Café Pequeno-Chove chuva…

0

E ontem o Rio desabou debaixo d’água. Só quem vive rodeado de encostas conhece bem o peso dessa expressão, e os acidentes se tornam a cada dia mais comuns pois as ocupações irregulares se alastram morro acima e país a fora.

 

Antigamente, num Rio de poucas favelas, ainda, os moradores relatavam que uma das piores coisas dos morros em noite de chuva era o barulho ensurdecedor do lixo, principalmente latas, quando rolavam, ladeira abaixo, por cima dos telhados de zinco.

 

Tempos românticos aqueles do velho barracão de zinco. Depois vieram as “eternit” e hoje  proliferam as lajes, que só potencializam o desastre nos casos de deslizamento de encostas.

 

O problema é nacional e comum a todas as cidades: o processo incontido e, às vezes, até estimulado de favelização em áreas de risco.

 

No entanto soluções existem e, hoje, o presidente da Associação de Geologia de Engenharia e Ambiental, no Jornal das Dez – Globo News apontava um programa de gerenciamento de risco através de mapeamento cartográfico dessas áreas e orientação das populações a perceberem os primeiros sinais de perigo. E cita exemplos pontuais de bons resultados como em Santos.

 

Mas no Brasil do jeitinho e do improviso parece que é mais fácil gerenciar morte anunciada, ops , gerenciar emergências. Afinal os políticos estão muito ocupados loteando cargos públicos entre eles.

 

 

Rocinha-São Conrado-Rio de Janeiro-Foto Ana libório

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais