Café Pequeno-Big Problema

0

E a natureza continua enviando sinais, senão fortes mensagens, de que não está para brincadeira. Terremotos no Haiti, Chile, México e agora China já deixa os moradores da costa oeste americana de cabelo em pé com a possibilidade, mais do que concreta, do famoso Big One :temido movimento das placas tectônicas americana e do pacífico sobre a falha San Andreas.

 

Nós brasileiros, até segunda ordem, livres desse tipo de tragédia natural já começamos a contabilizar outras desde o fatídico janeiro em Angra. Porém o mais triste no nosso caso é que, diferentemente dos terremotos, os soterramentos podem ser evitados e até remediados desde que ações políticas sejam, desde já, desencadeadas.

 

Os acidentes nas favelas do Rio expõem as fraturas do descaso político e populismo barato brasileiro e da má distribuição das populações no território urbano. As pessoas não moram nos morros e encostas porque gostam mas é onde lhes cabe, a não ser que queiram chacoalhar nos trens da vida morando em lugares também sem nenhuma infra estrutura urbana.

 

A problemática é complexa e que as recentes tragédias sirvam, pelo menos, para acender o farol vermelho das autoridades das cidades na busca por soluções mais modernas e eficientes no que se refere a coleta seletiva de lixo, permeabilidade do solo  e acesso a moradia.

 

Este último uma das grandes contradições do capitalismo, expressão mais fora de moda , que é o centro da maioria das cidades brasileiras esvaziados, com prédios arruinando, nós restauradores queimando a mufa para destinar-lhes novos e insustentáveis usos, enquanto a grande maioria da população brasileira vive apinhada nas favelas ou nos longínquos conjuntos conhecidos como periferia.

 

Esses espaços urbanos popularizados como cidades dormitório ou satélites, no caso específico de Brasília, demandam infra e supra estrutura e transporte urbano que demandam grandes deslocamentos que demandam grandes obras, que demandam queima de muito combustível que demandam…

 

Só não podemos falar em acaso.

 

E a moda chega à arquitetura-Japaratuba-SE-Foto Ana Libório

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais