COMEÇOU A MARATONA 2006

0

O governador João Alves Filho fez uma analogia interessante na última sexta-feira ao comparar o atual quadro político com uma maratona olímpica. Para João, o bom corredor de maratona não se preocupa em sair na frente logo no inicio da corrida. Procura, sim, manter o ritmo durante o trajeto para tentar acelerar e vencer os adversários na reta final (numa referência às pesquisas de opinião que o colocam em segundo lugar). Sem dúvida, uma boa comparação com a corrida eleitoral de 2006 que, de forma impressionante, começou com bastante antecedência.

Até agora três maratonistas estão na disputa. Ou, pelo menos, fazem um aquecimento prévio pelo Estado. São eles: o próprio governador João Alves (PFL), o prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT) e o senador Almeida Lima (PSDB) – que não tem nada a perder pois seu mandato de senador vai até 2010. Além deles, até a reta final, devem aparecer outros nomes menos significativos, como é comum em toda maratona. Afinal, quem poderia imaginar uma eleição em Sergipe sem a presença do “competente” Adelmo Macedo?

Mas como em toda maratona, o principio da competição baseia-se no preparo técnico e no fôlego dos participantes. Às vezes, o candidato se prepara com denodo ao longo dos meses, dispõe da técnica, mas, mesmo assim, não tem fôlego suficiente para alcançar a chegada. A idade é um complicador nesses casos. Principalmente, numa maratona política, quando discursos esvaziados e promessas não cumpridas põem por terra toda uma estratégia.

Nessas horas, nem sempre a experiência fala mais alto. Em alguns casos, ela pode até atrapalhar expondo o maratonista a fraturas de difícil cicatrização.

Até o ano que vem, portanto, poderemos ter algumas surpresas. O governador João Alves já anunciou que vai inaugurar 1.790 obras até a reta final. Quatro obras por dia, nesses poucos meses que lhe faltam. Resta apenas saber se essa “quilometragem” será suficiente para torná-lo um vencedor, diante do “pique” de Déda.  

 


 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários