Coisas de Política

0

Deputado Luiz Mitidieri diz que a República

 Brasileira foi um sonho idealizado pela Maçonaria

O deputado Luiz Mitidieri (PSDB) disse que a República no Brasil nasceu do sonho e do ideal da Maçonaria, com uma história repleta de episódios e de compromisso patrióticos. Conforme o deputado, o papel que  cumpriu na inconfidência mineira, na abolição da escravatura e na independência do País  “marca e sinaliza a razão da sua natureza humanista e da construção de uma sociedade livre”.

Durante muito tempo, contou Mitidieri, a Maçonaria foi alcunhada de uma sociedade secreta, impenetrável, com ritos às vezes apavorantes aos não iniciados em seus quadros. “A instituição tem uma ação transparente, aberta, com a responsabilidade de cada maçom ser um exemplo de conduta no meio familiar, social, profissional e comunitário. Com um trabalho progressista, beneficente, educativo, filosófico e aberto, não pode ser rotulada como uma entidade secreta”. 

Mitidieri acredita que, em Sergipe, o “grito maior” de liberdade e de fraternidade foi trazido e consolidado pelos maçons. Sobre a ação da maçonaria no estado, o deputado reportou-se à loja simbólica Cotinguiba, fundada em 1872. Ele citou entre outros que passaram pela instituição, Osman Hora Fontes, Epifânio Dórea, Constâncio Vieira, Garcia Moreno, Clodomir Silva, Carvalho Neto e Camillo Calazans.

 “A Maçonaria proíbe em suas oficinas toda discussão sobre matéria partidária, política ou religiosa, mas respeita recebe todas as opiniões políticas, religiosas e humildes e valoriza os homens livres e de bons costumes. A instituição tem por finalidade combater a ignorância em todas as suas manifestações, atuando como uma escola mútua que impõe o seu programa de obediência às leis do País”.  

Gualberto renova crítica ao abuso

do poder econômico na campanha

 

O deputado Francisco Gualberto (PT) renovou suas críticas ao abuso do poder econômico na campanha eleitoral de 2006. Sem revelar os candidatos, partidos e coligações que praticam a compra ou venda de votos, Gualberto admitiu que levou a denúncia ao Ministério Público de Sergipe.

“Não sou leviano, inocente e não iria delatar nenhum companheiro do meu partido ou de outro, sem ter provas. Mas continuarei combatendo a intervenção do poder econômico nas eleições, por questão de filosofia, para que todos sejam eleitos pelo seu trabalho e suas posições políticas”, justificou o deputado.

Apesar de considerar esse episódio encerrado, Gualberto disse que cumpriu o seu papel fazendo um alerta à população. O petista lembrou que há mais de 30 anos vem condenando o uso do dinheiro no processo eleitoral sergipano. “Além disso, uma vírgula de quem disse mais, que responda pelo que falou”.

O deputado acrescentou que o combate ao poder econômico só interessa no terreno da disputa política. Lembrou que foi sindicalista e vereador fazendo isso e tem a obrigação de prosseguir na mesma linha, enquanto for deputado. “Vou pedir voto a todo mundo na campanha eleitoral – disse — para assegurar um mandato legítimo, decente e que não sofra a influência do capitalismo selvagem”.  

 

6ª Cavalgada da amizade de Cumbe para o mundo

 

Será realizada a 6ª Cavalgada da amizade da cidade de Cumbe, no dia 24 de setembro de 2006.

Organizadores: Vereador Toninha, Paulo Mago e amigos.

O evento contará com R$ 2.000,00 reais em prêmios sendo: Cavalo mais feio, cavalo mais bonito, carroça mais enfeitada, amazona mais bem trajada, vaqueiro mais trajado, vaqueiro mais distante, cavalo mais adestrado e vaqueiro mirim mais bem trajado, haverá brindes em todo o percurso da cavalgada.

Programação: Preto & Nilson da Boa Luz, Osmar & Osmailson, Neuto de Cumbe, Chamego de Mainha, “É só sucesso” e Charles Brasil.

Apoio Cultural: Jornalista João Evangelista, ex-vereadora Terezinha Moura, ex-prefeita Reinalva, ex-vereador Afonso Rosa.

                  

Jorge Araújo quer presença do Exército

 para dar garantia às eleições no interior

 

 A presença do Exército, para garantir a normalidade das eleições em alguns municípios do interior, será proposta pelo deputado Jorge Araújo (PSDB) à Justiça Eleitoral. Nesta segunda-feira, o tucano apelou a Justiça Eleitoral para o envio de tropas federais, reiterando sugestão do deputado Mardoqueu Bodano às vésperas da campanha.

Araújo lembrou fatos ocorridos nas eleições municipais de 2004, para alertar a presidente do Tribunal Regional Eleitoral, Josefa Paixão. O parlamentar recordou fatos ocorridos em Macambira, a 45 quilômetros de Aracaju, onde “forças ocultas” atuaram na semana do pleito.

 “Na calada da noite, veículos com homens encapuzados e armados com toras de madeira, levavam terror aos moradores dos povoados, batendo nas portas e janelas, dizendo que não fossem votar”, contou.

O deputado afirmou que o desastre foi evitado com a intervenção do juiz e da promotora local, que solicitaram ao TRE a intervenção do Exército e da Polícia Federal. Não fosse isso, admitiu Jorge, o resultado das eleições estaria comprometido num universo de 3.600 eleitores.  

 “No dia anterior ao pleito, em Macambira, o juiz contratou um carro de som, para tranqüilizar os moradores nos bairros e povoados. Na mensagem ao público, o magistrado dizia que os eleitores comparecessem normalmente para votar que o Exército estava chegando para manter a ordem nas eleições”.

 

Certificação do Programa Sergipe Cidadão

 

 

A Secretaria Municipal de Educação SEMED, através de seu Secretário, Dimas Rabelo dos Santos e da Coordenadora Rita Rocha de Souza, têm a honra de convidar os conterrâneos e amigos circunvizinhos para a solenidade de Certificação do Programa Sergipe Cidadão que será realizada no dia 16 de setembro de 2006 às 19 horas, na Associação Atlética do Brasil – AABB no município de Poço Verde/SE.

“Transformar o mundo é humanizá-lo”.Paulo Freire.

 

Programa Sergipe Cidadão

 

Patrono: Antônio da Fonseca Dórea

Patronesse: Josefa Delia Felix Rodrigues

Turma: Rita Rocha Souza

Juramento: Maria Rita Santos de Souza

Alfabetizadoras homenageadas:

Andréia Abreu Silva, Eliane Correia dos Santos Silva, Iraci Leal dos Santos, Jacira de Jesus Santana, Joelma Neves Bispo, Juliana Souza Oliveira, Maria Quívia Rodrigues de Souza, Marivalda Sousa da Silva e Venuza de Jesus Fonseca Neves.

 

Programação:

Missa em Ação de Graça; (Pe. José Ribeiro da Costa).

Abertura: Mestre de Cerimônia; Execução do Hino Nacional; Apresentação do Peti Lata; Samu Literomusical – Tributo a Vinícius de Moraes; (Grupo teatral Scarros).

Pronunciamentos:

Quadro de honra; Coordenadora do Programa; Coquetel de confraternização.

Organização: RITA ROCHA DE SOUZA – Coordenadora do Programa Sergipe Cidadão.

Apoio: Prefeitura Municipal de Poço Verde e Semed – Secretaria Municipal de Educação-Poço Verde.

Apoio cultural Jornalista João Evangelista.

 

Ana Lúcia defende Dutra e censura o

tom fascista da campanha em Sergipe

 

A deputada Ana Lúcia (PT) saiu em defesa do candidato ao Senado, José Eduardo Dutra, que está sendo rotulado de “forasteiro” pelos adversários na campanha eleitoral. “O companheiro José Eduardo está sendo agredido e, por extensão, a sociedade e a Assembléia Legislativa, que o reconheceu como cidadão sergipano”.

Censurando a “xenofobia” que é definida como “aversão às pessoas”, Ana Lúcia disse que a campanha em Sergipe assumiu um comportamento fascista, semelhante à política de Hitler diante dos judeus.

“Estamos vendo na atual campanha – frisou — atitudes iguais às do ditador, para quem o povo alemão era uma raça pura e os judeus teriam que ser exterminados a qualquer preço.

Ao criticar o preconceito contra Eduardo Dutra, a deputada afirmou que o ex-sindicalista começou sua vida profissional na Petromisa e constituiu família neste Estado, onde seus filhos nasceram, foram criados e não merecem tal agressão. “Como é que eles estão recebendo esse tipo de discriminação ao pai, um homem de bem, que prestou relevantes serviços a Sergipe e teve um grande desempenho no Senado e na Petrobrás”, questionou a petista.     

        Verba do PNUD – A deputada Ana Lúcia reportou-se ao bloqueio de uma verba do PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento — destinada ao Programa de Saúde da Família, a ser implementado pelo Governo de Sergipe. A verba não-reembolsável – no valor de US$ 100 milhões – foi aprovada pelo Senado, mas aguarda a liberação da Secretaria do Tesouro Nacional. Além de isentar o presidente Lula, a líder petista disse que o PNUD não teria a finalidade de manter projetos na área da saúde.                  

Venâncio Fonseca pede fim da
prepotência aos adversários

 

Venâncio Fonseca, líder do Governo na Assembléia Legislativa, pediu aos adversários que deixem de prepotência e arrogância, uma vez que as eleições acontecerão no dia 1º de outubro. Ele lembrou que, praticamente, os assuntos políticos partidários quase não vinham sendo abordados no parlamento, desde que foram realizadas as convenções, para escolha dos candidatos.

Segundo o deputado petista, se todos os dias se protestar contra o que estão dizendo do governador João Alves Filho, PFL, e da senadora Maria do Carmo do Nascimento Alves, PFL-SE, seria demais. Análise de Venâncio foi por conta do pronunciamento da petista Ana Lúcia Menezes e dos apartes do deputado Francisco Gualberto, PT, que acusaram os adversários do candidato ao Senado, Zé Eduardo, PT, de denegrir a imagem dele.

Venâncio Fonseca pediu a Francisco Gualberto que seja mais humilde, porque a campanha ainda não terminou. Venâncio negou que a coligação Sergipe no Rumo Certo esteja cometendo crime de preconceito e discriminação contra Zé Eduardo.

Venâncio Fonseca também avaliou o discurso da professora Ana Lúcia que contestou os destinos dos recursos para o PENUD. O projeto foi aprovado na Assembléia Legislativa, mas até agora não chegou um centavo para Sergipe. Por que? Indagou várias vezes o líder do Governo no Parlamento do Estado de Sergipe.

Segundo Venâncio Fonseca, deve ter havido uma intervenção igual a que houve, com relação aos empréstimos que Sergipe tinha direito a receber.

Venâncio disse que leu no jornal Hora do Povo que o presidente da República, Lula, numa conversa com a senadora Ana Júlia, disse que queria – usou um termo que não dava para falar – com o governador João Alves Filho.

O problema, segundo Venâncio Fonseca, PP, é o efeito Maria do Carmo, que faz uma campanha bonita, simples, divulgando seu trabalho social e no Senado.

Venâncio disse que a oposição faz um discurso de vítima, para atingir a senadora. Vamos trabalhar e deixar essa baixaria de lado, pediu Venâncio, ressaltando que a campanha está em nível elevado e os deputados não irão baixar o nível.

Em aparte, o deputado Belivaldo Chagas, PSB, comentou sobre o tratamento que a coligação do governador João Alves Filho está dispensando ao senador Zé Eduardo e o erro técnico na TV Alese – repetição da inserção da coligação Sergipe no Rumo Certo contra Zé Eduardo.

Belivaldo Chagas observou que muita gente não nasceu em Sergipe, mas mora há muitos anos e essa questão não deve ser levada em consideração.

Segundo ele, a preocupação foi apenas com o erro técnico, que já foi explicado e corrigido no mesmo dia, não havendo culpa de ninguém, mas sim foi um defeito no equipamento.

Venâncio Fonseca agradeceu o reconhecimento de Belivaldo e disse que todos sabem que o deputado Antônio Passos, PFL, é ético e conduz com retidão, altivez, paciência e responsabilidade à presidência do Parlamento estadual.

Francisco Gualberto, PT, observou que não era arrogante e solicitou que Venâncio fosse mais generoso com ele [Francisco Gualberto].

Ana Lúcia Menezes, PT, disse que o PENUD não tinha o órgão Organização Mundial da Família, que não está ligada a ONU, não tem site no Brasil e sim norte-americano e, provavelmente, conforme o jornalista Ivan Valença, a entidade pode ser uma ONG.

Ana disse que Deise Noeli Weber Kusztra, presidente da OMF, está sendo processada por não ter aplicado corretamente R$ 592 mil de uma ONG que ela dirigia.

Venâncio insistiu que o dinheiro da OMF não chegou a Sergipe e ninguém sabe a razão.

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários