DÉDA E A ELEIÇÃO

0

Durante a reunião de líderes de partidos que integram o bloco de oposição no estado, realizada ontem, o prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), fortaleceu o seu desejo de disputar a sucessão estadual em 2006. Déda tem repetido frase do ex-presidente Tancredo Neves, de que “Política é destino”. O prefeito acha que o seu destino político é disputar as eleições do próximo ano. Já disse isso neste espaço, inclusive que não perderia por WO, e também em entrevistas nos rádios, como aconteceu ontem no programa do radialista Gilmar Carvalho. Na reunião de ontem, o senador Antônio Carlos Valadares (PSB), o conselheiro político de Marcelo Déda, manteve o apoio total à candidatura do prefeito na disputa pelo governo do estado, endossando o seu projeto político. O deputado federal Jackson Barreto mantém a posição de sempre, que é enfrentar o governador João Alves Filho com uma oposição organizada.

Ontem à noite, ainda em Aracaju, o deputado federal João Fontes (PDT) fez um apelo ao prefeito Marcelo Déda para que ele repense sua candidatura ao governo do estado: “estou convencido que Déda tem que terminar o seu mandato e nós temos que ajuda-lo”. Segundo João Fontes, o prefeito Marcelo Déda terá que mudar de partido e ser candidato por outra legenda. Lembrou que o atual presidente da sigla, Tarso Genro, declara que terá de refundar o PT. Durante a entrevista que concedeu ontem pela manhã, o prefeito Marcelo Déda teria dito que “o pai não tem culpa quando o filho erra”. Para o parlamentar pedetista, quem “errou não foi nenhum filho – referindo-se ao  PT – mas toda a família, porque essa onda de escândalos foi provocada pela cúpula do partido mais próxima do presidente Lula da Silva”. João Fontes, que foi expulso do PT porque não concordou com a mudança na linha política do partido e votou contra um projeto que prejudicava os trabalhadores, lembrou: “Lula foi o metalúrgico que fundou o PT e é o presidente que afundo o partido”.

Para João Fontes, além de Marcelo Déda ter que fazer uma campanha inteira para tentar explicar esse tumulto petista, dificilmente conseguirá êxito porque “em política valem os fatos e não a versão”. Relatou que teve viajando por várias cidades do interior, acompanhando procissões, e sentiu que as lideranças que antes estavam animadas com a candidatura do prefeito de Aracaju, já não demonstram entusiasmo: “a crise atingiu a todos e é muito difícil convencer que o PT é uma legenda confiável”. Disse que até seus aliados, como o prefeito Tonho de Dorinha, de Poço Verde, já considera que o nome do senador Valadares teria maior aprovação no interior. Caustico, o deputado federal João Fontes lembrou que, dentro de mais alguns meses “Marcelo Déda terá que visitar seus amigos na cadeia, porque foi a cúpula do PT que criou todo esse balcão indecente de negócios”. Lembra que o deputado José Dirceu era o comandante maior do governo e o mentor de todo esse lamaçal que respinga no presidente Lula.

João Fontes sugere que o prefeito Marcelo Déda construa um campo novo para Sergipe, porque dificilmente ela cumprirá o seu destino levantando a bandeira do Partido dos Trabalhadores. O deputado deixa claro que tem todo respeito pelo prefeito como pessoa e lembra que não faz qualquer restrição ao seu comportamento político, considerando que nada que foi feito pelo partido atinge a Marcelo Déda, mas tem certeza que será muito difícil levar credibilidade partidária a um povo indignado com o que está vendo, lendo e ouvindo: “O PT acabou e quem não está atolado na lama, que é uma boa maioria, tem que partir para outra”.

Além disso, a crise que atinge todo o governo federal impede que a administração ande e desvia a atenção de todos para o que está acontecendo nas barbas de um presidente omisso, que demonstra fragilidade e dificilmente sairá ileso desse episódio trágico. João Fontes conclui que Marcelo Déda deve concluir o seu mandato e montar uma nova força partidária no estado: “só através dessa via é que ele chegará ao seu destino”.

REUNIÃO
A cúpula oposicionista em Sergipe – Marcelo Déda, senador Valadares, Jackson Barreto e Heleno Silva – reuniu-se ontem para avaliar o quadro atual e adotar um posicionamento. O pessoal reconheceu que era notório o crescimento do governador João Alves Filho e que era preciso se trabalhar mais e se articular politicamente.

PREOCUPAÇÃO
O encontro tinha o tom de sigilo, mas vazou a preocupação de setores da oposição em Sergipe com os escândalos que estão ocorrendo em Brasília. O Partido dos Trabalhadores passa por momentos difíceis e perde a credibilidade. Os líderes admitem que é difícil reverter o quadro de frustração da sociedade.

ALMOÇO
O prefeito Marcelo Déda almoçou ontem com vereadores da base aliada, mas não convidou o presidente da Câmara José Ramos da Silva (Zeca), do PSB. Zeca disse que soube do almoço à tarde por colegas e acha que não foi convidado porque tem adotado postura independente na Câmara.

FONTES
O deputado federal João Fontes disse que já era previsível a renuncia de Waldemar Costa Neto (PL), porque o seu nome está incluído na corrupção do mensalão. João acha que José Dirceu, João Paulo e outros também vão renunciar para evitar a cassação. Fontes viaja hoje a Brasília para também interrogar José Dirceu.

PUNIÇÃO
A opinião é de um sergipano importante no país: “É preciso que quem se envolveu com a corrupção seja punido, mas não apenas os bagrinhos”. E continuou: “Os tubarões também devem sofrer punição, porque não poderiam prevaricar. Pelo contrário, deveriam ficar imunes às tentações”.

PERES
A mesma fonte considera o senador Jefferson Perez tem se destacado, porque defende um entendimento para a governabilidade: “não se trata de viabilizar um governo, mas de salvar o país”. Na realidade não dá para colocar o país em risco de convulsão. É preciso que se mantenha a governabilidade, sem perder a credibilidade nas instituições.

DEBATE
O governador João Alves Filho (PFL) falará sobre a transposição das águas do rio São Francisco, dia 11 de agosto, em Brasília. Terá debate com técnicos do projeto, com os ministros Ciro Gomes e Marina Silva e com o governador do Ceará. Esse debate será decisivo par determinar qual será o futuro do rio. 

ALMEIDA
O senador José Almeida Lima (PSDB) retornou, ontem, a Brasília, depois de 50 dias de ausência das atividades parlamentares, provocada por um estresse. Almeida deve ter um encontro com a Direção Nacional do partido, para decidir a posição de Sergipe, que não foi cumprida até hoje.

TEMPO
Almeida Lima acha que o tempo é curto para que o comando do partido passe para ele, mesmo assim considera que dá para organizar o PSDB com o seu pessoal, aliado a outros partidos que defendem uma terceira via.  Almeida considera que, a partir de agora, 10 dias já é tempo excessivo para o cumprimento do acordo.

JACKSON
Um aliado do deputado federal Jackson Barreto (PTB) disse que ele não vai responder nada ao seu colega João Fontes, porque agora a questão deve correr na Justiça.  Jackson concluiu que Fontes quer ser conhecido às suas custas e que não vai servir de trampolim para que ele chegue à popularidade que deseja.

ESPERA
Confirmou, também, que nas eleições de 2004 Jackson Barreto ficou esperando recursos do Diretório Nacional do PTB, para ajudar nas campanhas. Lembrou que isso não ocorreu e atribuiu o fato ao que disse o deputado federal Roberto Jefferson, de ter recebido apenas R$ 4 milhões para a campanha do PTB nos municípios.

FÁBIO
O vereador Fábio Henrique vai permanecer no PDT e deve disputar uma vaga de deputado, embora esteja pensando em vôos mais altos.  Ele desmente convites para ingressar no PSB, embora converse muito com o senador Valadares, que mantém as portas do partido abertas para ele.

WALDOILSON
O novo presidente municipal do PSDB em Aracaju é Waldoilson Santos Leite, eleito domingo durante convenção do partido. Waldoilson foi secretário no Governo Albano Franco. Hoje, Waldoilson é chefe de gabinete do deputado estadual Fabiano Oliveira (PTB), de quem é compadre. A votação aconteceu na sede do partido.

ALBANO
O ex-governador Albano Franco passou duas horas, domingo, na sede do PSDB, conversando com membros do partido e conversando sobre a convenção ocorrer em dois municípios. O PSDB ganhou dois novos prefeitos, o de Canindé de São Francisco e o de Moita Bonita, além da vice-prefeita de Poço Redondo.

ESTUDANTES
Os caras pintadas começam a ir às ruas. Dia 16 de agosto, a UNE e UBES pretendem reunir mais de 10 mil estudantes em Brasília. Os estudantes vão protestar contra a corrupção, mais sem pedir a saída do presidente Lula, como aconteceu com o ex-presidente Collor. O movimento pode se alastrar pelo Brasil.

Notas

RENUNCIA
O presidente da Partido Liberal, Waldemar Costa Neto (PL) renunciou ao mandato ontem, alegando que foi forçado a receber recursos da PT. Em Aracaju, o deputado Heleno Silva (PL) reconheceu que Waldemar “foi homem e assumiu o erro dele, porque isso era uma pressão da bancada liberal”. Heleno considera que seria muito bom que todos os envolvidos fizessem o mesmo e respondessem pelos atos praticados. A renuncia, entretanto, é uma esperteza jurídica, para evitar a cassação e impedir sua candidatura em 2006.

PUNIÇÃO
A Comissão de Finanças e Tributação reúne-se amanhã e deve votar Projeto de Lei, do deputado Ricardo Berzoini (PT-SP) e do ex-deputado Wellington Dias, que pune o banco que atender por mais de 30 minutos. Os bancos deverão manter um sistema de senha para a comprovação do tempo de espera. O usuário terá registrado o horário de entrada no banco e o horário de atendimento. As penalidades previstas são advertência e multa. O relator, deputado Coriolano Sales (PFL-BA), defendeu a aprovação do projeto.

SEGUROS
A Comissão de Defesa do Consumidor poderá votar amanhã o Projeto de Lei, do deputado Enio Bacci (PDT-RS), que fixa prazo para pagamento de indenização das seguradoras. Esse prazo não poderá exceder 10 dias úteis, nos seguros obrigatórios, contados do momento em que ficar apurado o valor da indenização. Nos demais casos, o limite máximo será de 30 dias, contados da data do cumprimento das exigências estabelecidas pela seguradora. Essas cláusulas deverão ser definidas já no fechamento do contrato de seguro.

É fogo

A maioria dos parlamentares retorna hoje a Brasília, com o reinício do segundo semestre legislativo.

A Varig deve retirar mis um dos vôos de Aracaju para outros estados, o que acarretará problemas no turismo. A Sectur está tentando que a empresa mantenha o vôo.

O governador João Alves Filho compareceu, domingo, ao encerramento da Vila do Forró, na praia de Atalaia.

O show de encerramento da Vila do Forró foi até a madrugada de segunda-feira, com a apresentação de bons artistas.

O ex-presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra (PT) está viajando para uns dias de descanso. Quando retornar a Aracaju vai começar a trabalhar sua candidatura.

Luiz Mittidieri pretende retornar à Assembléia Legislativa no próximo ano e já está conversando com lideranças do interior.

O agrônomo Paulo Viana foi reeleito para a presidência do PSB em Sergipe, em convenção realizada na sexta-feira.

Já Antônio Valadares Júnior se manteve como presidente do PSB em Aracaju. Júnior será candidato a deputado estadual.

O deputado federal Bosco Costa (PSDB) avisou que está descartada qualquer aliança com o PT nas próximas eleições.

O deputado Jorge Araújo manifesta preocupação com pedestres que utilizam via de tráfego de trânsito intenso.

A dívida líquida do setor público alcançou R$ 965,988 bilhões em junho, o equivalente a 50,9% do Produto Bruto Interno (PIB).

O índice de inadimplência de consumidores e empresas caiu e junho, aponta pesquisa realizada pelo Serasa.

brayner@infonet.com.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais