Coisa estranha

0

O grupo político que forma oposição ao Governo do Estado em Aracaju tem dado uma demonstração de unidade exemplar. Mesmo com uma série de contratempos, provocada pela turbulência das coligações proporcionais, onde se rejeitou algumas legendas, as lideranças partidárias estão sincronizadas com a candidatura à reeleição do prefeito Marcelo Déda. As duas manifestações que ele já fez, dentro de uma semana, contaram com a participação das lideranças mais expressivas do bloco, inclusive com nomes nacionais, que deram representatividade à coligação. Na inauguração do Comitê Central de Marcelo Déda, quinta-feira passada, sob uma forte chuva, estavam Jackson Barreto, Heleno Silva, senador Valadares, deputados estaduais, todo o secretariado e vereadores, demonstrando que há um entrosamento em torno da chapa majoritária. Sexta-feira passada a deputada Susana Azevedo, candidata à Prefeitura de Aracaju pelo PPS, com o apoio declarado do governador João Alves Filho (PFL), também fez uma manifestação em Aracaju. Programou uma passeata pelo centro da cidade e conseguiu levar um considerável número de pessoas a acompanha-la. Ninguém viu, entre os manifestantes, uma única liderança expressiva dos partidos que a apóiam e nem do PFL. Deputados estaduais, federais, secretários, alguém que demonstrasse o apoio do governador João Alves Filho, não estava presentes. A impressão que passou não foi das melhores. Parecia que Susana Azevedo, que sempre fez campanha com a sua força pessoal e uma garra que lhe é peculiar, estava sozinha nessa empreitada, com um grupo de candidatos a vereador que integram sua coligação. A impressão é que a campanha é só de Susana Azevedo e da pastora Claudia Andrade, que está se revelando uma mulher forte, de personalidade, com características de política experiente. É bom frisar que essa pedra (a ausência do PFL) foi cantada por dois políticos importantes, como o deputado estadual Gilmar Carvalho (PV) e o senador José Almeida Lima. A lógica é que se o PFL retirou seu nome do páreo e sequer indicou o vice, qual o compromisso que tem com os candidatos? Um deputado diretamente vinculado ao Governo do Estado pede calma. Acha que ainda não está na hora de grandes manifestações, mas de arrumar tudo, sanear os problemas, fazer as avaliações e arrancar em agosto. Se o PFL esta acompanhando o pensamento do ilustre parlamentar governista, a candidata que tem o apoio do Palácio dos Despachos ainda está acelerando os motores no grid de largada, talvez até nos boxes, enquanto os seus concorrentes já deram mais de duas voltas. A informação que circula é que o governador João Alves Filho estaria mantendo um entendimento com o prefeito Marcelo Déda, via palácio do Planalto. Há desmentido formal, mas em termos de disputa eleitoral, não se vê grande movimentação em favor de uma candidatura que dispute com a oposição e que confirme o apoio total e irrestrito do Governo. Evidente que as eleições quem tem que ganhar é o candidato, através de suas propostas e de um programa de Governo eficiente e convincente. Mas sem dúvida, se há um sentimento de unidade, de participação e de disputa, todos têm que estar presentes nas manifestações públicas e até, de vez em quando, no corpo a corpo, nas passeatas de bairros e, principalmente, nos comícios de grande porte. É preciso, também, que vincule a candidata às ações do Governo, nos lançamentos de programas sociais e no dia a dia das Secretarias. É essa conscientização, bem definida, que demonstrará o apoio certo, irrefutável, sem observações que levem ao fortalecimento de um simples boato, que não é nada saudável ao governador João Alves Filho. Está muito claro que a postura do prefeito Marcelo Déda, nesta luta para se manter no cargo, é de tranqüilidade. Como se já tivesse conhecimento do que vai acontecer nesta caminhada para permanecer no cargo. Tudo indica que encontrará uma avenida ampla e vazia, sem um único quebra molas, que abrirá caminho para a continuidade do comando da Prefeitura. É isso que está começando a se caracterizar, porque está faltando algo a mais nas campanhas que sobrepõem ao do prefeito e que têm a simpatia do governador João Alves Filho. HOTEL O hotel da Ilha, fechando recentemente, está sendo negociado com um grupo Canadense por um milhão de dólares livres. O grupo se responsabiliza pelo passivo. O hotel seria usado exclusivamente para o turismo da terceira idade. Quem está negociando isso com o grupo canadense é o empresário Itamar Costa, que se encontra em São Paulo. CARTA O vice-líder do Governo, deputado Augusto Bezerra (PMDB) disse que levaria a carta escrita pelo governador João Alves Filho ao presidente da Petrobrás, José Eduardo. Augusto não a levou ontem porque estava no interior, participando dos festejos de Nossa Senhora Santana. Mas o fará possivelmente hoje. REFORMA Depois das eleições, com a reforma administrativa, o governador João Alves Filho também vai fazer mudanças no seu secretariado. É que em janeiro já se iniciar os primeiros passos para as eleições estaduais de 2006 e é um período que o Governo precisa de maior agilidade para trabalhar. INTERFERÊNCIA Segundo uma fonte importante do Governo, também a partir do próximo ano o governador João Alves Filho aceitará pouca influência de terceiros em sua administração. Permanecerá mais em Sergipe, vai acelerar algumas obras importantes e iniciar um trabalho mais agressivo na política do Governo. ADESÃO Circulou a informação, neste final de semana, que vereadores do PDT haviam aderido à campanha da deputada Susana Azevedo à Prefeitura de Aracaju. Ontem, setores do Diretório Municipal do Partido anunciaram que apenas um candidato, conhecido por Índio, havia anunciado sua adesão à candidatura de Susana. GILMAR O deputado Gilmar Carvalho (PV) tem acompanhado vereadores do seu partido para campanha na periferia de Aracaju. Quando perguntado sobre o candidato a prefeito, aconselha: “vote em sua consciência”. Gilmar não vai falar em candidatos majoritários. EXPRESSÃO Nenhuma expressão política vinculada ao Governo do Estado está participando das eleições municipais de Aracaju. Os candidatos andam sozinhos. A impressão que passa é que houve um racha no bloco aliado ao Governo e a disposição de não irem à luta para um confronto com os adversários. INDIFERENÇA Em razão dessa indiferença em relação aos candidatos à Prefeitura, é que quem disputa uma vaga na Câmara Municipal não direciona o voto para nenhum majoritário. Desde que votem nele para vereador, não interessa a quem vai teclar para prefeito. Está faltando organização. PASSEATA O deputado Adelson Barreto (PTB) comandou, domingo, a carreata pelos povoados e centro de Socorro, como lançamento de sua candidatura à Prefeitura. Estiveram presentes o prefeito de Aracaju, Marcelo Deda (PT) e o deputado federal Jackson Barreto (PTB). VALADARES O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) decidiu vai subir no palanque de Macedo Brilho, que é o candidato do seu partido em Nossa Senhora do Socorro. A divergência aconteceu porque Aélio Argolo (PT) não quis abrir mão da vice para Macedo Brilho, que sempre esteve à frente dele nas pesquisas. VANTAGEM Com a candidatura de Macedo Brilho à Prefeitura de Nossa Senhora do Socorro, o prefeito José Franco, candidato à reeleição, sai na vantagem porque divide as oposições. Alem disso, Zé está aliado ao ex-prefeito Tonho da Caixa e outras lideranças daquele município, o que fortalece a sua candidatura. REFORMA O Governo do Estado, através de técnicos da Fundação Dom Cabral, vai explicar a Reforma Administrativa aos funcionários das empresas que devem virar autarquias. O objetivo é mostrar que eles não serão prejudicados. Há uma grande tensão entre os servidores, que temem demissão em massa. DEFESA Dentro do Governo um grupo de técnicos defende uma redução drástica de Cargos em Comissão e a extinção de órgãos e secretarias que podem ser acopladas, para reduzir o tamanho do Estado. O próprio governador João Alves Filho disse que a Fazenda envia 47 verbas de custeio para órgãos do Estado. FEIRANTES A maioria dos feirantes não fica satisfeita com a presença de políticos nos mercados de Aracaju, porque isso só acontece em cada período de eleição. Mesmo com essas visitas, os problemas deles continuam sem alteração. Além disso, fazem muito barulho, levam muita gente e terminam dando prejuízos. VIAGEM O governador João Alves Filho viajou, domingo, a São Paulo, para acompanhar uma neta que está em tratamento de saúde em um dos hospitais de São Paulo. A menina está apenas em recuperação, depois de sentir dores que se estendeu dos pés ao pescoço e se constatou que era um problema sem grande risco em uma das pernas. Notas PREOCUPAÇÃO A preocupação do Governo com a Reforma Administrativa foi não prejudicar os servidores. E as reuniões constantes que vêm tendo são exatamente para isso, porque a mudança não é para atingir aos funcionários, mas encontra a melhor forma de reduzir o pagamento de impostos ao Governo Federal. As autarquias não pagam os mesmos impostos das empresas e, dentro do organograma estadual, podem exercer suas atividades, diretamente vinculadas a uma Secretaria, mas funcionando com da mesma forma de agora. DISTRIBUIÇÃO Embora o Governo esteja com essa missão de explicar o projeto aos funcionários, há uma tensão muito grande na classe, que mexe com o funcionamento das empresas. Será assim até que o projeto seja votado e a coisa resolvida do jeito que se está falando. Entre eles há um sentimento de demissão em massa.Fala-se também, em nas empresas, que haverá uma distribuição por Secretarias, com o objetivo de encosta-los e depois promover um PDV (Pedido de Desligamento Voluntário) e demitir aqueles que não aderirem ao plano. INFARTO O pessoal está se mobilizando, deve marcar presença no dia da votação, mesmo com a explicação do pessoal. Há um clima grande de tensão e medo. Um servidor já teve princípio de infarto em uma dessas empresas, porque a informação é de demissão sumária para emagrecimento do Estado. É esperar para ver, se as explicações vão faze-los acreditar no projeto e levar tranqüilidade ao pessoal, para que eles voltem a produzir com normalidade e sem pressão psicológica, para manter os serviços destas empresas a nível suportável. É fogo Os deputados da oposição vão fazer de tudo para evitar a fusão de algumas empresas estatais, dentro do projeto do Governo. Os parlamentares temem que haja desemprego e quebra na qualidade dos serviços prestados por essas empresas. A campanha eleitoral em algumas cidades do interior começa a esquentar, inclusive com bons gastos com candidatos. Recomeça a luta pela revitalização do rio São Francisco. O pessoal quer evitar a transposição sem que aja uma recuperação do rio. A Assembléia Legislativa continua em estado de convocação extraordinária, mas até o momento o decreto ainda não chegou lá. As lideranças políticas das oposições não conseguiram quebrar o problema existente em Nossa Senhora do Socorro. A deputada estadual Angélica Guimarães (PSC) está trabalhando duro em vários municípios do baixo São Francisco, para garantir a vitória dos seus aliados. Em Itabi, o candidato Valdione Sá tem feito um trabalho grande junto ao eleitorado e diz que não perde essas eleições. O prefeito Marcelo Déda (PT) tem feito, todas as noites, caminhadas por bairros das cidades, em busca de votos. Déda, inclusive, já disse que não anda de “saltos altos”, usa mesmo o tênis e o boné que sempre utilizou em períodos de campanha. Um candidato a vereador está se apresentando com o nome de “Fome”. Nos out doors usa o slogan: “Fome vai matar a fome de vocês”. O diretor de Finanças da Secretaria de Comunicação, Carlos Santa Rita, foi homenageado pelos funcionários, por seu aniversário. Por Diógenes Brayner brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários