CONCORRÊNCIA OU CRIATIVIDADE?

0

 

 

Ainda na linha de que “todos podem”, artigo aqui publicado no mês passado, ouso dizer que quem tem competência não teme concorrência.

Mesmo porque, equivocadamente, vige em nosso meio o infiel princípio da competitividade desleal, ou seja, só interessa a vitória, só vale a pena competir para ganhar. Ficar em segundo lugar, para nós, é desonra: ser vice não é nada. Não é considerado o esforço, a boa vontade, o interesse…  Não está em primeiro? Lamento. Você não é nada.  Vencer, portanto, ao que parece, justifica qualquer coisa.

Sem dúvidas, este sistema nos legou e, suspeita-se que continuará, ainda por muito tempo, legando grandes “vitórias”. Temos que aceitar esta realidade, mas a que preço?

No entanto, repito, seria impossível imaginar um Brasil sem os seus embates competitivos, sem os considerados concorrentes sem as “vitórias” havidas, e, sobretudo, sem os vencedores.

Acredita-se também ser um princípio de que não se pode abrir mão: competir, concorrer honestamente, faz parte do gênero humano. Inclusive viver é competir a todo o momento com a vida, com o tempo e com a morte.

Todavia, para que exista um vencedor, para que se chegue a uma vitória, se faz necessário também que haja um ou vários perdedores, uma ou várias derrotas.  É aí, que este sistema torna-se, quando injusto, como disse, predatório, posto que as concorrências, a que me refiro, acontecem sempre num ambiente de desigualdade.

É nesse ponto que me afoito a afirmar ser danosa a concorrência desleal, pois que os meios usados para vencer nem sempre são os mais aceitáveis, desandando miseravelmente para uma prática que, cá entre nós, denominamos de “dar um jeito”, “jeitinho” ou, pior ainda, “jeitinho brasileiro”, grande mancha para todo o nosso gentílico, contribuindo para um indesejado descrédito.

Tentaram até suavizar esta cultura do “jeitinho” com a criação do “slogan”, “ mais vale competir do que vencer”. Balela, pois cá entre nós o que importa mesmo é a vitória. Todos nós sabemos. Somos extremamente pragmáticos: ganhou, ganhou, parabéns; perdeu, lamento. Aqui só conta medalha de ouro… Mas, cá pra nós, o ideal mesmo seria ganhar sem trapacear, ou até mesmo sem competir, sem ultrapassar ninguém, sem tomar do outro; ganhar sem ter que concorrer, vencer, sem ter que combater, conseguir sem que o outro perca… Isso, sem dúvidas, representa o maior sonho de todos nós.

Porém, isso é utopia. E é? Não sei. E, é possível ganhar sem competir? É possível vencer sem uma disputa? Quero dizer que sim: com competição honesta, disputa honrada. Daquela em que o vencido cumprimenta o vencedor e a ele se alia. Mas, competir assim dá uma trabalheira, exige estratégia, preparação, exercício e requer tantos sacrifícios, que o melhor mesmo, para alguns, é o engodo, a trapaça, o ardil, a maracutaia, o “jeitinho”.E há como se fugir da porta estreita da competição? Há, sim. O mais interessante é que essa fórmula só nós humanos detemos. É uma atividade que só pode ser exercida por gente. Não adianta querermos fazer isso através dos irracionais ou das máquinas. Refiro-me à criatividade. Criar, só nós seres racionais criamos. Máquinas não criam, animais não criam… Só nós criamos. Só nós temos idéias. E na criação não competimos, não tomamos de ninguém. Olhe aí em sua volta, neste instante, e observe: tudo o que você pode ver, sentir, pegar e usar, foi um dia criado por alguém. Tudo foi antes uma IDÉIA que se materializou graças à criatividade de uma ou várias pessoas em sintonia. A idéia, como as criações, frutos destas idéias são infinitas. Não teve início nem terá fim. Pois bem. Sinto que a criação, contrariamente da competição será, um dia, o parâmetro pelo qual diferenciaremos pessoas, povos e nações. Nós temos que passar da mente competitiva para a mente criativa, já disse Wallace D. Wattles, escritor e filosofo americano, há mais de um século, quando, em 1910, escreveu o livro, o qual indico: “A Ciência de Ficar Rico”.

A mente competitiva foca o que está posto, já criado. A mente criadora, por sua vez, foca o que pode ser feito para suprir uma necessidade. Talvez vocês já tenham escutado, porém, vou repetir aqui aquele lema dos grandes criadores, empreendedores, geradores de desenvolvimento: “encontre uma necessidade e supra-a”.

Ou, como disse Adélia Prado, citada pelo mestre Rubem Alves: “não quero faca nem queijo: eu quero é fome”.

Quem tem a fome vai à busca da faca e do queijo, concluo. Utopias? Sim. Mas utopias necessárias para gerar em nós reflexões rumo à criatividade e à vitória sem, contudo, termos que gerar no outro o desconforto de uma competição predatória. Boa sorte e fiquem com Deus.

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais