Comunicação técnica, não política

0

 O leitor já conhece o estilo deste jornalista, que por várias vezes manifestou sua posição com relação aos meios de comunicação e determinados “profissionais” da imprensa de Sergipe. Desde o ano passado, quando este espaço publicou o artigo “Imprensa precisa ser desnudada” este jornalista começou a “ganhar” alguns inimigos gratuitos na área. O bom que esses inimigos podem ser contados nos dedos das mãos. A grande maioria dos profissionais da imprensa de Sergipe é séria e merece o respeito da população.

  Mas vamos ao fato: Alguns setores da imprensa criaram um fato por conta de uma reunião realizada pela Secom com todas assessorias governamentais e o debate realizado naquele momento, onde o radialista Marcos Aurélio fez algumas ponderações. A secretária, Eloísa Galdino já deixou claro que em nenhum momento Marcos Aurélio se referiu a alguns colegas sobre “pressão financeira”. Marcos falou em outro contexto, que não será motivo de reflexão deste espaço. Porém, é preciso lembrar que: Eloísa Galdino levou Marcos Aurélio para assumir um trabalho que faltava neste governo, que era a defesa através dos programas de rádio; que ao contrário dos governos de Albano e João Alves, este governo acabou com a política de alimentar os chamados “ratos de rádio”; e que estão querendo transformar o episódio com outra intenção, que é a falta dos chamados “contratos”, prática usada no governo anterior e que toda sociedade sergipana sabe muito bem quais eram os gastos; o leitor pode perguntar: a reunião não era de assessores do governo? Era. Mas têm alguns poucos que até mesmo aproveitam estas reuniões para defender interesses particulares e até das empresas onde trabalham.

  O problema é que passados quase seis meses o governo estadual conseguiu implementar uma nova política de comunicação sem alarde. É uma discussão técnica com os veículos e não política – no caso de veículos comunicação de aliados -, ou do “jeitinho” no caso de alguns “profissionais” que têm empresas pequenas que são utilizadas para “sangrar” os cofres públicos. A verdade é que tem gente com “sede” e “fome” das verbas governamentais. Os colegas da imprensa sabem que tem alguns “profissionais” que se acostumaram (e seus familiares) com um estilo de vida muito diferente da realidade em que vive a maioria esmagadora dos jornalistas e radialistas de Sergipe. Este estilo de vida foi conquistado com o apoio incondicional das verbas governamentais ao longo dos anos.

  Alguns destes “profissionais”  ensaiaram uma tentativa de desgaste do governo e da secretária Eloísa Galdino no início de abril. Mas a tentativa foi frustrada até mesmo porque este espaço se antecipou mostrando alguns fatos que ocorriam nos bastidores. Alguns poucos escrevem a todo o momento que é preciso passar “a borracha” no passado recente. Ou seja, esquecer que eles tinham tentáculos financeiros no governo em troca do uso dos espaços que escrevem. Alguns “profissionais” que se auto-rotulam “paradigmas” na comunicação em Sergipe tentam passar a idéia que nada demais fizeram num passado recente. Que o governo não deve perseguir. É claro que não. E o governo não vem perseguindo os meios de comunicação, vem colocando publicidades  em todos eles. Mas estes profissionais querem o famoso “jeitinho” para suas empresas de “assessoria”. Por isso imploram para passar uma “borracha” no passado e seguir em frente, agora com o novo governo e a manutenção dos tentáculos particulares.

   Ainda bem que o novo governo sabe que as criticas são importantes. E “conquistar” espaços que estão desacreditados em troca de favorecimentos na máquina estatal, não é o melhor caminho. Estas pressões financeiras já foram maior nos primeiros meses do governo e, neste momento, apenas dois ou três profissionais ainda demonstram “desespero” com o fim dos contratos. É melhor assim! Até porque o novo governo não fará como  o anterior que comprava linha editorial e até mesmo espaço em coluna, que se transformou em chapa branca.

   O governo atual inaugurou uma relação respeitosa sem promiscuidade como vinha existindo em vários governos, principalmente com alguns “profissionais” que freqüentavam tanto o Palácio de Despacho que sabia os nomes dos garçons, das recepcionistas e até mesmo chegava ao absurdo de dar opiniões sobre mudanças nas salas e tudo mais.  Essa história de arranjar um “jeitinho” para agradar a “fulano” e “beltrano” é retornar a política dos governos anteriores. É quebrar uma política de ação técnica que vem sendo construída no atual governo.

  Em Sergipe, muitos jogam com o esquecimento da sociedade e da própria imprensa. Até mesmo “profissionais” da comunicação que fizeram um “papelão” no ano passado, usando seus espaços para endeusar o então governo João Alves e não noticiar uma “linha sequer” das mazelas que vinham ocorrendo.  Por este motivo e, como este espaço é contestador e “topa” uma boa briga – principalmente com quem tinha as entranhas há alguns anos, nos contratos da Secom – vem fazer a defesa do radialista Marcos Aurélio, hoje no Governo do Estado, mas que foi um dos perseguidos no ano passado. Certamente num novo governo João Alves, ele – como este jornalista – não teria espaço em nenhum lugar da imprensa de Sergipe para trabalhar. Então, essas “viúvas” dos contratos da Secom precisam entender que a farra dos R$ 30 mil mensais acabou de uma vez e não pedir a “cabeça” de quem tem legitimidade para participar do atual governo.Obs: os contratos e os artigos destes “profissionais” estão aí para quem quiser ler e comprovar…

  

 

Auditoria da Deso: silêncio do governador

De um leitor: “Não há dúvida de que a auditoria da Deso é de fundamental importância para desmascarar, de uma vez por todas, velhos corruptos da política sergipana. A imprensa não pode ficar calada e deve pressionar para que o TCE mude sua postura e permita uma auditoria independente, pois a do próprio TCE, com certeza, não o será. Entretanto, é de se estranhar o silêncio do governador Déda diante desse impasse. Sua administração está praticamente parada, devido justamente a problemas deixados pela gestão anterior, e o mesmo, ao invés de tentar mostrar à sociedade sergipana o caos financeiro que herdou, apresenta uma atitude complacente, de certo modo passiva. Será que o mesmo não tem interesse na revelação dos fatos verdadeiros? Do que ele tem medo? É uma pena perceber que ele e o PT estão, há muito, cedendo aos joguetes e negociatas políticas. Só temos a lastimar!”

 

O que falta para o governador determinar a licitação para auditoria?

Realmente falta ao governador Marcelo Déda determinar a direção da Deso que dê continuidade – ou faça outro processo – licitatório para contratação de uma auditoria externa na empresa. O TC não fará nada. Aliás, o TC tem que pedir uma auditoria externa no próprio órgão, a começar pelos problemas deixados pelo ex-presidente Hildergards Azevedo e as gravações da Operação Navalha.

 

Defesa do uso das quadras de tênis para jovens carentes

Do professor e radialista, Alceu Monteiro, leitor deste espaço: “Tenho acompanhado o caso das quadras de tênis da orla de Atalaia levantado por sua coluna e quero manifestar meu apoio à idéia de criação de uma cooperativa de professores nos moldes publicados anteontem. É bom saber que o governo está preocupado com o assunto. Afinal, o esporte é um importante instrumento de inclusão social, o que justifica uma posição sintonizada com uma firme preocupação com as camadas da população de menor poder aquisitivo”. 

 

Agilidade da Justiça em Brejo Grande

No município de Brejo Grande, a Justiça vem realizando nos últimos meses uma prestação jurisdicional com rapidez e agilidade através do novo juiz da comarca. Faz parte da nova política adotada pelo presidente do TJ, Artêmio Barreto, que deseja uma maior agilidade em todas as comarcas. Inclusive, em Brejo Grande foi aberto um inquérito para investigar irregularidades praticadas por um servidor da Justiça que já saiu de lá e encontra-se em Aracaju. Comprovadas as irregularidades o servidor deve ser demitido do TJ por justa causa.

 

Irmão de Renan recebeu dinheiro da Gautama

Da Folha de São Paulo, no último sábado, 23: “Em relatórios encaminhados ao procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, a Polícia Federal informou que os deputados Paulo Magalhães (DEM-BA), Maurício Quintella (PR-AL) e Olavo Calheiros (PMDB-AL) teriam cobrado R$ 840 mil para intermediar interesses do empreiteiro Zuleido Veras.Veras é o dono da Gautama, empresa por meio da qual funcionou um esquema nacional de fraude a licitações com a conivência de servidores públicos e políticos, segundo investigação da Operação Navalha.Antonio Fernando abriu procedimentos administrativos por meio dos quais os deputados passaram a ser alvo de apuração do Ministério Público.Segundo a PF, dos três, Olavo, irmão de Renan Calheiros, é o que teria recebido a maior quantia: R$ 400 mil, pelo que se descobriu até o momento.Magalhães teria recebido o segundo maior lote de verbas descoberto pela PF até o momento: R$ 320 mil. Sob a orientação de Zuleido, conforme interceptações telefônicas, ele tentou manipular a votação de um processo do TCU  em favor da Gautama.Contra o deputado Maurício Quintella (PR-AL), pesa a acusação de que teria recebido R$ 120 mil para apresentar uma emenda para destinar R$ 10 milhões a um programa de drenagem em Alagoas”.

 

PF ainda acompanha envolvidos na Operação Navalha

Ao contrário que alguns pensam a PF continua investigando vários envolvidos na Operação Navalha. Na semana passada, um agente federal se assustou com um evento realizado por um dos envolvidos onde participaram duas autoridades importantes do Estado: um era representante de um órgão federal em Sergipe e o outro um presidente de um poder. Depois reclamam quando a imprensa divulga o que ocorre. Como bem disse o governador João Alves: “contra fatos, não há argumentos”.

 

Divulgação dos festejos juninos pela TV Sergipe

Em meio às mazelas que aparecem de Sergipe em nível nacional, principalmente a Operação Navalha, uma coisa boa: o trabalho realizado pela TV Sergipe nos festejos juninos que rendeu diversas matérias nacionais. De parabéns a todos que fazem o jornalismo desta emissora. Parabéns também para os organizados do concurso de quadrilhas juninas que foi de um nível excelente. Profissionais como Fernando Petrônio, Dida Araújo e Humberto Alves são competentes e merecem o reconhecimento dos sergipanos.

 

Orlando Andrade já retornou a Canindé

O prefeito de Canindé do São Francisco, Orlando Andrade, deu um susto em seus amigos e assessores. Teve um sério problema de saúde e teve que vir, no sábado para Aracaju onde fez alguns exames e ficou sob observação médica. Ontem, 24, retornou para Canindé. Na sexta-feira, Orlando tinha recebido a visita do governador e toda comitiva que participou dos festejos juninos.

 

 

Alerta de Cristóvam Buarque

Pela TV Senado, uma entrevista onde ele, entre outras coisas, diz que desde o descobrimento do Brasil e até agora vivemos somente preocupados pelos problemas das elites enquanto o povão…E exemplifica com o grande alarde que se deu (aliás, merecido) ao apagão aéreo. Mas nunca ninguém deu atenção. Nem políticos, nem a sociedade, nem a mídia, ao apagão no transporte urbano. Nos abrigos, em todo o país, ninguém tem proteção, nem os ônibus têm horários certos a cumprir. Ninguém se importa quanto tempo o passageiro, geralmente pobre e trabalhador, fica esperando o transporte, quando é roubado e agredido nos pontos e terminais e qual a proteção que tem da chuva ou do sol. Mas nos aeroportos, freqüentados pela classe média e pelos ricos, são bem protegidos pela segurança (ninguém soube de nenhum roubo durante ou antes do apagão).

 

Jornalistas levam excelente imagem dos festejos juninos I

A visita dos jornalistas – Tereza Cruvinel (O Globo), Raimundo Costa (Valor Econômico), Alexandre Lopes (Folha de São Paulo) e Fabiana Leal (Terra) –  foi bastante movimentada. O Governador resolveu visitar vários pontos turísticos da cidade: o Bairro Santos Antônio, o Mercado Municipal, a Ponte do Imperador, a Catedral. Na visita ao mercado, os jornalistas aproveitaram para experimentar os beijus, enquanto Marcelo Déda conversava com as vendedoras, respondia a beijos e abraços e ainda ouvia reivindicações sobre o local.

 

Jornalistas levam excelente imagem dos festejos juninos II

Nos restaurantes, a visita mais longa foi a Zé Américo do Campo do Brito, que foi correndo buscar a sanfona para tocar e cantar junto com o Governador Marcelo Déda. Cantaram “peba na pimenta”, que Déda encarregou-se de explicar em detalhes a ironia das letras e o duplo sentido inteligente, e não grosseiro,  do forró nordestino de boa qualidade para os jornalistas.Aliás, esta história do Governador de Sergipe cantar já ganhou as páginas da Internet: está no blog do Galeno, do jornal O Globo: http://oglobo.globo.com/pais/moreno/post.asp?cod_post=62902,

 

 

Leitor cobra sinalizadores de alerta e sonorização

De um leitor sobre as mudanças no trânsito em Aracaju:Li os comentários publicados em sua coluna sobre os pardais e lombadas existentes em Aracaju. Concordo que ninguém deve trafegar com velocidade superior a 60 km/hora nas vias urbanas, principalmente em Aracaju que tem suas ruas projetadas como um tabuleiro de xadrez. Nas avenidas, tipo Beiram Mar, Heráclito Rolemberg, Tancredo Neves e outras, a velocidade deve ser de 80km/h. Soube que instalaram pardais até em rodovia federal!. Mas, daí, ouvir do Dr. Antônio Samarone e do Dr. Edvaldo NogUeira que a intenção deles é diminuir os acidentes, soa como uma cínica declaração que somos estúpidos idiotas. Se vocês tivessem mesmo a intenção de diminuir os acidentes, antes da cada pardal ou lombada, seriam instaladas sinalizações de alerta, sonorização vertical e horizontal. Por favor, somos impotentes contra vocês, agora, mas, em outubro do próximo ano, pode ter a certeza que saberemos multá-los sem a necessidade da instalação de pardais e lombadas”.

 

Frase do Dia

  “O homem nasce bom, a sociedade é que o corrompe” Rousseau.

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários