Conflito de estilos

0

O que não falta são argumentos para justificar a derrota do governador reeleito Marcelo Déda (PT) em Aracaju. A melhor explicação, contudo, é do próprio. O petista já disse que se existe um responsável pela votação na capital este é ele. Como a sua vitória no interior também ficou abaixo das expectativas, talvez o conflito de estilos tenha sido o grande problema da ampla coligação governista. O governador não é de sentar com lideranças municipais, visitá-las de quanto em vez e receber os aliados em Palácio. Isso o dificulta a ouvir e o deixa carente de interlocutores. Portanto, longe do povo. Diferente dele, Valadares (PSB), Eduardo Amorim (PSC), Jackson Barreto (PMDB), Pastor Heleno, Ulices Andrade (PDT) e vários outros, são de escola diferente. Gostam do contato permanente com o eleitor, da galinha de caipira para trocar idéias, perguntar se ‘a quadra de esportes está pronta’ e se ‘a comadre melhorou’. A estes, convenhamos, é difícil convencer seu ‘Santinho’, lá em Carira, a votar em Déda. “Ou doutor, e eu vou votar em quem nunca bateu em minha porta nem pra pedir um copo d’água?”. Na campanha, os aliados do petista devem ter ouvido isso muito. O governador está errado? Isto não é erro, é o estilo dele. Contudo, por este raciocínio, conclui-se que para continuar liderando as raposas políticas que o apóiam, o petista precisa mudar o comportamento e deixar de confundir palanque com altar, até porque política não é lugar pra santo.

Vitória de Pirro

Turista que visita Sergipe e ver os outdoors espalhados em Aracaju pelo ex-governador João Alves Filho (DEM) pensa que ele venceu fácil as eleições para o governo. Na peça publicitária o demista agradece aos aracajuanos pelos votos e anuncia que vai continuar trabalhando pela capital. Tudo bem que João foi mais votado do que Marcelo Déda (PT) em Aracaju, mas perdeu a eleição no 1º turno. Aliás, esta é a segunda vez que o ex-governador apanha do ‘menino’, como ele costuma chamar Déda

Ataque ao mosquito

Prefeito Edvaldo Nogueira (PC do B) apresentou ontem resultados positivos no combate à dengue em Aracaju e anunciou uma campanha intensa para 2011. A maior
preocupação da Secretaria Municipal da Saúde hoje é com o vírus DENV-4, que não circulava há 28 anos e reapareceu em Roraima. Em Aracaju, apesar da redução drástica nos casos, nove bairros correm risco muito alto com a dengue: Coroa do Meio, Siqueira Campos, Cirurgia, Getúlio Vargas, 18 do Forte, Palestina, Santo Antônio, Industrial e Cidade Nova. “

Novo conselheiro

O deputado estadual Ulices Andrade (PDT) já é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. O decreto nomeando o pedetista para o cargo foi assinado ontem pelo governador Marcelo Déda (PT). Durante o ato no Palácio dos Despachos, o governador afirmou que o novo conselheiro é um político conhecido em Sergipe. “Oriundo do sertão, leal às tradições de sua gente, Ulices construiu um perfil na vida pública e privada de um homem disposto, corajoso, leal, honrado, capaz de empenhar a sua palavra e de cumprir os seus compromissos”, disse Déda. Ulices deve tomar posse no dia 3 próximo.

Justa homenagem

Autoridades, intelectuais e familiares comemoraram ontem o centenário do ex-governador Luiz Garcia. A solenidade aconteceu no hall do Palácio-Museu Olímpio, centro de Aracaju. Em 1958, Garcia foi eleito governador, sucedendo Leandro Maciel. Realizou uma administração de inovações e empreendimentos, que compreendeu a criação da Estação Rodoviária Luiz Garcia, do Hotel Pálace de Aracaju, do Centro de Reabilitação Ninota Garcia, a estação de passageiros do Aeroporto Santa Maria, o Museu Histórico de Sergipe, em São Cristóvão e a criação da Faculdade de Medicina.

Fogo amigo

Com certos aliados que tem, é bom o governador Marcelo Déda (PT) crescer a barba para colocá-la de molho. Quer um exemplo? Ontem o radialista e suplente de deputado estadual Gilmar Carvalho abriu os microfones da FM Ilha para o senador Almeida Lima (PMDB) criticar o governo estadual e a Prefeitura de Aracaju. Pior é que a emissora pertence ao presidente do PSC, que vem a ser irmão do senador eleito Eduardo Amorim. Aqui pra nós, quem tem aliados como estes não precisa de adversários.

Falta prefeito

O completo abandono em que se encontra a Atalaia Nova é a prova inconteste de como a Barra dos Coqueiros é pessimamente administrada. A Praça Luiz Gonzaga, em frente ao desativado terminal hidroviário, está cheia de mato e até ‘degolaram’ a cabeça do busto em homenagem ao Rei do Baião. O prédio do terminal, pertencente ao Estado, virou esconderijo para marginais, enquanto os moradores da Atalaia Nova reclamam de uma escola para seus filhos. Aquela pequena praça é o triste retrato de como a Prefeitura da Barra e o governo do Estado tratam o patrimônio público.

Justifique-se

E aí, não votou no 1º turno nem justificou sua ausência em um dos postos de Justificativa Eleitoral? Pois você tem 60 dias, a contas do último dia 3, para apresentar seu Requerimento de Justificativa Eleitoral. O documento deverá ser dirigido ao juiz da zona eleitoral onde o eleitor é inscrito, pessoalmente ou pelos Correios. O acolhimento ou não das alegações apresentadas ficará sempre a critério do juiz da zona eleitoral em que o eleitor estiver inscrito. Vale lembrar que o voto no 2º turno é obrigatório e que não votar vai precisar se justificar à Justiça Eleitoral.

Volta Motinha!

Goleado ontem pelo Ceará, o Clube Sportivo Sergipe caiu fora da Copa Nordeste 2011. O time rubro vive a pior crise de sua história. Tudo bem que o ex-presidente Motinha é o maior responsável pela situação vexatória do clube, mas os novos dirigentes não estão fazendo nadica de nada para tirar o Sergipe do fundo do poço. Já está na hora de os torcedores rubros começarem a pedir a volta de Motinha. A torcida do Confiança ficaria super agradecida se isso acontecesse.

Do baú político

A exemplo do resto do Brasil, Aracaju ficou de pernas para o ar no dia 24 de agosto de 1954, quando o presidente Getúlio Vargas tirou a própria vida com um tiro no peito. Ao ouvir a carta testamento deixada pelo suicida, o povo foi às ruas protestar, de forma violenta, contra aqueles que faziam oposição ao chamado ‘presidente dos pobres’. Um dos alvos foi a rádio Liberdade, pertencente ao udenista Albino Silva da Fonseca. Ele, juntamente com os filhos e empregados se trancaram lá dentro. Desesperado, o radialista Silva Lima pedia socorro pelo microfone: “Clemência governador, clemência”, gritava o homem do ‘Informativo Cinzano’ na esperança de ser atendido pelo governador Arnaldo Garcez (PSD). A ajuda não chegou. Antes que a porta da rádio fosse arrombada pela turba enfurecida, o policial civil Alemão, que era compadre de Albino e também estava trancado na emissora, resolveu a parada ao seu modo: sacou a metralhadora e começou a atirar contra a porta, ferindo algumas pessoas e afugentando as demais. O ato tresloucado de Alemão evitou um provável linchamento.

Resumo dos Jornais

http://clipping.radiobras.gov.br/clipping/novo/Construtor.php?Opcao=Sinopses&Tarefa=Exibir

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais