CONVITES E SUCESSÃO

0

A insistente divulgação da possibilidade do prefeito de Aracaju, Marcelo Déda, ocupar um cargo na equipe ministerial do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, feita por parlamentares e através da imprensa, mexeu com o projeto político das oposições em Sergipe, em relação à sucessão. Ontem, quando se imaginou certo que o prefeito Marcelo Déda assumiria o Ministério de Articulação Política, substituindo ao deputado Aldo Rebelo, do PCdoB, a sucessão estadual  serviu de comentários, inclusive prevendo nome que poderia suceder a Déda. Um ilustre membro do PSB, em conversa informal, confidenciou que o prefeito, em caso de assumir o Ministério, teria preferência pelo presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra (PT), com quem Déda assumiu compromisso de tê-lo como seu companheiro de chapa majoritária, disputando o Senado Federal.

 

Nessa mesma conversa se refez a esperança do senador Antônio Carlos Valadares (PSB) ser o candidato ao governo do estado. Aliás, essa era a vontade de boa parte de membros do partido e de um grupo de prefeitos do interior. Um dos membros do partido socialista lembrou que o senador Valadares tem compromissos fechados com o prefeito Marcelo Déda, para apoiar sua candidatura ao governo do estado. Isso vai ser feito, porque o senador sempre cumpre com o que assume. Entretanto, segundo a mesma fonte, não há nenhuma razão para apoiar outro nome do Partido dos Trabalhadores, diferentemente do prefeito. No calor da conversa, um dos aliados do senador foi objetivo: “podem tirar o cavalinho da chuva, que Valadares não deixará de ficar com o PT e manterá o seu bom relacionamento com Marcelo Déda”.

 

Não demorou muito a vir essa constatação. Ontem mesmo, durante entrevista a uma rádio em Brasília, o senador Antônio Carlos Valadares fez um apelo ao prefeito Marcelo Déda, para que não aceitasse um cargo no Planalto, porque teria de cumprir o seu período de mandato em Aracaju, para se desincompatibilizar em abril e disputar o governo do estado. Com isso pôs em terra toda a expectativa que se criou, de que se Déda fosse para Brasília, atendendo a uma convocação do presidente Lula, o senador seria o eventual candidato ao governo, com o apoio do Partido dos Trabalhadores. Esse fato de contar com o PT para uma eleição majoritária desanima um outro filiado do PSB: “não há forma dos petistas apoiarem uma candidatura ao governo, que não seja de um dos seus militantes”. Isso é verdade e justo, porque desde as eleições de 2002 que o Partido dos Trabalhadores se credenciou para a disputa majoritária de 2006.

 

Independente dessas especulações que mexeram com parte da base de apoio ao prefeito de Aracaju, não se tem dúvida que todo esse episódio que agita o país e atinge diretamente o Partido dos Trabalhadores, o processo sucessório sofre alguma alteração para rever posições, embora nada atinja o prefeito de Aracaju, Marcelo Déda. Tanto que aconteceu uma frieza momentânea na euforia, porque há necessidade de análises para evitar que os fatos que incomodam o PT em Brasília se espalhem por todo o país. É verdade que há preocupação de alguns setores petistas em relação às novas composições, porque o presidente Lula está fazendo uma reformulação política, que pode mexer com todos os estados, como é o caso do PMDB, que de repente pode estar à disposição para as bases estaduais, caso se feche na cabeça. Paralelamente, outros partidos que estão no bloco, podem ser incômodos para a continuidade do entendimento no Estado.

 

De qualquer forma há necessidade de mais cuidado, de rever euforias, até de refazer projetos, para que se tente alguma coisa. O momento é delicado, a população está surpresa e abatida, o que vai exigir muito esforço para modificar essa fotografia exposta a nível nacional, que, de alguma forma, compromete o passado de luta e seriedade de um partido que lutou bravamente contra tudo isso que o envolve hoje.

 

 

ARTICULAÇÃO

O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT) negou ontem qualquer possibilidade de ocupar uma função no governo, mas afirmou que Lula deve “deflagrar” uma reforma ministerial já. Marcelo Déda acha que “é hora de desenhar um novo modelo de gestão e um novo modelo de articulação política”.

 

MODELO

O prefeito Marcelo Déda defendeu esse novo modelo de articulação, e indicou que dificilmente o presidente Lula extinguirá a pasta da Coordenação Política. “Vai ter um ministro encarregado de fazer a operação da articulação política”, disse Déda que ontem era o principal cotado para ocupar a Articulação Política o Governo.

 

COM LULA

Marcelo Déda teve demorada reunião ontem com o presidente Lula no Palácio do Planalto e com o ministro Jaques Wágner, do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

Foi nessa reunia que o presidente fez o convite a Déda para ocupar a Articulação. Antes Déda era cotado para a Casa Civil, em lugar de José Dirceu.

 

CASEIRA

Déda confirmou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve buscar uma solução caseira para substituir Aldo Rebelo no ministério da Coordenação Política. “O presidente vai encontrar (a solução) aqui dentro (Palácio do Planalto). Essa é a tendência”, disse Déda.

 

DUTRA

Segundo comentários que surgiram ontem em Aracaju, se Marcelo Déda aceitasse a Articulação Política, indicaria José Eduardo Dutra para disputar o Governo. Um membro do PSB disse que se isso acontecesse o candidato poderia ser o senador Valadares, que tem compromisso de apoio apenas a Marcelo Déda.

 

FICA, DÉDA.

O senador Valadares (PSB) defendeu, ontem, durante o programa Fala Brasília (TV Record), a permanência do prefeito de Aracaju, Marcelo Déda, no cargo. “Ele é um político preparado para o exercício de qualquer função. Mas acho que precisa terminar a gestão que iniciou. Mesmo que assuma algum cargo em Brasília, teria que retornar em abril para sua candidatura ao governo”, declarou o senador.

 

BENEDITO

O presidente regional do PMDB, Benedito Figueiredo, disse ontem que está apenas acompanhando o noticiário de que seu partido terá maior orça no Governo. Benedito defende que o partido deve ir todo para a composição e não apenas a parte que já está lá.

 

MOVIMENTO

O governador João Alves Filho está começando a atuar politicamente, inclusive cm viagens diárias ao interior do Estado. Num entrevista anunciou a conclusão das obras da ponte Aracaju à Barra e aconselhou a quem disse que atravessaria a nado se a ponte fosse concluída, que  começasse a treinar.

 

ELEIÇÃO

O presidente regional do PMN, Nelson Araújo, acha que a eleição do próximo ano vai “banir os corruptos da vida pública”. Discorda que será um pleito muito mais cara: “será uma eleição mais honesta e menos vinculada ao dinheiro”, previu.

 

LIBERAL

O deputado Mardoqueu Bodano (PL) lamentou a possível ida de Albano Franco seu partido, com o objetivo de tomar o partido das mãos do pastor Heleno Silva. Bodano lembrou que o PL cresceu no estado graças à ação e ao trabalho desenvolvido por Heleno Silva, presidente do partido em Sergipe, e por seus militantes.

 

EDUCAÇÃO

A bancada de Sergipe e alguns prefeitos de cidades do interior estiveram ontem com o ministro da Educação, Tarso Genro. O objetivo foi pedir a inclusão de Sergipe no plano de expansão da Universidade Federal. Sergipe ficou de fora.

 

REVISÃO

Um militante petista em Sergipe, que pediu para não se identificar, acha que o partido deve rever sua base de apoio no estado. Diz que caso apareça algum nome de parlamentares da coligação, o partido deve ser excluído do bloco para não prejudicar o partido.

 

INTEGRANTES

O mesmo petista admite que toda esse lamaçal que atinge o partido foi provocado por uma abertura de coalizão, sem que fizesse uma seleção criteriosa. Diz que vai levantar isso dentro do Diretório Estadual nas próximas reuniões, com o objetivo de alertar sobre o perigo dos apoios que vem mantendo.

 

Notas

 

QUENTÃO

O deputado João Fontes (PDT) disse que o presidente Lula não chorou ao ouvir do deputado Roberto Jefferson (PTB) a história do mensalão. Acrescentou que “José Dirceu disse a vida toda que não fazia nada sem que o presidente Lula soubesse, porque por ele tenho uma fé canina”. Jefferson nesse ponto mentiu. Para João, as lágrimas que caíram dos olhos de Lula não foram de comoção. O Brasil sabe que depois das 18h, no Planalto, implanta-se a república dos copos, em que os olhos marejam, não pelo mensalão, mas pelo quentão.

 

GUERRA

Sobre o ex-ministro José Dirceu, o deputado João Fones disse que ele saiu do Planalto e vem para a planície de modo diferente, com a acusação a um governo em que a corrupção se tornou metástase, ao se alastrar em várias ações do poder, até chegar ao flagrante da propina nos Correios e Telégrafos. “Esta Casa precisa extirpar os 300 picaretas que Lula dizia haver no Congresso Nacional, a quem lamentavelmente se aliou para implantar matéria e voar contra o povo brasileiro”, disse João em seu discurso de ontem.

 

REFINARIA

Foi cancelada a reunião da bancada do nordeste que se encontraria hoje com o presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra. A pauta seria para tratar do projeto para instalação de uma refinaria binacional no Nordeste, resultante de acordo entre a Petrobras e a estatal de petróleo venezuelana PDVSA. O investimento, estimado em quase 2 bilhões de dólares (quase R$ 4,8 bilhões), é disputado por Pernambuco (com maior chance), Ceará, Sergipe e Maranhão.Ainda não foi definida uma nova data para a reunião.

 

É Fogo

 

A pose do novo desembargador Luiz Mendonça foi antecipada para o dia 27, às 15 horas, no Tribunal de Justiça.

 

O deputado estadual Ulices Andrade (PSDB) é o novo líder da bancada da oposição a Assembléia Legislativa.

 

A liderança de oposição estava vaga desde quando o deputado Belivaldo Chagas (PSB) assumiu a Secretaria de Assuntos Parlamentares da Prefeitura.

 

O ex-prefeito de Barra dos Coqueiros, Gilson dos Anjos (PSDB), pode ser aproveitado pelo governador João Alves Filho em sua assessoria.

 

O PV poderá ter um forte candidato à Assembléia Legislativa. Trata-se do ex-prefeito de São Cristóvão, Armando Batalha, que deixou o PSDB.

 

O líder do Governo, Venâncio Fonseca (PP) elogiou a rapidez com que o deputado Jorge Araújo (PSDB) conseguiu tirar o quorum para evitar aprovação de um projeto do governo.

 

Jorge Araújo pediu a verificação de quorum e solicitou que os deputados Mardoqueu Bodano (PL) e Ana Lúcia (PT) se retirassem do plenário.

 

A sede do PSDB em Sergipe foi arrombada por marginais. Ela está localizada na rua Maruim e não tinha muita coisa para levar.

 

O ministro do STF Carlos Britto proferiu palestra, sexta-feira passada, na Escola Superior do Ministério Público, em Brasília.

 

Os sorteios de jogos das Loterias da Caixa estão sendo realizados em Aracaju. O caminhão da Sorte vai ficar em Sergipe até o último sorteio de sábado.

 

Os trabalhadores têm até o dia 30 para sacar o abono Pis-Pasep, correspondente a um salário mínimo.

 

A TAP anunciou o fim das negociações com a Varig, mas admite que pretende uma parceria profunda com a empresa aérea brasileira.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários