Cassação à vista

0

É muito difícil o deputado estadual Antônio Francisco (sem partido) permanecer com o mandato. Será cassado pelos colegas, através da Comissão Processante. Cujos membros se arrepiaram com o que viram no inquérito policial. Ontem, um dos deputados sugeriu que Antônio Francisco renunciasse e se preparasse para respondeu o processo na Justiça, porque dificilmente o procurador geral, Luis Walter Ribeiro, deixará de denunciá-lo. Isso sem estar descartada a possibilidade do pedido de prisão preventiva. Aliás, nos meios policiais, há um receio do pedido dessa prisão, porque o processo iria para instância superior. Como parlamentar, Antônio Francisco tem fórum privilegiado. Ficaria mais complicado o andamento do processo, porque muita coisa passaria a depender do pleno e sua definição atravessaria um tempo superior à tramitação na 5ª Vara Criminal, onde a juíza Iolanda Guimarães agiu com rapidez e eficiência na decretação da preventiva dos nove indiciados. Um cidadão ilustre, que teve acesso ao inquérito policial, disse ontem a Plenário que os depoimentos demonstram, nas entrelinhas, a estrutura da organização da pistolagem em Sergipe. Sugeriu uma ação enérgica e emergente do Governo, através da Secretaria de Segurança Pública, para desbaratar esse sindicato que põe em risco a vida de autoridades e pessoas influentes na sociedade. Por quaisquer 20 reais se tortura e mata um cidadão e todo esse procedimento tem um comando que segmentos da Polícia conhecem muito bem. Nesse processo, geralmente se encontram policiais e, evidente, uma bem montada equipe de advogados, contratada para defesa, o que é absolutamente correto e meramente profissional. Mas isso demonstra uma organização pesada, bem financiada, lucrativa e com um elevado sentido de hierarquia. Nesse mundo, quem cometer erros, ou até mesmo acidentes de trabalho, pode pagar com a vida. Geralmente isso acontece quando a organização corre o risco de ter o seu comando denunciado. É quando se determina a chamada “queima de arquivo”. Um fato, entretanto, chamou atenção desse ilustre cidadão: um possível movimento que corre nos bastidores, com o objetivo de afastar o secretário da Segurança Pública, Luiz Mendonça, do cargo. Isso estaria sendo trabalhado por duas personalidades importantes da vida pública sergipana (uma delas está no Governo). Não se explicam as razões, mas seria por questões meramente políticas e pela ambição de ocupar uma Pasta de maior importância. A fonte, que hoje atua na oposição, sabe que o governador João Alves Filho não cairia numa armadilha dessa, mas diz que está alertando para que o promotor Luiz Mendonça permaneça à frente de uma pasta problemática. O promotor tem demonstrado coragem e eficiência para destruir vícios e mitos de uma Polícia que precisa recuperar a confiança e respeito da sociedade. O crime de Joaldo Barbosa, desvendado em um tempo surpreendente, teria desarticulado toda a estrutura da Segurança logo no início do Governo João Alves Filho, se até hoje nada tivesse sido descoberto e ninguém fosse preso. Mesmo assim a sociedade não se sente tão segura, porque muitos outros pistoleiros estão à disposição de clientes necessitados em eliminar alguém para se beneficiar de alguma coisa ou se livrar de problemas incômodos. E isso precisa ter um fim, através de uma ação corajosa que intimide principalmente os mandantes. Ninguém imagine que apenas um cidadão como Antônio Francisco – caso realmente ele tinha conhecimento do plano – ou o seu filho, Antônio Francisco Júnior, sejam os únicos que estejam por trás da pistolagem. É organização que se sustenta em alicerces fortes, seguros e que têm padrinhos ricos e poderosos. A maioria deles circulando livre nos salões amplos de poderes intocáveis. O crime de mando não serve a excluídos e nem aos favelados, mas a quem dispõe de recursos e ambição para ocupar cargos importantes na cúpula decisiva do Estado. As prisões de agora, com absoluta certeza, são de peixes pequenos, porque os tubarões navegam muito acima do nível do mar… BANESE O presidente do Banco do Estado de Sergipe (Banese), Jair Araújo, disse ontem que não veio para privatizar, mas para ajudar a fomentar. Jair revelou que não há clima para privatização, que o banco continua atuando firme na área comercial, mas procurando voltar ao fomento, a fim de incrementar a economia sergipana. ECONOMIA Jair Pereira defende que o Banese “tem que ter o fande de recursos adequados para ações de fomento em todo o Estado, mesmo incentivando a sua parte comercial”. “Há necessidade do Banese participar do desenvolvimento do Estado e se fazer presente no incentivo à citricultura, à agricultura familiar, aos pequenos empréstimos e ao Platô”. Disse. FUNDO Através de projeto-de-lei, que deve ser enviado à Assembléia na próxima semana para aprovação, o Governo cria a Fundo do Desenvolvimento Econômico com a participação do Banese. Jair adverte que não será igual ao Fundo de Aval… O Banese vai emprestar a médio e longo prazo, sem que isso atinja a saúde financeira do banco. O objetivo é atender a segmentos econômicos que estão desprotegidos. LICENÇA Terminou ontem a licença de 15 dias solicitada pelo deputado Antônio Francisco. Ele deve retornar a plenário na próxima segunda-feira. Os deputados acham que Antônio Francisco não deve repetir licença para tratamento de saúde, porque todos sabem que ele não está doente. Pode licenciar-se alegando interesses particulares, o que não teria remuneração. JACKSON O deputado federal Jackson Barreto (PMN) disse ontem que o debate sobre a instalação de uma refinaria de petróleo valeu pela unidade da bancada do Nordeste. Segundo Jackson, a ministra das Minas e Energia, Dilma Roussef, em suas explicações, destacou a importância dessa união em defesa da região. D. MARIA A primeira dama Maria do Carmo Alves se submeteu a uma pequena cirurgia odontológica e estava de repouso por determinação médica. Ontem ela desobedeceu às ordens médicas para analisar um trabalho realizado para a sua Secretaria. Só depois retornou ao descanso. PESQUISA Durante o almoço do governador João Alves Filho com os deputados, foi exibida pesquisa de opinião pública, em que 99% consideram os três meses de administração regular, bom e ótimo. Apenas 1% considerou péssimo… A pesquisa foi feita por um instituto do Recife e também avaliou o trabalho realizado pela primeira dama Maria do Carmo Alves. A pesquisa foi contratada pelo PFL… PRECATÓRIA O prefeito de Poço Redondo, frei Enoque, passou parte da tarde de ontem reunido com advogados, para resolver problemas de precatórios, que atingem a R$ 5 milhões. Os precatórios são de 1987 a 1996… Segundo frei Enoque, se ele fosse pagar todo esse montante, teria que utilizar todo o dinheiro da Prefeitura só para isso, por alguns anos. INTERVENÇÃO Já há pedido formal de intervenção da Prefeitura de Poço Redondo na Justiça. O advogado César Britto disse que seus colegas estão dispostos a chegar a um acordo para evitar a decretação. Britto explicou que os precatórios são de ações trabalhistas e destacou que o pessoal está fazendo um acordo que não comprometa a saúde financeira do município, mas que não deixe de ser pago. CEM DIAS A deputada Susana Azevedo (PPS) acha que, nestes 100 dias, o Governo João se destacou na área de segurança e pelo pioneirismo no programa de combate à fome. Susana observa duas falhas: o ICMS que ainda não foi antecipado totalmente e algumas poucas áreas que não disseram para que vieram. DE LULA Sobre Lula, a deputada Susana Azevedo viu como positivo o fortalecimento da economia, com a baixa do dólar e redução do risco Brasil, “mesmo que isso tenha sido fruto do aumento dos juros”. Critica o Governo Lula porque não cumpriu promessas importantes de campanha e considera que o programa Fome Zero ainda não foi à frente. ENOQUE O prefeito de Poço Redondo, frei Enoque, acha que nestes 100 dias do Governo Lula o que ainda está pegando é o carisma do presidente. Enoque costuma falar o que pensa e considerou que o Governo Federal não mudou nada: “até piorou em algumas coisas”. MELHORA Embora seja adversário político de João Alves Filho, frei Enoque considerou que no Governo João houve uma melhora na Segurança. Vê também diferenças nas decisões: “João diz faço e faz. Albano dizia vou ver se faço, passava o tempo e ele não fazia”. FABIANO O deputado Fabiano Oliveira analisa os 100 dias de Lula destacando a consolidação da economia. Prevê que o programa Fome Zero dará uma guinada, porque o problema não é só do Governo. Vê como lado negativo a questão do Salário Mínimo, que não aconteceu como ele havia prometido em campanha. E os percentuais do novo salário para os servidores. FRUSTRAÇÃO Quanto ao Governo João Alves Filho, Fabiano diz que ele frustrou os sergipanos ao não acabar com o ICMS antecipado e porque até agora nada fez para melhorar os serviços essenciais. Vê um bom trabalho na Segurança, com a elucidação do assassinato de Joaldo Barbosa e o avanço no projeto de combate ‘a fome. Fabiano também cobra aumento salarial dos servidores. Notas FRANÇA O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), viaja hoje para a França, numa comitiva de 14 colegas, para discutir as questões intermunicipais. Todos os prefeitos vão visitar varias cidades francesas, para conhecer a estrutura de funcionamento e ver o que podem fazer para adapta-la nos seus municípios. O governador do Piauí acompanha a comitiva. Ontem o prefeito Marcelo Déda participou da abertura do Congresso das Cidades e manteve contatos em alguns Ministérios. Hoje viaja a Paris e deixa a Prefeitura com o vice-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) que assume pela manhã. VERDE O ex-deputado estadual Ismael Silva não gostou da atitude do ex-secretário Reinaldo Nunes, que levou a São Paulo o deputado estadual Gilmar Carvalho (PDT) e o prefeito de São Cristóvão, Armando Batalha, para conversar com a direção nacional do partido. Considerou que foi um desrespeito ao Diretório Estadual. Segundo Ismael Silva não foi uma atitude correta de Reinaldo e lembrou que quando passou a integrar a bancada governista, na Administração anterior, lhe deu o cargo de secretário. Dia 17 o PV reúne-se para discutir os destinos do partido. PESADO O líder da PMDB na Assembléia Legislativa, deputado Augusto Bezerra, pegou muito pesado nas declarações contra o Sintese (Sindicato dos Professores), quando fez uma análise pesada da paralisação de um dia feita pela classe. Considerou a greve “irresponsável”, no momento que o Governo está negociando aberto com o magistério. Augusto acompanha o raciocínio dos demais deputados do Governo, de que os professores tiveram a retirada do redutor salarial e pagamento da progressão vertical, que foram itens concedidos pelo governador e que era uma luta antiga da classe. brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários