CRISART Bonecaria

0

O projeto Bonecos Amigos da “CrisArt Bonecaria”, idealizado pela pesquisadora e Educadora Cris Souza, tem como finalidade atender uma demanda que, de fato, clama por amor, atenção e doação. Estou falando da situação por que passam as crianças internadas, para tratamento, no setor de Oncologia do HUSE, ou de qualquer outro nosocômio. Devo registrar, que não me refiro a situação das instalações, graças a Deus são muito boas e agora leva o nome da benemérita Tia Rute. Estes anjos, vitimados por esta maldade da natureza, ainda em tenra idade, bem merecem muito mais do que nós possamos dar e fazer. Na verdade, somente Deus, pelas bondosas e abençoadas mãos dos nossos operadores da saúde podem, realmente, amainar sofrimentos através do alívio e da cura. Mas, Cris Souza, sendo também mãe, avó, professora, educadora e uma apaixonada pela criança e pela vida, já desenvolvia um bom trabalho fazendo visitas aquelas crianças levando-lhes o lenitivo da conversa e da contação de histórias. Todavia, chegou um momento em que ela achou necessário fazer algo mais, no sentido de minimizar a fadiga e o mal-estar daquelas inocentes criaturinhas de Deus que passavam e passam, tão cedo na vida, por esta provação. Diante desta indagação, feita a ela própria, concluiu que, e se ela levasse uma pequena lembrancinha para deixar, de forma permanente um registro de sua passagem por lá? E, mais ainda, se esta lembrancinha fosse algo lúdico e que ficasse como companhia daquele/as anjos que tanto e tão tristemente sofrem? Foi aí que ela recordou que era artesã por profissão e, que esporadicamente dava aulas de produção de bonecas e bichinhos de pano. Então, por que não produzir e presentear a cada criança com uma bonequinha, bonequinho, ou um bichinho de pano? Acreditou ela que assim as crianças entretidas esquecessem que estavam distantes do seu habitat natural: seu quartinho, sua família, seus amiguinhos, seus bichos de estimação, suas bonecas, seus carrinhos, seus brinquedos. Enfim, acreditou que tornaria aquele espaço de hospital mais humanizado e identificado com um mundo mais lúdico da criança, trazendo assim uma mensagem de esperança para a superação da solidão, do medo, da agonia e das naturais inseguranças. E, com certeza, influenciaria na recuperação. A ideia foi posta em ação e, de imediato, observado os resultados, fazendo nascer naquele ambiente de tristeza, sorrisos, alegrias e emoções boas e, isso, sabemos, é impagável. A ideia seguiu um exitoso caminho com visíveis resultados, mas, chegou um momento em que o soldo de professora se demonstrou insuficiente para custear, sozinha, o projeto que só crescia, isso a levou-a oferecer, a venda, aos amigos as ditas bonequinhas, bichinhos e enfeites de pano, para angariar recurso e comprar material para a produção em maior quantidade. Ela explicou que muito tem se emocionado com a franqueza das crianças, – claro, disso todos sabemos, criança não mente, não engana, não finge: gostou, diz que gostou e, se não gostou diz da mesma forma que não gostou – ela disse que quase sempre as crianças querem escolher, elas mesmas a bonequinha ou outro brinquedo que têm direito de receber, além de que, supreendentemente, se preocupam em pedir mais uma para levar para a irmã, para a coleguinha de quarto que, no momento não está presente ou amiguinhas de escola. Emocionada, ela conclui que este projeto, criado na intenção de tornar mais humana uma situação de difícil aceitação, tornou-a, ela própria, mais humana e agradecida a Deus pela oportunidade de poder fazer a diferença.

Comentários