Calote no servidor

0

Pelo andar da carruagem, será mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que o servidor estadual ter reajuste salarial este ano. Com o surrado discurso que não pode ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Executivo sergipano insiste em negar um direito básico aqueles que mantêm a administração pública funcionando. É lastimável que justamente um governo do Partido dos Trabalhadores nunca tenha se preocupado em implantar uma política salarial justa. Ao contrário, o PT preferiu seguir em Sergipe a velha cartilha dos ‘coronéis’, enchendo a máquina pública de comissionados, nomeando apaniguados como conselheiros e praticando uma política fazendária anacrônica, que, em vez de arrecadar para aumentar a receita, termina por beneficiar grandes sonegadores de impostos. Felizmente, os servidores sobreviverão até 2014 para mostrar toda sua indignação nas urnas.

Pesquisa

Pesquisa feita pelo Instituto Padrão em todo o estado mostra que se as eleições fossem hoje o prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), seria eleito governador com 43,9% dos votos. O senador Eduardo Amorim (PSC) aparece em 2º lugar com 26,1%, seguido de perto pelo governador Jackson Barreto (PMDB), que tem 22,1% das preferências. Os indecisos são 3,3% e a margem de erro da pesquisa é 3,5%.

Nem aí

A colega Rita Oliveira publica hoje no Jornal do Dia o seguinte: De Jackson Barreto ao ser questionado sobre as pesquisas que estão sendo divulgadas para governador em 2014: “Não estou preocupado com pesquisas e venho dormindo muito bem. No ano passado diziam que Amorim era o governador e até já podia comprar o terno para a posse”.

Clero pune

O padre Lucivaldo Ribeiro dos Santos, da Paróquia de Nossa Senhora de Lourdes, em Aracaju, foi suspenso de suas atividades clericais devido a graves acusações feitas contra ele. É o que comunica em nota o juiz instrutor para as "matérias reservadas" da Sé Apostólica da Arquidiocese de Aracaju. Sem assinar a nota, o juiz instrutor diz que as acusações contra o padre não podem ser reveladas porque correm em segredo de Justiça. O que o reverendo Lucivaldo teria feito de tão grave?

Fuja dos shoppings

O Tribunal de Justiça decidiu que os shoppings de Aracaju podem cobrar como e quanto quiser pelos estacionamentos. Tudo bem que a lei proibindo a cobrança pode ser inconstitucional, mas ninguém lhe obriga a frequentar aqueles estabelecimentos. Só otário paga para ter acesso a uma ou mais lojas que praticam preços absurdos. Ademais, nos shoppings você ainda corre o risco de ser estuprada ou assassinado, como já aconteceu no Jardins. Portanto, caia fora enquanto é tempo.

Petróleo é nosso

O diretor do Sindipetro, Dalton Francisco, fará palestra hoje na Assembléia condenando a privatização do petróleo e os leilões do pré-sal. Integrante do Comitê Regional Contra os Leilões, o sindicalista defende que o petróleo não pode ficar sob o controle de multinacionais. Proposta pela deputada estadual Ana Lúcia (PT), a palestra acontece daqui a pouco no plenário do Legislativo sergipano.

Rega bofe

Entrosamento e cooperação foram palavras muito usadas durante o almoço oferecido ontem pelo governador Jackson Barreto (PMDB) aos secretários e à bancada governista na Assembléia. O peemedebista pediu que os auxiliares atendam os deputados com presteza para que estes possam defender o governo no Parlamento. Também apelou aos parlamentares que usem mais a tribuna visando destacar as ações do Executivo.

Contra o povo

Boa parte dos vereadores aracajuanos está se lixando para a população. Quer um exemplo? Ontem a bancada governista rejeitou requerimento do petista Iran Barbosa pedindo à SMTT informações sobre o fluxo de caixa do sistema de transporte coletivo. Quer dizer, os vereadores preferem proteger a caixa preta das empresas de ônibus a permitir que o povo fique sabendo das coisas. Uma fuleragem, né?

Pistolagem

Veja o que publica Eugênio Nascimento em seu blog Primeira Mão: “Parece piada, mas há fortes indícios que o fato realmente aconteceu. Numa cidade da região Sul de Sergipe, um vereador brigado com o prefeito procurou um pistoleiro para apagar o desafeto. Quando soube quem seria a vítima, o matador de aluguel virou-se para o parlamentar e disse: ‘Eu não mato o prefeito, ele é meu amigo e se ele morrer eu mato você’. Papo encerrado, prefeito e vereador estão vivinhos da silva”. Cruz Credo!

Do baú político

No livro ‘Sempre aos Domingos', do jornalista Marcos Cardoso, o ex-governador de Sergipe, Seixas Dória, conta que se recusou a fugir quando estava preso no Arquipélago de Fernando de Noronha. Ele era colega de cela do ex-governador de Pernambuco, Miguel Arraes, que, segundo o sergipano, “falava pouco, mas tinha opiniões muito sábias. Foi um homem singular, que gostava de rapadura e que queria que eu também comesse. Mas eu não gosto de rapadura”, explicou Seixas. O ex-governador de Sergipe relatou para Marcos que “uma vez, Arraes propôs que nós fugíssemos. No nosso quarto havia um buraco coberto com uma tampa, que poderíamos retirar e escapar por ali. Eu fiquei receoso e ponderei: ‘Como vamos sair da ilha? O continente é distante e acontece que eu não sei nadar!’. Depois íamos dar razão para que nos matassem. Aí eu o convenci do contrário e permanecemos presos”, recordou Seixas Dória.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais