trabalho de investigação que é de única competência da Policia Civil. E francamente senhores delegados, falar sobre fardos, encargos que teriam sido gerados pela “ineficiência” da Polícia Militar, é esquecer que muitos policiais militares que poderiam estar nas ruas evitando tais delitos e crimes, estão em delegacias e que mesmo assim, as elucidações dos casos ditas pelos senhores também tem como parcela de contribuição a prestação de serviço destes valorosos policiais militares. Também não entendo como os senhores não podem administrar duas ou três delegacias do interior, enquanto um Tenente-Coronel gerencia um batalhão que abrange vários municípios do Estado! Voltando a questão dos policiais militares nas delegacias, senhores delegados não há insubordinação dos militares porque não existe hierarquia entre praça e delegado, não há previsão constitucional, e se o Secretário das risadinhas declarou isso, ele está totalmente equivocado, cabendo até por parte dos militares que se julgarem lesados e constrangidos, acionarem os meios legais. E se a população é penalizada em algum momento, devemos lembrar aos senhores que essas penalidades vêm ao longo da história sendo contribuídas pelos senhores que não cumprem rigorosamente seus horários de serviço e que juntamente com os seus reais subordinados atendem mal a população que vai às delegacias. E é por isso que a sociedade reclama quando diz não conhecer a figura do delegado, pois quando precisa se deslocar a uma delegacia para prestar um BO, somente encontra a figura do escrivão, passa horas e horas, “gelando” na espera e boa vontade do delegado e sai de lá com a certeza que o tempo foi perdido e que nada será resolvido. É frustrante!!!”

 

Em resposta a nota de esclarecimento da Adepol III

Finaliza Railson: “Lembramos também que a Polícia Militar a exemplo da policia civil vem contribuindo significativamente com a elucidação dos crimes de grande repercussão em Sergipe e mais, a PMSE cotidianamente vem realizando a recaptura dos presos que os senhores não tiveram a competência de manterem custodiados.A exemplo da polícia civil, a Polícia Militar também necessita de efetivo, realização imediata de concurso público, mas nem por isso nenhum servidor de outro órgão do Estado, vem para nossa briosa Corporação executar nossas funções, nossos serviços. E mesmo estando nas ruas com o efetivo escasso, não deixamos de realizar o papel que a Constituição nos delegou. Exemplo prático, quantos aquartelamento aqui os senhores presenciaram nos últimos dez anos? E quantas greves da sua polícia? Pensaram na sociedade??? Façam uma enquete entre a roda de amigos, vizinhos e conhecidos para saberem quem é mais importante: Se a PC ou PM? Por fim, espero que quando ambos os lados falarem em integração entre as policias, não haja somente o compartilhamento de uma estrutura física mas sim a união de um trabalho e que para isso acontecer é necessário haver recursos materiais e humanos, além do mesmo tratamento salarial pois nenhuma função é mais importante que a outra, elas se complementam! E NENHUM DE NÓS É TÃO BOM QUANTO TODOS NÓS JUNTOS!!!”. Railson Simões.

Ainda sobre a nota da Adepol

Comentário de Valter “Fico abismado com a nota da diretoria da ADEPOL, na qual afirma:  “[…]insubordinação não ao Delegado, mas ao Secretário da Segurança Pública, o qual declarou perante os Diretores desta Adepol que determinou aos policiais militares que cumpram tal tarefa […]”. Atribuindo assim ao Secretario da Segurança a determinação para que os PMs lotados nas delegacias entreguem intimações. Senhores delegados, os senhores são inteligentes, solicitem do Sr. Secretario que informe em que ocasião, data e local esta determinação absurda foi data, para não dizer ilegal. Devemos analisar que a conjuntura da PM é outra, graças a Deus e aos nossos esforços a classe policial militar está mais esclarecida. Assim como os senhores não abrem mão de ultrapassar sua carga horária de forma gratuita (que é legítimo), os PMs também não abrem mão de exercer suas atividade dentro da legalidade. Se esses fatos (PM fazem serviço de PC) aconteciam, era por falta de esclarecimento ou por um espírito de camaradagem entre os integrantes das duas instituições. Mas quem resolveu acabar com essa “integração”, foi o próprio governo quando criou um “divisor de águas”. Deixo uma pergunta: Será que os valorosos policiais civis se propõem em tirar um serviço de pé firme nos grandes eventos por mais de 12 horas interrupta, em regime de escala extra, ou até mesmo cumprirem uma escala ordinária de 72 horas semanais, em favor da segurança pública?”

 

Deso, concurso e cargos I

Do leitor Luiz Souza: “Lendo sua coluna, deparo-me com esse discurso de político de botequim do senhor Dr. diretor administrativo da Everton Teixeira (termo usado pelos bajuladores) ou simplesmente diretor administrativo da DESO. Tive que dar umas boas risadas, pois alguém que se diz tão idôneo e ilibado, não deveria contratar o próprio filho para serviços na empresa pública a qual age como sendo sua, matérias estas que já foram publicadas denuncias no jornal do sindicato da própria empresa. Quanto aos funcionários, no que acompanhei de todo o processo antes do governo Déda e da Ditadura Garotinho (é assim que  ele é chamado pelos corredores da empresa, pois mesmo lendo o nome dos  funcionários no crachá só se refere aos mesmos como “garotinho”) eles foram  beneficiados pelo Dr. João e, seus gestores – literalmente falando, pois agiam como gestores – devido as suas competências funcionais, onde se  comentava um provável concurso interno para regularizar a situação dos mesmos. Daí apareceram “as mudanças” onde tudo o que havia sido feito pelo antecessor estava totalmente errado! Essas pessoas foram retiradas dos seus  setores ” porque estavam irregulares” e mandadas pra longe, onde não  pudessem ser vistas, mas o que o Super-Garotinho não sabia é que a C.F. de  1988, a C.L.T. e o Código Civil estava do lado dos trabalhadores… pois é,  contrariando muitos! Esse referido grupo tentou negociar com a direção que se mostrou irredutível neste contexto, mas devido a inúmeras coações sofridas pelos mesmos, resolveram que deixariam a Justiça do Trabalho decidir quem estava com a razão na história: Não deu outra! Os trabalhadores mesmo sendo ameaçados de demissão  seguiram em frente e foram vencedores. Não tendo como “burlar” a decisão judicial, o Super-Garotinho, foi mais  longe e mandou-os para o interior do estado para “dar exemplo” a outros  funcionários sobre como a empresa age em caso de processo judicial, sua alegação de não haver onde lotá-los nem na sede da mesma nem na capital sergipana, torna-se infundada pois as respectivas vagas dos litigantes não foram ocupada se, mesmo que tivessem sido há vagas em praticamente todos os setores de Aracaju, onde sempre aparece um terceirizado parente de diretores,  sobrinhas de gestores e por aí afora”.

 

Deso, concurso e cargos II

Continua Luiz Souza: “Qual vem a ser a prioridade funcionário  ou terceirizado? E mas uma vez a empresa exemplo de transparência deixa  desejar, descumprindo também um ato normativo com o MPT onde se comprometia  a não terceirizar seu setor comercial que por mera coincidência é onde se  tem o maior número de terceirizados, e não dispor de assistentes  administrativos terceirizados na cidade de Aracaju, e ainda não tem vagas  para apenas nove pessoas… Incrível não? Há comentários nos corredores da  DESO que Super-Garotinho irá demiti-los sumariamente custe o que custar até  o mês de julho próximo, afinal se eles não pedem demissão por bem… Será  que o exemplo de gestão em pessoa tomará tal atitude infantil e imatura?  Isso também não tem o nome de perseguição? Quanto a escolha de cargo na inscrição do concurso, sabiam qual a administração vigente saberia reconhecer  seus valores e, metade dos referidos funcionários ainda cursa faculdade na capital pois receberam incentivos da gestão anterior para melhorar seu desempenho na própria empresa. Dúvidas é só acompanhar o processo de nº 01155-2007-003-20-00-8 pelo site do trt20, conhecer um funcionário que não seja da turma dos bajuladores e tirar suas próprias conclusões. Que governo exemplar! Se todos os órgãos públicos tiverem tiranos… Acho que desisti de concorrer a concursos públicos estaduais no momento!!!!!!!!”

 

Frase do Dia

“A demagogia é a pior das mentiras, porque é uma mentira mentirosa.” Tim Maia.

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários