Carta para Jaime

0

Carta enviada por uma leitora (através de um e-mail falso)

 

Bobo (Jaime),

 

Como escrever tanta besteira e ainda espalhar história de outras pessoas, da forma que você faz? O que ganha com isso? Não, porque sei que não deve ter nenhuma recompensa em fazer esse tipo de ação. Você se expõe e não dá pistas se é realmente verdade o que escreve ou se é algo montado para chocar. Às vezes penso que quem tem um amigo como você não precisa de inimigo, porque já convive com um, você sempre usa a vida dos outros para demonstrar suas opiniões ridículas. Pelo que sei, você é um jornalista graduado e muito bem pós-graduado, então acho que deveria está se preocupando com coisas mais importantes e interessantes do que bobagens tão sem graça como as quais publica periodicamente.

Caríssimo sub/escritor, por que não escrever sobre as desigualdades sociais que somos obrigados a presenciar todos os dia? Talvez, você não se sinta com coragem suficiente para citar, em seus textos, os cenários das chuvas devastadores que já mataram dezenas em todo o Brasil. Acho que você está perdendo seu tempo, porque nós leitores escolhemos o que ler, e sabemos muito bem diferenciar certas coisas. Deveria fazer como os demais colunistas e publicar assuntos do cotidiano como: política, esporte, tudo, menos sentimentos. Porque não gostamos de nos ver retratados de forma tão escrota. Você usa de seu cinismo para desfigurar as relações de afetividade que tem ou teve um dia.

Não sei quem é pior, se é você, que não tem a menor idéia do que seja uma crônica, escreve mal e escolhe conteúdo inapropriado e pessoal ou se são seus amiguinhos, que acham que o elogiá-lo, através dos comentários irá lhe proteger de algo. Às vezes penso ser uma grande falta de ética sua divulgar em sua página detalhes sobre as pessoas com quem já se envolveu. Babaca, você sempre dá detalhes sobre as pessoas que passaram em seu caminho e isso pode lhe gerar um processo. Deveria repensar sempre antes de se colocar como alvo para nossos comentários, que até admito, são pesado às vezes. Mas com a tecnologia que temos hoje, onde podemos esculhambar sem sermos vistos, quem ganha notoriedade não é quem escreve mas quem comenta. Sei que fazemos parte direta daquilo que consumismo como leitura.

Como você consegue falar tanta besteira em tão pouco tempo? Que imaginação é essa sua? Muito feio você falar da sua vida desse jeito. Acho que não deveria usar este site como seu diário pessoal, mas sim colocar coisas produtivas e ao invés de criticar e difama pessoas que não podem ter seu direito de resposta. Cresce caro Jaime, você está se perdendo nisso! Suas cartas são contos que você pretensiosamente está querendo publicar em algum livro ou são detalhes de suas particularidades mesmo? Talvez nunca saibamos essa respostas, mas aposto que são coisas vividas pro você, porque acho que você não teria capacidade de inventar tantas histórias diferentes, com tantos personagens que para nós, parece reais.

Se for coisa sua (de sua cabeça), nos poupe com tamanha jovialidade! Desculpe-me o termo mas se esses textos são realmente seus discursos pessoais, como já disse antes, deveria se conter em seus dramas pessoais, nos brindando com coisas interessantes, principalmente do interesse de todos! Caso ninguém tenha lhe contado, leitores de Internet prezam por textos breves, de conteúdos rápidos e com informações diretas, ninguém que passa por seu blog tem tempo para pensar muito, por isso, peço até desculpas se o ofendi em algum parágrafo mas é que sinto uma raiva de você, mesmo sem o conhecer de verdade, porque você se acha capaz de querer formular alguma pílula produtiva para nosso raciocínio, quanta prepotência.

Temos amigos em comum, verdade! Inclusive já os questionei se você é mesmo assim como se autoproclama em seus textos. Sempre quis saber se você é ácido de verdade ou se existe uma carapuça que o cobre, evitando que você entre em confronto direto com seus desafetos usando para isto seus textos. Suspeito até de suas reais intenções, perante a leitura de certos parágrafos escritos por você. Acho que na verdade você não quer empregar nada demais, mas acaba nos atingindo porque somos humanos, diferente de você (pelo visto). Algumas pessoas que se dizem suas amigas, e que temos em comum, já me confidenciaram que você é até amigo de seus amigos, mas muitas vezes é incapaz de dar um abraço em quem não conhece de verdade. “Narcisista, medíocre e um ser humano ultrapassado em sua forma de amar e agir”. Talvez você não saiba, mas as pessoas riem de você, porque sabem que usa de certos personagens para dizer o que quer dizer, você não é verdadeiro e mesmo sem o conhecer pessoalmente, sei que você não presta como homem, já deixou bem claro isso ao nos provocar com certos pensamentos. Emocionalmente você deve ser um homem das cavernas.

Acho que quando nós escrevemos temos a obrigação de trazer idéias concebidas, para não deixar certas dúvidas na cabeça de quem nos ler. E você, todas as terças-feiras, em seu blog, acaba gerando os comentários que recebe justamente por querer provocar nosso imaginário. Mais uma vez: pretensioso-ordinário. Me pergunto como tem coragem de se expor a cada semana, depois do tanto que escrevemos contra você nos comentários. Jovem escritor, você consegue despertar a ira de quem já está bravo com a vida e precisa de um gancho para esticar a lata, bater e xingar o que lhe serve de saco de pancada.

Não me admiraria nada, se um dia soubéssemos que você faz tudo de propósito e que escreve suas longas cartas para ninguém sem intenção de atingir nada além da literatura. Porque fica difícil acreditar que alguém seria capaz de mostrar à sociedade o que você já mostrou, desde a época em que publicava seus ensaios variados. Como assim, você passar imune de seus escritos, se os mesmos forem baseados na realidade? Você tem sorte de nunca ter sofrido uma agressão na rua, uma denúncia. Deveria ter mesmo era medo de sair de casa, porque sei que não deve ser fácil servir de tábua rasa para nossos comentários (risos). Sabe quantas vezes o ameacei através de seus próprios textos? Muitas. Queria saber se você era capaz de levar a sério o que escrevemos pós seus escritos. Nunca tive um retorno seu, talvez até o recebimento desta carta.

Esta que mando para você, é para tirar uma grande dúvida que tinha com relação a sua coragem. Sempre pensei comigo: ‘será que ele publicaria minha carta de repúdio ao que ele escreve? Já acompanho seus textos há muito tempo, mas mesmo lendo-o e não gostando da maioria das coisas, não consigo conhecer você verdadeiramente! Se mostre, Jaime.

A sua foto (no perfil do blog) é até bonita, mas francamente, como você tem coragem de publicar um monte de lixo com os quais nos vem “presenteando” semanalmente? Acho que você deveria traduzir os salmos da Bíblia para uma linguagem mais moderna, seria melhor fazer esse tipo de exercício ao invés de escrever coisas pessoais, expondo-as de forma direta para nós leitores. Creio em Deus Pai! Quanto rancor, ódio e desprezo você guarda em suas palavras, rapaz! Melhore como pessoa e talvez ganhe mais leitores.

 

Assinado: Uma leitora!

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais