Café Pequeno-Até Lá Célio!

0

Me parece que o Jaguar, Pasquim, dizia que a gente percebe que está ficando velho quando os amigos começam a morrer.

 

Desconfio que estou chegando lá pois, vez ou outra, sou surpreendida pela morte de um querido.Semana passada foi a vez do Célio Nunes.

 

É vero que éramos de faixa etária bem diversa, mas isso não faz nenhuma diferença numa amizade via web.

 

E o Célio era um amigo mais que especial e diferente de todos que já tive pois, na verdade, não nos conhecíamos pessoalmente e apenas trocávamos e-mails e alguns telefonemas.

 

Em 2002 quando ainda escrevia o Mosaico no Cinform e, certa vez, sem tempo dei um break, recebi um telefonema super carinhoso.Advinha de quem?

 

Do Célio perguntando se eu tinha parado e me estimulando a não desistir!

 

Eu nem de longe suspeitava que tinha um leitor tão ilustre e assim iniciamos uma improvável amizade compartilhada na escrita.

 

Era muito gostoso receber seus e-mails de incentivo e sempre com o melhor da rede. Tenho uma coleção deles pois sempre guardei todos com carinho.

 

É uma pena que no corre e corre da vida esqueçamos da inexorabilidade da morte. Parece que as pessoas que amamos vão estar sempre ali, eternas, imortais.

  

E a morte, sempre à espreita, nos pega desprevenidos.

 

Por isso não podemos esquecer de amar mais… conviver mais e ver o sol nascer…e trabalhar menos, se importar menos com problemas pequenos e ver o sol se por…

 

De qualquer forma com o Célio vai ser diferente pois seus livros, estórias e carinho com os aprendizes da escrita o farão permanecer para sempre na nossa memória.

 

 

Redescobrindo Sergipe nas Dunas do Saco-Foto Andreia Prata

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais