Coisas de Política

0

OAB/SE participará de ato contra a transposição
 
O Conselho Seccional de Sergipe da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SE)
participará da manifestação pública a ser realizada  na próxima sexta-feira,
dia 31, durante passagem da Caravana em Defesa do São Francisco em Aracaju.
A Caravana iniciou as atividades em Belo Horizonte no último dia 19 e encerrará
sua caminhada no próximo dia primeiro em Maceió. O presidente da OAB/SE,
Henri Clay Andrade, tem se reunido com os organizadores da manifestação,
sempre ratificando postura da OAB/SE contra o projeto de transposição das
águas do Velho Chico.
 A Ordem dos Advogados do Brasil em Sergipe está engajada na defesa do São
Francisco e contra a transposição de suas águas desde o primeiro momento
em que o projeto foi anunciado pelo Governo Federal. Para impedir a execução,
a OAB/SE impetrou duas ações judiciais, que tramitam no Supremo Tribunal
Federal (STF), questionando a legalidade do projeto.

As ações estão paradas devido à aposentadoria do ministro Sepúlveda Pertence,
mas deverá ser apreciada pelo próximo ministro, Carlos Alberto Menezes Direito,
já indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para assumir a vaga.
A maior manifestação realizada no Estado de Sergipe, neste ano, contra o
projeto de transposição das águas do Velho Chico foi articulada pela OAB/SE,
que mobilizou cerca de três mil pessoas em ato público realizado no dia 20
de abril no centro da capital sergipana.
 O promotor de justiça Eduardo Matos, que está à frente da manifestação que
recepcionará a Caravana em Sergipe, integrou a Caravana quando o grupo passou
pelas cidades do Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Esta manifestação servirá
para divulgar as inconsistências e insustentabilidade do projeto de transposição
e terá participação de diversos estudiosos da Bacia do São Francisco, informa
o promotor.
 Estes estudiosos estão, ao longo da caminhada, demonstrando alternativas
ao projeto de transposição e têm mobilizado a sociedade civil e a classe
política com a finalidade de alertar para o risco de um projeto de transposição
das águas do São Francisco e suas conseqüências danosas para toda a bacia,
explica o promotor.

 

Emancipação política de Itabaiana é lembrada por Ulices Andrade

Os 119 anos de emancipação política de Itabaiana, um dos maiores municípios se Sergipe, foram lembrados hoje (28) pelo presidente da Assembléia Legislativa, o deputado estadual Ulices Andrade (PDT). Na tribuna, o pedetista disse que era justo destacar a data pela importância política, econômica e cultural da cidade. “Todos conhecem Itabaiana e sua força no cenário sergipano”, observou.
Ulices Andrade disse que estava falando também em nome da prefeita do município, a ex-deputada estadual Maria Mendonça, líder política que ele considera “uma companheira que tem executado um trabalho árduo e eficiente à frente daquela comunidade”.
Segundo o presidente da Assembléia, a passagem de Maria Mendonça pelo parlamento estadual foi pautada pela ética, uma marca que Ulices afirma ter visto em poucas pessoas. “A prefeita de Itabaiana tem uma estima enorme pelo povo daquele município. Busca e luta permanentemente para fazer uma boa administração”.

Bezerra responsabiliza Governo pela morte de bebês

O deputado estadual Augusto Bezerra, DEM, responsabilizou o atual governo pela morte de nove bebês ocorrida na Maternidade Hildete Falcão Baptista entre os dias 21 e 25 deste mês e pediu a demissão do secretário de Estado da Saúde, Rogério Carvalho. O parlamentar assegurou que vai solicitar a investigação de diversos órgãos públicos, a exemplo do Ministério Público Estadual, para que tudo seja apurado. Segundo ele, se a Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, feita pelo governo passado, já estivesse funcionando, este tipo de problema não teria ocorrido.

Temos uma maternidade de primeiro mundo fechada, disse Augusto Bezerra, referindo-se à unidade Nossa Senhora de Lourdes, que fica na avenida Tancredo Neves. Ele garantiu que vem lutando para abertura desta maternidade desde fevereiro passado e lembra que o então governador João Alves Filho, DEM, conversou com o eleito Marcelo Déda, PT,  em novembro de 2006,  recebendo a garantia, na época, que entregaria a maternidade à população no dia 10 de janeiro deste ano. Tenho provas do que estou falando, assegurou  Bezerra, com relação ao diálogo entre João Alves e Marcelo Déda.

O parlamentar lamentou que venham ocorrendo mortes da Maternidade Hildete Falcão Baptista e que, somente neste mês, já foram registradas 21 mortes de bebês nesta unidade. Infelizmente esse assunto vem tendo repercussão nacional, disse Bezerra, exibindo cópia de uma reportagem publicada hoje (27) no site do jornal O Globo, do Rio de Janeiro.

Ele estranhou o fato da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes ainda não ter sido entregue à população, por conta de uma licitação de R$ 400 mil para realização de obras na área externa do prédio. Mas a Secretaria de Estado da Saúde tem R$ 63 milhões em dispensa de licitação, mostrou o parlamentar democrata.

Prejuízo

 Em aparte, o deputado Venâncio Fonseca, PPS, disse que o próprio Augusto Bezerra já vinha alertando para estes problemas há algum tempo. O governo poderia ter evitado estas mortes. É um capricho não sei de quem, talvez do secretário Rogério Carvalho. Quanto mais demorar de abrir a nova maternidade, mais vidas de crianças vão rolar. Não se justifica dispensa de licitação de R$ 63 milhões e abrir licitação para R$ 400 mil, disparou Venâncio Fonseca.

Já o deputado Arnaldo Bispo, DEM, disse que Sergipe aparece na mídia nacional de forma negativa, pois as mortes dos nove bebês já foram noticiados hoje em todo Brasil. E criticou: o governo das mudanças veio para mudar. O Brasil está parado. Se a nova maternidade tinha um problema, colocasse ela para funcionar e depois resolvia. Saúde não pode ficar em segundo plano. Arnaldo Bispo frisou que no hospital de Itabaiana faltou pão para o café da manhã e balão de oxigênio para os pacientes.

Augusto Bezerra também concedeu um aparte ao deputado Wanderlê Correa, PMDB, que comentou: bom seria que não morresse nenhuma criança e questionou Bezerra sobre o número de crianças que morreram no governo passado. Lembrou que a Maternidade Hildete Falcão Baptista era para casos de alto risco.

O parlamentar democrata disse que, realmente, morreram crianças no governo passado, por isso a administração João Alves Filho construiu uma nova maternidade [Nossa Senhora de Lourdes] que até o momento não foi colocada em funcionamento. Para Venâncio Fonseca, Wanderlê Correa fez uma comparação infeliz: vão trabalhar. Tenho pena do povo sergipano, porque voces ganharam o poder e não sabem o que fazer. A deputada Celinha Franco, DEM, disse que este era o momento de deixar as questões políticas de lado e dar uma resposta ao povo, abrindo a maternidade.

Exemplo de Juiz, o Brasil precisa de vários dessa qualidade.

Um Juiz Odilon de Oliveira, de 56 anos, estende o colchonete no piso frio da sala, puxa o edredom e prepara-se para dormir ali mesmo, no chão, sob a vigilância de sete agentes federais fortemente armados.

Oliveira é juiz federal em Ponta Porã, cidade de Mato Grosso do Sul na fronteira com o Paraguai

e, jurado de morte pelo crime organizado, está morando no fórum da cidade. Só sai quando extremamente necessário, sob forte escolta.

Em um ano, o juiz condenou 114 traficantes a penas, somadas, de 919 anos e 6 meses de cadeia, e ainda confiscou seus bens. Como os que pôs atrás das grades, ele perdeu a liberdade. “A única diferença é que tenho a chave da minha prisão.”

Traficantes brasileiros que agem no Paraguai se dispõem a pagar US$ 300 mil para vê-lo morto. Desde junho do ano passado, quando o juiz assumiu a vara de Ponta Porã, porta de entrada da cocaína e da maconha distribuídas em grande parte do País, as organizações criminosas tiveram muitas baixas.

Nos últimos 12 meses, sua vara foi a que mais condenou traficantes no País. Oliveira confiscou ainda 12 fazendas, num total de 12.832 hectares, 3 mansões – uma, em Ponta Porã, avaliada em R$ 5,8 milhões – 3 apartamentos, 3 casas, dezenas de veículos e 3 aviões, tudo comprado com dinheiro das drogas.

Por meio de telefonemas, cartas anônimas e avisos mandados por presos, Oliveira soube que estavam dispostos a comprar sua morte.

“Os agentes descobriram planos para me matar, inicialmente com oferta de US$100 mil..”

No dia 26 de junho, o jornal paraguaio Lá Nación informou que a cotação do juiz no mercado do crime encomendado havia subido para US$ 300 mil. “Estou valorizado”, brincou. Ele recebeu um carro com blindagem para tiros de fuzil AR-15 e passou a andar escoltado.

Para preservar a família, mudou-se para o quartel do Exército e em seguida para um hotel. Há duas semanas, decidiu transformar o prédio do Fórum Federal em casa. “No hotel, a escolta chamava muito a atenção e dava despesa para a PF.”

É o único caso de juiz que vive confinado no Brasil. A sala de despachos de Oliveira virou quarto de dormir. No armário de madeira, antes abarrotado de processos, estão colchonete, roupas de cama e objetos de uso pessoal.

O banheiro privativo ganhou chuveiro. A família – mulher, filho e duas filhas, que ia mudar para Ponta Porã, teve de continuar em Campo Grande.

O juiz só vai para casa a cada 15 dias, com seguranças.

Oliveira teve de abrir mão dos restaurantes e almoça um marmitex, comprado em locais estratégicos, porque o juiz já foi ameaçado de envenenamento.

O jantar é feito ali mesmo. Entre um processo e outro, toma um suco ou come uma fruta.”Sozinho, não me arrisco a sair nem na calçada.”

Uma sala de audiências virou dormitório, com três beliches e televisão.

Quando o juiz precisa cortar o cabelo, veste colete à prova de bala e sai com a escolta. “Estou aqui há um ano e nem conheço a cidade.” Na última ida a um shopping, foi abordado por um traficante. Os agentes tiveram de intervir.

Hora extra. Azar do tráfico que o juiz tenha de ficar recluso.

Acostumado a deitar cedo e levantar de madrugada, ele preenche o tempo com trabalho. De seu “bunker”, auxiliado por funcionários que trabalham até alta noite, vai disparando sentenças. Como a que condenou o mega traficante Erineu Domingos Soligo, o Pingo, a 26 anos e 4 meses de reclusão, mais multa de R$ 285 mil e o confisco de R$ 2,4 milhões resultantes de lavagem de dinheiro, além da perda de duas fazendas, dois terrenos e todo o gado. Carlos Pavão Espíndola foi condenado a 10 anos de prisão e multa de R$ 28,6 mil.

Os irmãos Leon e Laércio Araújo de Oliveira, condenados respectivamente a 21 anos de reclusão e multa de R$ 78,5 mil e 16 anos de reclusão, mais multa de R$ 56 mil, perderam três fazendas. O mega traficante Carlos Alberto da Silva Duro pegou 11 anos, multa de R$ 82,3 mil e perdeu R$ 733 mil, três terrenos e uma caminhonete. Aldo José Marques Brandão pegou 27 anos, mais multa de R$ 272 mil, e teve confiscados R$ 875 mil e uma fazenda. Doze réus foram extraditados do Paraguai a pedido do juiz, inclusive o “rei da soja” no país vizinho, Odacir Antonio Dametto, e Sandro Mendonça do Nascimento, braço direito do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. “As autoridades paraguaias passaram a colaborar porque estão vendo os criminosos serem condenados.” O juiz não se intimida com as ameaças e não se rende a apelos da família, que quer vê-lo longe desse barril de pólvora. Ele é titular de uma vara em Campo Grande e poderia ser transferido, mas acha “dever de ofício” enfrentar o narcotráfico. “Quem traz mais danos à sociedade é mega traficante. Não posso ignorar isso e prender só mulas (pequenos traficantes) em troca de dormir tranqüilo e andar sem segurança.

ESTE MERECE NOSSOS APLAUSOS!

POR ACASO A MÍDIA NOTICIOU ESSA BRAVURA QUE O BRASIL PRECISA SABER?

POR FAVOR, FAÇA A SUA PARTE!

DIVULGUE O MÁXIMO QUE PUDER

Conam – mulher realiza evento para a juventude de Santana do São Francisco

No trabalho de expansão da conam mulher, foi realizado no último final de semana na cidade de Santana do São Francisco, o evento gravidez na adolescência. Estiveram presentes na abertura solene, o perfeito da cidade Gilson Guimarães Barroso,a presidenta estadual da Conam Mulher Adriana Oliveira , Gilvaneide Souza representante do conselho tutelar de Santana , a presidenta da Conam Mulher municipal Rosa Cabral, a secretaria geral da entidade local Silvia Cristina Vitorino e os palestrantes do  evento Dr. Almir Santana e o Professor Roosevelt Costa.

A primeira palestra foi do Dr. Almir Santana, abordando o tema doenças sexualmente transmissíveis, enfocando todas as formas de prevenção das doenças, para o Dr. Almir Santana, momentos como este de reunir a juventude e a população da cidade ribeirinha de Carrapicho, como é popularmente conhecida , é de fundamental importância. “É uma oportunidade impar , pois necessitamos cada vez mais, levar a informação para toda a sociedade, no sentido de prevenir a contaminação dessas doenças  através do sexo, e orientar a juventude dos riscos da gravidez precoce.” Disse Dr. Almir Santana

O segundo palestrante, foi o professor Roosevelt Costa, que abordou o tema gravidez na adolescência, o nosso país convive com esse grave problema, é necessário que cada vez mais eventos desta natureza venham acontecer para dar conscientização aos jovens. “ Fico feliz em estar aqui conversando com a juventude, esse tipo de evento ajuda a minimizar essa problemática  nacional,  que é a gravidez na   adolescência .” Afirmou o Professor Roosevelt

Para a presidenta da Conam Mulher de Santana do São Francisco Rosa Cabral, o evento foi um sucesso, os adolescentes de nossa cidade participaram ativamente das palestras ampliando o nível de conhecimento de cada um.” Se faz necessário, uma política pública mais atuante nesse tema, aqui em Santana, temos meninas na faixa etária dos doze anos que já são mães, vamos cobrar firmemente dos nossos governantes ações concretas para diminuirmos esse grave problema social.”Disse Rosa Cabral. 

Centro de Arte comemora a cultura popular

 Nos dias 31 de agosto e 1º de setembro, o Centro de Arte e Cultura de Sergipe comemora a cultura popular com a festa “Agosto: Mês do Folclore”. Serão dois dias de comemoração, com música, teatro, dança e poesia.

A sexta-feira será marcada pelo lançamento do CD “Gaita: blues e jazz em improvisos instantâneos”, de George Viana e pela apresentação dos alunos das oficinas de percussão dos Espaços de Cultura e Convivência Social (ECCOS) do Bugio e Jardim Residencial.

Os ECCOS são unidades da Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e do Desenvolvimento Social (Seides) instaladas em diversas localidades da capital e interior do Estado, onde são desenvolvidas várias atividades para a comunidade, em especial para crianças e idosos, como cursos profissionalizantes, atividades físicas e recreativas. As oficinas de percussão têm cerca de dois meses.

O sábado conta com recitais e apresentação de folguedos, como reisado, chegança e samba de coco, além de contadores de ‘causos’, como João Brasileiro, Pedro Amaro e Zezé de Boquim.

O Centro de Arte e Cultura fica na Avenida Santos Dumont, s/n, 2ª etapa da orla de Atalaia. A festa começa às 19 horas, no dia 31, e às 16 horas, no dia 1º. Confira a programação completa:

 Sexta, dia 31, 19 horas:

Feira de Cordel

Lançamento do CD Gaita: blues e jazz em improvisos instântaneos, de George Viana.

Cantoria com Heitor, Wendel, Zezinho Collares e Mosquito.

Perfomance: “Nóis é Jeca mais é Jóia” com Gilda Costa

Apresentação do resultado da oficina de percussão do Bugio e Jardim Residencial

Mestre Tony Batera – Noites Caribenhas

Beto Carvalho e Anabel

Noites Sergipanas – Mafuá

 Sábado, dia 1º, 16 horas:

Reisado e Chegança do Projeto Reciarte e Samba de Coco do Projeto Coqueiral

Contando Estórias com Telma Costa e Grupo Hannah

Feira de Cordel

Contadores de Causos: João Brasileiro, Pedro Amaro e Zezé de Boquim

Sarau de Poesias

Samba de Coco de Seu Dió

Reisado do Mosqueiro – D. Helena

Cléber Melo – Voz e Violão

Defesa Civil interdita prédio do Miami Hall

Atendendo a uma solicitação da Secretaria de Estado de Turismo, a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CODEC), interditou na manhã de ontem, 28, a casa de shows Miami Hall. Segundo os técnicos da Defesa Civil, o prédio, que está em estado precário, já estava interditado por conta dos próprios donos do estabelecimento.

Preocupada com a segurança das pessoas que freqüentam shows realizados na área externa do espaço, a Secretaria de Turismo (Setur) solicitou uma vistoria à CODEC, que interditou oficialmente o local.

Em relação aos shows realizados na área externa, já é adotada uma prática em que os organizadores dos shows apresentam a planta do evento ao Ministério Público para apreciação da CODEC e do Corpo de Bombeiros. Com base nessas informações, a Defesa Civil libera o local, desde que haja uma área de isolamento entre o palco e o prédio interditado.

“Os shows poderão continuar acontecendo, mas vai ser necessário que se respeite uma área de isolamento pré-determinada. Caso aconteça a retirada do telhado e de sua estrutura, cessam os riscos às pessoas que eventualmente estejam no local, fazendo com que a área não precise continuar interditada”, ressaltou o secretário executivo da CODEC, engenheiro Julio Prado.

De acordo com o proprietário do Miami Hall, o empresário Gilton Andrade, todas as medidas preventivas para a segurança das pessoas que freqüentam o local já foram tomadas e que, por conta própria, foi feita uma ampliação na área de isolamento que inclui 50% do prédio. Segundo Gilton, a estrutura é arcaica e já foi solicitada a sua demolição. “Minha intenção é ajudar ao Governo do Estado, construindo uma casa moderna e que incremente ainda mais o turismo em Sergipe”, destacou o empresário.

Mendonça Prado faz um pronunciamento em homenagem a Laércio Oliveira

O deputado Mendonça Prado fez um discurso na tarde de hoje em homenagem ao sergipano Laércio Oliveira, que foi reeleito presidente da Federação Brasileira das Empresas Prestadoras de Serviços de Asseio e Conservação (Febrac) entidade que está completando 25 anos de relevantes serviços prestados ao país. A sua posse ocorrerá hoje à noite no Auditório da Confederação Nacional do Comércio, aqui em Brasília.

A Febrac congrega os integrantes do maior segmento do setor de serviços, sendo responsável pela geração de quase dois milhões de empregos formais. A sua atuação demonstra o comprometimento com o Brasil e com a sociedade, desempenhando tarefas imprescindíveis abrigadas sob o lema Brasil Social. “Este slogan foi indicado justamente por ser esse o setor que absorve aqueles que não conseguiram concluir o ensino médio, não lograram êxito em concursos públicos e seguramente não tiveram acesso aos princípios e conhecimentos de quem alcança um elevado nível de escolaridade”, afirmou o parlamentar, acrescentando que pode-se afirmar que são pessoas que teriam escassas chances de conquistar uma carteira assinada, se não fossem as atividades desenvolvidas pelas empresas do setor de Asseio e Conservação.

Prado falou também, em seu discurso, que há um desapontamento de todos que integram esse setor com o tratamento que vem sendo dispensado pelo Governo Federal. “Muita coisa aconteceu nos últimos anos e o setor sequer foi ouvido. É necessário que os seus representantes participem das audiências públicas para discutir a nova Lei de Licitações, as questões relacionadas a alteração na cobrança do FGTS e das multas rescisórias, bem como sobre as normas tributárias concernentes”, disse, lembrando que é essencial que haja também acesso a informações sobre questões como as que ocorreram na implantação da modalidade do pregão eletrônico como inovação no processo licitatório abraçado em todos os níveis da administração pública.

Mendonça Prado informou ainda ainda alguns dados sobre a Febrac, que gera 2 milhões de empregos, é o maior pagador de ISS numa atividade 100% formal. O setor é formado por 11.048 empresas, que faturam 8,3 bilhões por ano e que são indevidamente ignoradas pelas políticas de fomento do governo federal. “É óbvio que os dirigentes da nação conhecem esse potencial, todavia, de maneira inconveniente se põem sempre diante do setor, com olhos de cobiça. Tal comportamento induz o Estado para uma condição de algoz e os resultados das políticas públicas indicam para aumentos recorrentes de alíquotas e bases de cálculos dos diversos tributos”.

Deputado homenageia líder comunitário assassinado em Aracaju


O deputado estadual Francisco Gualberto (PT), usou a tribuna da Assembléia
Legislativa hoje (27) para lamentar o assassinato de um dos mais importantes
líderes comunitários de Aracaju, Fernando Silva, conhecido nos movimentos
sociais como Fernando do Pantanal. Muito amigo de Gualberto, com quem
empreendeu várias lutas sociais nos últimos anos, Fernando foi assassinado
no sábado (24), na ocupação do Pantanal, próximo ao Distrito Industrial de
Aracaju.
“Faço aqui essa homenagem póstuma a um lutador social e digo que tratava-se
de um cidadão de grande importância para aquela comunidade”, disse
Gualberto. “Refiro-me a um daqueles homens que dedicam sua vida à busca da
melhoria de vida dos outros”, frisou, informando que o líder comunitário foi
morto a tiros de revólver porque uma das reivindicações que fazia para a
ocupação era a presença de mais policiamento na área. “Portanto, logicamente
ele foi de encontro aos interesses dos marginais”.
Apesar do assassinato que supostamente foi encomendado, a polícia agiu
rápido e já prendeu o marginal que cometeu o crime. Segundo a versão da
polícia, o matador nem conhecia a vítima, pois antes de agir saiu
perguntando às pessoas quem era o Fernando. “Quero dizer aqui que nós
precisamos dos movimentos sociais. Por isso a nossa homenagem, porque igual
a Fernando, outros já foram assassinados lutando por terra, por moradia ou
tão somente por emprego”, ressaltou Gualberto.
O deputado lembrou ainda que recentemente esteve junto com Fernando na
Secretaria de Planejamento do município para fazer reivindicações que
melhorariam a vida dos moradores do Pantanal. “Fomos também ao Ministério
Público Federal, que tem sua cota de participação na solução dos problemas
daquela ocupação”, disse. “Ele era uma pessoa muito pobre, mas voluntário em
várias questões sociais. Por isso afirmo que os lutadores sociais é que
fazem as verdadeiras transformações no Brasil e no mundo. A democracia
formal, por si só, não nos leva aos avanços que precisamos ter nesse país”.

Fórum discute ensino nas unidades de medidas sócio-educativas

Acabar com estigmas e rótulos preconceituosos mostrando possibilidades de futuro promissor para o adolescente em conflito com a lei é o objetivo do Fórum Estadual Sobre Proposta de Ensino nas Unidades de Medidas Socioeducativas, que começou hoje (27) e termina amanhã, no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SE).

O Fórum é uma realização das secretarias de Estado da Inclusão, Assistência e do Desenvolvimento Social (Seides) e da Educação (SEED) e é voltado para os professores da rede pública de ensino. “É na sala de aula, no chão da escola onde se dão as relações de interação humana e a possibilidade de contribuirmos para que as crianças e adolescentes tenham um futuro melhor”, disse a secretária de inclusão Social, Ana Lucia Menezes, lembrando que além de os professores estarem nas unidades de medidas sócio-educativas, adolescentes que estão em semi-liberdade ou liberdade assistida estão nas escolas.

“A idéia é adaptar a escola formal à unidade de medida sócio-educativa. Os adolescentes que vão para nossas unidades compõem um público peculiar, pois têm baixa escolaridade, estão afastados da escola, ou não são alfabetizados”, disse Conceição Souza, presidente da Fundação Renascer.

“Este é um trabalho difícil, complexo e que precisa dessa aglutinação multisetorial entre as secretarias para que possamos encontrar uma proposta verdadeiramente transformadora e que leve essas crianças a crescer, a evoluir e ter uma vida melhor. Esperamos até o fim do ano formular esta proposta para as unidades de medida sócio-educativa que gere frutos positivos para esta clientela”, explicou Izabel Ladeira, diretora do Departamento de Educação da SEED.

A primeira dama do Estado, Eliane Aquino, participou da abertura do Fórum e reforçou que “é preciso olhar para estes meninos com outra perspectiva. Queremos que eles saiam pela porta da frente, com outras possibilidades de vida, e nós somos esta porta”.

“Estas duas secretarias sabem como lidar com estes adolescentes que estão em processo de desenvolvimento, que estão nas camadas populares, que sofrem todo tipo de preconceito e de rótulo dessa sociedade. Temos que lidar no sentido propositivo, de ver saídas para que de fato eles possam ser incluídos na sociedade como cidadãos e não com rótulo e estigma de marginais. Esta parceira é um compromisso destas secretarias para que estes jovens possam ter uma perspectiva de futuro”, concluiu Ana Lucia

Unidades

“Nós queremos trabalhar nosso olhar para os perigos que cercam a adolescência, como a violência, as drogas. O professor e os pais são os que estão em contato direto com o adolescente e percebem mais rápido se eles estão em risco. E precisamos fazer com que o adolescente não chegue às unidades de medida sócio-educativa. E os que cheguem, possam retornar à sociedade sem perda educacional e sem estigmas”, disse Conceição Souza.

Conceição lembrou que o Centro de Atendimento ao Menor (Cenam) está passando por uma série de reformas, “principalmente as salas de aulas, pois não ofereciam condições de ensino. Logo teremos um ambiente propício e saudável para as aulas”. Ela explicou ainda que as formas de ensino são diferentes a depender da unidade. “Na Unidade de Internação Provisória, o adolescente tem atividades lúdicas e educativas para que ele não perca a vivência escolar. Já no Cenam, ele tem o ensino fundamental e médio como na escola”, disse.

A Fundação Renascer montou ainda um estande com produtos do Mãos em Arte, projeto de inclusão produtiva desenvolvido com os adolescentes das unidades de medidas sócio-educativas. Todo os produtos vendidos geram capital de giro e renda que vai para a família do garoto ou para uma caderneta de poupança resgatada ao final da medida, à escolha de cada adolescente.

Balanço do BNB aponta lucro de R$ 76,5 milhões no semestre

 

Fortaleza, 27/08/2007 –  O Banco do Nordeste divulga hoje (27/08) seu Balanço Patrimonial relativo ao primeiro semestre deste ano, que apresenta lucro líquido de R$ 76,5 milhões, um pouco acima do lucro registrado em igual período de 2006 (R$ 76,4 milhões).  O Banco encerrou o semestre com saldo de operações de crédito globais da ordem de R$ 21,2 bilhões, correspondente a evolução de 6,2% no período. A administração do BNB destaca, no semestre, a contratação de financiamentos e empréstimos no montante de  R$ 3,4 bilhões, dos quais o setor rural absorveu R$ 1,2 bilhão (3,1% a mais que no primeiro semestre de 2006). Salienta, ainda, a expansão de 24,6% nas contratações com o setor de comércio e de 40,1% nos contratos com o setor de serviços, em relação aos valores do primeiro semestre de 2006.

Dentre as fontes de recursos, o FNE respondeu por R$ 2,1 bilhões dos financiamentos contratados pelo BNB no primeiro semestre de 2007, dos quais R$ 997,7 milhões beneficiando o setor rural. Em termos de incremento, destacam-se os financiamentos do FNE para infra-estrutura, que cresceram 42,3%, alcançando R$ 345,7 milhões. O superintendente financeiro do BNB, Jofran Peixoto, chama a atenção para a estratégia de utilizar novos fundings, em reforço às aplicações com recursos do FNE. Nesse sentido, o Banco contratou no primeiro semestre de 2007 a primeira operação com recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM), no valor de R$ 55,3 milhões. Da meta de R$ 570 milhões para atendimento às micro e pequenas empresas (MPEs) no ano de 2007, o BNB contratou no semestre operações  no total de R$ 309,5 (54,3% da meta anual).

Maior programa de microcrédito produtivo do Brasil e o segundo maior da América Latina, o Crediamigo, do BNB, emprestou no semestre R$ 351,6 milhões (crescimento de 19,5% em relação ao mesmo período de 2006), chegando ao final de junho com 260,2 mil clientes ativos e uma carteira ativa de R$ 180,3 milhões. No âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), o Banco do Nordeste contratou, de janeiro a junho de 2007, o valor de R$ 623,5 milhões, encerrando o Plano Safra 2006/2007 com contratos de R$ 1.439,0 milhões, ou 21% a mais do que a meta prevista. Os contratos do BNB no crédito comercial, no valor de R$ 535,0 milhões, no primeiro semestre de 2007, superaram em 38,6% os contratos do mesmo período de 2006, com destaque para os produtos de Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e Capital de Giro, que tiveram expansão de 44,7%.

 Estudos e pesquisas

O BNB registrou, ainda, avanços em diversas outras frentes voltadas para ampliar sua contribuição ao crescimento regional de forma sustentável. Por meio do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), o BNB concluiu e publicou livros, pesquisas e estudos setoriais que fornecem relevantes subsídios para as ações de fomento. Na área rural, realizou estudos sobre a floricultura, a fruticultura e o setor sucroalcooleiro. Nas áreas industrial e de serviços, concluiu trabalhos acerca dos setores de petroquímica, siderurgia e infra-estrutura (energia eólica). O Fundo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Fundeci), mantido pelo BNB, disponibilizou, no semestre, R$ 5,0 milhões em recursos não-reembolsáveis para 82 projetos de pesquisa e difusão tecnológica, contemplando diversas atividades; enquanto o Fundo de Apoio às Atividades Socioeconômicas do Nordeste (Fase) e o Fundo de Desenvolvimento Regional (FDR) apoiaram 40 projetos, com R$ 1,6 milhão. A criação do Ambiente de Responsabilidade Socioambiental e a inauguração de mais um Centro Cultural, no primeiro semestre deste ano, também reforçam a atenção dada pelo BNB à sustentabilidade de suas ações de promoção do desenvolvimento regional.

Vereadora Rosangela pede melhorias para o bairro Santa Maria

Durante sessão na câmara na manhã de hoje, a vereadora professora Rosangela Santana externou sua preocupação com a comunidade e os fiéis do Templo Vale do Amanhecer, localizado no bairro Santa Maria. O problema estaria na falta de iluminação e de sistema de transporte públicos num trecho cuja extensão chega a 1,5 mil metros, o que dificulta a vida dos moradores da comunidade e dos fiéis do templo.

“O bairro Santa Maria é de preocupação pública. Agora, o governador Marcelo Deda e o prefeito Edvaldo Nogueira lançaram um projeto de desfavelamento com a construção de 404 casas no bairro com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), mas ainda é preciso olhar o bairro sob suas outras peculiaridades”, comentou a vereadora Rosangela, que visitou a comunidade residente próxima ao templo no último domingo. “Venho hoje registrar o pleito da sociedade”, explicou.

De acordo com os moradores, segundo a vereadora Rosangela, as reuniões da igreja à noite estão impraticáveis por conta da falta de iluminação pública, transporte e, consequentemente, segurança. “Só chega ao templo quem tem automóvel próprio ou pega carona. Há quem se habilite a ir a pé, mas, mesmo isso, à noite é impraticável”, declarou Rosangela Santana.

Por conta disso, a vereadora fez uma indicação à câmara que solicite ao presidente da Emurb, Valmor Barbosa, a iluminação pública no trecho do final de linha de ônibus, da Ponte da Asa, até o Templo do Vale do Amanhecer. Também solicitar a Antônio Samarone, superintendente da SMTT, a extensão do percurso de ônibus até a comunidade.

Informações e sugestões para esta coluna enviar para joaoevangelista@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários