Cuba: qual o caminho a seguir?

0

        Já foram iniciados, em Cuba, debates sobre as deficiências e problemas desse pequeno país -ilha, que não poucos. A ditadura comandada por Fidel Castro, não soube administrar bem o país em todos setores, exceção das áreas de educação, saúde e práticas dos esportes.Todo dinheiro foi empregado nisso, desde a revolução de 1959, recebida com tantas esperanças pela juventude de vanguarda de toda a América Latina.  Fidel se acomodou com o recebimento de ajudas substanciais da antiga União Soviética, que praticamente bancou a existência e sobrevivência de Cuba, protegendo-o dos ataques dos Estados Unidos. Petróleo e dinheiro, técnicos e assistência foi dada de presente ao Governo cubano, que não soube aproveitar todo esse tempo para criar uma economia autônoma, imaginar formas de desenvolvimento e tudo o mais.

    A ditadura permaneceu endurecendo e Cuba continuou plantando cana e recebendo ajudas da URSS e a solidariedade de todos os povos. E agora está numa situação de pobreza e ainda com os Estados Unidos nos calcanhares. O que será de Cuba, agora, que o seu líder máximo e carismático Fidel, está no fim da vida,doente e sem perspectivas?

   No comando do Governo, permanece agora seu irmão Raul Castro, que sem alardes, mas parece que com determinação, abriu a censura e nos jornais, reuniões e assembléias do Partido e fora dele, a discussão sobre o futuro de Cuba já começou, denunciando-se males e cobrando-se um novo futuro. Emperra tudo isso a existência de um só partido, o comunista e tantas outras coisas, a exemplo dos rancorosos dirigentes do passado.

    Será que isso prosseguirá e dará tempo de Cuba dar uma virada, implantando mudanças na economia, abrindo-se a capitais de outros países inclusive dos Estados Unidos, driblando o odioso Bush? Que bom seria que a pequena Ilha do Caribe encontrasse de imediato seu caminho de desenvolvimento, como a China encontrou, sem ter que se dobrar aos colonizadores norte-americanos, que a transformariam novamente num cassino para os ricaços e ponto de encontro para negócios escusos? Lembram-se ainda que os refugiados cubanos que vivem nos States, em grande parte é composta de traficantes, aventureiros, ladrões e toda uma escumalha de gente que ou fugiu para lá ou o próprio Fidel mandou para se ver livre dos mesmos e perturbar o sossego  do Império.

  Já pensou se abrir a porteira para todos sem discriminação e escolha? Será uma zorra para Cuba!   Os problemas de Cuba são maiores do que se pensa, em geral. Mas que bom, a coluna volta a repetir, se os cubanos pudessem resolver todos os problemas sem abri-se para a invasão dos norte-americanos, especialmente na era Bush, preservando o que tem de bom nas áreas da educação, saúde e esportes.

 

Ainda sobre o concurso da PM

Está claro que neste episódio da PM foram sucessivas falhas, desde a não prorrogação do concurso, até o comando da PM, batendo cabeça e fazendo tanta trapalhada que levou o governador a anuncia no dia 29 de agosto que iria convocar 500 excedentes. Estes excedentes têm toda razão de procurarem seus direitos, de cobrarem pela imprensa e tudo mais. Aliás, os excedentes sabem que desde o início do ano este espaço foi uma trincheira em defesa da convocação deles. Vários e-mails foram e continuarão sendo publicados, com repúdios, desabafos e tudo mais, desde que não atinjam a honra e a dignidade de qualquer autoridade.

 

Não repetir o erro: Administração fará o novo concurso

Ao ler uma matéria da Agência do Governo do Estado de que a Secretaria da Administração fará o novo concurso da PM este jornalista foi buscar mais detalhes com relação ao concurso realizado anteriormente. Descobriu algo interessante. Não se sabe por qual motivo, mas o governo passado passou toda “a bola” do concurso para a PM. A PM foi a responsável pela contratação de uma empresa, pela convocação, admissão e tudo mais. Os editais eram publicados nos boletins ostensivos da PM. Ou seja, essa confusão toda sobre a data do concurso começou porque a PM foi a responsável por algo que não deveria. A PM é para fazer segurança. E o Governo do Estado tem a Secretaria de Administração, que tem competência para realizar os concursos, como são realizados em todo país. Este dado é apenas para reflexão e de nada isenta o atual governo da responsabilidade pelo caos criado. É preciso não repetir o erro para que o novo concurso não seja tão frágil como foi o primeiro.

 

Projetos de Sergipe apresentados para investidores norte-americanos

Os secretários Nilson Lima (Fazenda) e Jorge Santana (Desenvolvimento Econômico) passaram a semana nos Estados Unidos. Em Washington o secretário Jorge Santana participou do Brazil Northeast Leadership Forum, evento apoiado pelo governo Federal que teve como objetivo expor projetos dos Estados do Nordeste para investidores e empresas americanas. Na quinta-feira foram apresentados projetos de todos os governos do Nordeste, agrupados nas seguintes áreas: infra-estrutura estratégica, transporte e logística, óleo e gás, saneamento básico, energia, transporte de massa, clusters industriais e turismo. De Sergipe foram apresentados os projetos:revitalização da bacia do Rio Sergipe e Sergipe Digital. David Wood, da empresa inglesa Merchant Energy, apresentou o projeto de construção de uma refinaria de petróleo em Sergipe, atendendo convite do governo do Estado.  Na sexta-feira foram realizadas reuniões privadas de investidores com os representantes dos Estados, para análise e detalhamento de oportunidades de parcerias. Foram agendadas e realizadas, com David Wood, várias reuniões, algumas delas com potencial de oportunidades no médio prazo.

 

Sobre a ponte Aracaju/Barra

Ainda sobre a polêmica da ponte Aracaju/Barra e o grande número de acidentes, o secretário da Infra-Estrutura Oswaldo Nascimento informou que a ponte foi entregue sem nenhuma sinalização que realmente alertasse o motorista para reduzir a velocidade. Ele informou que está sendo colocada de imediato no trecho mais perigoso que é da curva da Barra para Aracaju a sinalização nos próximos dias, inclusive estudasse a possibilidade de colocar um letreiro luminoso. O interessante é que o limite de 40 quilômetros no trecho da curva da ponte Barra/Aracaju é realmente o ideal. Quem entra a 60 quilômetros naquele trecho, mesmo sem ter bebido nada passa por dificuldades no volante. O problema maior é que o brasileiro não está acostumado a respeitar os limites de velocidade.

 

Mutirão de limpeza das praias

A Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA) convida a todos para participar do mutirão de limpeza das praias neste domingo, dia 30, às 8 horas, na praia do Robalo (em frente ao Bar Brother). A ação, que tem o apoio da PMA por meio da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) e da Secretaria Municipal de Comunicação Social (Secom), é uma realização da Frente em Defesa das Águas de Sergipe e faz parte do encerramento da semana de limpeza de praias, rios e manguezais. No domingo, toda a praia – desde a Coroa do Meio até o Mosqueiro – pretende reunir 1.500 voluntários. Além disso, serão distribuídos folhetos informativos para sensibilizar os aracajuanos da importância de manter limpos os rios e praias e da preservação das águas. A campanha segue a programação do Dia Mundial de Limpeza de Rios e Praias, realizado em 100 países.

 

Sobre o trânsito próximo ao Hospital Cirurgia

Da assessoria de comunicação do Hospital de Cirurgia: “Lemos à nota publicada em sua coluna na sexta-feira, dia 28, e queremos esclarecer os seguintes pontos: cremos que as escolas citadas são Amadeus e

Salesiano, mas estas estão localizadas em pontos opostos ao do hospital. Se transferirmos os ônibus para a rua Dom Bosco, o congestionamento seria ainda maior, pois esta via é ainda mais apertada. Temos a consciência que, por se tratar do maior hospital geral do Estado, as imediações do Cirurgia neste horário ficam com trânsito intenso devido a táxis e veículos que trazem os pacientes do interior do Estado, sendo os ônibus de uso exclusivo para os funcionários da casa e permanecem parados em três momentos do dia, apenas para embarque e desembarque destes”. A coluna levantou a questão no intuito de buscar uma solução para o problema. Com certeza a direção do hospital sabe qual é a solução mais correta.

 

Para descontrair: babado forte

O poeta Araripe Coutinho é mesmo candidato a vereador pelo PSDB. Em uma semana o ex-deputado federal João Fontes pediu a Albano Franco para liberá-lo para ingressar no seu partido, o vereador Fábio Henrique ligou pedindo para Araripe ingressar no PDT e o PTB também fez convite formal ao poeta. Coisa vai ser quando a campanha for para rua com o instigante slogan “vota,vota, vota toda…a sua ira contra a corrupção, o preconceito, a fome”. Araripe Coutinho acredita que leva mais 3 vereadores com ele. 

 

Especial: Debate sobre o Cenam

O artigo publicado na última sexta-feira, 28, suscitou a participação de vários leitores, autoridades e políticos sobre os problemas que hoje existem no Cenam de Sergipe. A coluna abre o debate e publica grande parte dos e-mails recebidos com formas diferentes de analisar o problema.  Deste debate pode-se tirar algo de proveitoso para o caminho a seguir. A seguir os e-mails.

 

 

Proposta de reestruturação do Cenam

Da vereadora Rosangela Santana: “Que o CENAM (Centro de Atendimento ao Menor) é uma instituição eivada de problemas, ultrapassada na sua concepção MENOR, inadequada para o acolhimento de adolescentes, e que o DESIPE não é órgão credenciado para a sua gerência, todo mundo já sabe. Principalmente os meninos e meninas que lá se encontram. Não é mais novidade. O século XXI não será o século da invenção da roda. Tá na hora dos gestores daquela instituição apresentarem a sociedade sergipana um projeto de reestruração daquele Centro. mesmo que para isso, sem demérito, copie experiências exitosas com a do NAI, Núcleo de Atendimento Integrado – Centro de Acolhimento para Adolescentes autores de atos infracionais da cidade São Carlos/SP.Qual é a dificuldade de levar o Projovem (programa do governo federal para elevação de escolaridade e semiprofissionalização para jovens de 15 a 29 anos) fazendo imediatamente uma conexão com educação daquela juventude? Isso pode ser feito a custo zero para o estado, considerando que o programa já está implantado e que beneficiará o jovem e sua família com a bolsa de R$ 100,00. Já passou da hora de colocar em prática as garantias dos direitos”.

 

Desipe trouxe tranqüilidade para o Cenam

Do leitor e agente de segurança Washington Barreto: “Com relação ao CENAM, pelo visto, nenhum de vocês sabe da realidade que é trabalhar lá. A realidade é que lá é um centro que abriga jovens delinqüentes que matam de verdade e ameaçam de verdade a todos os agentes de segurança. Não respeitam normas e não adianta de nada as medidas sócio-educativas que vêm sendo aplicadas a eles. Eles só pensam em fugir, fugir e fugir, nem que para isso custe a vida de um agente de segurança. A chegada do DESIPE ao contrário do que muitos pensam trouxe foi tranqüilidade para todos os agentes de segurança (e conseqüentemente para todos os funcionários que lá trabalham) e impediu durante mais de 100 dias a eclosão de fugas. Com a especulação da saída do DESIPE, aí sim foi que eles começaram a se mobilizar para tentar fugir. Só quem convive diariamente com eles é que sabe a realidade. Eles próprio dizem que não querem saber de atividades sócio-educativas por mais que elas sejam aplicadas (e o eram sim a todo momento com a DESIPE lá) . Dizem que é tudo balela e que entra por um ouvido e sai pelo outro. Dizem que querem mesmo é estar em casa com as companheiras e fumar maconha o dia todo. Não se entra numa ala daquela sem procedimentos de segurança não pessoal ! É arriscar a própria vida, pois com a reforma das unidades dentre as quais o levantamento de muros e colocação de “concertinas ” eles só vão conseguir fugir é fazendo alguém de refém com facas no pescoço. Vocês não têm idéia do que seja isso não ! Sou agente de segurança do CENAM e sofro ameaças todos os dias, e dizem que na próxima tentativa vão é me “furar”. Vocês têm idéia do que seja isso? E de trabalhar com o auxílio das próprias mãos contra facas, barras de ferro, vergalhões afiados utilizados pelos menores? Quando da realização do concurso eu sabia que iria lidar com jovens infratores sim, mas não que eu iria arriscar minha própria vida. Repito: o DESIPE trouxe foi disciplina aos jovens e melhor forma de trabalho para nós agentes de segurança para sim aplicar as medidas sócio-educativas “pelas técnicas na área”. Não sou técnico, sou agente de segurança (não educador social) e minhas atribuições são outras . É só ver no edital do concurso. Clamo pela permanência do DESIPE nas unidades. Quero ver se vai ser preciso um agente de segurança morrer para que se tomem as providências. A própria legislação penal concede a todos a legitima defesa e a legítima defesa de outrem, e eu não vou morrer para que sejam tomadas as providências. Realmente vê-se que não se sabe ao certo da realidade do CENAM, só mesmo quem está em contato direto com eles. Convido a qualquer um a ser agente de segurança de lá por um dia para ver se tem coragem. É um absurdo dizer bobagens sem conhecer a realidade. O próprio René Descartes já dizia que é preciso vivenciar a experiência para conhecer a realidade”.

 

Adolescentes: Debate de concepção

Do leitor e presidente do Conselho Estadual da Criança e do Adolescente – CEDCA, Thiago Oliveira:

“Desde o início deste ano as unidades de medida socioeducativas estão pautadas na mídia e na capa de nossos jornais. O que ocorreu quarta-feira foi o estopim do caos já anunciado à sociedade sergipana pelo Fórum DCA, pela OAB/SE pelo Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente. Percebo que nesta discussão existe um debate de concepção: aqueles que acreditam que os jovens são monstros e irrecuperáveis de um lado e, do outro, aqueles que acreditam no poder da educação e da transformação do ser humano através de uma construção dialógica de emancipação.Pois bem, todos sabem que me encontro entre os que acreditam no processo educativo como a mola propulsora das mudanças pessoais e sociais. Por isso, peço licença ao socioeducador, equivocadamente denominado pela Lei Estadual de “agente de segurança” para sem delongas efetuar alguns questionamentos: se o DESIPE é tão eficaz, qual o motivo para tantas fugas e rebeliões? Se o DESIPE é tão eficiente assim, como os adolescentes conseguem os instrumentos cortantes, facas barras de ferro para ameaçar os socioeducadores? Se o DESIPE esta resolvendo a situação, e ainda temos ausência de medidas socioeducativas, fugas, rebeliões, jovens levam tiro, socioeducadores são feridos! então acho sou eu que não entendo qual é o problema!!!! IMAGINE ENTÃO QUANDO TIVERMOS PROBLEMAS! Muito me estranha o fato do socioeducador afirmar que as medidas socioeducativas estão acontecendo, peço que o mesmo descreva pelo menos 03 (três) atividades socioeducativas que rotineiramente acontecem. Olhe que aceito até almoçar no refeitório como sendo uma delas.Isso é apenas um comentário para apimentar o debate.

Vale frisar, que existem socioeducadores que não compartilham desses pensamentos”.

 

Impunidade demasiada e da inversão dos valores sociais

Do leitor Fábio José Valença Cardoso, policial e ex- agente penitenciário:  “Atualmente sou Policial Militar e fui durante quase 03 anos agente do Sistema Penitenciário de Sergipe, além de cursar pedagogia na UFS e tenho uma visão diferente no que diz respeito ao tratamento dado aos internos do sistema penitenciário e aos infratores do CENAM. Não discordo de que algo estar errado no CENAM, mas digo com toda convicção que o erro não é do DESIPE e muito menos dos jovens de dezoito anos que hoje trabalham lá, pois a violência que hoje se alastra no país é fruto da impunidade demasiada e da inversão de valores sociais.  Fica cada vez mais difícil se aplicar a lei no Brasil, pois as leis existentes hoje não acompanham os clamores da sociedade moderna e muito menos os apenados no Brasil, porém não devemos nesse caso penalizar o trabalhador carcerário brasileiro por uma culpa que não é sua e muito menos crucificá-los. Sabemos que hoje a formação familiar que sempre foi a base de formação da sociedade e da família não é mais a mesma, como já disse, eu era agente penitenciário e muitas vezes presenciei pais de famílias levarem drogas e armas para seus filhos, irmãos, pais, etc, ou até mesmo já iniciar os próprios filhos recém nascidos no mundo da criminalidade ao incentivar os adolescentes a adentrarem as unidades carcerários com drogas e armas. Lembro aqui que uma certa vez a Polícia Federal prendeu em flagrante delito uma senhora com uma criança recém nascida com a frauda cheia de maconha ao adentrar o COPEMCAN. Como policial militar já presenciei pais de famílias se apossarem de bens roubados, receptá-los e até se alimentar com dinheiro do mundo do crime, e ainda afirmar que o filho é estudante e que irá nos processar. Observei no dia da rebelião do CENAM uma senhora em clamores afirmando que na próxima os adolescentes internados devem matar diversos funcionários. Lembro aqui, que ainda quando adolescente minha mão sempre dizia que um professor era igual a um pai e que deveria sempre obedecê-los, caso contrário seria castigado, mas hoje vemos o contrário, colégios sendo fechados, professores espancados e roubados, alunos sendo obrigado a mudar de escolas, o poder público sendo obrigado a criar uma companhia de segurança escolar para garantir a continuidade das aulas.  Sobre a ressocialização e a ociosidade hoje existente no sistema penitenciário e no CENAM tenho o seguinte ponto de vista: É impossível ressocializar um cidadão que talvez nunca tenha sido ressocializado quando era ainda um adolescente; É impossível ressocializar um detento em uma unidade prisional onde não há profissionais especializados em estudos criminológicos para poder separar os internos por crime (detentos com crime de menor potencial dos de alta periculosidade), por pena (atualmente temos detentos provisórios junto com os condenados) ou até por aspecto físico, pois muitos pioram lá dentro por não terem massa corpórea pra se impor (neste caso servem de “mulas”, “laranjas” e “canetas”); É impossível ressocializar um detento com uma justiça morosa para os pobres e eficiente para os que tem dinheiro; É impossível ressocializar um detento com projetos de ressocialização demagógicos e com o intuito de apenas receber verbas públicas, pois os projetos existentes hoje em unidades carcerárias são os de: fábrica de bolas, marcenaria,etc. Sendo que, quando o detento sair da cadeia irá trabalhar fazendo bola onde? Será marceneiro onde? É impossível ressocializar um detento com cursos de alfabetização e supletivos dentro de unidades carcerárias onde tem por objetivo apenas para a formação em nível fundamental e médio, todavia estes cursos ainda são necessários; É impossível ressocializar um detento apenas no papel, como por exemplo: os governantes dizem que é possível o reingresso de um ex-detento ao convívio social e que empresas devem contratá-los sem objeção nenhuma, isso para as empresas privadas, porém, todo concurso público exige folhas de antecedentes criminais, ou melhor, o aprovado no concurso não deve ter sua ficha criminal suja; É impossível ressocializar um detento onde dentro da própria estrutura ressocializadora há disputa política entre funcionários, e o CENAM é o atual exemplo com a divisão de idéias entre agentes do DESIPE,os agentes sócio-educadores, assistentes sociais, etc; Dentre várias outras situações”.

 

Convocação de mais agentes

Do leitor Lucas Oliveira: “Concordo quando o senhor diz que a problemática do CENAM é falta de capacitação e inexperiência por parte dos agentes concursados, mas não é só isso, na época que foi feito o estudo pela PGE e o MPE  para verificar a quantidade de vagas, foi sugerido que fosse realizado um concurso para 200 vagas e o que aconteceu que o concurso foi realizado com apenas 100 vagas, o que falta no CENAM é pessoal, é gente pra trabalhar!, por isso que pra tapar o buraco deixado pela saída dos terceirizados e entrada dos agentes concursados foram requisitados a SEJUC a ida de aproximadamente 25 agentes penitenciários, sendo que essa medida foi duramente criticada pelo presidente do SINDSEJES pois se trata de desvio de função, o MPE caio em cima e solicitou a saída imediata desses agentes, com a saída destes ocorreram mais fugas, porque o quadro de pessoal atual não preenche todas as necessidades da instituição, o problema principal do CENAM é a falta de pessoal, o governo se fosse coerente deveria convocar os excedentes visto que o concurso é válido até dezembro de 2008. Inclusive o presidente do Sindicato dos agentes do CENAM elaborou um relatório dizendo tudo isso que eu citei a cima, falta ao governo vontade de convocar e quem paga o preço por isso são os menores sempre espancados e sem uma rotina pedagógica definida, os agentes que não dão conta do grande número de menores reclusos e trabalham estressados, a sociedade que com a fuga desses menores vive em meio a violência e o estado que tem sua imagem abalada com as constantes fugas e cenas de espancamento e maus tratos nas páginas de jornais e TV, Déda precisa acordar está uma das principais feridas do estado. se ele convocou 108 professores pq não convoca mais 60 agentes que é o número de excedentes do concurso”.

 

 

Frase do Dia

“Ninguém faz história à frente de seu tempo”. Che Guevara.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários