Cultura e história na Ribeira, em Natal (RN)

0

Quem caminha pelas ruas estreitas e com pouco movimento da Ribeira, como a Chile, a Frei Miguelinho e a Doutor Barata, não tem ideia do que elas representaram nas décadas de 30 e 40 do século passado. O comércio era atrativo e a sede do governo conferia uma atmosfera de poder a localidade. As avenidas Duque de Caxias e Tavares de Lyra, largas e arborizadas, já traziam a nova tendência urbanística da cidade. As praças José da Penha e Augusto Severo complementavam o roteiro de charme. A modernização chegou e se une ao Patrimônio Histórico.

 

É lá onde fica o Teatro Alberto Maranhão, um dos prédios mais belos da capital potiguar, que teve sua construção iniciada em 1898 em estilo art-nouveau, bem como, o Centro Cultural Casa da Ribeira, o Museu de Cultura Popular Djalma Maranhão e as casas de personagens importantes do bairro, como a do ex-presidente Café Filho, a do poeta Ferreira Itajubá e a do médico Januário Cicco.

 

A pacata Ribeira, cujo nome retrata sua posição de parte da margem direita do rio Potengi, acompanhava atenta o crescimento da cidade Natal, que havia sido fundada 340 anos passados. Nos 300 primeiros anos era só uma vila. Só no início do século XX é que começou a tomar ares de bairro em desenvolvimento.

 

Na Ribeira, Natal se depara com um pouco da história da Segunda Guerra Mundial, quando o Grande Hotel hospedou importantes personagens, como os soldados americanos, que deram um ar internacional ao bairro. O inglês, depois do português, passou a ser o idioma mais falado nos bares, restaurantes, boates e no comércio local. A Ribeira virou point noturno. As maiores festas aconteciam num clube na praça Augusto Severo, mais conhecido como USO (United States Organization).

 

Com os seus casarões preservados, o bairro é a memória viva de uma cidade que teve importante papel como base aérea dos aliados. Em 1940, as paredes dos velhos casarões residenciais e dos prédios que abrigavam repartições do Governo começaram a ouvir um segredo: os americanos estavam interessados em instalar uma base militar em Natal. No início era um boato, mas a dúvida acabou quando chegaram as primeiras e pequenas missões.

 

Os americanos, porém, nutriam um interesse especial por Natal antes mesmo da década de 40. Tanto é que os altos comandos do Exército e da Marinha já tinham escolhido a cidade como ponto estratégico para a defesa do continente sul-americano. Eles também chegaram à conclusão que, por ser o ponto mais próximo da África, era fundamental na defesa do Canal do Panamá, bem como, dos Estados Unidos.

 

Antes da guerra, toda a vida econômica, social e política de Natal girava em torno da Ribeira. As ruas e novas avenidas, ladeadas por sobrados e casarões, serviam de residências para as famílias tradicionais. O cais do porto, a estação ferroviária e órgãos do governo reforçavam a importância do bairro, que também foi obrigado a conviver com os bordéis de prostituição, que faziam a alegria das noites natalenses.

 

É lá onde se tem a lembrança mais próxima do início do século passado, com seus casarões marcados pela influência das linhas inspiradas em Lisboa. Nenhum edifício, contudo, foi projetado por arquitetos famosos, de qualquer sorte, vale uma caminhada pelas ruas do bairro, onde se destacam os casarios que resistem ao tempo, como o Teatro Alberto Maranhão e o antigo Palácio do Governo.

 

O bairro resguarda toda essa história em seus seculares casarões. Há um charme especial e, paulatinamente, vai se transformando em bairro nobre de Natal, com a chegada de arranha-céus, como o Mirante João Olímpio Filho.

 

Hoje ganha ares modernos com a revitalização de alguns deles e a instalação de edifícios e prédios de classe média alta, porém, ao caminhar pelas ruas arborizadas, senti-se o charme da época e a “Velha Ribeira de Guerra” desenha sua importância para o crescimento de Natal.

 

 

Dicas de Viagem

 

A rua do Chile reserva bares e restaurantes e há bons hotéis;

 

Vale a pena conhecer também as redondezas do bairro, como as margens do rio Potengi;

 

Se preferir visitar a noite, prefira não trafegar em ruas desertas e com pouca iluminação;

 

Verifique a programação cultural do Centro Cultural Casa da Ribeira no site oficial.

 

Na Bagagem

 

Em homenagem ao Ano da França no Brasil, a vila nordestina instalada na orla de Atalaia terá réplicas de monumentos franceses.

 

Quem for ao Rio de Janeiro nesta temporada do ano, deve visitar a exposição do estilista francês Yves Sant Laurent, no Centro Cultural Banco do Brasil. A entrada é franca.

 

A famosa Festa Literária Internacional de Paraty (RJ) será realizada entre os dias 1º e 5 de julho. Na segunda quinzena deste mês também acontece o Festival de Inverno (FIG) na cidade de Garanhuns (PE).

 

A famosa e movimentada Times Square de Nova York foi transformada em zona exclusiva para pedestres nesta semana. A intenção é diminuir a poluição e facilitar o tráfego de veículos;

 

Passear de bondinho por Santa Teresa (RJ) para depois almoçar num restaurante da redondeza não está com nada. O sucesso é ir à feira do bairro e provar ingredientes brasileiros, escolher a matéria-prima do almoço e subir as ladeiras de Santa para almoçar vendo a cidade do alto. A agência de viagem Curumim tem apostado no novo roteiro.

 

Canindé do São Francisco (SE) tem apostado forte na duplicação da quantidade de turistas nos festejos juninos. Depois da Rota do Sertão, o acesso ficou bem mais agradável.

 

Praia de Atalaia Nova (SE) volta a sofrer com a fúria do mar. A boate e restaurante Green prestes a ser tomada pelas águas. Pirambú e Saco também estão entre as praias em que o mar avança.

 

Museu da Imagem e do Som, localizado no Jardim Europa em São Paulo (SP) é a pedida para quem gosta de aliar a arte e tecnologia.

 

Fotos: Secretaria Municipal de Turismo

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais