Burocracia tem preço

0

O excesso de burocracia e a desconfiança nos auxiliares paralisam o governo e causam sérios prejuízos aos cidadãos, principalmente aqueles que precisam prestar serviços ao poder público. Agora mesmo tivemos um exemplo disso. Artistas que fizeram shows no Arraial do Povo, montado em junho passado na Orla de Atalaia, colocaram a boca no trombone porque ainda não receberam seus cachês. Diante da denúncia, chegou-se a imaginar que o inconcebível atraso teria sido motivado pela falta de recursos para honrar o compromisso, contudo, o governo informou que os músicos serão pagos na próxima semana. Em outras palavras: se os artistas não tivessem reclamado continuariam de bolsos vazios por muito mais tempo, pois o burocrata tem prazer em dificultar a vida do cidadão. Esse comportamento mesquinho só contribui para desgastar politicamente o governante, que mais dia, menos dia pagará muito caro por ter apostado na ‘burrocracia’.

Chateados

Não convidem o deputado estadual Augusto Bezerra (DEM) e os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado para a mesma roda de cafezinho. Estes últimos ficaram tiriricas da vida porque o parlamentar teria dito que o TCE prevaricou na análise das contas da Fundação Hospitalar de Sergipe. Ontem, vários conselheiros fizeram duras críticas a Augusto, alegando que ele foi deselegante com o Tribunal.

Rolete chupado

Para a cúpula nacional do PSDB, o ex-deputado federal Albano Franco não passa de um rolete de cana chupado. Sem mandato e com o prestígio político reduzido, o ainda tucano Albano está sendo convidado a deixar o partido antes que seja expulso. O presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, já disse numa emissora de rádio de Aracaju que o Albano é “absolutamente dispensável”. Que deselegância!

Comando não!

E o prefeito de Socorro, Fábio Henrique (PDT), se apressou em dizer que o convite feito a Albano Franco foi para ele se filiar ao partido e não presidi-lo. Em outras palavras, o pedetista mandou o seguinte recado: primeiro Albano entra no ônibus para viajar de pé. Sentar ao lado da janela só depois, e assim mesmo se vagar alguma cadeira com vista para a rua. É, quem foi Naninha!

Desfile vazio

Depois dos professores da Prefeitura de Aracaju, agora é a vez dos policiais militares ameaçarem não participarem do desfile cívico de 7 de Setembro. Os primeiros prometem não ir à festa em represália ao prefeito Edvaldo Nogueira (PC do B) que se recusa a atender as reivindicações salariais da categoria. Já os PMS prometem não colocar a farda de gala se até lá o governo não pagar a Gratificação por Evento a que têm direito por terem trabalhado nos últimos festejos juninos.

Uso indevido

O jornalista maranhense Luiz Carlos Cardoso denuncia que o ex-governador João Alves Filho (DEM) fez uso de um helicóptero da Polícia Militar do Maranhão para ir até a cidade de Capinzal do Norte, naquele Estado. “O ex-governador argumenta que estaria escrevendo um livro sobre o desenvolvimento do Nordeste, mas isso não é justificativa para ele usar o dinheiro do contribuinte do Maranhão para seus exercícios de provável escritor”, escreveu Luiz Carlos.

De olho em 2012

O Diretório Municipal do PT de Aracaju dará início na próxima segunda-feira a um ciclo de debates para construção do Programa de Governo do partido para a capital sergipana. Segundo o presidente do diretório, Usiel Rios, a iniciativa visa mudar o foco da discussão em torno da sucessão municipal, que atualmente está muito ligada à definição do candidato. O evento acontecerá a partir das 19h, na sede do Sindprev, localizado na rua Vila Cristina, 222, no bairro São José.

Prefeito punido

A Justiça decretou a indisponibilidade dos bens do prefeito de Campo do Brito, Manoel de Souza. Ele e o empresário Carlos Augusto Fraga são acusados de terem contratado irregularmente artistas para se apresentarem na festa do padroeiro do município. Conforme a decisão, os bens dos dois acusados foram tornados indisponíveis para garantir o ressarcimento do prejuízo à Prefeitura.

Homenagem

O Tribunal Superior do Trabalho homenageou ontem o governador Marcelo Déda (PT) com a Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho no grau de Grã-cruz, a mais alta com que pode ser distinguido um mandatário estadual. A solenidade ocorreu na sede do Tribunal, em Brasília, e foi muito prestigiada. Déda se disse honrado e feliz com a homenagem.

Na fila

Enquanto cerca de 12 mil pessoas, entre estudantes, políticos e lideranças comunitárias, promoviam ontem em Poço Redondo uma caminhada em defesa da instalação de uma universidade no sertão sergipano, o governo federal anunciava quatro novas universidades: duas na Bahia, uma no Ceará e outra no Pará. Pelo visto, Sergipe vai continuar na fila de espera por mais algum tempo.

Do baú político

Esta quem contou foi o saudoso jornalista Benvindo Campos: prefeito de Carira, Antônio Conrado costumava circular pela feira da cidade para ouvir o povo e comprar bons queijos coalhos para presentear os amigos de Aracaju. Certo dia, aproxima-se dele um tabaréu, chapelão de abas largas e com um capote de flanela conhecido por “Colonial”, dobrado na cintura, escondendo, naturalmente, a pistola. Após dar bom dia ao velho Conrado, o sujeito despacha um recado: “Seu “Ocrides” (Euclides Paes Mendonça, líder político de Itabaiana) mandou dizer que vem domingo fazer um comício da UDN aqui em Carira. Ele quer saber do senhor como será recebido?”. Sereno, sem pestanejar, com os olhos fixos nos movimentos do “cabra”, Conrado respondeu, sobranceiro: “Diga a Euclides que se vier como amigo, será recebido com foguetes, banda de música e abraços, mas se vier como inimigo, será recebido à bala”.  O tabaréu deu meia volta e sumiu misteriosamente no meio da multidão. Euclides foi como amigo.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais