Controlando o verbo

0

A Câmara Municipal de Aracaju deve criar nos próximos dias uma comissão de ética para controlar os exageros proferidos no plenário pelos parlamentares. A iniciativa é do vereador Valdir Santos (PT do B), cansado de assistir colegas batendo boca no pior baixo nível. O presidente da Casa, Vinicius Porto (DEM), aprovou a idéia e promete aprovar a comissão ainda esta semana. Ele acredita que a medida funcionará como um cabresto na boca dos vereadores mais falastrões e que confundem o Legislativo com a casa da mãe Joana, onde tudo é permitido, inclusive chamar o colega de filho da outra.

Subteto

A Associação Comercial e Empresarial de Sergipe (Acese) iniciou uma campanha para aumentar o valor do subteto do Simples Estadual, que hoje é R$ 1,8 milhão. O presidente da entidade, Alexandre Porto, já pediu audiência ao governador Jackson Barreto (PMDB) para solicitar que ele autorize o reajuste do subteto estadual para R$ 3,6 milhões.

Pesquisa

O prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), segue liderando todas as pesquisas para o governo de Sergipe. Consulta divulgada hoje pelo semanário Cinform mostra o demista com 28,25% das preferências, sendo seguido pelo senador Eduardo Amorim (PSC), com 18,75%. O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) tem 11,5% e o governador Jackson Barreto (PMB) aparece com 10,33%. Os indecisos são 5,67%. É importante ressaltar, que Valadares já disse não ser candidato e que apoia Jackson. Outra falha da consulta é a omissão de Vera Lúcia (PSTU). Na disputa para a Prefeitura de Aracaju ela teve mais de 6% dos votos. A pesquisa foi feita em 25 municípios

Caia fora

Quem puder deve evitar as agências bancárias nesta segunda-feira. É que, com o fim da greve de 23 dias, o movimento nos bancos deve ser dos maiores, pois muita gente está cheia de pendências para resolver. A paralisação só continua no Banco do Nordeste. Os demais bancos fecharam no final da semana passada o acordo salarial com os bancários.

Dinheirama

Veja o que publica o caderno Mercado do Jornal da Cidade: Caso a Prefeitura de Aracaju transfira mesmo a folha de pessoal para outra instituição financeira, o Banese vai ter que se rebolar para receber R$ 40 milhões que tem nas mãos dos servidores municipais. A presidente do banco, Vera Lúcia Oliveira, revelou que essa dinheirama toda é resultado de empréstimos pessoais, crédito salário e cheque especial. Segundo ela, se o Banese não receber por bem, recorrerá aos meios legais.

Resistência

Diretórios do PT e do PSB em quatro estados resistem a romper as alianças regionais entre as siglas, apesar do racha nacional provocado pela pré-candidatura a presidente do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). O jornal Estadão publica que em Sergipe PT e PSB integram o mesmo grupo há mais de uma década e desejam manter a aliança, apoiando a candidatura a governador do vice Jackson Barreto (PMDB).

Patinhas

O governador Jackson Barreto (PMDB) costuma chamar a presidente do Banese, Vera Lúcia, de Mamãe Patinhas, numa referência ao sovina Tio Patinhas, personagem de Walter Disney. E o peemedebista tem lá suas razões: em 2012, os pedidos de patrocínios feitos ao banco somaram R$ 31 milhões, mas Veja Lúcia só autorizou R$ 12 milhões.

Violência

O exercício da profissão de jornalista no Brasil não tem sido nada fácil. Relatório de Liberdade de Imprensa da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) mostra que 2013 já pode ser considerado um dos anos mais violentos para a imprensa. O estudo revela que cinco jornalistas foram mortos este ano, além de outros 136 casos de violência a comunicadores, um aumento de 166% ante 2012.

Potássio

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, estará em Sergipe no próximo dia 23. Vem anunciar o apoio do governo federal ao projeto que a Vale executará no estado visando extrair potássio através da carnalita. A previsão da mineradora, que investirá 4 bilhões de dólares, é iniciar a produção até 2017, fato que compensará o cancelamento de um projeto de mineração na Argentina e depósitos brasileiros praticamente esgotados.

Do baú político

Com a eleição de Gilvan Rocha (MDB) em 1974, todos os três senadores de Sergipe eram médicos, um caso inédito na história política do estado. Os outros dois eram os arenistas Augusto Franco e Lourival Baptista, eleitos em 1970. Dos três, apenas o emedebista exercia a Medicina sendo, inclusive, professor da Universidade Federal de Sergipe. Augusto Franco dedicava-se à política e as suas várias empresas, enquanto Lourival, que veio da Bahia para São Cristóvão trabalhar como médico em uma fábrica de Augusto, já havia deixado a profissão de lado há muito tempo. Contam, inclusive, que ao visitá-lo certa noite, um jornalista amigo de Lourival disse-lhe que estava com um mal estar causado, provavelmente, por uma comida gordurosa. Sem pestanejar, o senador muniu-se de uma caneta e um pedaço de papel e clinicou um medicamento. Ao chegar à farmácia, o ‘paciente’ ficou sabendo que o remédio ministrado por Lourival não era fabricado há mais de 20 anos. Após rir muito da situação, o jornalista comprou um envelope de Sonrisal.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais