Carta branca

0

O entusiasmo de Jackson Barreto (PMDB) ao final da reunião com Marcelo Déda (PT) permite afirmar que o petista lhe deu carta branca para fazer as mudanças pretendidas no governo de Sergipe. O encontro entre os dois aconteceu ontem em São Paulo e durou quase duas horas: “Estamos com os ponteiros acertados. Déda não está preocupado com intrigas e tem acompanhado nosso esforço para administrar o estado”, disse um satisfeito Jackson. É provável que nas próximas horas Barreto substitua alguns auxiliares diretos e adote outras medidas visando adequar a máquina administrativa ao seu estilo político. Portanto, é aguardar para ver o que acontece.

Mais médicos

Aracaju recebeu ontem os primeiros cinco médicos do Programa Mais Médicos desenvolvido pelo governo federal. Apesar da ‘cara feia’ dos colegas sergipanos, os profissionais vão atender nas unidades de saúde da periferia da capital. Os cinco já integram o Programa Saúde da Família de Aracaju, que conta com 137 equipes multidisciplinares.

Cadê a grana?

E ninguém fala nada no governo sobre o reajuste dos servidores estaduais. Diferentemente, a oposição não se cansa de cobrar o benefício, que já deveria ter sido concedido em fevereiro passado. Enquanto o governo faz vistas grossas sobre o assunto, os servidores vão perdendo a esperança de terem os salários reajustados até o final do ano.

Cortesia

O senador Eduardo Amorim (PSC) fez ontem uma visita ao prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM). Discutiram os problemas da capital e acertaram detalhes sobre a audiência que os dois terão, terça-feira próxima, com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. João disse que, além do senador, espera contar sempre com o apoio de toda a bancada federal sergipana para conseguir benefícios junto ao governo federal.

Casa caiu

A casa caiu para cinco traficantes que transportavam meia tonelada de maconha em um caminhão cegonha. A droga foi descoberta durante um ‘baculejo’ da Polícia Federal no município sergipano de Simão Dias. Os cinco bandidos foram presos em dois carros que faziam a escolta do caminhão com os cerca de 500 quilos de maconha. É fumo suficiente para endoidar um batalhão.

Palanques

As rádios Ilha/FM e Mega/FM são dois palanques eleitorais a serviço de grupos políticos sergipanos. Pelo menos foi o que garantiu ontem no plenário da Assembleia, o deputado Venâncio Fonseca (PP). Segundo ele, a oposição conta com a rádio Ilha para mandar seus recados políticos, enquanto o governo dispõe da Mega para fazer campanha. Que lástima, não?

Latas velhas

Motoristas e cobradores das empresas de ônibus Cidade Histórica e São Pedro, que atendem a Grande Aracaju, prometem cruzar os braços até sexta-feira próxima. Reportagem da colega Cássia Santana denuncia que há dois meses a categoria não receber o auxílio alimentação e os salários. Assim como a VCA – expulsa do sistema de transporte coletivo – a Cidade Histórica e São Pedro pertencem ao suplente de senador Laurinho da Bomfim (PSC).

Em casa

Os mais de 600 detentos do presídio de Areia Branca vão terminar de cumprir as penas em suas próprias casas. É que a penitenciária foi interditada por ordem judicial porque não oferece qualquer condição para abrigar ninguém. Os sentenciados, todos em regime semi-aberto, usarão tornozeleiras equipadas com GPS para serem monitorados à distância. Quem danificar o equipamento será considerado foragido e, ao ser preso, volta para o xilindró.

13º Salário

O Banco do Brasil reabriu a linha de crédito para as empresas pagarem o 13º salário dos empregados, inclusive os encargos sociais incidentes. O empréstimo é direcionado a empresas de qualquer porte ou ramo de atividade, e beneficia até mesmo empresários individuais, que podem quitar a dívida em até 15 meses, dos quais dois são de carência, para o recolhimento da primeira parcela. Tá nessa?

De volta

A velha Arena da época da ditadura militar quer voltar ao cenário político. Arenistas deram entrada no Tribunal Superior Eleitoral no pedido de registro do estatuto para concorrer às eleições de 2014. A Arena pede que seja concedido seu registro provisório sem o requisito de assinaturas de apoio de eleitores à criação de partido, exigido pela legislação. O número da nova Arena é 69.

Essa é do baú

Bem informado e excelente parceiro de mesa, o saudoso jornalista José Brasil era o terror dos redatores. Embora cheios de informações, os textos dele não seguiam uma cronologia e não consideravam a pontuação. Cansado de ‘traduzi-los’, o veterano Ivan Valença resolveu se queixar: “Rapaz, pelo menos coloque os pontos e vírgulas para facilitar o entendimento”, pediu Ivan ao colega bonachão. No dia seguinte, José Brasil sentou diante da velha Remington e mandou ver. Após escrever o texto da mesma forma como sempre fez, apertou a tecla do ponto até preencher duas linhas. Fez o mesmo com a vírgula, interrogação, exclamação, ponto e vírgula, dois pontos, etc e etc. Ao final escreveu: “Ivan, distribua a pontuação como achar melhor”.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais