Corrida de rua: uma questão de valor

0

Não é nenhuma novidade que a corrida de rua é o esporte do momento. Em todos os lugares e horários é possível ver uma pessoa correndo pelas ruas da cidade. É prazeroso, contagiante e faz muito bem à saúde. Correr, no entanto, não é apenas treinar. Os eventos acabam se tornando um catalisador para manter a motivação.

É viciante participar de provas, cruzar a linha de chegada e conquistar uma medalha. Se ainda não fez isso, aconselho tentar ao menos uma vez. O clima de festa, alegria e euforia antes, durante e depois de um evento dessa natureza é a poesia dos milagres; faz qualquer um se sentir um verdadeiro atleta de ponta. É um esporte individual com características coletivas devido ao alto grau de sociabilidade.

Paralelamente ao aumento do número de corredores, também houve uma ampliação do mercado. Das assessorias esportivas, passando pelas lojas e grupos em rede sociais, chegando aos eventos em si, o consumo da “corrida de rua” foi amplificado. É um fenômeno mundial. Estima-se que somente no Brasil são 4 milhões de corredores ativos.

Acredito que o ápice do corredor é a participação em uma prova. Os eventos com percursos entre 5 km e 10 km são os mais promovidos. Em Sergipe, por exemplo, a única prova regular, acima dessa quilometragem, é a Corrida Cidade de Aracaju, que acontece anualmente no dia 17 de Março, data do aniversário da capital sergipana.

Com o crescimento do mercado, notavelmente também aumenta a exigência do público. Aqueles mais atentos, antes mesmo de fechar o olho e confirmar presença, procuram saber sobre o kit, a estrutura, a organização e, o mais polêmico de todos os assuntos, o valor da inscrição. O valor irá compensar na participação?

Tem pessoas que não gostam das camisas, das viseiras, das sacolinhas ou de outros acessórios do kit. Essa é uma questão que ainda precisa ser debatida e melhor pensada pelos organizadores. O certo é que não haverá unanimidade para resolver certos gostos pessoais. No entanto, quando o dinheiro entra em jogo o cenário muda.

O valor da inscrição, quando questionado, não é mensurado pela quantidade e qualidade do evento como um todo. Nem sempre o interessado para e pensa na enorme responsabilidade dos organizadores: alimentação, hidratação, kit, equipamento, estrutura, publicidade, material de apoio, serviços de terceiros, premiação, taxas, atendimento médico e dezenas de outras coisas, além do lucro.

É claro que não é fácil organizar uma corrida. Se por um lado o organizador quer promover o evento, do outro o corredor deseja participar com o mínimo de segurança e conforto. Tudo isso gera custo e contrapartida.

Opostos

Particularmente, ao longo de mais de um ano de corrida de rua, posso compartilhar alguma experiência em relação a valores. Completei 33 corridas (faltam 967 antes de morrer), com duas provas de triatlo nesse meio. Fazendo uma conta por alto, colocando R$ 70,00 como média, eu tive um custo de R$ 2.310; quase o valor de três salários mínimos.

É bom deixar claro que foi uma opção pessoal. Ninguém me forçou a nada e eu selecionei a dedo todas essas corridas. Para tanto avaliei, antes de tudo, o preço da inscrição. Pra ser sincero, penso que não será possível manter esse ritmo. Estou buscando ser mais criterioso em cada participação.

Mas vejamos. O valor que coloquei foi apenas uma média. Não vou citar os nomes das corridas, mas posso apontar disparidades. Em Maceió, fiz a inscrição em uma corrida no valor de R$ 50,00. Para minha surpresa e espanto, a camisa do kit estava sendo vendida por R$ 150,00 nas principais lojas de artigos esportivos. Obviamente foi uma corrida patrocinada.

Também tive a experiência de uma corrida em Nossa Senhora do Socorro. Inscrição com preço razoável, kit descartável e péssima organização. Paguei para correr entre carros, ônibus, motos e caminhões. Foi horrível. Essa está fora da lista.
É justamente esse ponto: o que é um valor justo? É aquele que oferece um kit bacana? É aquele que oferece uma boa infraestrutura? Ou os dois? Ou nenhum? É claro que é preciso avaliar muita coisa para chegar a uma conclusão.

Corrida de rua não é receita de bolo, onde é possível saber a quantidade exata de gastos e cobrar sempre o mesmo valor. Tampouco é bolsa de valores onde as ações sobem e descem a cada segundo. Corrida de rua é esporte e precisa ser valorizado como tal.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários